Acordo da Linha Vermelha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Representação aproximada do território compreendido sob acordo da linha vermelha.

O Acordo da Linha Vermelha (em inglês: Red Line Agreement), é um acordo firmado entre os sócios da petroleira Turkish Petroleum Company (TPC) em 31 de julho de 1928. O objetivo do acordo era formalizar a estrutura corporativa da TPC e vincular a todos os sócios una "cláusula de auto-denegação" que proibia a qualquer de seus acionistas perseguir de forma independente interesses petrolíferos além do território otomano. Marcou a criação de um monopólio petrolífero ou cartel, de imensa influência, que compreenda um vasto território. Este cartel foi o predecessor de outro cartel criado em 1960 a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).[1]

Companhias sócias[editar | editar código-fonte]

As Sete irmãs eram: a Standard Oil Company of New Jersey (Exxon), Standard Oil Company of New York (Socony, então Mobil, A qual finalmente se fusionaria com a Exxon), a Standard Oil Company of California (Socal, então Chevron), a Texas Oil Company (então Texaco, atualmente filial da Chevron), Gulf Oil (que logo se fusionaria com a Chevron), Anglo-Persian (hoje British Petroleum) e a Royal Dutch Shell.

Pano de fundo[editar | editar código-fonte]

As origens deste acordo começam com a criação da Turkish Petroleum Company (TPC) em 1912. A TPC se formou como una joint venture entre uma filial da Royal Dutch Shell (25%), Deutsche Bank (25%), e o Banco Nacional da Turquia (50%), a fim de promover aa exploração e produção de petróleo dentro do Império Otomano. Em março de 1914, entretanto, o governo britânico conseguiu que se transferiria a participação do BNT (30%, do cual era propriedade do grão vizir otomano Calouste Gulbenkian[2]) a Anglo-Persian Oil Company. Em junho de 1912, o grão vizir otomano prometeu a reconstituída TPC uma concessão para desenvolver campos de petróleo nas províncias otomanas de Bagdá e Mosul.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Morton, Michael Quentin, "Once Upon a Red Line: The Iraq Petroleum Story 1887–1979
  • Shwadran, Benjamin (1977). Middle East Oil: Issues and Problems. Transaction Publishers. pp. 30f. ISBN 0-87073-598-5.
  • Falola, Toyin; Ann Genova (2005). The Politics of the Global Oil Industry: An Introduction. Praeger/Greenwood. p. 61. ISBN 0-275-98400-1.
  • Demirmen, "Oil in Iraq: The Byzantine Beginnings: Part II: The Reign of a Monopoly", Global Policy Forum, April 26, 2003.
  • Black, Edwin. Banking on Baghdad (John Wiley and Sons, New York 2003) and the only available map and transcription see www.bankingonbaghdad.com [1]. For a complete minute to minute history of the Red Line Agreement see the referenced book.
  • Black, Edwin. British Petroleum and the Red Line Agreement: The West's Secret Pact to Get Mideast Oil (Dialog Press, scheduled for publication Jan 30, 2011).

Referências

  1. Morton, Michael Quentin (2014). The Third River: Aspects of Oil in the Middle East 1887-1979 First ed. United Arab Emirates: National Archives. p. 331. ISBN 978-9948-05-146-6. Consultado em 30 de Janeiro de 2015. 
  2. https://www.e-education.psu.edu/egee120/node/248

Ligações externas[editar | editar código-fonte]