Abu Mena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Abu Mena *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

250px
Abu Mena, egipto
País  Egito
Critérios iv
Referência 90
Coordenadas 30° 50′ N 29° 39′ E
Histórico de inscrição
Inscrição 1979  (3ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

Abu Mena (ou Abu Mina) foi uma cidade, um complexo monástico e um centro de peregrinação do Egipto antiquo-tardio. É um dos locais cristãos mais velhos do Egipto. A igreja, as basílicas, os edifí­cios públicos, as ruas, os mosteiros, as casas e as oficinas nesta cidade santa de Abu Mena foram construí­dos sobre o túmulo do mártir Menas de Alexandria. O local foi colocado na lista de Património Mundial da UNESCO em 1979, mais tarde colocado na lista do Patrimônio Mundial em perigo, em 2001[1] e está muito perto Novo Mosteiro de St. Mina em Mariut.

História[editar | editar código-fonte]

Menas de Alexandria foi martirizado em meados do século III ou IV. Diz-se que o corpo sem vida de Menas foi levado de Alexandria num camelo. A um ponto da viagem diz-se que o camelo recusou-se a continuar, apesar de todos os esforços. Isto foi tomado como um sinal de vontade divina, e assim foi nesse local que o corpo foi enterrado.

A maioria das versões históricas sobre a localização do túmulo foram então esquecidas até a sua redescoberta, considerada milagrosa, por um pastor local. Desde o sinaxário etíope (EAW Budge, trad.):

E Deus quis revelar o [local do] corpo de São Menas. E havia naquele deserto um certo pastor, e um dia uma de suas ovelhas estava sofrendo da doença da crosta, e ela foi àquele lugar, e mergulhou na água da pequena fonte que estava perto do lugar, e nela rolava, e ali foi curada imediatamente. E quando o pastor viu tal coisa, e entendeu o milagre, admirou muito e ficou surpreso. E depois que ele usou para tirar um pouco da poeira, e misturá-la com água e esfrega-la sobre as ovelhas que estavam estavam doentes com a crosta, foram assim logo curadas. E isso ele costumava fazer em todos os momentos, e ele curou todos os doentes que vieram a ele por este meio.

Os poderes de cura das palavras do pastor se espalharam rapidamente. O sinaxário descreve Constantino I enviando sua filha doente ao pastor para ser curado, e atribui a ela o encontrar o corpo de Menas ", depois que Constantino ordenou a construção de uma igreja no local.[2]

Em fins do século IV o sítio já se havia tornado um importante centro de peregrinação para cristãos, que procuravam cura para as suas doenças e outros milagres.

Durante o reinado de Arcádio, um arcebispo notou que as multidões transbordavam a pequena igreja. Deu-se uma expansão das instalações, uma das três que ocorreram. Em fins do período antiquo-tardio, Abu Mena tinha-se tornado o principal centro de peregrinação do Egipto.

Em meados do século VII a cidade foi destruída pela Expansão islâmica.

Referências

  1. «UNESCO». Consultado em 11 de junho de 2014 
  2. Grossmann, Peter (1998). "The Pilgrimage Center of Abû Mînâ". in D. Frankfurter (ed.), Pilgrimage & Holy Space in Late Antique Egypt. Leiden-Boston-Köln, Brill: p. 282
Ícone de esboço Este artigo sobre História do Egipto, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.