Academia de Artes e Ciências dos Estados Unidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A casa da Academia, Cambridge, Massachusetts

A Academia de Artes e Ciências dos Estados Unidos (em inglês: American Academy of Arts and Sciences (abreviação: AAAS)) é uma das sociedades eruditas mais antigas dos Estados Unidos. Foi fundada em 1780 durante a Revolução Americana por John Adams, John Hancock, James Bowdoin,[1] Andrew Oliver e outros fundadores dos Estados Unidos.[2] Ela está sediada em Cambridge, Massachusetts.

A associação à academia é obtida por meio de um processo completo de petição, revisão e eleição.[3] O jornal trimestral da academia, Dædalus, é publicado pela MIT Press em nome da academia.[4] A academia também realiza pesquisas multidisciplinares sobre políticas públicas.[5]

História[editar | editar código-fonte]

A Academia foi estabelecida pela legislatura de Massachusetts em 4 de maio de 1780, planejada para "cultivar toda arte e ciência que possa tender a promover o interesse, a honra, a dignidade e a felicidade de um povo livre, independente e virtuoso".[6] Os sessenta e dois bolsistas incorporados representavam interesses variados e posição elevada nos setores político, profissional e comercial do estado. A primeira classe de novos membros, escolhida pela Academia em 1781, incluía Benjamin Franklin e George Washington, bem como vários membros honorários internacionais. O volume inicial de Memórias da Academia apareceu em 1785, e os Anais se seguiram em 1846. Na década de 1950, a Academia lançou seu diário Daedalus, refletindo seu compromisso com um programa intelectual e socialmente mais amplo.

Desde a segunda metade do século XX, a pesquisa independente se tornou o foco central da Academia. No final dos anos 1950, o controle de armas surgiu como uma de suas principais preocupações. A Academia também serviu como catalisador para o estabelecimento do National Humanities Center na Carolina do Norte. No final da década de 1990, a Academia desenvolveu um novo plano estratégico, com foco em quatro áreas principais: ciência, tecnologia e segurança global; política social e educação; humanidades e cultura; e educação. Em 2002, a Academia estabeleceu um programa de bolsistas visitantes em associação com a Universidade de Harvard. Mais de 75 instituições acadêmicas de todo o país tornaram-se Afiliadas da Academia para apoiar este programa e outras iniciativas da Academia.[7]

A Academia patrocinou uma série de prêmios e prêmios,[8] ao longo de sua história e ofereceu oportunidades para bolsas de estudo e pesquisadores visitantes na Academia.[9]

Referências

  1. Kershaw, G. E. (2014). American Academy of arts and sciences. In M. Spencer (Ed.), The Bloomsbury encyclopedia of the American Enlightenment. London, UK: Bloomsbury.
  2. «Yale Faculty Named to American Academy of Arts and Sciences». Yale University. 4 de maio de 2004. Consultado em 21 de abril de 2012. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2016 
  3. «Academy Bylaws – American Academy of Arts & Sciences». Consultado em 6 de junho de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2017 
  4. «About the Academy». American Academy of Arts and Sciences. Consultado em 11 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2012 
  5. «Our Work». American Academy of Arts & Sciences 
  6. «Charter of Incorporation». American Academy of Arts and Sciences. Consultado em 21 de abril de 2012. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2011 
  7. «Visiting Scholars Program». American Academy of Arts and Sciences. Consultado em 22 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2014 
  8. «Prizes». American Academy of Arts & Sciences 
  9. «Fellowships». American Academy of Arts & Sciences 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre os Estados Unidos é um esboço relacionado ao Projeto Estados Unidos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.