Academia Nacional de Medicina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Academia Nacional de Medicina
(ANM)
Logótipo
Brasão da ANM
Fundação 30 de junho de 1829 (191 anos)
Propósito Contribuir para o estudo, a discussão e o desenvolvimento das práticas da medicina, cirurgia, saúde pública e ciências afins, além de servir como órgão de consulta do Governo brasileiro sobre questões de saúde e de educação médica.[1]
Presidente Rubens Belfort Mattos Junior[2]
Organização Carlos Chagas, Osvaldo Cruz
Antigo nome Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro e Academia Imperial de Medicina
Sítio oficial http://anm.org.br/
Joaquim Cândido Soares de Meireles, primeiro presidente da então Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro

A Academia Nacional de Medicina é uma associação de direito privado, sem fins econômicos[3], fundada no Brasil em 30 de junho de 1829 pelo Dr. Joaquim Cândido Soares de Meireles sob o nome de "Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro". Pelo decreto da Regência de 8 de maio de 1835 , a Sociedade passou a denominar-se Academia Imperial de Medicina. Com a instauração do regime republicano, o decreto nº 9, de 21 de novembro de 1889 , instituído pelo Governo Provisório, suprimiu o título “imperial” de várias instituições dependentes do Ministério dos Negócios do Interior, entre estas a Academia Imperial de Medicina, que passou a ser denominada Academia Nacional de Medicina.[4].

História[editar | editar código-fonte]

Até a fundação da Academia Nacional de Medicina floresciam no Brasil curandeiros, alguns charlatães e feiticeiros. O primeiro médico prático da cidade foi Aleixo Manuel, o velho, em meados do século XVII. Os caboclos empregavam a vaga medicina dos pajés e os negros, seus amuletos e ervas. Em certas ruas, barbeiros apregoavam drogas, faziam sangrias. Não havia Faculdade de Medicina e os cariocas que desejavam curar seus semelhantes eram obrigados a ir estudar em Coimbra. O ensino oficial da Medicina começaria em 5 de novembro de 1808 quando, por decreto de D. João VI, foi criada a Escola Anatômico-Cirúrgica e Médica, precursora da atual Faculdade Nacional de Medicina.

A medicina do tempo do Primeiro Reinado, embora D. João VI tivesse trazido alguns bons médicos para o Rio de Janeiro, era do ´tipo caseiro´: rodelinhas de limão nas frontes para enxaquecas, suadouros de sabugueiro e quina, para as febres: cataplasmas contra as asmas: antipirina para as dores de cabeça; banhos de malva para as dores nas cadeiras; um ´cordial´ contra a insônia e, para os loucos, o Hospício, na Praia Vermelha.

A 13 de junho de 1954 o diretor do Instituto Brasileiro de História da Medicina plantou no Jardim Botânico do Rio de Janeiro uma muda vinda da árvore de Hipócrates, multimilenar, que ainda existe na ilha de Cós, na Grécia.

Recentemente foi presidida pelo dr. Neves Manta. Há 100 membros titulares que ingressam na instituição mediante apresentação de teses científicas.

Numa de suas dependências, um pequeno Museu mostra, por exemplo, o primeiro estetoscópio chegado ao Brasil.

Secções e Patronos[editar | editar código-fonte]

Secção de Medicina[editar | editar código-fonte]

Eméritos

  • Cad. 50 Eugênio Domingos da Silva Carmo - Rio de Janeiro

Titulares

Secção de Cirurgia[editar | editar código-fonte]

Eméritos

  • Cad. 24 Deolindo de Souza Gomes Couto - Rio de Janeiro
  • Cad. 32 Pedro Monteiro Sampaio - Rio de Janeiro

Titulares

Secção de Ciências Aplicadas à Medicina[editar | editar código-fonte]

Eméritos

  • Cad. 88 Francisco Fialho - Rio de Janeiro

Titulares

Referências

  1. «História». Academia Nacional de Medicina. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  2. «Presidentes». Academia Nacional de Medicina. 14 de março de 2019. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  3. «Estatuto» (PDF). Academia Nacional de Medicina. Consultado em 17 de agosto de 2020 
  4. «Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro». Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930). Consultado em 16 de agosto de 2020 
  5. «Novo presidente da Academia Nacional de Medicina». Consultado em 23 de junho de 2016 [ligação inativa] 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]