Abelsonita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Abelsonita
Abelsonita da formação Green River, Condado de Uintah, Utah, Estados Unidos
Categoria Minerais orgânicos
Classificação Strunz 10.CA.20
Cor Roxo-rosa, roxo escuro acinzentado, roxo avermelhado pálido, marrom avermelhado
Fórmula química C31H32N4Ni[1]
Propriedades cristalográficas
Sistema cristalino Triclínico
Parâmetros da célula a = 8.508 Å, b = 11.185 Å
c=7.299 Å, α = 90.85°
β = 114.1°, γ = 79.99°
Z = 1[1]
Propriedades ópticas
Transparência Semitransparente[1]
Propriedades ópticas biaxial[1]
Fluorescência ultravioleta Não fluorescente[2]
Espectro de absorção Marrom escuro avermelhado ao avermelhado preto[1]
Propriedades físicas
Dureza 2–3
Clivagem Provável em {111}[1]
Fratura Frágil[2]
Referências [3]

Abelsonita é um mineral de níquel porfirina com a fórmula química C31H32N4Ni. Foi descoberto em 1969 em Utah nos Estados Unidos, e descrito em 1975. O mineral recebeu o nome do geoquímico Philip Abelson. É o único conhecido geo porfirina cristalino.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Abelsonita é semitransparente de cor roxo-rosa, roxo escuro acinzentado, roxo avermelhado pálido ou marrom avermelhado.[1][3] O mineral ocorre um ripas ou placas finas ou em pequenos agregados de até 1 cm.[1] O mineral é solúvel em benzeno e acetona e é insolúvel em água, ácido clorídrico diluído, e ácido nítrico diluído.[4]

Ocorrência e formação[editar | editar código-fonte]

O mineral é conhecido apenas a partir da formação Green River.[5] Ficou conhecido da Bacia de Uintah em Utah desde a sua descoberta e na Bacia de Piceance em Colorado desde 1985.[5] Abelsonita ocorre em associação com albita, analcite, dolomita, mica, ortoclase, pirita e quartzo.[1]

Abelsonita é um mineral secundário que se formou em fraturas, vugs e planos de estratificação do xisto betuminoso.[1][5] O mineral provavelmente se formou a partir diagênese de clorofila, provável clorofila a, o qual foi transportado como uma solução aquosa para um ambiente geológico favorável.[5][6]

Em 2003, abelsonita foi totalmente sintetizado pela primeira vez.[7]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Estrutura do abelsonita

Desde 1989, abelsonita é o único a geo porfirino conhecido por ter uma estrutura cristalina.[5][lower-alpha 1] A maioria dos geo porfirinos ocorrem como uma série de homólogos, abrangendo uma grande variedade de números de carbono.[5] A porfirina que inclui a abelsonita é comum, mas geralmente não ocorre isoladamente de outras porfirinas.[8]

O mineral é um deoxophylloerythroetioporphyrin (DPEP), com o níquel ocupando o centro do anel de porfirina. A maior parte do mineral consiste em uma porfirina C31 com pequenas quantidades de um norisomer C30.[9] O mineral cristaliza no sistema cristalino triclínico.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O mineral foi observado pela primeira vez em 1969, em uma amostra de núcleo feita pela Western Oil Shale Corporation no Condado de Uintah em Utah.[10] Foi descrito em 1975 na revista Geological Society of America Abstracts with Programs.[11] O mineral foi nomeado após Philip H. Abelson (1913-2004), um editor de longa data da revista Science,[5] por seu trabalho em geoquímica orgânica.[12]

Exemplares são mantidos no Museu de História Natural de Londres e no Museu Nacional de História Natural, em Washington, D.C.[1]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Medida em que os autores tinham conhecimento.[5]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l Anthony, John W.; Bideaux, Richard A.; Bladh, Kenneth W.; Nichols, Monte C. (eds.). «Abelsonite» (PDF). Handbook of Mineralogy. Chantilly, VA: Mineralogical Society of America 
  2. a b «Abelsonite». Webmineral. Consultado em 9 de outubro de 2014 
  3. a b «Abelsonite». Mindat. Consultado em 9 de outubro de 2014 
  4. Milton et al. 1978, p. 932.
  5. a b c d e f g h Mason, Trudell & Branthaver 1989, p. 585.
  6. Mason, Trudell & Branthaver 1989, p. 594.
  7. Zhang & Lash 2003, p. 7253.
  8. Mason, Trudell & Branthaver 1989, p. 593.
  9. Storm et al. 1984, p. 1075.
  10. Milton et al. 1978, pp. 930–931.
  11. Fleischer, Michael (maio–junho de 1976). «New Mineral Names» (PDF). American Mineralogist. 61 (5–6): 502 
  12. Milton et al. 1978, p. 931.
Bibliografia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Abelsonita