Aborto na Islândia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O aborto é legalizado na Islândia desde 1975 para diversos casos até a décima sexta semana de gravidez,[1] [2] permitindo à mulher exercer a sua liberdade individual. A legislação do país enfatiza que a mulher pode solicitar o aborto por motivos sociais, como falta de renda, planejamento familiar ou apenas falta de condições mentais para ter um filho.[1] O limite de 16 semanas de gravidez para realizar o aborto não se aplica caso a vida da gestante corra perigo decorrente da gravidez ou quando há deformidade no feto.[2] Quem descumpre a lei na Islândia tem pena de cinco a sete anos de detenção.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c United Nations. ABORTION POLICY OF ICELAND (doc) (em inglês). United Nations. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  2. a b Europe's terms for terminations (em inglês). BBC (2 de junho de 2002). Página visitada em 17 de dezembro de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre o aborto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.