Abigail Williams

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Abigail Williams
Conhecido(a) por Primeira acusadora nos Julgamentos das Bruxas de Salém&
Nascimento 12 de Julho de 1680
Morte Acerca de 1697 (17 anos)
Cidadania Salem, Massachusetts

Abigail Williams (12 de julho de 1680 – c. outubro de 1697) foi uma das primeiras acusadoras nos julgamentos das bruxas de Salem, que levou à detenção e prisão de mais de 150 pessoas inocentes, suspeitas de bruxaria.[1]

Julgamentos Das Bruxas De Salem[editar | editar código-fonte]

Abigail e sua prima Betty Parris , foram as duas acusadoras nos tribunais de 1692 e 1693. Tituba, uma escrava na época, foi a primeira a ser acusada de bruxaria. Williams tinha doze anos na época, e ela vivia com o seu tio, o pastor local, Rev. Samuel Parris, em Salem, depois de Nativos Americanos matou seus pais durante um ataque. Seus pais se chamavam Joseph e Abigail Rogers. Esta, mais tarde, tornou-se Abigail Parris Williams. De acordo com testemunhas Rev. Deodat Lawson, ela e Betty começaram a ter ataques e que correram em torno dos quartos batendo os braços, passando por baixo de cadeiras, e tentando subir a chaminé. Alega-se que seu corpo se contorcia em aparentemente posições impossíveis.[carece de fontes?]

Isso alarmou muitos dos habitantes da aldeia de Salem. Samuel Parris decidiram chamar um médico para determinar se elas tinham algum tipo de doença. Dr. William Griggs tinha dificuldade de compreender as ações das duas meninas. Ele acreditava que não era uma questão médica e sugeriu que a mesma deve ser bruxaria. Foi ordenado que Tituba fizesse então um bolo de bruxa — centeio misturados com a urina de meninas aflitas —  e que o mesmo fosse dado para um cachorro. A teoria era de que o cão iria apresentar sintomas semelhantes se Abigail e Betty foram enfeitiçadas, e que iria provar que a bruxaria estava, de fato, sendo praticada.[2]

Novas acusações foram logo feitas devido a Abigail e Betty afirmaram estar possuídas, resultando em 20 mortes. Três mulheres foram presas por suspeita de bruxaria, em 29 de fevereiro de 1692: Sarah Bom, Sarah Osborne, e Tituba.[3] Eles eram todos culpados, mas a única a confessar foi Tituba. Sarah Bom, foi enforcada e Sarah Osborne morreu na prisão. Tituba foi libertada da prisão, um ano depois, quando o Rev. Samuel Parris, pagou as taxas de sua fiança.[4] As acusações de Abigail e Betty  rapidamente se espalharam por toda a comunidade de Salem e às aldeias próximas (especialmente Andover), levando à prisão de muitas pessoas, e as mortes de 19 durante 1692-93.[5] Depois de 1692, Abigail Williams desapareceu dos registros escritos, o que torna impossível para os historiadores saber mais sobre sua vida após os julgamentos.[6]

Em 1976, Linnda R. Caporael[7] apresentou a hipótese de que esses sintomas estranhos, podem ter sido causados pelo Ergotismo. A hipótese acredita que o centeio (principal ingrediente do pão) estava infectado com o esporão-do-centeio. O fungo parasita contém alcaloides que, se ingeridos, podem causar efeitos semelhantes ao uso de LSD, daí seriam explicadas as alucinações.   [8]

Legado[editar | editar código-fonte]

Na peça de Arthur Miller (1953), As Bruxas de Salem, uma dramática e parcialmente ficcional história dos julgamentos das bruxas de Salem, Abigail Williams é retratada como o principal instigador das acusações, motivada em grande parte pelo desejo de estar em um relacionamento com John Proctor, casado, agricultor, com quem ela tinha um caso. Na vida real, não existem evidências de que John Proctor e Abigail Williams se conheceram antes dos julgamentos. Sua idade em que o jogo tinha sido levantada a 17. Ela foi interpretada por Winona Ryder em na adaptação para o cinema em 1996.

Uma banda de metalcore chamanda Motionless In White escreveu uma canção chamada "Abigail", inspirado na peça de Arthur Miller, vista pela perspectiva de John Proctor.[carece de fontes?]

A banda de Rock Kiriae Crucible escreveu uma música chamada "The Salem Witch Trial" em 1968.

Um grupo de punk rock espanhol chamado de Abigail's Cross retrata Abigail em seu álbum.[9]

Abigail Williams banda de black metal americana formada em 2004.

Fate/Grand Ordem, é um jogo de RPG que tem um  personagem baseado em Abigail Williams.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Yost, Melissa (2002). «Abigail Williams». Salem Witch Trials Documentary Archive and Transcription Project. Charlottesville, Virginia: University of Virginia. Consultado em 16 de março de 2014 
  2. Boyer and Stephen Nissenbaum, Salem Possessed: The Social Origins of Witchcraft. Cambridge: Harvard University Press, 1974 (pp. 2-3)
  3. Boyer and Stephen Nissenbaum, Salem Possessed: The Social Origins of Witchcraft. Cambridge: Harvard University Press, 1974 (p. 3).
  4. Games, Alison. Witchcraft in Early North America. Plymouth: Rowman & Littlefield Publishers, Inc., 2010 (p. 176)
  5. Hall, David. Witch-Hunting in Seventeenth-Century New England. Boston: Northeastern University Press, 1999 (pp. 280-81)
  6. Emerson W. Baker, A Storm of Witchcraft: The Salem Trials and the American Experience (Oxford: Oxford University Press, 2015), 234.
  7. Ergotism: The Satan Loosed in Salem?[ligação inativa] - Science, vol. 192, April 1976
  8. «Were the witches of Salem a result of poisoning with ergot fungus?». 14 de janeiro de 2005. Consultado em 18 de junho de 2015 
  9. «iTunes - Music - Abigail's Cross». apple.com. Consultado em 22 de maio de 2015