Acusações de abuso sexual contra Harvey Weinstein

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O produtor Harvey Weinstein em 2011.

As acusações de abuso sexual contra Harvey Weinstein referem-se às alegações relatadas em outubro de 2017 pelos The New York Times e The New Yorker, que reportaram que dezenas de mulheres acusaram o supracitado produtor de cinema americano de assédio ou abuso sexual e/ou estupro durante um período de pelo menos 30 anos.[1][2] Posteriormente, mais de oitenta mulheres da indústria cinematográfica relataram que passaram por experiências semelhantes com Weinstein,[3][4] que negou "qualquer relação sexual não consensual".

Logo após a notícia, Weinstein foi demitido da The Weinstein Company e expulso da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas e outras associações profissionais. Investigações criminais sobre as queixas de pelo menos seis mulheres estão em andamento em Los Angeles, Nova Iorque e Londres.

O escândalo desencadeou muitas acusações semelhantes contra homens poderosos em todo o mundo e levou à destituição de muitos deles de suas posições. Também fez com que um grande número de mulheres compartilhasse suas próprias experiências de abuso, assédio sexual ou estupro nas mídias sociais sob a hashtag #MeToo. O impacto do escândalo passou a ser chamado de "efeito Weinstein".[5][6] Em 24 de fevereiro de 2020 ele foi considerado culpado de dois de cinco crimes sexuais em Nova Iorque, acarretando uma sentença de até 25 anos de prisão.[7][8][9]

Referências

  1. «Allegations of sexual abuse have ended Harvey Weinstein's career». 13 de outubro de 2017. Consultado em 23 de março de 2018 
  2. Farrow, Ronan (10 de outubro de 2017). «From Aggressive Overtures to Sexual Assault: Harvey Weinstein's Accusers Tell Their Stories». The New Yorker (em inglês). ISSN 0028-792X 
  3. Saad, Nardine. «Harvey Weinstein's accusers: Full list includes fledgling actresses and Hollywood royalty». latimes.com. Consultado em 23 de março de 2018 
  4. Levin, Sam (7 de novembro de 2017). «'Stand united': Weinstein accusers join forces to publish list of allegations». the Guardian (em inglês). Consultado em 23 de março de 2018 
  5. «The Harvey Weinstein effect». USA TODAY (em inglês) 
  6. «The 'Weinstein effect' hits a wall - The Boston Globe». BostonGlobe.com 
  7. Pierson, Brendan (24 de fevereiro de 2020). «Weinstein convicted of sexual assault, rape, in milestone verdict for #MeToo movement». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2020. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2020 
  8. «Harvey Weinstein trial resumes as jury split over charges». Fox Business (em inglês). 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 24 de fevereiro de 2020. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2020 
  9. Pilkington, Ed (24 de fevereiro de 2020). «Harvey Weinstein found guilty at rape trial». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre um crime ou atividade criminosa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.