Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Acidente ferroviário de Mataró de 2012

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Acidente ferroviário de Mataró de 2012
Descrição
Data 9 de fevereiro de 2012
Hora 9h43min
Local Estação de Mataró
País Flag of Spain.svg Espanha
Linha Linha Barcelona-Mataró-Massanet-Massanas
Estatísticas
Mortos 0
Feridos 11 (1 grave)

O Acidente ferroviário de Mataró de 2012 ocorreu em 9 de fevereiro na Estação de Mataró, que pertence à linha de Cercanías Barcelona, na Espanha. O acidente foi resultado do choque de um trem da Renfe com um Para-choque de via, que estava localizado na Via 4. A investigação da Comissão de Investigação de Acidentes Ferroviários da Catalunha apontou erro humano como o principal fator do acidente, uma vez que o condutor do trem não tinha tomado a devida atenção.[1] Um total de 11 pessoas se feriram.

Descrição de eventos[editar | editar código-fonte]

Em 9 de fevereiro de 2012, às 9 horas e 43 minutos, o trem de passageiros 28 867, que partiu da estação de Molins de Rey e utilizava as linhas trinta (R30) e 43 (R43) através do controle de unidades múltiplas da série 447 da Renfe, transportando 50 passageiros,[2] colidiu com um para-choque de via da Via 4. Depois do choque, o carro frontal caiu sobre o para-choque, o que resultou no descarrilamento da composição. O segundo carro descarrilou no primeiro bogie.[1] O motorista ficou preso na cabine e os bombeiros levaram quarenta minutos para resgatá-lo.[3][4]

Depois de receber as notícias sobre o incidente, a "Direção Geral de Proteção Civil de Geralidade" da Catalunha ativou o alerta de emergência para transportes ferroviários. Sete unidades do Corpo de Bombeiros da Catalunha e cinco do Sistema de Emergência Médica (SEM), juntamente com as unidades da Polícia da Catalunha e da Polícia Local de Mataró, foram deslocadas para o local do acidente.[5]

Vítimas[editar | editar código-fonte]

O número de feridos foi especulado pelos meios de comunicação e a defesa civil em 10 pessoas.[6] A última investigação do acidente fez crescer o número para onze feridos. As vítimas, detalhadas a seguir, foram levadas para diferentes hospitais da Catalunha e todas, exceto o motorista, tiveram alta no mesmo dia.[5][7][6]

  • Um ferido gravemente, o condutor do trem envolvido no acidente, e sete viajantes com ferimentos mais leves foram transferidos para o Hospital de Mataró.
  • Três viajantes com ferimentos leves foram transferidos para o Hospital Can Ruti para exames médicos.

Influências no serviço ferroviário[editar | editar código-fonte]

Depois do acidente, o tráfego ferroviário foi afetado. A via 4 da estação de Mataró foi interceptada até às 5 horas do dia seguinte. Um trem que deixou Mataró por volta de 22 horas e 3 minutos só chegou ao seu destino, Molins de Rey, às 11 horas e 12 minutos.[1][5][7] A composição descarrilhada foi removida na noite da data do acidente por dois guindastes pesados e transferida para Barcelona.[8]

Investigação[editar | editar código-fonte]

Sucessão de eventos[editar | editar código-fonte]

Sinal Indicação Hora Velocidade Observações Ref.
255 Semaforo a04.svg 09:40:32 88 km/h Sinal avançado da Estação de Mataró. [1]
E1 Semaforo a03.svg 09:41:05 66 km/h Sinal de entrada da Estação de Mataró.
velocidade do trem passando pelo sinal de farol E1: 76 km/h
[1]
S1/4A Semaforo b03.svg 09:43:00 34 km/h A velocidade do trem da velocidade passa por desvios através de números de 1-3 e 5-7 a 45 km/h, passando pelos desvios de 11 a 40 km/h. [1]
Para-choque da via 4 09:43:41 23 km/h O trem viaja duzentos e noventa metros da última aplicação no freio pelo maquinista. [1]

Declaração do maquinista[editar | editar código-fonte]

Eu não notei qualquer anormalidade no freio ou no rádio. Não lembro da velocidade em que circulei no momento do acidente ou se o trem estava viajando com a velocidade programada. Estava completamente sozinho na cabine e não usei nenhum telefone móvel e as condições meteorológicas eram boas. O sinal estava avançado que se encontrava em aviso de cautela e de entrada baixa (S1/4A) no anúncio de paragem. Reconheço o anúncio de paragem (último sinal antes de estacionar) (S1/4A), e, em seguida, tomei um pouco do meu tempo para guardar um livro que estava no chão em uma mochila, não me recordo mais. Em 2007 tive casos de perdas de consciências.
Declaração do Maquinista envolvido no acidente ocorrido em Mataró em 9 de fevereiro de 2012. Relatório Final da CIAF.[1]
Sinal luminoso "aviso para entrada." O maquinista não estava em conformidade com a ordem do sinal, causando a colisão do trem contra o para-choque de via.

Danos materiais[editar | editar código-fonte]

  • Equipamento: ocorreu danos na parte frontal da unidade. A estrutura foi completamente deformada e precisou ser reconstruída, incluindo a substituição da chapa metálica, interior, cabine, primeiro bogie, instalações e fiação em geral. Os danos foram quantificados em 797 196 euros.[1]
  • Infraestrutura: ocorreu danos no para-choque de via e no poste da catenária, inclusive nos dispositivos de compensação instalados no local.[1]

Causa do acidente[editar | editar código-fonte]

A investigação da Comisión de Investigación de Accidentes Ferroviarios (CIAF) determinou que a causa do acidente foi uma falha humana por parte do maquinista, que não cumpriu dois artigos do Regulamento Geral de Circulação (RGC):[1]

  • Artigo 211: aviso de cautela. Obriga ao motorista a não ultrapassar 30 km/h. O maquinista não olhou para o retorno do sinal de alerta.[1][9]
  • Artigo 213: anúncio de parada. Obriga ao maquinista a efetuar uma série de manobras para que o equipamento tenha condições de parar no sinal seguinte.[10] O maquinista não teve condições de parar antes da final da via, por isso houve o impacto com o para-choque. Além disso, ultrapassou a velocidade de 30 km/h.[1]

Reações posteriores[editar | editar código-fonte]

A Renfe abriu uma investigação com o objetivo de averiguar se o trem envolvido cumpria com o protocolo de segurança estabelecido pela operadora.[11] O diretor da Rodalies de Catalunya, Miguel Ángel Remacha, visitou a estação quando ficou sabendo do acidente, e fez a seguinte declaração sobre as possíveis causas:

O trem estava na velocidade correta momentos antes de colidir, mas teremos que verificar os dados da velocidade e da frenagem para determinar as causas exatas.
Miguel Ángel Remacha em declaração a TV3. La Vanguardia[12]

Joan Mora, prefeito de Mataró, também se dirigiu para o local do acidente, onde informou que os usuários locais estavam perdendo a paciência.[13] Ele também fez referências a dois acidentes ocorridos alguns dias atrás[nota 1] e fez duras críticas à gestão da entidade "Administrador de Infraestructuras Ferroviarias" (ADIF) e a Renfe Operadora:[14]

Não pode ser que você tem que entrar no trem pensando no que vai acontecer desta vez. Temos paciência. Estamos diante de um problema estrutural.
Joan Mora, El País[14]

Nesse mesmo dia, a ministra do desenvolvimento Ana Pastor, lamentou o acidente e disse o seguinte durante o seu discurso no Congresso dos Deputados:[15]

O governo tomou as decisões adequadas e começou a operar a comissão de investigação do acidente. Espero que as vítimas se recuperem e que nós faremos o possível para que acidentes como este não ocorram novamente.
Ana Pastor. La Vanguardia[15]

A ministra também anunciou que seu ministério estava estudando novas maneiras de estabelecer uma relação contratual mais eficiente entre os titulares de serviços ferroviários de passageiros e do operador que presta os serviços,[16] declarando:

O objetivo é garantir padrões de segurança, qualidade, acessibilidade e multa dependendo do nível de inadimplência.

Notas

  1. Em 20 de janeiro de 2012, um trem colidiu com um trem Talgo perto da parada de Clot, deixando vinte pessoas levemente feridas. Em 6 de fevereiro do mesmo ano, um trem descarrilou na estação Barcelona-França, mas não houve feridos.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m «Informe final sobre el accidente ferroviario nº 0010/2012 ocurrido el día 09.02.2012 en la Estación de Mataró (Barcelona)» (PDF). Comisión de Investigación de Accidentes Ferroviarios. 27 de novembro de 2012. Consultado em 23 de dezembro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 3 de outubro de 2015 
  2. «Once heridos en el choque de un tren de cercanías en Mataró». Antena3. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 23 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 23 de março de 2015 
  3. «Un conductor herido grave en el tercer accidente en Cercanías en 20 días». Diario ABC. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 8 de abril de 2013. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2015 
  4. «Diez heridos en un nuevo accidente de tren en Mataró». laopinióncoruña.es. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 8 de abril de 2013. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2015 
  5. a b c «Diez heridos en un accidente de un tren en la estación de Mataró (Barcelona)». Europa Press. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 8 de abril de 2013. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2015 
  6. a b «Un herido grave y nueve leves tras el choque de un tren en Mataró». El Mundo. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 8 de abril de 2015. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2015 
  7. a b «Ten levemente ferido em um acidente de trem em Mataró». 20 minutos. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 8 de abril de 2015. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2016 
  8. «Remolcado de madrugada el tren accidentado en la estación de Mataró». La Vanguardia. 10 de fevereiro de 2012. Consultado em 15 de abril de 2013 
  9. Administrador de Infraestructuras Ferroviarias (ed.). Carta Circular de Reglamentación Nº11 (RE CCR Nº11) 6 de julho de 2007 ed. [S.l.: s.n.] 1 páginas 
  10. Renfe (ed.). «Título II». Reglamento General de Circulación 1992 ed. [S.l.: s.n.] 7 páginas 
  11. «Renfe investiga si el tren siniestrado cumplió el protocolo de seguridad». La Vanguardia. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 16 de abril de 2013 
  12. «Diez heridos al chocar un tren de Rodalies en la estación de Mataró». La Vanguardia. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 15 de abril de 2013 
  13. «Preocupación en Catalunya por la sucesión de accidentes ferroviarios, el último ayer en Mataró». Treneando. 10 de fevereiro de 2012. Consultado em 16 de abril de 2013. Cópia arquivada em 19 de junho de 2013 
  14. a b «Rodalies: suma y sigue». El País. 10 de fevereiro de 2012. Consultado em 16 de abril de 2013. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2015 
  15. a b «Pastor promete investigar el accidente de Mataró y desea la pronta recuperación de los heridos». La Vanguardia. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 15 de abril de 2013 
  16. a b «El accidente de Mataró origina una cumbre Fomento-Generalitat por Rodalies». El Periódico de Catalunya. 17 de fevereiro de 2012. Consultado em 15 de abril de 2013. Cópia arquivada em 3 de maio de 2012