Abertura à experiência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A abertura à experiência é um dos domínios usados para descrever a personalidade humana no Modelo dos Cinco Fatores.[1][2] abertura envolve cinco facetas ou dimensões, incluindo imaginação ativa (fantasia), sensibilidade estética, atenção aos sentimentos internos, preferência pela variedade e curiosidade intelectual.[3] Muitas pesquisas psicométricas demonstraram que essas facetas ou qualidades estão significativamente correlacionadas.[2] Assim, a abertura pode ser vista como um traço de personalidade global que consiste em um conjunto de traços, hábitos e tendências específicos que se agrupam.

A abertura tende a ser normalmente distribuída com um pequeno número de indivíduos com pontuação extremamente alta ou baixa na característica, e a maioria das pessoas com pontuação moderada.[2] Pessoas com baixa abertura são consideradas fechadas para a experiência. Eles tendem a ser convencionais e tradicionais em suas perspectivas e comportamento. Eles preferem rotinas familiares a novas experiências e geralmente têm uma gama mais restrita de interesses. A abertura tem relações positivas moderadas com criatividade, inteligência e conhecimento. A abertura está relacionada ao traço psicológico da absorção, e a absorção semelhante tem uma relação modesta com as diferenças individuais na suscetibilidade hipnótica.

A abertura tem relações mais modestas com aspectos do bem-estar subjetivo do que outros traços de personalidade do Modelo dos Cinco Fatores.[4] Em geral, a abertura parece não ter relação com os sintomas de transtornos mentais.[5]

Medição[editar | editar código-fonte]

A abertura à experiência é geralmente avaliada com medidas de autorrelato, embora também sejam utilizados relatórios de pares e observação de terceiros. As medidas de autorrelato são lexicais[6] ou baseadas em declarações.[7] Qual medida de qualquer tipo é usada é determinada por uma avaliação das propriedades psicométricas e das restrições de tempo e espaço da pesquisa que está sendo realizada.

  • As medidas lexicais usam adjetivos individuais que refletem a abertura para experimentar traços, como criativo, intelectual, artístico, filosófico, profundo . Goldberg (1992) desenvolveu uma medida de 20 palavras como parte de seus marcadores Big Five de 100 palavras.[8] Saucier (1994) desenvolveu uma medida mais curta de 8 palavras como parte de seus minimarcadores de 40 palavras.[9] No entanto, as propriedades psicométricas dos mini-marcadores originais de Saucier foram encontradas abaixo do ideal em amostras fora da América do Norte.[6] Como resultado, uma medida sistematicamente revisada foi desenvolvida para ter melhores propriedades psicométricas, os Mini-Marcadores Internacionais em Inglês.[6] Os minimarcadores internacionais em inglês têm boa validade psicométrica para avaliar a abertura e outras dimensões do modelo de personalidade de cinco fatores, tanto dentro como, principalmente, sem populações americanas. A confiabilidade da consistência interna da medida de abertura é 0,84 para falantes de inglês nativos e não nativos.
  • As medidas de declaração tendem a compreender mais palavras e, portanto, ocupam mais espaço para instrumentos de pesquisa do que as medidas lexicais. Por exemplo, a escala Abertura (intelecto) do Pool de Itens de Personalidade Internacional de Goldberg é de 45 palavras em comparação à escala lexical de Saucier ou Thompson (2008) de 8 palavras para Abertura.[6] Exemplos de itens de medidas de afirmação são o amor por pensar em novas maneiras de fazer as coisas e ter dificuldade em entender idéias abstratas.[7] Dois exemplos de medidas de declaração são o NEO PI-R, baseado no modelo de cinco fatores, e o HEXACO-PI-R, baseado no modelo de personalidade HEXACO.[10] Nestes testes, a abertura à experiência é uma das seis dimensões de personalidade medidas; em ambos os testes, a abertura para a experiência tem várias facetas. O NEO PI-R avalia seis facetas chamadas abertura a idéias, sentimentos, valores, fantasia, estética e ações, respectivamente. O HEXACO-PI-R avalia quatro facetas chamadas curiosidade, criatividade, apreciação estética e não convencional.

Vários estudos descobriram que a abertura à experiência tem dois subcomponentes principais, um relacionado às disposições intelectuais, o outro relacionado aos aspectos experienciais da abertura, como apreciação estética e abertura a experiências sensoriais. Esses subcomponentes foram referidos como intelecto e experimentaram abertura, respectivamente, e têm uma forte correlação positiva (r = 0,55) entre si.[11]

Segundo a pesquisa de Sam Gosling, é possível avaliar a abertura examinando as casas e os espaços de trabalho das pessoas. Indivíduos altamente abertos à experiência tendem a ter decorações distintas e não convencionais. Também é provável que tenham livros sobre uma ampla variedade de tópicos, uma coleção diversificada de músicas e obras de arte em exibição.[12]

Aspectos psicológicos[editar | editar código-fonte]

A abertura à experiência tem componentes motivacionais e estruturais.[13] Pessoas com alta abertura são motivadas a buscar novas experiências e se envolver no auto-exame. Estruturalmente, eles têm um estilo fluido de consciência que lhes permite fazer novas associações entre idéias remotamente conectadas. Pessoas fechadas, por outro lado, se sentem mais à vontade com experiências familiares e tradicionais.

Criatividade[editar | editar código-fonte]

A abertura à experiência se correlaciona com a criatividade, medida por testes de pensamento divergente.[14] A abertura foi associada à criatividade artística e científica, uma vez que artistas profissionais e cientistas obtiveram uma pontuação mais alta em comparação com os membros da população em geral.[15]

Inteligência e conhecimento[editar | editar código-fonte]

A abertura à experiência se correlaciona com a inteligência, com coeficientes de correlação variando de r = 0,30 a r = 0,45.[16] abertura à experiência está moderadamente associada à inteligência cristalizada, mas apenas fracamente à inteligência fluida.[16][17] Um estudo que examinou as facetas da abertura descobriu que as facetas Idéias e Ações tinham correlações positivas modestas com a inteligência fluida (r = 0,20 er = 0,07, respectivamente).[16] Essas habilidades mentais podem surgir com mais facilidade quando as pessoas têm disposição curiosa e estão abertas ao aprendizado. Vários estudos encontraram associações positivas entre abertura à experiência e conhecimentos gerais .[18][19][20][21] Pessoas com alta abertura podem estar mais motivadas a se envolver em atividades intelectuais que aumentam seu conhecimento.[21] abertura à experiência, especialmente a faceta Ideias, está relacionada à necessidade de cognição,[22] uma tendência motivacional para pensar em idéias, examinar informações e gostar de resolver quebra-cabeças e ao envolvimento intelectual típico[23] (uma construção semelhante). necessidade de cognição).[24]

Absorção e hipnotização[editar | editar código-fonte]

A abertura à experiência está fortemente relacionada ao construto psicológico da absorção[25] definido como "uma disposição para ter episódios de 'total' atenção que envolvem totalmente os recursos representacionais (perceptivos i.e., enativos, imaginativos e ideacionais)".[26] O construto de absorção foi desenvolvido para relacionar diferenças individuais na hipnotizabilidade com aspectos mais amplos da personalidade.[25][27] O construto de absorção influenciou o desenvolvimento de Costa e McCrae do conceito de abertura à experiência em seu modelo original de NEO devido ao independência de absorção em relação à extroversão e ao neuroticismo.[25] A abertura de uma pessoa para se absorver em experiências parece exigir uma abertura mais geral a experiências novas e incomuns. A abertura à experiência, como a absorção, tem correlações positivas modestas com diferenças individuais na hipnotização.[27] análise fatorial mostrou que as facetas de fantasia, estética e sentimentos de abertura estão intimamente relacionadas a absorção e prever hipnotizabilidade, enquanto as três facetas restantes de idéias, ações e valores não estão relacionadas a essas construções.[25][27] Esse achado sugere que a abertura à experiência pode ter duas subdimensões distintas, porém relacionadas: uma relacionada a aspectos de atenção e consciência avaliados pelas facetas da fantasia, estética e sentimentos; o outro estava relacionado à curiosidade intelectual e ao liberalismo social / político, avaliado pelas três facetas restantes. No entanto, todos estes têm um tema comum de 'abertura' em algum sentido. Essa visão bidimensional da abertura à experiência é particularmente pertinente à hipnotização. No entanto, ao considerar critérios externos que não sejam hipnotizáveis, é possível que uma estrutura dimensional diferente possa ser aparente; por exemplo, a curiosidade intelectual pode não estar relacionada ao liberalismo social/político em certos contextos.[27]

Relação com outros traços de personalidade[editar | editar código-fonte]

Embora os fatores no modelo Big Five sejam assumidos como independentes, a abertura à experiência e a extroversão avaliadas no NEO-PI-R têm uma correlação positiva substancial.[28] abertura à experiência também tem uma correlação positiva moderada com a busca de sensações, particularmente a faceta de busca de experiências.[29] Apesar disso, argumentou-se que a abertura à experiência ainda é uma dimensão de personalidade independente desses outros traços, porque a maior parte da variação no traço não pode ser explicada por sua sobreposição com esses outros construtos. Um estudo comparando o inventário de temperamento e caráter com o modelo dos cinco fatores descobriu que a abertura à experiência tinha uma correlação positiva substancial com a autotranscendência (uma característica "espiritual") e, em menor grau, a busca por novidades (conceitualmente semelhante à busca por sensações).[30] Também teve uma correlação negativa moderada com a prevenção de danos. O indicador de tipo Myers-Briggs (MBTI) mede a preferência da "intuição", que está relacionada à abertura à experiência.[31] Robert McCrae apontou que a escala de sensação versus intuição do MBTI "contrasta uma preferência pelo factual, simples e convencional com uma preferência pelo possível, complexo e original" e, portanto, é semelhante a medidas de abertura.[32]

Atitudes sociais e políticas[editar | editar código-fonte]

Existem implicações sociais e políticas nesse traço de personalidade. Pessoas altamente abertas à experiência tendem a ser liberais e tolerantes com a diversidade.[33][34] Como conseqüência, eles geralmente são mais abertos a diferentes culturas e estilos de vida. Eles são mais baixos em etnocentrismo, autoritarismo de direita,[35] orientação de domínio social e preconceito.[36] abertura tem uma relação mais forte (negativa) com o autoritarismo de direita do que as outras características do modelo de cinco fatores (a consciência tem uma associação positiva modesta e as outras características têm associações desprezíveis).[36] abertura tem uma associação um pouco menor (negativa) com a orientação de domínio social do que a (baixa) aceitação (as outras características têm associações desprezíveis). A abertura tem uma relação mais forte (negativa) com o preconceito do que as outras características do modelo de cinco fatores (a agradabilidade tem uma associação negativa mais modesta e as outras características têm associações desprezíveis). No entanto, o autoritarismo de direita e a orientação de dominância social são associados mais fortemente (positivamente) ao preconceito do que à abertura ou a qualquer outra característica do modelo de cinco fatores.[36] Pesquisas recentes argumentaram que a relação entre abertura e preconceito pode ser mais complexa, pois o preconceito examinado era preconceito contra grupos não convencionais de baixo status (por exemplo, minorias sexuais e étnicas) e que pessoas com maior abertura ainda podem ser afetadas. intolerante com pessoas com visões de mundo conflitantes.[37]

Em relação ao conservadorismo, estudos descobriram que o conservadorismo cultural estava relacionado à baixa abertura e a todas as suas facetas, mas o conservadorismo econômico não estava relacionado à abertura total, e apenas fracamente negativamente relacionado às facetas Estética e Valores.[38] O preditor de personalidade mais forte do conservadorismo econômico foi a baixa aceitação (r = -23). O conservadorismo econômico baseia-se mais na ideologia, enquanto o conservadorismo cultural parece ser mais psicológico do que ideológico e pode refletir uma preferência por costumes simples, estáveis e familiares.[38]

Bem-estar subjetivo e saúde mental[editar | editar código-fonte]

Verificou-se que a abertura à experiência tem associações modestas, porém significativas, com felicidade, afeto positivo e qualidade de vida e não está relacionada à satisfação com a vida, afeto negativo e afeto geral nas pessoas em geral.[4] Essas relações com aspectos do bem-estar subjetivo tendem a ser mais fracas em comparação com as de outras características do modelo de cinco fatores, ou seja, extroversão, neuroticismo, consciência e agradabilidade. Verificou-se que a abertura à experiência está associada à satisfação com a vida em idosos após o controle de fatores de confusão.[39] abertura geralmente parece não ter relação com a presença de transtornos mentais. Uma meta-análise das relações entre os traços do modelo de cinco fatores e os sintomas de distúrbios psicológicos descobriu que nenhum dos grupos de diagnóstico examinados diferia dos controles saudáveis sobre a abertura à experiência.[5]

Transtornos da personalidade[editar | editar código-fonte]

Pelo menos três aspectos da abertura são relevantes para a compreensão dos distúrbios da personalidade: distorções cognitivas, falta de discernimento e impulsividade. Os problemas relacionados à alta abertura que podem causar problemas com o funcionamento social ou profissional são fantasias excessivas, pensamentos peculiares, identidade difusa, objetivos instáveis e inconformidade com as demandas da sociedade.[40]

A alta abertura é característica do transtorno de personalidade esquizotípico (pensamento estranho e fragmentado), transtorno de personalidade narcísico (autoavaliação excessiva) e transtorno de personalidade paranóica (sensibilidade à hostilidade externa). A falta de percepção (mostra baixa abertura) é característica de todos os transtornos de personalidade e pode explicar a persistência de padrões comportamentais desadaptativos.[41]

Os problemas associados à baixa abertura são dificuldades de adaptação às mudanças, baixa tolerância a diferentes visões de mundo ou estilos de vida, achatamento emocional, alexitimia e uma gama estreita de interesses.[40] rigidez é o aspecto mais óbvio da (baixa) abertura entre os transtornos de personalidade e mostra falta de conhecimento das próprias experiências emocionais. É o mais característico do transtorno obsessivo-compulsivo da personalidade, o oposto conhecido como impulsividade (aqui: um aspecto da abertura que mostra uma tendência a se comportar de maneira incomum ou autística) é característico dos transtornos de personalidade esquizotípicos e limítrofes.[41]

Religiosidade e espiritualidade[editar | editar código-fonte]

A abertura à experiência tem relações mistas com diferentes tipos de religiosidade e espiritualidade.[42] A religiosidade geral tem uma fraca associação com baixa abertura. O fundamentalismo religioso tem uma relação um pouco mais substancial com baixa abertura. Verificou-se que experiências místicas ocasionadas pelo uso de psilocibina aumentam significativamente a abertura (consulte 'Uso de Drogas', abaixo).

Gênero[editar | editar código-fonte]

Um estudo que examinou as diferenças de gênero nos cinco grandes traços de personalidade em 55 países descobriu que entre os países havia diferenças médias desprezíveis entre homens e mulheres na abertura à experiência.[43] Por outro lado, em todas as nações, as mulheres foram significativamente mais altas que os homens em neuroticismo, extroversão, agradabilidade e consciência. Em 8 culturas, os homens foram significativamente maiores do que as mulheres na abertura, mas em 4 culturas as mulheres foram significativamente maiores que os homens. Pesquisas anteriores descobriram que as mulheres tendem a ser mais altas na faceta de sentimentos de abertura, enquanto os homens tendem a ser mais altas na faceta de idéias, embora o estudo de 55 nações não tenha avaliado facetas individuais.[43]

Recordação dos sonhos[editar | editar código-fonte]

Um estudo sobre diferenças individuais na frequência da lembrança dos sonhos descobriu que a abertura à experiência era o único grande traço de personalidade relacionado à lembrança dos sonhos. A frequência de recordação de sonhos também tem sido relacionada a traços de personalidade semelhantes, como absorção e dissociação. A relação entre a lembrança dos sonhos e essas características foi considerada evidência da teoria da continuidade da consciência. Especificamente, as pessoas que têm experiências vívidas e incomuns durante o dia, como as que apresentam alto nível nessas características, tendem a ter um conteúdo de sonho mais memorável e, portanto, uma melhor recordação de sonho.[44]

Sexualidade[editar | editar código-fonte]

A abertura está relacionada a muitos aspectos da sexualidade. Homens e mulheres com alta abertura são mais bem informados sobre sexo, têm uma experiência sexual mais ampla, impulsos sexuais mais fortes e atitudes sexuais mais liberais.[32] Em casais, o nível de abertura das esposas, mas não dos maridos, está relacionado à satisfação sexual. Isso pode acontecer porque as esposas abertas estão mais dispostas a explorar uma variedade de novas experiências sexuais, levando a uma maior satisfação de ambos os cônjuges.[38] Em comparação aos heterossexuais, as pessoas que são homossexuais, assexuais ou bissexuais - particularmente bissexuais - têm média mais alta de abertura.[45]

Genes e fisiologia[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que a abertura à experiência, como as outras características do modelo de cinco fatores, tenha um componente genético. Gêmeos idênticos (que têm o mesmo DNA) apresentam pontuações semelhantes na abertura à experiência, mesmo quando foram adotados em famílias diferentes e criados em ambientes muito diferentes.[46] Um estudo genético com 86 indivíduos encontrou abertura à experiência relacionada ao polimorfismo 5-HTTLPR associado ao gene transportador de serotonina.[47]

Níveis mais altos de abertura têm sido associados à atividade no sistema dopaminérgico ascendente e no córtex pré-frontal dorsolateral . A abertura é o único traço de personalidade que se correlaciona com os testes neuropsicológicos da função cortical pré-frontal dorsolateral, apoiando os vínculos teóricos entre abertura, funcionamento cognitivo e QI.[48]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Um estudo italiano descobriu que as pessoas que viviam nas ilhas Tirreno costumavam ser menos abertas à experiência do que as que viviam no continente vizinho, e que as pessoas cujos ancestrais habitavam as ilhas havia vinte gerações tendiam a ser menos abertas à experiência do que as chegadas mais recentes. Além disso, as pessoas que emigraram das ilhas para o continente tenderam a ser mais abertas à experiência do que as que ficaram nas ilhas e do que as que emigraram para as ilhas.[49]

As pessoas que vivem nas partes leste e oeste dos Estados Unidos tendem a pontuar mais em termos de abertura à experiência do que aquelas que vivem no meio - oeste dos Estados Unidos e no sul dos Estados Unidos . As maiores pontuações médias de abertura são encontradas nos estados de Nova York, Oregon, Massachusetts, Washington e Califórnia. As pontuações médias mais baixas são de Dakota do Norte, Wyoming, Alasca, Alabama e Wisconsin.[50]

Uso de drogas[editar | editar código-fonte]

Os psicólogos no início dos anos 70 usaram o conceito de abertura para experimentar para descrever pessoas com maior probabilidade de usar maconha. A abertura foi definida nesses estudos como alta criatividade, aventureiro, busca de novidades em sensações internas e baixo autoritarismo. Vários estudos correlacionais confirmaram que os jovens que obtêm uma pontuação alta nesse conjunto de características têm maior probabilidade de usar maconha.[51][52] Pesquisas mais recentes replicaram esse achado usando medidas contemporâneas de abertura.[53]

Estudos transculturais descobriram que culturas com alta abertura à experiência têm taxas mais altas de uso do ecstasy, embora um estudo em nível individual na Holanda não tenha encontrado diferenças nos níveis de abertura entre usuários e não usuários.[38] Usuários de ecstasy tendem a ter maior extroversão e menor consciência do que os não usuários.

Um estudo de 2011 constatou que a abertura (e não outras características) aumentou com o uso de psilocibina, um efeito que ocorreu mesmo após 14 meses.[54] O estudo constatou que as diferenças individuais nos níveis de experiência mística ao tomar psilocibina foram correlacionadas com o aumento da abertura. Os participantes que preencheram os critérios para uma 'experiência mística completa'[nota 1] experimentaram um aumento médio significativo na Abertura, enquanto os participantes que não atenderam aos critérios não apresentaram nenhuma alteração média na Abertura. Cinco das seis facetas da Abertura (todas, exceto Ações) mostraram esse padrão de aumento associado a uma experiência mística. Aumentos na abertura (incluindo facetas e pontuação total) entre aqueles que tiveram uma experiência mística completa foram mantidos mais de um ano após o uso do medicamento. Os participantes que tiveram uma experiência mística completa mudaram mais de 4 pontos no T-score entre a linha de base e o acompanhamento. Em comparação, verificou-se que a abertura normalmente diminui com o envelhecimento em 1 ponto T-score por década.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Seis aspectos da experiência mística foram avaliados: unidade, transcendência do tempo e do espaço, inefabilidade e paradoxalidade, sacralidade, qualidade noética e humor positivo. Considerou-se que os participantes tinham uma experiência mística 'completa' se obtiveram 60% ou mais nos seis aspectos.[54]

Referências

  1. «The structure of phenotypic personality traits». American Psychologist. 48. PMID 8427480. doi:10.1037/0003-066X.48.1.26 
  2. a b c «An introduction to the Five-Factor Model and its applications». Journal of Personality. 60. PMID 1635039. doi:10.1111/j.1467-6494.1992.tb00970.x 
  3. Costa, P. T. & McCrae, R. R. (1992). NEO personality Inventory professional manual. Odessa, FL: Psychological Assessment Resources.[falta página]
  4. a b «Refining the relationship between personality and Subjective well-being». Psychological Bulletin. 134. PMID 18193998. doi:10.1037/0033-2909.134.1.138 
  5. a b «The relationship between the five-factor model of personality and symptoms of clinical disorders: a meta-analysis». Journal of Psychopathology and Behavioral Assessment. 27. doi:10.1007/s10862-005-5384-y 
  6. a b c d «Development and Validation of an International English Big-Five Mini-Markers». Personality and Individual Differences. 45. doi:10.1016/j.paid.2008.06.013 
  7. a b «The international personality item pool and the future of public-domain personality measures». Journal of Research in Personality. 40. doi:10.1016/j.jrp.2005.08.007 
  8. «The development of markers for the Big-Five factor structure». Psychological Assessment. 4. doi:10.1037/1040-3590.4.1.26 
  9. «Mini-Markers – a brief version of Goldberg's unipolar big-five markers». Journal of Personality Assessment. 63. PMID 7844738. doi:10.1207/s15327752jpa6303_8 
  10. https://www.scopus.com/inward/record.url?eid=2-s2.0-4544288723&partnerID=40&md5=ed34e329995a6f728720326f9fc946b5
  11. «Introducing the Special Section on Openness to Experience: Review of Openness Taxonomies, Measurement, and Nomological Net». Journal of Personality Assessment. 96. PMID 24073877. doi:10.1080/00223891.2013.830620 
  12. Gosling, S. (2008). Snoop: What your stuff says about you. New York: Basic Books.[falta página]
  13. McRae, Tobert R. «Openness to Experience». Encyclopedia of Applied Psychology. 2. [S.l.: s.n.] 
  14. «Creativity, divergent thinking, and openness to experience». Journal of Personality and Social Psychology. 52. doi:10.1037/0022-3514.52.6.1258 
  15. Feist, G. J. (1998). A meta-analysis of the impact of personality on scientific and artistic creativity. Personality and Social Psychological Review, 2, 290–309.
  16. a b c «What facets of openness and conscientiousness predict fluid intelligence score?». Learning and Individual Differences. 16. doi:10.1016/j.lindif.2005.06.003 
  17. Geary, D. C. The origin of mind: Evolution of brain, cognition, and general intelligence. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-59147-181-3 
  18. «Personality, intelligence, and general knowledge». Learning and Individual Differences. 16. doi:10.1016/j.lindif.2005.07.002 
  19. «Ability and personality correlates of general knowledge». Personality and Individual Differences. 41. doi:10.1016/j.paid.2005.11.036 
  20. «Approaches to learning and the acquisition of general knowledge». Personality and Individual Differences. 43. doi:10.1016/j.paid.2007.04.013 
  21. a b «Cognitive ability, learning approaches and personality correlates of general knowledge». Educational Psychology. 28. doi:10.1080/01443410701727376 
  22. «Same or Different? Clarifying the Relationship of Need for Cognition to Personality and Intelligence». Personality and Social Psychology Bulletin. 36. PMID 19901274. doi:10.1177/0146167209351886 
  23. «Relation Between Typical Intellectual Engagement and Openness : Comment on Goff and Ackerman ( 1992 )». Journal of Educational Psychology. 86. doi:10.1037/0022-0663.86.1.145 
  24. «Epistemic curiosity and related constructs: Lacking evidence of discriminant validity». Personality and Individual Differences. 49. doi:10.1016/j.paid.2010.05.014 
  25. a b c d Phares, E.J.; Chaplin, W.F. «Personality and Intellect». Introduction to personality. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-673-99456-1 
  26. «Openness to absorbing and self-altering experiences ('absorption'), a trait related to hypnotic susceptibility». Journal of Abnormal Psychology. 83. PMID 4844914. doi:10.1037/h0036681 
  27. a b c d «Absorption, openness to experience, and hypnotizability». Journal of Personality and Social Psychology. 60. PMID 2016669. doi:10.1037/0022-3514.60.2.263 
  28. «A comparative study of Zuckerman's three structural models for personality through the NEO-PI-R, ZKPQ-III-R, EPQ-RS and Goldberg's 50-bipolar adjectives». Personality and Individual Differences. 33. doi:10.1016/S0191-8869(01)00186-6 
  29. «Is Openness to Experience an Independent Personality Dimension?». Journal of Individual Differences. 26. doi:10.1027/1614-0001.26.3.132 
  30. «Cloninger's Psychobiological Model of Temperament and Character and the Five-Factor Model of Personality». Personality and Individual Differences. 29. doi:10.1016/S0191-8869(99)00204-4 
  31. «Four ways five factors are basic». Personality and Individual Differences. 13. doi:10.1016/0191-8869(92)90236-I 
  32. a b «Openness to Experience: Expanding the boundaries of Factor V» (PDF). European Journal of Personality. 8. doi:10.1002/per.2410080404 
  33. «Social consequences of experiential openness». Psychological Bulletin. 120. PMID 8900080. doi:10.1037/0033-2909.120.3.323 
  34. «The end of the end of ideology». American Psychologist. 61. PMID 17032067. doi:10.1037/0003-066X.61.7.651 
  35. «Personality and emotional correlates of right-wing authoritarianism». Social Behavior and Personality. 28. doi:10.2224/sbp.2000.28.1.1 
  36. a b c «Personality and prejudice: a meta-analysis and theoretical review». Personality and Social Psychology Review. 12. PMID 18641385. doi:10.1177/1088868308319226 
  37. Brandt, Mark J., John R. Chambers, Jarret T. Crawford, Geoffrey Wetherell, and Christine Reyna. "Bounded openness: The effect of openness to experience on intolerance is moderated by target group conventionality." Journal of Personality and Social Psychology 109, no. 3 (2015): 549.
  38. a b c d Robert McCrae; Angelina R. Sutin. «Chapter 17. Openness to Experience». In: Mark R. Leary, & Rick H. Hoyle. Handbook of Individual Differences in Social Behavior. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-59385-647-2 
  39. «Openness to experience and active older adults' life satisfaction: A trait and facet-level analysis». Personality and Individual Differences. 47. doi:10.1016/j.paid.2009.05.025 
  40. a b «Maladaptively high and low openness: the case for experiential permeability». Journal of Personality. 80. PMID 22320184. doi:10.1111/j.1467-6494.2012.00777.x 
  41. a b «Using the Five-Factor Model to Identify a New Personality Disorder Domain: The Case for Experiential Permeability». Journal of Personality and Social Psychology. 96. PMID 19469599. doi:10.1037/a0015368 
  42. «Religion and the five-factors of personality: A meta-analytic review». Personality and Individual Differences. 32. doi:10.1016/S0191-8869(00)00233-6 
  43. a b «Why can't a man be more like a woman? Sex differences in big five personality traits across 55 cultures». Journal of Personality and Social Psychology. 94. PMID 18179326. doi:10.1037/0022-3514.94.1.168 
  44. «To dream, perchance to remember: Individual differences in dream recall». Personality and Individual Differences. 34. doi:10.1016/S0191-8869(02)00114-9 
  45. «Personality and Sexual Orientation: Extension to Asexuality and the HEXACO Model». The Journal of Sex Research. 55. doi:10.1080/00224499.2017.1287844 
  46. «Heritability of the big five personality dimensions and their facets: A twin study». Journal of Personality. 64. PMID 8776880. doi:10.1111/j.1467-6494.1996.tb00522.x 
  47. «Serotonin transporter promoter polymorphism, peripheral indexes of serotonin function, and personality measures in families with alcoholism». American Journal of Medical Genetics. 114. PMID 11857587. doi:10.1002/ajmg.10187 
  48. «Sources of openness/intellect: cognitive and neuropsychological correlates of the fifth factor of personality». Journal of Personality. 73. PMID 15958136. doi:10.1111/j.1467-6494.2005.00330.x 
  49. «The adaptive value of personality differences revealed by small island population dynamics». European Journal of Personality. 21. doi:10.1002/per.595 
  50. «The United States of Mind. Researchers Identify Regional Personality Traits Across America». WSJ.com  Original research article: «A Theory of the Emergence, Persistence, and Expression of Geographic Variation in Psychological Characteristics». Perspectives on Psychological Science. 3. PMID 26158954. doi:10.1111/j.1745-6924.2008.00084.x 
  51. «Openness to experience and marijuana use in high school students». Journal of Consulting and Clinical Psychology. 41. PMID 4726715. doi:10.1037/h0035646 
  52. «Undergraduate marijuana use as related to internal sensation novelty seeking and openness to experience». Journal of Clinical Psychology. 36. PMID 7440728. doi:10.1002/1097-4679(198010)36:4<1013::AID-JCLP2270360434>3.0.CO;2-0 
  53. «The relations among personality, symptoms of alcohol and marijuana abuse, and symptoms of comorbid psychopathology: Results from a community sample». Experimental and Clinical Psychopharmacology. 10. PMID 12498340. doi:10.1037/1064-1297.10.4.425 
  54. a b MacLean, K. A., Johnson, M. W., & Griffiths, R. R.; Johnson; Griffiths (Novembro de 2011). «Mystical experiences occasioned by the hallucinogen psilocybin lead to increases in the personality domain of openness». Journal of Psychopharmacology. 25 (11): 1453–1461. PMC 3537171Acessível livremente. PMID 21956378. doi:10.1177/0269881111420188