Academia Paranaense de Letras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Academia Paranaense de Letras
(APL)
Brasão oficial da APL
Tipo Associação literária
Fundação 26 de setembro de 1936 (85 anos)
Sede Curitiba Paraná
Membros Cf. Index Academicorum [1]
Línguas oficiais Português
Presidente Ernani Buchmann
Sítio oficial academiaparanaensedeletras.com.br

A Academia Paranaense de Letras (APL) é uma instituição literária do Paraná que representa as 24 academias de letras e instituições literárias do Estado frente à Academia Brasileira de Letras.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Academia de Letras do Paraná[editar | editar código-fonte]

A primeira instituição paranaense seguindo os moldes das academias de letras foi a Academia de Letras do Paraná (ALP), fundada em 1922 após uma cisão de membros do Centro de Letras do Paraná (CLP). Uma discussão entre dois membros do CLP, Raul Gomes e Raul Azevedo, devido principalmente a discordâncias sobre como deveriam ser as atividades culturais da instituição, acabou fazendo com que outros membros tomassem partido de um ou de outro. Após a eleição de uma nova diretoria do CLP em 1922, o grupo "derrotado" se desligou da instituição e fundou a ALP.[2]

A ALP definiu uma estrutura de 30 cadeiras, cada uma com um patrono (primeiro nome na lista abaixo) e um acadêmico (segundo nome):[2]

  1. Albino José Silva / Dr. José Niepce da Silva
  2. Alfredo Munhoz / Alcides Munhoz
  3. Bento Fernandes de Barros / Dr. João Pamphilo de Assumpção
  4. J. Bernardino Bormann / Cap. Didio Iratym Affonso da Costa
  5. Brasilio Itibere da Cunha / Dr. Paulo Idelfonso da Costa
  6. Cicero Marcondes França / Dr. Generoso Borges de Macedo
  7. Candido Lopes / Dr. Sebastião Paraná de Sá Sottomaior
  8. Joaquim Dias da Rocha Filho / Francisco Heráclito Ferreira Leite
  9. Domingos Nascimento / Tasso Azevedo da Silveira
  10. Eusébio Silveira Motta / Dario Persiano de Castro Velloso
  11. Emilio de Menezes / Dr. Seraphim Martins França
  12. Emiliano Pernetta / Dr. José Henrique de Santa Ritta
  13. Faria Sobrinho / Dr. Manoel de Lacerda Pinto
  14. Fernando Amaro / Manoel Azevedo da Silveira Netto
  15. Fernando Simas / Ernesto Luiz de Oliveira
  16. João José Pedrosa / Dr. Francisco Ribeiro de Azevedo Macedo
  17. Jesuíno Marcondes / Dr. Moyses Marcondes de Oliveira e Sá
  18. Júlio Pernetta / João David Pernetta
  19. J. Evangelista Braga / Leonidas Moura de Loyola
  20. Telêmaco Borba / Ermelino Agostinho de Leão
  21. Luiz França / Alfredo Romário Martins
  22. Manoel Euphrasio Correia / Leôncio Correia
  23. Monteiro Tourinho / Jaime Ballão
  24. Conego Manuel Vicente / Bispo D. Alberto José Gonçalves
  25. Manuel F. Correia / Nestor Victor
  26. Nestor de Castro / Dr. Samuel Cesar de Oliveira
  27. Silva Muricy / José Candido de Andrade Muricy
  28. Ubaldino do Amaral / Joaquim Ignacio Dantas Ribeiro
  29. Antônio Viera dos Santos / Dr. José Francisco da Rocha Pombo
  30. Vicente Machado / João Candido Ferreira

A ALP começou a reduzir suas atividades a partir de 1926 até que foi extinta. Um dos motivos foi o fato de começarem a aceitar como acadêmicos alguns membros sem histórico literário, apenas por motivos políticos, devido a sua forte ligação com o então governo estadual. Por essa forte ligação política, quando ocorreu a Revolução de 1930, que, entre outras coisas, alterou os responsáveis pelo governo paranaense, a ALP foi extinta.[3][4]

Academia Paranaense de Letras[editar | editar código-fonte]

Em 1936, foi fundada no Rio de Janeiro a Federação das Academias Brasileiras de Letras, com o propósito de reunir todas as academias estaduais. A Federação solicitou ao então presidente do Centro de Letras do Paraná, Ulysses Falcão Vieira, que fosse criada uma academia representante do Estado do Paraná. Os intelectuais reunidos para este propósito, optaram por não dar continuidade à antiga ALP, fundando, então, em 26 de setembro de 1936, a Academia Paranaense de Letras.[3][5]

Na reunião de 26 de setembro foram definidas algumas características da nova instituição, como o total de 40 cadeiras e a aclamação de alguns membros a extinta ALP para fazer parte da nova Academia: Dom Alberto José Gonçalves, João Cândido, Sebastião Paraná, Dario Vellozo, Santa Ritta, Dídio Iratim, Leónidas Loyola, Pamphilo d’Assumpção, Silveira Neto, Tasso da Silveira, Andrade Muricy, Leôncio Correia, Lacerda Pinto, Azevedo Macedo e Romário Martins. Os demais membros foram escolhidos por uma comissão formada por três membros da antiga ALP e três membros do CLP.[6]

O processo de organização da recém-fundada APL durou até 29 de abril de 1937, quando sua estrutura foi finalizada. No mês seguinte, realizou-se a primeira assembleia da instituição, elegendo como Ulysses Vieira como seu primeiro presidente. Nos meses seguintes, foram definidas as cadeiras destinadas a cada patrono, distribuídas em ordem alfabética. Contudo, em 1940, houve uma reformulação nos patronos. Como originalmente cada membro escolhera o patrono de sua cadeira, alguns nomes considerados importantes ficaram de fora. Com isso, após a reformulação, como havia mais pessoas a homenagear como patronos do que o número total de cadeiras, alguns desses nomes foram designados como fundadores (nome que, tradicionalmente, é dado ao acadêmico que "inaugura" a cadeira).[6]

O atual presidente da APL é o escritor Ernani Buchmann.[7]

Estrutura e admissão[editar | editar código-fonte]

A APL segue o modelo da Academia Brasileira de Letras, com 40 cadeiras ocupadas por intelectuais do Estado. A estrutura de cada cadeira é composta por patrono, fundador e demais ocupantes.[8]

Para concorrer a uma vaga, o candidato deve ter nascido no Paraná ou morar no Estado há mais de dez anos. Além disso, deve enviar um ofício ao presidente da entidade oficializando sua intenção e enviar seu currículo e exemplares de sua produção literária ou acadêmica. Os candidatos aprovados nessa fase, passam por uma votação entre os demais membros da APL.[9]

Até 1990, era proibido às mulheres se candidatarem a uma cadeira da APL. A primeira mulher a ser eleita foi a escritora Pompília Lopes do Santos, que assumiu em 12 de setembro de 1991 a cadeira 37, que ficara vaga após a morte de seu marido, o poeta Dario Nogueira dos Santos. Antes de ser eleita para a APL, Pompília fora fundadora da Academia Feminina de Letras do Paraná, em 1970, e presidente da instituição por dez anos.[10][11][12]

Sede[editar | editar código-fonte]

Palácio Belvedere, sede da Academia Paranaense de Letras

Quando de sua fundação, em 1936, a APL funcionava em algumas salas da seção paranaense da Ordem dos Advogados do Brasil. Quando a Ordem mudou de sede, a APL foi "acolhida" pelo Círculo de Estudos Bandeirantes e, posteriormente, pelo Instituto Histórico e Geográfico do Paraná, onde ocupava todo o segundo andar.[3]

Em 2019, a APL passou a ter sua primeira sede própria e aberta ao público, localizada no Palácio Belvedere, no bairro São Francisco, em Curitiba. O prédio, construído em 1915 e tombado pelo Patrimônio Histórico do Paraná, esteve fechado por vários anos até que um incêndio o atingiu em 2017. Dois anos depois, já restaurado, passou a abrigar a sede da APL e um café-escola do SENAC.[13][14]

Acadêmicos[editar | editar código-fonte]

Em negrito o nome do atual ocupante de cada cadeira.

Patrono[6] Fundador[6] Sucessores
1 Antônio Vieira dos Santos José Francisco da Rocha Pombo (*) Valfrido Pilotto[15]
Dante Mendonça[16]
2 Cândido Martins Lopes Sebastião Paraná Francisco Ribeiro de Azevedo Macedo[17]
Osvaldo Pilotto
Luiz Romaguera Netto
Ernani Buchmann
3 Jesuíno Marcondes de Oliveira e Sá Moysés Araújo Marcondes de Oliveira e Sá (*) Flávio Carvalho Guimarães
Newton Isaac da Silva Carneiro
René Ariel Dotti
Clèmerson Merlin Clève[18]
4 Dr. José Cândido Muricy José Cândido da Silva Muricy José Cândido de Andrade Muricy
Eduardo Rocha Virmond
5 Fernando Amaro de Miranda Manoel de Azevedo da Silveira Netto Tasso Azevedo da Silveira
Leopoldo Scherner
Paulo Venturelli
6 Senador Manoel Francisco Correia Neto Nestor Víctor dos Santos (*) Ulysses Falcão Vieira
Ernani Guarita Cartaxo
Francisco Raitani
Felício Raitani Neto
Harley Clóvis Stocchero
Oriovisto Guimarães
7 Bento Fernandes de Barros João Pamphilo d'Assumpção Oscar Martins Gomes
Marino Bueno Brandão Braga
Ney José de Freitas
8 Francisco Antonio Monteiro Tourinho Jayme Ballão (*) Ildefonso Serro Azul
Jayme Ballão Júnior
Elias Karam
Luiz Carlos Pereira Tourinho
Rafael Valdomiro Greca de Macedo
9 Manoel Euphrasio Correia Leôncio Correia Vasco José Taborda Ribas
Ário Taborda Dergint de Rawicz
10 Telêmaco Augusto Enéas Morocines Borba Ermelino Agostinho de Leão (*) Francisco de Paula Dias Negrão
Arthur Martins Franco
Ruy Christovam Wachowicz
Raymundo Maximiano Negrão Torres
Flora Munhoz da Rocha
Flávio José Arns[5]
11 Alfredo Caetano Munhoz Alcides Munhoz (*) Laertes de Macedo Munhoz
João Manuel Simões
12 Ubaldino do Amaral Fontoura Euclides da Mota Bandeira e Silva José de Sá Nunes
Faris Antônio Salomão Michaele
Ernani Costa Straube
13 Generoso Marques dos Santos Enéas Marques dos Santos Manoel de Oliveira Franco Sobrinho
Rui Cavallin Pinto
14 José Bernardino Bormann Dídio Iratim Afonso da Costa Júlio Estrella Moreira
José Carlos Veiga Lopes
Guido Viaro
15 Dr. João José Pedrosa Clemente Ritz (*) Virgílio Moreira
Christovam Colombo de Souza
Adélia Maria Woellner
16 Brasílio Itiberê da Cunha Paulo Ildephonso d'Assumpção (*) Benedito Nicolau dos Santos
Bento João d'Albuquerque Mossurunga
Benedito Nicolau dos Santos Filho
Alceo Ariosto Bocchino
Paulo Sérgio da Graça Torres Pereira
17 Eusébio Silveira da Motta Dario Persiano de Castro Vellozo Dicesar Plaisant
Flávio Suplicy de Lacerda
Euro Brandão
Clemente Ivo Juliatto
18 Joaquim de Almeida Faria Sobrinho Hyppolyto Pacheco Alves d'Araújo Manoel de Lacerda Pinto
Francisco da Cunha Pereira Filho
Laurentino Gomes
19 José Gonçalves de Moraes José Gelbecke Arildo José de Albuquerque
Joaquim Carvalho
Carlos Alberto Sanches
20 Albino José da Silva José Niepce da Silva (*) Ciro Silva
Francisco Pereira da Silva
Samuel Guimarães da Costa
Luiz Geraldo Mazza
21 Cônego João Evangelista Braga Leônidas Moura de Loyola Milton Ericksen Carneiro
Ernani Simas Alves
Albino de Brito Freire
22 Monsenhor Manoel Vicente Montepoliciano da Silva Bispo Dom Alberto José Gonçalves Carlos Stellfeld
Metry Bacila
João José Bigarella
Etel Frota
23 Fernando Machado Simas Ernesto Luiz de Oliveira Hugo Gutierrez Simas
Arthur Ferreira dos Santos
Odilon Túlio Vargas
Jeorling Cordeiro Cleve
vaga
24 Luiz Ferreira França Serafim França Assad Amadeu Yassim
Chloris Casagrande Justen
25 Vicente Machado da Silva Lima João Cândido Ferreira Bento Munhoz da Rocha Netto
Ruy Noronha Miranda
Paulo Vítola
26 Joaquim Dias da Rocha Filho Francisco Heráclito Ferreira Leite Wilson da Silva Bóia
Léo de Almeida Neves
vaga
27 Domingos Virgílio do Nascimento Omar Gonçalves da Motta Noel Nascimento
Marta Morais da Costa
28 Francisco Carvalho de Oliveira Rodrigo Júnior (João Baptista Carvalho de Oliveira) Leonardo Henke
Helena Kolody
Belmiro Valverde Jobim Castor
Nilson Monteiro
29 Leônidas Fernandes de Barros Adolpho Jansen Werneck de Capistrano (*) Alcindo Lima
Carlos Alberto Teixeira Coelho Júnior
Ladislau Romanowski
Leonilda Hilgenberg Justus
Darci Piana
30 Emiliano David Perneta José Henrique de Santa Ritta Octávio de Sá Barreto
Oldemar Justus
Adherbal Fortes de Sá Júnior
31 Emílio Correia de Menezes Helvídio da Silva Pereira Lauro Grein Filho
Roberto Gomes
32 Joaquim Procópio Pinto Chichorro Júnior Alceu Chichorro Emílio Leão de Mattos Sounis
José Wanderlei Resende
Luci Collin
33 Nestor Pereira de Castro Samuel César de Oliveira (*) Alfredo Romário Martins
José Loureiro Ascenção Fernandes
Edwino Donato Tempski
Edilberto Trevisan
Roberto Muggiati
34 Júlio David Perneta João David Perneta (*) Raul Rodrigues Gomes
Antônio Celso Mendes
35 Nilo Cairo da Silva José Pereira de Macedo Mario Braga de Abreu
Moysés Goldstein Paciornik
Ricardo Pasquini
36 Ricardo Pereira de Lemos Heitor Stockler de França Apollo Taborda França
Marcio Renato dos Santos
37 Ismael Alves Pereira Martins Vicente Montepoliciano Nascimento Júnior José Augusto Gumy
Dario Nogueira dos Santos
Pompília Lopes dos Santos
Hellê Vellozo Fernandes
Clotilde de Lourdes Branco Germiniani
José Pio Martins
38 Reinaldino Antônio Scharffenberg de Quadros Durval Borges de Macedo Mário Marcondes de Albuquerque
Carlos Roberto Antunes dos Santos
Maria José Justino
39 Aristides de Paula França José Antônio Fernandes Cadilhe José Farani Mansur Guérios
Rosário Farani Mansur Guérios
Francisco Filipak
Cecília Vieira Helm
40 Cícero Marcondes França Generoso Borges de Macedo Ângelo Guarinello
Alvir Riesemberg
Valério Hoerner Júnior
Antônio Carlos Carneiro Neto

(*) Nomes designados como fundadores a título de homenagem, pois faleceram antes da inauguração da Academia. Nestes casos, o acadêmico que realmente "inaugurou" a cadeira é o que está relacionado como primeiro sucessor.

Referências

  1. «Academia Paranaense de Letras faz 80 anos nesta segunda (26)». Gazeta do Povo. 26 de setembro de 2016 
  2. a b Camargo Junior, Mauro Cezar Vaz de (2018). «Academia Paranaense de Letras: monopólio de consagração e a participação pública dos intelectuais». "Escrever uma história do Paraná para torná-la conhecida pelos paranaenses e pelos brasileiros": A construção de espaços de produção histórica no Paraná (1890-1930) (PDF) (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina. Consultado em 11 de setembro de 2021 
  3. a b c Gomes, Raul Rodrigues (24 de setembro de 1967). «Quando? Como? e por que "Ela" Nasceu?...». Diário do Paraná. Curitiba 
  4. Capistrano, Eduardo (2018). Adolpho Werneck: vida e obra 2 ed. [S.l.]: Clube de Autores. ISBN 978-85-924917-3-4 
  5. a b «Flávio Arns toma posse na Academia Paranaense de Letras». Agência de Notícias do Estado do Paraná. 27 de agosto de 2015 
  6. a b c d Buchmann, Ernani (2016). Academia Paranaense de Letras: biobibliografia (PDF). Curitiba: Posigraf 
  7. «Novo presidente da Academia Paranaense de Letras toma posse nesta segunda». Gazeta do Povo. 5 de março de 2017 
  8. «Posse na Academia Paranaense de Letras». Diário Indústria & Comércio. 15 de setembro de 2010 
  9. «Visibilidade para autores paranaenses». Cândido (revista da Biblioteca Pública do Paraná) nº 73. Agosto de 2017 
  10. Zanquetta, Fabiana dos Santos (2011). «Introdução». A representação da mulher na ficção de autoria feminina paranaense: Pompília Lopes dos Santos (1900-1993) (PDF) (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Maringá. Consultado em 11 de setembro de 2021 
  11. «O centenário de Pompília». Folha de Londrina. 6 de agosto de 2000 
  12. Tomé, Dyeinne Cristina (2020). «Pela pena e pela palavra: do fazer-se escritora ao fazer da escritora». Mariana Coelho e a Educação das Mulheres: uma escritora feminista no campo intelectual (1893-1940) (PDF) (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Ponta Grossa. Consultado em 13 de setembro de 2021 
  13. «Incêndio destrói prédio histórico que estava abandonado na região central de Curitiba». G1. 6 de dezembro de 2017 
  14. «Belvedere é reinaugurado e vai abrigar sede da Academia Paranaense de Letras». CBN Curitiba. 19 de dezembro de 2019 
  15. «Valfrido Pilotto, 100 anos de vida e de muitas obras». Tribuna do Paraná. 22 de abril de 2003 
  16. «Dante Mendonça toma posse e Roberto Muggiati será eleito». Gazeta do Povo. 3 de dezembro de 2010 
  17. «Memorial: Francisco Ribeiro de Azevedo Macedo». Ministério Público do Estado do Paraná 
  18. «Advogado Clèmerson Merlin Clève é eleito para a Academia Paranaense de Letras». Gazeta do Povo. 14 de outubro de 2021