Abraham Weintraub

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Abraham Weintraub
Ministro da Educação do Brasil
Período 8 de abril de 2019
a 19 de junho de 2020
Presidente Jair Bolsonaro
Antecessor Ricardo Vélez Rodríguez
Sucessor Milton Ribeiro[nota 1]
Dados pessoais
Nome completo Abraham Bragança de Vasconcellos Weintraub
Nascimento 11 de outubro de 1971 (48 anos)
São Paulo, SP, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Pai: Mauro Weintraub
Alma mater Universidade de São Paulo
Serviço militar
Condecorações GOMN

Abraham Bragança de Vasconcellos Weintraub (São Paulo, 11 de outubro de 1971)[7] é um economista e professor brasileiro, docente da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Foi ministro da Educação do Brasil entre 2019 e 2020[8][9] e em julho de 2020 foi eleito diretor executivo do 15.º Distrito do conselho administrativo do Banco Mundial,[10][11][12] substituindo a economista filipina Elsa Agustin.[13]

Formação e carreira

Abraham Weintraub graduou-se em ciências econômicas pela Universidade de São Paulo (USP) em 1994,[14] tendo realizado MBA Executivo Internacional e mestrado em administração (área de finanças) na Fundação Getulio Vargas (FGV). É professor da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).[15][16]

Executivo do mercado financeiro com mais de vinte anos de experiência, atuou como economista-chefe e diretor do Banco Votorantim e como sócio na Quest Investimentos. Foi integrante da equipe de transição do governo Jair Bolsonaro[14] e em 1º de janeiro de 2019 foi nomeado secretário-executivo da Casa Civil.

Ministério da Educação

Em 8 de abril de 2019, foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para o cargo de ministro da Educação,[17] após a demissão do ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez.[14] Pouco após uma reunião no Palácio do Planalto entre Bolsonaro e Vélez, o presidente afirmou:[18]

Comunico a todos a indicação do Professor Abraham Weintraub ao cargo de Ministro da Educação. Abraham é doutor,[nota 2] professor universitário e possui ampla experiência em gestão e o conhecimento necessário para a pasta. Aproveito para agradecer ao prof. Velez pelos serviços prestados
— Jair Messias Bolsonaro

Weintraub foi muito ativo na rede social Twitter durante seu tempo a frente do Ministério da Educação, onde fez declarações controversas[20] e ataques ao Partido dos Trabalhadores, à imprensa e à esquerda.[21]

Relatório do Banco Mundial

O Banco Mundial classificou o desempenho do governo no projeto da reforma do Ensino Médio como "moderadamente insatisfatório". O resultado é de dezembro de 2019, enquanto o Ministério da Educação ainda era chefiado por Abraham Weintraub.[22]

Críticas recebidas

Por causa das suas polêmicas declarações nas redes sociais, o escritor Ignácio de Loyola Brandão caracterizou Weintraub como um "ministro da educação sem educação, grosso, horrendo, nojento"[23] e o colunista Demétrio Magnoli como "um seguidor inculto de Olavo de Carvalho".[24] O presidente da Câmara Rodrigo Maia classificou o ministro como um "desqualificado",[25] "um desastre"[26] e que "traduz a bandeira do ódio”.[27]

Cortes no orçamento das universidades federais

Logo após assumir o Ministério da Educação, foi anunciado um "corte" (termo utilizado pela mídia brasileira) de 30% em recursos destinados às despesas discricionárias de algumas universidades federais. "Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas", disse o então ministro ao jornal O Estado de S. Paulo.[28] Posteriormente a medida se estendeu a todas as universidades federais[29] para o 2.º semestre de 2019, sob a forma de bloqueio ou congelamento.[30] As despesas discricionárias correspondem a 13,83% do total orçamentário, havendo então um contingenciamento (termo usado pelo ministro e pelo Governo Federal) de 3,5% deste total — o que de fato representa 30% das despesas não-obrigatórias[31] — que devem ser liberados após setembro.[32][33][30] “O contingenciamento vai voltar agora, a partir de setembro. Isso vai gerar um alívio, e vai ser a prova de que houve contingenciamento e não corte. E aí quem falou que teve corte vai ter que se explicar”, disse o ministro na Câmara dos Deputados, no dia 4 de setembro do mesmo ano.[34]

Fazendo-se cumprir sua promessa, no dia 30 de setembro, o ministro Abraham Weintraub anunciou por meio de seu perfil oficial no Twitter e posteriormente em coletiva de imprensa o descontingenciamento de R$ 2 bilhões. Após o desbloqueio de verba a imprensa passou a denominar o desbloqueio como descontingenciamento, atitude não adotada antes quando disse que o contingenciamento foi um corte.[35][36][37]

Em maio de 2019, uma notícia afirmava que os contingenciamentos estariam afetando a reconstrução do Museu Nacional, com um corte de 13,9 milhões da verba de 55 milhões reais destinada ao museu, a notícia tinha como base um levantamento feito pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).[38] Weintraub reagiu à notícia no dia seguinte em um vídeo publicado nas redes sociais. Com a música Singin' in the Rain de fundo, afirmou no vídeo que "está chovendo fake news", argumentando que a verba de 55 milhões de reais era originária de uma emenda parlamentar no Rio de Janeiro.[39][40]

Em meados de 2019, protestos estudantis foram organizados pela UNE, manifestando indignação com o corte de verbas, segundo os críticos, ou contingenciamento, no vocabulário do ministro[41] nas verbas às universidades federais. O ministro incentivou denúncias contra alunos e professores que divulgassem e promovessem os protestos dentro de escolas e faculdades. A declaração foi polêmica e foi repudiada por políticos e estudantes.[42][43][44]

Em 18 de outubro de 2019 anunciou a liberação das verbas contingenciadas das universidades e institutos federais.[45]

Carteirinha Estudantil Digital

Em setembro de 2019, o governo assinou uma medida provisória que criara uma "carteirinha" estudantil digital, a carteirinha estudantil valerá para estudante do ensino fundamental, médio ou superior e será liberada, de acordo com o governo, 90 dias após a assinatura da medida provisória para o ensino superior e em até seis meses para o ensino básico, a emissão da carteirinha será feita de maneira gratuita por meio de lojas de aplicativos de celular e, no caso de uma emissão física, por meio da Caixa Econômica Federal.[46] Atualmente, uma lei de 2013 prevê que a carteirinha seja emitida por entidades como a União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e outras entidades estudantis municipais, as entidades cobram 35 reais pela carteira, logo, essa medida foi vista por essas entidades como uma retaliação pelos protestos estudantis que as mesmas organizaram contra medidas relacionadas a educação no governo Bolsonaro.[47]

No final de setembro de 2019, Weintraub liberou um ofício, o qual chamou de "Escola Para Todos", onde sugere a todas as redes de ensino medidas para, segundo o ministro, combater o bullying, a propaganda partidária, a doutrinação e promover o respeito às diferenças e a tolerância religiosa.[48][49][50]

Histórico escolar

Em maio de 2019, foram publicadas imagens do histórico escolar de Weintraub no curso de economia na USP. As imagens mostravam que ele foi reprovado em nove matérias em apenas três semestres, teve várias notas zero e frequência baixa às aulas.[51] Weintraub reconheceu a veracidade do histórico e atribuiu seu mau desempenho a problemas familiares e de saúde. Ele também classificou o vazamento das imagens como "ilegal".[52]

Discussão no Pará

Em julho de 2019, Weintraub envolveu-se em uma discussão com manifestantes em Alter do Chão no Pará. Os manifestantes protestavam contra os cortes nas universidades federais. Weintraub tentou se defender, mas foi convencido a deixar o local após ser vaiado pelos presentes.[53] O MEC soltou uma nota repudiando o ato.[54] No mesmo dia, a ONG que promoveu a manifestação se defendeu no episódio dizendo que não teve intenção de humilhar ou hostilizar o ministro e sim de apenas manifestar.[55]

Erros gramaticais e ortográficos

Em um ofício enviado ao ministério da economia em agosto de 2019, Weintraub utilizou em duas ocasiões os termos "paralização" e "suspenção", que não existem em Português. Após a repercussão negativa, ele afirmou que "erros acontecem".[56] Entretanto, em maio de 2019, ele já havia trocado o nome do escritor Franz Kafka por "Kafta".[57] Em junho, tentando se referir aos "asseclas" do PT, escreveu "acepipes".[58] Em Janeiro de 2020, ao responder no Twitter uma nota do então deputado Eduardo Bolsonaro, utilizou a palavra "imprecionante", apagando a mensagem depois, mas não evitou mais uma vez a repercussão negativa de sua grafia.[59] Em fevereiro de 2020, num de seus posts no Twitter, em que o mostrava dentro de um avião, escreveu o seguinte: "Aonde está a pompa e a liturgia do cargo? Na poltrona 16A...", o que na verdade era para ser escrito "Onde estão a pompa e a liturgia do cargo? Na poltrona 16A...". Na publicação, o ministro afirmava que suas viagens não eram privilegiadas. Após erro, a jornalista Vera Magalhães corrigiu-o.[60]

Interferência na Wikipédia

Através de um e-mail, em junho de 2019 a assessoria de imprensa do Ministério da Educação tentou solicitar, sem sucesso, a exclusão do artigo de Weintraub na Wikipédia, alegando a existência de "interpretações dúbias".[61][62] No dia 13 de agosto do mesmo ano, o MEC enviou um novo e-mail afirmando que tomaria "medidas judiciais cabíveis" caso a proteção que foi instaurada no seu artigo da Wikipédia não fosse removida.[63][64]

Respondendo a um requerimento de informações com seis questões, enviado pelo deputado Marcelo Freixo (PSOL), Weintraub admitiu em 18 de outubro de 2019, o uso de técnicos do MEC para apagar o seu verbete na Wikipédia, afirmando que seu verbete contém informações incompletas "sem a menção expressa às datas dos fatos" e "acaba induzindo o leitor a uma compreensão equivocada".[65][66]

Conflitos com a imprensa

Em outubro de 2019, Abraham Weintraub reclamou de um artigo da jornalista Isabela Palhares na edição do dia 7 do mesmo mês no jornal O Estado de S.Paulo sobre uma suposta entrega de ônibus escolares que tinham sido comprados na gestão anterior.[67] Abraham Weintraub respondeu à jornalista de forma provocadora em seu Twitter ao colocar entre aspas o fato de ela ser "jornalista".[68] A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) classificou as declarações de Weintraub como uma "tentativa de intimidação" e "expedientes antidemocráticos".[69] Em novembro de 2019, Abraham Weintraub, após ser questionado sobre possíveis irregularidades durante o "Enem", se recusou a conceder entrevista para os jornalistas.[70]

Drogas nas universidades federais

Em uma entrevista em novembro de 2019 Weintraub acusou de forma genérica as universidades federais brasileiras. Comparando as universidades com madraças, ele afirmou que nessas instituições haveria plantações de substâncias ilícitas como a maconha e também a produção de metanfetaminas nos laboratórios de química. As declarações foram repudiadas pela ANDIFES (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior), que as considerou "desconcertantes" e que atuaria juridicamente para apurar eventuais crimes cometidos pelo ministro.[71][72] Posteriormente, Weintraub divulgou notícias sobre o assunto em suas redes sociais que foram verificadas pela Folha de S.Paulo e, segundo o jornal, não justificavam as alegações do ministro. A Sociedade Brasileira de Química e a Universidade de Brasília também repudiaram veementemente as declarações de Weintraub.[73][74] Mais tarde, em depoimento ao Congresso, reiterou as acusações, mas mostrou como prova reportagens sobre casos em que depois não seria comprovado o envolvimento das universidades.[75]

Oito meses depois, em julho de 2020, a União foi condenada a pagar uma indenização de R$ 50 mil pelas declarações de Weintraub, em uma ação civil pública movida pela União Nacional dos Estudantes (UNE). Na decisão da Justiça Federal do estado de São Paulo, o entendimento foi que houve "ofensa à honra coletiva dos estudantes". Iago Montalvão, presidente da UNE, declarou após a sentença que o ex-ministro, durante o tempo em que comandou a pasta, limitou-se a dirigir ataques com acusações falsas a universidades, estudantes e professores para deslegitimar o trabalho das instituições de ensino.[76]

ENEM/SISU 2019–2020

Ver artigo principal: Erro nas notas do Enem 2019

Durante o ENEM de 2019 e o SISU de 2020.1, como Ministro da Educação, Weintraub iniciou uma campanha pessoal cujo slogan era "O melhor ENEM da história". No entanto, ocorreram vários problemas, incluindo a falência da gráfica que elaborou as provas,[77] vazamento de uma imagem da prova antes do seu encerramento, o que comprovaria que não houve o rigor necessário para evitar a entrada de dispositivos eletrônicos,[78] erros na correção,[79][80] mau funcionamento no sistema de inscrição do SISU,[81][82] acusação de solução errada do tratamento dado ao erro de correção e[83] judicialização do resultado.[84] Devido aos problemas, a divulgação dos resultados do SISU foi suspensa temporariamente.[85] Houve também vazamento dos resultados,[86] dificuldades de acessar a fila de espera,[87] e indícios de falhas na oferta de vagas para deficientes,[88] o que atrapalhou o processo das universidades que utilizam o SISU.[89] Após críticas, o presidente Jair Bolsonaro disse que o governo iria apurar a origem das falhas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a hipótese de sabotagem não havia sido descartada.[90]

Ataques racistas aos povos indígenas

Em um video de uma reunião presidencial Weintraub declarou que odeia a expressão povos indígenas, declarou também que a sociedade não deveria reconhecer estes povos.[91][92] Além dessas declarações, ao sair do Ministério da Educação, Weintraub criou uma portaria para extinguir a cota de indígenas nos cursos de Pós-Graduação nas universidades públicas.[93][94] Na semana seguinte tal portaria foi revogada.[95]

Ataques racistas à China

Durante a pandemia de COVID-19, Weintraub atacou a China na rede social Twitter. Ele afirmou que o país estaria usando a pandemia para "dominar o mundo" e zombou do sotaque chinês na pronúncia do português, comparando-o ao personagem Cebolinha. Posteriormente Weintraub apagou a postagem, mas reiterou os ataques.[96] A embaixada da China no Brasil declarou que suas alegações eram "racistas, absurdas e desprezíveis".[97][98][99] As declarações Weintraub foram repudiadas[100] por diversos brasileiros e caracterizadas como "alucinadas",[101]"molecagens"[102] ou "ofensivas".[103] A China declarou que retaliaria comercialmente o Brasil se os ataques dele e de outros bolsonaristas persistissem.[104]

Weintraub foi denunciado à Procuradoria Geral da República por deputados da bancada do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).[105] O vice-procurador geral solicitou ao Supremo Tribunal Federal a abertura de inquérito para investigar a ocorrência do crime de racismo.[106]

Ataques ao STF

No dia 22 de maio de 2020 foi divulgado o vídeo de uma reunião ministerial citada por Sérgio Moro que havia sido realizada no mês anterior, em 22 de abril. A gravação da reunião, cuja divulgação foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello, foi anexada ao inquérito aberto pelo STF, a pedido da PGR, para investigar se o presidente Bolsonaro tentou interferir no comando da Polícia Federal.

Naquela reunião, o ministro proferiu ataques ao Supremo Tribunal Federal em uma de suas falas. [107]

Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF
— Abraham Weintraub em reunião ministerial

Em 28 de maio de 2020, o então ministro foi agraciado pelo presidente Bolsonaro juntamente com outras personalidades políticas e diplomáticas com a Ordem do Mérito Naval, honraria destinada a pessoas e instituições que tenham prestado serviços relevantes à Marinha do Brasil, no grau de Grande Oficial.[108][109]

Saída do Ministério da Educação

Em meio a uma investigação da polícia federal do Brasil, e numa possível fuga das responsabilidades com a justiça[110][111] em 18 de junho de 2020, Weintraub anunciou sua saída do Ministério da Educação em um vídeo com o presidente Bolsonaro em suas redes sociais.[8] Em 20 de junho de 2020 foi publicada sua exoneração do cargo de Ministro da Educação[112][113] e Antonio Paulo Vogel assumiu o ministério interinamente.[114] A exoneração ocorreu enquanto o ministro estava em solo estadunidense. Rogério Correia (PT-MG) e Fabiano Contarato (Rede-ES), um dia antes da saída de Weintraub do Brasil, haviam aberto no STF um pedido para que fosse apreendido o passaporte do mesmo, afirmando que havia risco de fuga do então ministro.[115] Em 23 de junho, foi publicado um decreto do presidente Jair Bolsonaro no Diário Oficial da União, alterando a data oficial de exoneração de Weintraub para 19 de junho, ou seja, antes de o ministro entrar nos Estados Unidos.[116] Sobre a saída de Weintraub, do Ministério e do Brasil, existe um posicionamento controverso pela falta de transparência dos fatos pelos envolvidos.[117]

Após a saída do MEC, Weintraub é indicado para trabalhar na diretoria do Banco Mundial. Em resposta, a Ong Conectas reuniu um grupo de empresários que assinaram uma carta recomendando a um grupo de países que recuse a entrada dele no cargo, afirmando que Weintraub vai causar "danos irreparáveis" ao Brasil. Para entrar no cargo, oito países precisam aprovar.[118] Segundo o Congresso em Foco, essa indicação foi feita como uma forma de compensar os posicionamentos ideológicos do ministro no governo. Se aceito no órgão, Weintraub pode receber R$ 115,8 mil (US$ 258,5 mil) por mês, e anualmente, pode chegar a R$ 1,3 milhão.[119]

Vida pessoal

O pai de Abraham, o psiquiatra Mauro Weintraub, foi professor da Universidade de São Paulo (USP) e nos anos 80 escreveu um livro sobre cannabis, defendendo a dissociação da relação entre uso e criminalização, algo extremamente progressista para a época. O próprio Abraham já chegou a afirmar que o pai sofreu perseguição na época da ditadura militar por defender alunos que desapareciam durante o regime. Diferentemente do pai, Abraham e o irmão possuem uma postura mais conservadora; ambos fazem parte do Governo Bolsonaro.[120]

Tanto Abraham, como a esposa Daniela e o irmão Arthur, são professores do Departamento de Contabilidade da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).[121]

Em 2011, os irmãos Abraham e Arthur entraram com uma demanda na Justiça de São Paulo pedindo para tornarem-se tutores de seu pai, Mauro Weintraub. O pedido foi julgado e indeferido pelo juiz Rui Porto Dias, que entendeu que não havia elementos suficientes que justificassem a interdição de Mauro Weintraub. Os irmãos recorreram da sentença, mas o tribunal negou provimento à apelação em março de 2016.[120]

Notas

  1. Após a exoneração de Abraham Weintraub, ocorreu uma crise de sucessão no ministério com a falta de um ministro titular para a pasta entre 20 de junho e 16 de julho de 2020. Durante esse período, o secretário executivo do ministério Antonio Paulo Vogel atuou como ministro de Estado substituto enquanto outros nomes eram anunciados.[1] Em 25 de junho de 2020, Carlos Alberto Decotelli foi nomeado como Ministro da Educação pelo presidente Jair Bolsonaro, com a sua nomeação sendo publicada no Diário Oficial da União;[2] porém, Decotelli renunciou ao cargo no MEC antes de sua posse oficial, devido ao desgaste de sua imagem ante as controvérsias de sua formação acadêmica no dia 30 de junho.[3][4][5] A crise terminou com a posse oficial de Milton Ribeiro como Ministro da Educação em 16 de julho de 2020.[6]
  2. Posteriormente, o presidente Bolsonaro corrigiu sua fala, afirmando que Weintraub não possuía doutorado, e sim mestrado.[19]

Referências

  1. «Antonio Paulo Vogel de Medeiros: saiba quem é o ministro interino da Educação». G1. Consultado em 20 de junho de 2020 
  2. «Decreto de 25 de junho de 2020». Diário Oficial da União. Consultado em 25 de junho de 2020 
  3. «Carlos Decotelli deixa Ministério da Educação após falhas no currículo». R7.com. 30 de junho de 2020. Consultado em 30 de junho de 2020 
  4. Ana Mendonça (30 de junho de 2020). «Sem tomar posse, Decotelli deixa Ministério da Educação após falhas no currículo». Estado de Minas. Consultado em 3 de julho de 2020 
  5. «Caso raro: a demisão sem posse do ministro da Educação». Estado de Minas. 1 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  6. Gomes, Pedro Henrique; Garcia, Gustavo (16 de julho de 2020). «Milton Ribeiro toma posse como quarto ministro da Educação no governo Bolsonaro». G1. Consultado em 16 de julho de 2020 
  7. Borgmann, Juliana Elisa Matte. «Abraham Weintraub, um segundo 'olavete' no MEC para gerir a "terra arrasada"». www.ihu.unisinos.br. Consultado em 30 de abril de 2019 
  8. a b Magenta, André Shalders e Matheus (6 de novembro de 2018). «Um general, dois bombeiros e muitos economistas: conheça a equipe de transição de Bolsonaro» 
  9. «Em vídeo ao lado de Bolsonaro, ministro Abraham Weintraub, da Educação, anuncia saída do cargo». G1. Consultado em 18 de junho de 2020 
  10. «EDS15 Home». www.worldbank.org. Consultado em 31 de julho de 2020 
  11. «Banco Mundial anuncia aprovação de Abraham Weintraub como diretor-executivo». G1. Consultado em 31 de julho de 2020 
  12. «Carla Araújo - Banco Mundial confirma que aceitou Weintraub para diretoria do conselho». economia.uol.com.br. Consultado em 31 de julho de 2020 
  13. Pernambuco, Diario de; Pernambuco, Diario de (31 de julho de 2020). [https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/politica/2020/07/apos-40-dias-nos-eua-weintraub-e-confirmado-diretor-no-banco-mundial.html «Ap�s 40 dias nos EUA, Weintraub � confirmado diretor no Banco Mundial»]. Diario de Pernambuco. Consultado em 31 de julho de 2020  replacement character character in |titulo= at position 3 (ajuda)
  14. a b c «Bolsonaro dá posse a Weintraub e diz esperar jovens mais bem preparados que os pais e avós». portal.mec.gov.br. Consultado em 14 de abril de 2019 
  15. ML, Eudes (8 de abril de 2019). «Bolsonaro demite ministro da Educação». Consultado em 15 de abril de 2019 
  16. Scofield Jr., Gilberto & Moraes, Maurício (8 de abril de 2019). «Lupa». Consultado em 15 de abril de 2019 
  17. Venaglia, Guilherme (8 de abril de 2019). «Abraham Weintraub é o novo ministro da Educação». Consultado em 8 de abril de 2019. Arquivado do original em 8 de abril de 2019 
  18. «Bolsonaro demite Vélez e nomeia Abraham Weintraub como ministro da Educação». G1. 8 de abril de 2019. Consultado em 1 de Julho de 2019 
  19. «Bolsonaro demite Vélez e nomeia Abraham Weintraub como ministro da Educação». G1. 8 de abril de 2019. Consultado em 4 de julho de 2019 
  20. Bergamo, Mônica (20 de novembro de 2019). «Aliados de Bolsonaro reclamam que Weintraub causa conflitos tentando adotar estilo do presidente». Folha de S.Paulo. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2019 
  21. Saldaña, Paulo (23 de novembro de 2019). «Weintraub mira PT, esquerda e imprensa em intensa participação em redes sociais». Folha de S.Paulo. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2019 
  22. «Relatório Banco Mundial sobre o Brasil». World Bank. Consultado em 23 de junho de 2020 
  23. Sperb, Paula (11 de abril de 2020). «'A reação já começou com a desobediência civil', diz Ignácio de Loyola Brandão, autor de distopia política». Cópia arquivada em 12 de abril de 2020. Esse ministro não existe. Um homem que diz para uma pessoa que 'está perto da égua sarnenta e desdentada da sua mãe'. O que é isso, meu Deus? Um ministro da Educação sem educação, grosso, horrendo, nojento. 
  24. Magnoli, Demétrio (23 de novembro de 2019). «A alma inteira num tuíte». Folha de S.Paulo. Cópia arquivada em 12 de abril de 2020. No fundo, é a exposição mais completa que um seguidor inculto de Olavo de Carvalho conseguiu produzir do ralo mingau filosófico do mestre. Trata-se, portanto, de uma imagem radiográfica das ideias que circulam no núcleo do bolsonarismo. 
  25. Maia diz que Weintraub é 'desqualificado' e não poderia ter assumido Ministério da Educação
  26. Rodrigo Maia: “Abraham Weintraub é um desastre”
  27. A artilharia pesada de Rodrigo Maia contra Abraham Weintraub
  28. «MEC cortará verba de universidades por "balbúrdia", diz ministro». www.nsctotal.com.br. Consultado em 5 de maio de 2019. Os cortes atingem as chamadas despesas discricionárias 
  29. Dia, O. (1 de maio de 2019). «MEC estende corte de 30% para todas as universidades». O Dia - Brasil. Consultado em 17 de agosto de 2019 
  30. a b «O que já é verdade e o que ainda é ameaça nos cortes da educação». Terra. 15 de maio de 2019. Consultado em 17 de maio de 2019 
  31. Revista Piauí (10 de maio de 2019). «No Senado, ministro da Educação exagera orçamentos do MEC e de universidades federais». Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  32. «Entenda por que o corte anunciado pelo MEC nas universidades federais é de 3,5%». O Globo. 11 de maio de 2019. Consultado em 15 de maio de 2019 
  33. Fernandes, Talita (9 de maio de 2019). «Em live com Bolsonaro, Weintraub explica cortes da Educação com 'chocolatinhos'». Folha de S. Paulo. Consultado em 11 de maio de 2019 
  34. «Contingenciamento nas universidades será revertido este mês, diz Weintraub». Gazeta do Povo. 4 de setembro de 2019. Consultado em 5 de setembro de 2019 
  35. «MEC anuncia descontingenciamento de cerca de R$ 2 bilhões». O Globo. Consultado em 30 de setembro de 2019 
  36. «MEC anuncia desbloqueio de R$ 2 bi; cerca de R$ 3,8 bi continuam congelados». Uol. Consultado em 30 de setembro de 2019 
  37. «O DESCONTINGENCIAMENTO». Abraham Weintraub. Consultado em 30 de setembro de 2019 
  38. «Verbas para reconstrução do Museu Nacional terão corte de R$ 11,9 milhões». G1. 29 de maio de 2019. Consultado em 3 de julho de 2019 
  39. Weintraub, Abraham (23 de maio de 2019). «Mais uma #FakeNews. Agora, sobre o contingenciamento de verbas no Museu Nacional, do Rio de Janeiro. Descubra a verdade!pic.twitter.com/dPE520ndGR». @AbrahamWeint. Consultado em 3 de julho de 2019 
  40. «'Está chovendo fake news', diz ministro da Educação ao som de 'Cantando na Chuva'». noticias.uol.com.br. 31 de maio de 2019. Consultado em 3 de julho de 2019 
  41. Rossi, Marina (2 de junho de 2019). «Corte ou contingenciamento, quem está certo na guerra de narrativas da educação?». EL PAÍS. Consultado em 3 de julho de 2019 
  42. «MEC incentiva denúncias contra quem divulga e estimula protestos na escola». G1. 30 de maio de 2019. Consultado em 31 de maio de 2019 
  43. «MEC diz que professores, alunos e pais não podem divulgar protestos». Folha de S.Paulo. 30 de maio de 2019. Consultado em 31 de maio de 2019 
  44. «Nota do MEC é 'declaração de guerra' a estudantes, avaliam políticos; PGR vê violações à lei». Painel. 30 de maio de 2019. Consultado em 31 de maio de 2019 
  45. «MEC liberará todo orçamento bloqueado de universidades federais». EXAME. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  46. «Governo federal lança carteira estudantil digital». Agência Brasil. 6 de setembro de 2019. Consultado em 7 de setembro de 2019 
  47. «Bolsonaro lança carteirinha estudantil digital e UNE diz que é retaliação». Congresso em Foco. 6 de setembro de 2019. Consultado em 7 de setembro de 2019 
  48. «MEC envia ofício às escolas para combater 'doutrinação' partidária». Poder360. 23 de setembro de 2019. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  49. «Weintraub manda ofício para redes de ensino que retoma diretrizes do Escola sem Partido». Folha de S.Paulo. 23 de setembro de 2019. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  50. «MEC envia ofício às escolas para 'melhorar ambiente' e combater 'doutrinação' e 'propaganda partidária'». G1. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  51. As espetaculares notas do ministro da Educação na USP
  52. Após boletins vazarem, ministro da Educação explica reprovações na USP
  53. Ministro da Educação, Abraham Weintraub discute com manifestantes no Pará
  54. «Em nota, MEC repudia atos contra Weintraub». O Antagonista. 23 de julho de 2019. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  55. «'A gente nunca quis hostilizar nem humilhar', diz ONG que fez ato contra ministro da Educação no Pará». O Globo. 23 de julho de 2019. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  56. Ministro da Educação assume erros de português em ofício
  57. Weintraub troca Kafka por ‘kafta’
  58. Depoiis de trocar Kafka por Kafta Abraham Weintraub volta a trocar palavras e citar prato culinário
  59. «"Imprecionante", "kafta" e "paralização": as escorregadas de Weintraub». educacao.uol.com.br. Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  60. «Abraham Weintraub comete mais um erro em sua conta no Twitter» (Site). Carta Capital. 17 de fevereiro de 2020. Consultado em 17 de fevereiro de 2020 
  61. «MEC solicita exclusão do verbete do ministro Abraham Weintraub na Wikipédia». Manual do Usuário. 3 de julho de 2019. Consultado em 3 de julho de 2019 
  62. Gregory Prudenciano (3 de julho de 2019). «MEC tenta excluir perfil de Weintraub na Wikipédia alegando 'interpretações dúbias'»Subscrição paga é requerida. O Estado de S. Paulo. Consultado em 3 de julho de 2019 
  63. Silva, Victor (14 de Agosto de 2019). «MEC ameaça processar a Wikipédia por verbete de Weintraub». tecnoblog. Consultado em 16 de Agosto de 2019 
  64. «A luta de editores da Wikipédia para evitar Ctrl+Z no verbete de Weintraub». educacao.uol.com.br. Consultado em 20 de setembro de 2019 
  65. «Weintraub admite uso de técnicos do MEC para apagar seu verbete da Wikipédia». Folha de S.Paulo. 4 de novembro de 2019. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  66. «Weintraub usa técnicos do governo para tentar censurar Wikipedia». Revista Fórum. 4 de novembro de 2019. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  67. Isabela Palhares (7 de outubro de 2019) Em evento com presença de prefeitos e deputados, Abraham Weintraub disse que nova gestão está fazendo 'faxina' no MEC e 'acertando o rumo' da educação Estado de São Paulo
  68. Weintraub, Abraham. «Hoje fui surpreendido pelo péssimo "jornalismo" de Isabela Palhares». @abrahamweint. Consultado em 31 de outubro de 2019 
  69. 9 de outubro de 2019 Ao tentar desqualificar repórter, ministro da Educação abre portas para ataques à profissional Abraji
  70. «Ministro da Educação se recusa a dar entrevista para repórter da Globo». Notícias da TV. UOL. 3 de novembro de 2019. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  71. Bermúdez, Ana Carla (22 de novembro de 2019). «Sem provas, Weintraub diz que federais têm plantações extensivas de maconha». UOL Educação. Cópia arquivada em 22 de novembro de 2019. Você tem plantações de maconha, mas não são três pés de maconha, são plantações extensivas de algumas universidades, a ponto de ter borrifador de agrotóxico. Porque orgânico é bom contra a soja para não ter agroindústria no Brasil, mas na maconha deles eles querem toda tecnologia a disposição. 
  72. «Declarações do ministro da Educação sobre as universidades federais». Andifes. 22 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2019. Assim, diante dessas declarações desconcertantes, a ANDIFES está tomando as providências jurídicas cabíveis para apurar eventual cometimento de crime de responsabilidade, improbidade, difamação ou prevaricação. 
  73. «UnB rebate ministro da Educação e desmente plantação de maconha no campus». UOL Educação. 24 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 25 de novembro de 2019 
  74. Brant, Danielle; Cancian, Natália (24 de novembro de 2019). «Casos de drogas citados por Weintraub não têm elo com universidades federais». Folha de S.Paulo. Cópia arquivada em 25 de novembro de 2019 
  75. «Convocado pela Câmara, Weintraub reafirma que há produção de drogas em universidades federais». G1. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  76. «União é condenada a pagar R$ 50 mil por fala de Weintraub de que há plantação de maconha em universidades federais». Portal G1. 31 de julho de 2020. Consultado em 1 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2020 
  77. «Falência de gráfica que imprime Enem coloca exame em risco». Folha de S.Paulo. 1 de abril de 2019. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  78. «Imagem do Enem vaza antes da hora; Weintraub diz que falha de segurança não compromete exame». Folha de S.Paulo. 4 de novembro de 2019. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  79. «Houve 'inconsistências' na correção da segunda prova do Enem 2019, diz ministro da Educação». G1. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  80. «O que se sabe sobre o erro na correção do Enem 2019». educacao.uol.com.br. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  81. «Internautas reclamam de lentidão no acesso ao Sisu - UOL Educação». educacao.uol.com.br (em inglês). Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  82. «Estudantes relatam erros no Sisu; ministro diz que não há problemas». Agência Brasil. 24 de janeiro de 2020. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  83. «Funcionários do MEC afirmam que resultado do Enem não é 100% confiável». Folha de S.Paulo. 29 de janeiro de 2020. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  84. «Ao menos 41 ações questionam correção do Enem 2019, aponta levantamento da AGU». G1. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  85. «Suspenso, Sisu tem 1,8 milhão de inscritos em 2020». Folha de S.Paulo. 27 de janeiro de 2020. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  86. «Proibido pela Justiça, MEC vaza lista do Sisu por minutos». Metrópoles. 28 de janeiro de 2020. Consultado em 30 de janeiro de 2020 
  87. «Novo erro no Sisu 2020 impede candidatos de acessarem lista de espera». Folha de S.Paulo. 29 de janeiro de 2020. Consultado em 30 de janeiro de 2020 
  88. «MPF detecta indícios de falhas no Sisu na oferta de vagas a pessoas com deficiência física». O Globo. 29 de janeiro de 2020. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  89. «SiSU 2020: após problemas, universidades adiam resultados». Vestibular Brasil Escola. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  90. «Governo vai apurar falhas no Enem e não descarta sabotagem». Terra. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  91. «MPF pede explicações a Weintraub por críticas às expressões 'povos indígenas' e 'povo cigano'». G1. Consultado em 20 de junho de 2020 
  92. admin (20 de junho de 2020). «the contradictions between what Weintraub and the World Bank think». Web24 News (em inglês). Consultado em 20 de junho de 2020 
  93. Oliveira, Joana (18 de junho de 2020). «Weintraub deixa Ministério da Educação, mas antes revoga cotas para negros e indígenas na pós-graduação». EL PAÍS. Consultado em 20 de junho de 2020 
  94. «Brazil: Minister of Education announces his departure from Bolsonaro government». Brasil de Fato. Consultado em 20 de junho de 2020 
  95. «MEC revoga portaria que acabava com incentivo a cotas para negros, indígenas e pessoas com deficiência na pós-graduação». G1. Consultado em 23 de junho de 2020 
  96. Azevedo, Reinaldo (15 de abril de 2020). «Eis as evidências escancaradas do racismo praticado por Weintraub. É lei!». UOL. Cópia arquivada em 19 de abril de 2020. Em live com o deputado Eduardo Bolsonaro, no dia 5, afirmou o ministro sobre a China, insistindo na teoria conspiratória: "Eu infelizmente consigo ver uma possibilidade de maldade nesse movimento. Não acho que tenha sido um vírus feito em laboratório, não acredito nisso. Mas, esse movimento de segurar informação e se preparar depois para a crise mundial, eu acho que talvez. Quando eu vi que eles tinham 60 mil respiradores prontos para vender, eu pensei: poxa vida, poderiam ter avisado pro mundo inteiro que ia faltar respirador". 
  97. «Weintraub diz que pedirá desculpas se China fornecer respiradores: 'digo que fui imbecil'». noticias.band.uol.com.br. 6 de abril de 2020. Cópia arquivada em 6 de abril de 2020 
  98. Simões, Eduardo (6 de abril de 2020). «Brazil-China diplomatic spat escalates over coronavirus supplies». Reuters (em inglês). Cópia arquivada em 6 de abril de 2020 
  99. «Embaixada da China rebate Weintraub sobre coronavírus: "Cunho racista"». UOL. 6 de abril de 2020. Consultado em 6 de abril de 2020 
  100. «China chama comentário de Weintraub de 'fortemente racista' e aponta 'influência negativa' em relação com Brasil». O Globo. 6 de abril de 2020. Consultado em 6 de abril de 2020. O presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara, o deputado federal Fausto Pinato (PP-SP) repudiou as declarações de Weintraub.
    "Pelo jeito, se tem um ministro que está firme e forte no cargo, é o Weintraub, da Educação. É que trata-se de uma pessoa despersonalizada que se presta ao papel de postar em rede social o que manda o gabinete do ódio do Planalto. Eis aí mais uma delas. E o Ministério da Educação, que Weintraub deveria cuidar, mais parece um barco a deriva, sem rumo e os projetos sem comando. É assim que age o governo paralelo, cujas ordens vem dos Estados Unidos, através de um tal Olavo! Deus tenha piedade do Brasil!", escreveu Pinato.
     
  101. Maakaroun, Bertha (10 de abril de 2020). «"Não faz sentido buscar embates com a China", diz economista Paulo Nogueira Batista Júnior». O Estado de Minas. Cópia arquivada em 12 de abril de 2020 
  102. «O tolo Weintraub consegue: Embaixada da China rebate suas molecagens». Jornal GGN. 6 de abril de 2020. Cópia arquivada em 6 de abril de 2020 
  103. «Opinião - Ivan Marsiglia: Tuíte ofensivo à China tinha como alvo o Ministério da Saúde». Folha de S.Paulo. 6 de abril de 2020. Consultado em 7 de abril de 2020 
  104. «China ameaça corte no comércio se bolsonaristas insistirem em hostilidades». UOL Política. 6 de abril de 2020. Consultado em 7 de abril de 2020 
  105. Chade, Jamil (6 de abril de 2020). «PSOL pede que PGR abra inquérito contra Weintraub por racismo». UOL Notícias. Cópia arquivada em 11 de abril de 2020 
  106. «PGR pede inquérito contra Weintraub por crime de racismo com chineses». Exame. 14 de abril de 2020. Cópia arquivada em 15 de abril de 2020 
  107. «'Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF', diz ministro da Educação em reunião». G1 — Brasília. 23 de maio de 2020. Consultado em 23 de maio de 2020 
  108. «Bolsonaro condecora Weintraub e Aras com Ordem de Mérito Naval». Estado de Minas. 29 de maio de 2020. Consultado em 31 de maio de 2020 
  109. «DECRETO DE 28 DE MAIO DE 2020 - DOU». Imprensa Nacional. Consultado em 31 de maio de 2020 
  110. «Weintraub e dez parlamentares na mira do STF têm passaportes diplomáticos». noticias.uol.com.br. Consultado em 20 de junho de 2020 
  111. «Investigado pelo STF, Weintraub diz que deixará o Brasil 'o mais rápido possível'». G1. Consultado em 20 de junho de 2020 
  112. «Página 1 do DOU - Seção 2 - Edição Extra B, número 116, de 20/06/2020 - Imprensa Nacional». pesquisa.in.gov.br. Consultado em 20 de junho de 2020 
  113. «Edição extra do 'Diário Oficial' publica exoneração de Weintraub do Ministério da Educação». G1. Consultado em 20 de junho de 2020 
  114. «Antonio Paulo Vogel de Medeiros: saiba quem é o ministro interino da Educação». G1. G1. 20 de junho de 2020. Consultado em 20 de junho de 2020 
  115. «Oposição ataca ida de Weintraub aos Estados Unidos: 'Fugiu'». Uil. 20 de junho de 2020. Consultado em 20 de junho de 2020 
  116. «Governo altera data de exoneração de Weintraub do Ministério da Educação». G1. Consultado em 23 de junho de 2020 
  117. Matheus Lara (22 de junho de 2020). «Weintraub fugiu? Analistas comentam saída do ex-ministro do País em meio a investigações». Estadão. Grupo Estado. Consultado em 26 de junho de 2020. Cópia arquivada em 26 de junho de 2020 
  118. Flávia Said (19 de junho de 2020). «Grupo envia carta ao Banco Mundial desaconselhando indicação de Weintraub». Congresso em Foco. UOL. Consultado em 20 de junho de 2020. Cópia arquivada em 20 de junho de 2020 
  119. Flávia Said (20 de junho de 2020). «Depois de desembarcar nos Estados Unidos, Weintraub é exonerado do MEC». Congresso em Foco. UOL. Consultado em 20 de junho de 2020. Cópia arquivada em 20 de junho de 2020 
  120. a b «Pai de Weintraub foi perseguido na ditadura e abordou descriminalizar droga». noticias.uol.com.br. Consultado em 23 de maio de 2019. Cópia arquivada em 11 de abril de 2019 
  121. «PERFIL: Quem é o novo ministro da Educação, Abraham Weintraub». O Globo. 8 de abril de 2019. Consultado em 23 de maio de 2019 

Ligações externas

Precedido por
Ricardo Vélez Rodríguez
Ministro da Educação do Brasil
2019 – 2020
Sucedido por
Carlos Decotelli