Academia Recifense de Letras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde fevereiro de 2016).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

A Academia Recifense de Letras é uma entidade cultural voltada para a defesa e divulgação dos assuntos literários ligados à capital pernambucana. Foi fundada em 12 de março de 1996, por um grupo de intelectuais composto, entre outros, por Carlos Bezerra Cavalcanti, Carlos Ferraz, Rostand Paraiso,Olímpio Bonald Neto, Gentil Porto, Paulo Cardoso, Guilherme Abath, Fernando Antonio Gonçalves, Lucilo Varejão Neto [1], e José Geraldo Távora, liderados pelo escritor e editor Edvaldo Arlego.[carece de fontes?]

Suas reuniões preliminares ocorreram no auditório da Biblioteca Pública Estadual, dirigida, à época, pela bibliotecária Gleyde Victor.

A fundação solene ocorreu no salão nobre do Clube Português do Recife, e, na ocasião, tomaram posse a primeira diretoria, presidida por Edvaldo Arlego, e o Conselho Fiscal.

É a segunda academia na cidade do Recife sob este nome. No final do século XIX houve outro silogeu denominado Academia Recifense de Letras[2]

Atualmente é presidida pelo escritor e historiador Carlos Bezerra Cavalcanti.[3][carece de fontes?]

Referências

  1. *UFPE - CAC - Departamento de Letras
  2. PARAÍSO, Rostand. Academia Pernambucana de Letras. Sua história. Volume I. Recife: Academia Pernambucana de Letras, 2006, pág. 37.
  3. *A Voz do Escritor

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre academias é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.