Academia Brasileira de Literatura de Cordel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Academia Brasileira de Literatura de Cordel
(ABLC)
Brasão da ABLC
Lema "Ad immortalitatem
Rumo à imortalidade"
Fundação 7 de setembro de 1989 (26 anos)
Tipo Associação literária
Sede Rua Leopoldo Fróes, Nº 37, bairro de Santa Teresa, Brasil Rio de Janeiro
Membros Ver: Lista de membros da Academia Brasileira de Literatura de Cordel
Línguas oficiais Português com as variações regionais[1].
Presidente Gonçalo Ferreira da Silva
Sítio oficial [1]

A Academia Brasileira de Literatura de Cordel (com sigla ABLC), é a entidade literária máxima a reunir, no Brasil, os expoentes deste gênero literário típico da Região Nordeste do país, com sede no Rio de Janeiro, e fundada a 7 de setembro de 1988.

Graças ao trabalho de resgate e manutenção desta manifestação cultural feita pela ABLC, os cordéis passaram a integrar o currículo da faculdade de letras da Universidade de Coimbra - fazendo assim o "caminho de volta" do estilo originado em Portugal.[2]

A ABLC funciona nos dias úteis, das 9 às 18h, em sua sede à rua Leopoldo Fróes, 37, no bairro de Santa Teresa; de seus três diretores iniciais hoje conta com 40 membros efetivos e conta com de mais de 13 mil títulos em seu acervo, muitos dos quais à venda ali.[2]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A ABLC foi assim definida pelo cordelista Gonçalo Ferreira da Silva:[2]

"Da inspiração mais pura,
No mais luminoso dia,
Porque Cordel é cultura
Nasceu nossa Academia
O céu da literatura
A casa da poesia."

Panorama cultural do cordel[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Literatura de Cordel

A literatura de cordel surgira por meio de artistas populares, com baixo nível educacional formal, e sua produção era voltada para um público de pouco poder aquisitivo.[3]

No período mais recente, contudo, essa manifestação mudou de atores, com o surgimento de uma geração de cordelistas formada por poetas com instrução, que estavam preocupados com a revalorização do gênero, inclusive procurando seu uso didático; isto levou, por exemplo, à adaptação de obras literárias tanto de autores nacionais do Brasil quanto estrangeiros ao gênero.[3]

Neste contexto veio também para renovar a linguagem do cordel a fundação da Academia.[3]

Surgimento da Academia[editar | editar código-fonte]

Obra de 1913 de autoria de Leandro Gomes de Barros, patrono da cadeira 1.

Ainda em 1978 Gonçalo Ferreira da Silva resolvera se aprofundar no estudo do histórico e técnica do cordel, quando ele deu início na Feira de São Cristóvão da capital carioca à iniciativa de montar uma banca que, a seguir, passou a atrair pesquisadores e interessados; no final da década de 1980 aquela pequena banca acabou por se tornar o embrião do que viria a ser uma Academia a reunir os expoentes do estilo literário que, com o apoio da Federação das Academias de Letras do Brasil, finalmente passou a ter uma sede própria.[2]

Outro precursor foi o poeta paraibano Raimundo Santa Helena que, morando no Rio de Janeiro, fundara a "Cordelbrás" e a Feira Nordestina de São Cristóvão; Santa Helena chegou a concorrer, sem sucesso, a uma vaga na Academia Brasileira de Letras.[4]

A ABLC em suas atividades publica folhetos de vários autores, além de livros como o “Dicionário Brasileiro de Literatura de Cordel”, e implanta "cordeltecas" pelo país.[2] Uma dessas iniciativas mereceu o apoio cultural da empresa Petrobras, com a reedição de 100 cordéis históricos, obras raras e antigas de 41 autores.[5]

Primeira diretoria[editar | editar código-fonte]

Poeta cordelista Firmino Teixeira do Amaral, patrono da cadeira 3.

Sua primeira diretoria tinha somente três membros: Gonçalo Ferreira da Silva, Presidente; Apolônio Alves dos Santos, Vice-Presidente e Hélio Dutra como Diretor Cultural.[2]

Diretoria atual[editar | editar código-fonte]

Presidente

Gonçalo Ferreira da Silva

Vice-presidente

Messody Benoliel

Secretária

Maria Luiza

Tesoureira

Wanda Brauer

Diretor Jurídico

Agenor Ribeiro

Diretor Cultural

Marcus Lucenna

Assessores do Presidente

Francisco Paulino Campelo Marlos de Herval Lima da Silva Guaipuan Vieira

Patronos e Membros[editar | editar código-fonte]

Constituída por quarenta Cadeiras, assim como a Academia francesa que a todas as Academias serve de modelo, cada uma delas sob um Patronato, como a Brasileira, possui ainda a categoria de Sócios Beneméritos.

Cadeira Patrono Ocupantes
1 Leandro Gomes de Barros Cadeira vaga
2 José Pedro de Barros Cadeira vaga
3 Firmino Teixeira do Amaral Fábio Sombra
4 Apolônio Alves dos Santos Moreira de Acopiara
5 José Camelo João José dos Santos
6 Guerra Vascurado Sepalo Campelo
7 João Martins de Athayde Marcus Lucenna
8 Sebastião Nunes Batista Beto Brito
9 Luiz da Costa Pinheiro Olegário Alfredo
10 Catulo Cearense Cadeira vaga
11 José Pacheco Klévisson Viana
12 Francisco das Chagas Batista Paulo Nunes Batista
13 Delarme Monterio Silva Marco Haurélio
14 Pacífico Pacato Cordeiro Manso William J. G. Pinto
15 Patativa do Assaré Antônio Francisco Teixeira de Melo
16 Veríssimo de Melo Adriana Cordeiro Azevedo
17 Silvino Pirauá Manoel Santamaria
18 José Bernardo da Silva Maria Rosário Pinto
19 Leonardo Mota Messody Ramiro Benoliel
20 Manoel D'Almeida Filho Glória Fontes Puppin
21 Joaquim Batista de Sena Guaipuan Vieira
22 Antônio Batista Guedes Argeu Sebastião da Motta
23 Capistrano de Abreu Agenor Ribeiro
24 Silvio Romero Heloisa Crespo
25 Juvenal Galeno Francisco Silva Nobre
26 Luís da Câmara Cascudo Crispiniano Neto
27 M. Cavalcante Proença Zayra Coutinho
28 Caetano Cosme da Silva Cadeira vaga
29 Manoel Caboclo e Silva Maria Luiza
30 José Galdino da Silva Duda Cícero Pedro de Assis
31 Umberto Peregrino Ivamberto Albuquerque Oliveira
32 José da Luz Antônio de Araújo (Campinense)
33 Rodolfo Coelho Cavalcante Wanda Brauer
34 Manoel Camilo dos Santos Luis Nunes Alves (Severino Sertanejo)
35 José Praxedes Cadeira vaga
36 Adelmar Tavares Antônio Bispo dos Santos
37 José Soares J. Victtor
38 Manoel Tomaz de Assis Manoel Monteiro (1937-2014)
39 Sebastião do Nascimento Pedro Costa
40 João Mequíades Ferreira Arievaldo Viana

Referências

  1. De acordo com o art. 216, inciso I, da Constituição de 1988, as formas de expressão constituem patrimônio cultural imaterial brasileiro.
  2. a b c d e f Redação do programa (11/02/2012). «Academia Brasileira de Literatura de Cordel implanta cordeltecas pelo país : Folhetos e livros feitos no Brasil são estudados na Universidade Coimbra». Globo Universidade. Consultado em 29/3/2016. 
  3. a b c Célia Navarro Flores (2013). «Uma novela exemplar de Cervantes no cordel brasileiro:" La fuerza de la sangre"» (PDF). Anuario Brasileño de Estudios Hispánicos. Consultado em 29/3/2016. 
  4. Carlos Alberto de Assis Cavalcanti (2007). «A atualidade da literatura de cordel» (PDF). Repositório Institucional da UFPE. Consultado em 29/3/2016. 
  5. Institucional da empresa (2009). «100 Cordéis Históricos segundo a Academia Brasileira de Literatura de Cordel». Petrobras (sítio oficial). Consultado em 29/3/2016. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Grandes Cordelistas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal: