Acir Gurgacz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Acir Gurgacz
Senador por Rondônia Rondônia
Período 5 de novembro de 2009
até a atualidade
Dados pessoais
Nascimento 25 de fevereiro de 1962 (55 anos)
Cascavel-PR
Esposa Ana Maria Cardoso Gurgacz
Partido PDT
Profissão Empresário

Acir Marcos Gurgacz (Cascavel, 25 de fevereiro de 1962) é um empresário e político brasileiro. Segundo o Senado Federal, Acir não possui diploma universitário. [1]

Empresário do ramo de transporte rodoviário e urbano, comunicações (Sistema Gurgacz de Comunicação) e educacional (Fundação Assis Gurgacz), empresas de sua família, de ascendência polonesa.[2] Migrou para Rondônia em virtude de suas atividades empresariais.

Seu pai, Assis Gurgacz, fundou a empresa União Cascavel, que iniciou suas atividades em 1964, em Cascavel, no Paraná, e foi a primeira empresa de ônibus a fazer a ligação Norte-Oeste-Sul do Brasil. Em 1972 instalou sua filial em Ji-Paraná (RO). Hoje, com o nome de EUCATUR, está presente em 23 estados brasileiros, além de operar na Venezuela e Bolívia. O grupo familiar opera também empresas nos ramos de mineração, pecuária, comunicação.

Gurgacz afastou-se das empresas e ingressou na política em 2000, quando disputou a prefeitura de Ji-Paraná, sendo eleito com 70% dos votos válidos. Em 2002 disputou com outros seis candidatos o governo de Rondônia, obtendo 16,89% dos votos válidos no primeiro turno, na terceira colocação. O segundo colocado obteve 20,23% e o primeiro 29,62% dos votos válidos. Em 2006, Acir disputou uma vaga ao Senado Federal, obtendo 210.531 votos, 31,1% dos votos válidos na eleição, e foi diplomado senador pelo TRE-RO após a cassação do primeiro colocado, que obtivera 39%, pelo crime de compra de votos, em 12 de abril de 2007, seis meses após a eleição. O processo judicial, no entanto, demorou quase três anos para percorrer todas as instâncias, e a decisão do TSE foi finalmente ratificada pelo STF no último dia 28 de outubro. Atualmente, o senador Acir Gurgacz é também o presidente do Partido Democrático Trabalhista (PDT) em Rondônia. No Senado, preside a Comissão de Agricultura e Reforma Agrária.

O Tio do senador Acir, Airton Gurgacz foi vice-governador de Rondônia e o seu pai Assis Gurcacz é seu 1º suplente.

Em 2014 foi reeleito Senador por Rondônia.

Em 2016, votou a favor do impeachment de Dilma Rousseff,[3] contrariando seu próprio partido, o PDT.[4] Dias depois, declarou que Dilma não teria cometido crime de responsabilidade fiscal,[5] o que provocou uma série de questionamentos a respeito da legitimidade da votação.[6]

Ainda em 2016, e no início de 2017, uma das várias empresas da família Gurgacz, a Eucatur, que enfrenta processo de Leilão na Justiça, por conta de uma pedalada fiscal com a Fazenda Nacional,[7] e foi citada entre as empresas que mais frequentam a Justiça do Trabalho[8], assim como entra as empresas que mais devem para a previdência social.[9] Recebeu um grande aporte de dinheiro e crédito, que foram utilizados na aquisição de vinte (20) novos veículos modelo Volvo, de última geração, cujo preço de mercado, está avaliado em aproximadamente R$ 1.000.000,00 de reais, segundo a empresa foram investidos na compra mais de R$ 20 milhões.[10]

Em julho de 2017 votou a favor da reforma trabalhista.[11] No mesmo mês, votou contra a cassação de Aécio Neves no conselho de ética do Senado.[12]

Em outubro de 2017 votou a contra a manutenção do mandato do senador Aécio Neves mostrando-se favorável a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal no processo onde ele é acusado de corrupção e obstrução da justiça por solicitar dois milhões de reais ao empresário Joesley Batista.[13][14]

Referências

  1. http://www25.senado.leg.br/web/senadores/senador/-/perfil/4981
  2. FAG, 31/8/2007
  3. «Impeachment: saiba como votou cada senador no julgamento de Dilma». EBC. 31 de agosto de 2016 
  4. «PDT discutirá situação de senadores que apoiaram impeachment, diz Lupi». Processo de Impeachment de Dilma. 31 de agosto de 2016 
  5. «Senador vota pelo impeachment, mas diz que não há crime de Dilma». Processo de Impeachment de Dilma. 31 de agosto de 2016 
  6. «Odebrecht listou quatro deputados que criticaram corrupção em voto do impeachment». Folha de S.Paulo 
  7. «Patrimônio da Eucatur será leiloado em Rondônia». CGN. A informação e ponto. 
  8. «As empresas que mais "frequentam" a Justiça do Trabalho | EXAME.com - Negócios, economia, tecnologia e carreira». exame.abril.com.br. Consultado em 3 de março de 2017 
  9. «CMI Brasil - Lista dos Maiores Devedores da Previdência». brasil.indymedia.org. Consultado em 3 de março de 2017 
  10. blogpontodeonibus (2 de fevereiro de 2017). «Eucatur confirma a compra total de 20 ônibus rodoviários de 15 metros». Diário do Transporte. Consultado em 3 de março de 2017 
  11. Redação - Carta Capital (11 de julho de 2017). «Reforma trabalhista: saiba como votaram os senadores no plenário» 
  12. Redação Carta Capital (6 de julho de 2017). «Por 11 a 4, Aécio é salvo no Conselho de Ética: como votaram os senadores». Consultado em 15 de outubro de 2017 
  13. «Veja como votou cada senador na sessão que derrubou afastamento de Aécio». Consultado em 17 de Outubro de 2017 
  14. «Janot denuncia Aécio Neves ao STF por corrupção e obstrução da Justiça». Consultado em 17 de Outubro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Expedito Júnior
Senador por Rondônia
2009 –
Sucedido por
em exercício