Academia de História Militar Terrestre do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Armas da AHIMTB

A Academia de História Militar Terrestre do Brasil (AHIMTB) foi fundada em março de 1996, na cidade de Resende, onde também está situada a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN). A instituição dedica-se à história das forças terrestres do Brasil - Exército, fuzileiros navais, infantaria da Aeronáutica, policiais e bombeiros auxiliares, bem como outras forças que as antecederam. Pretende ser um fórum de debate de assuntos históricos de natureza doutrinária, em especial para militares da reserva das Forças Terrestres do Brasil.

A AHIMTB foi fundada pelo historiador militar Coronel Eng QEMA Cláudio Moreira Bento.

Patronos[editar | editar código-fonte]

Possui sede e foro em Resende, mas de amplitude nacional, tem como patrono Duque de Caxias e como patronos de cadeiras historiadores militares terrestres assinalados, por vezes também ilustres chefes militares, como os marechais Mascarenhas de Moraes, Castelo Branco e generais Tasso Fragoso, Alfredo Souto Malan, Aurélio de Lyra Tavares e Valentim Benício.

Foram consagrados em vida como patronos de cadeiras, em razão de notáveis serviços à História Militar Terrestre do Brasil, os generais Aurélio de Lyra Tavares, Jonas de Moraes Correia, Francisco de Paula Azevedo Pondé, Severino Sombra e Umberto Peregrino, o almirante Hélio Leôncio Martins e os coronéis Francisco Ruas Santos, Jarbas Passarinho e Helio Moro Mariante da Brigada Militar do RGS. Figuram como patronos civis Barão do Rio Branco, Dr Eugênio Vilhena de Morais, Gustavo Barroso, Pedro Calmon e José Antônio de Mello pelas contribuições à História Militar Terrestre do Brasil.

Condecoração[editar | editar código-fonte]

A AHIMTB criou, a 25 de agosto de 2003, por ocasião dos 200 anos de nascimento do Duque de Caxias, a Medalha do Mérito Histórico Militar Terrestre, com o objetivo de agraciar civis, militares, nacionais e estrangeiros e entidades que a apoiam nas suas atividades, visando o progressivo desenvolvimento da História Militar Terrestre do Brasil.[1] A medalha é atribuída nos graus de Comendador, Oficial e Cavaleiro.

Referências

  1. O Guararapes - Informativo da AHIMTB nº. 42 Jul/Set 2004- http://www.ahimtb.org.br

Ligações externas[editar | editar código-fonte]