Adão Latorre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde agosto de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

O tenente-coronel Adão Latorre foi um militar brasileiro, revolucionário maragato que lutou na Revolução Federalista. [1]

Adão Latorre fixou residência no interior de Bagé. Nasceu no ano de 1835, no departamento de Rivera, precisamente no lugarejo de Cerro Chato, seção de Rivera. Aos 16 anos já era cabo e dois anos depois foi promovido a sargento. Em 23 de abril de 1862, passou a subtenente, a capitão em 25 de maio de 1875 e a sargento-major em 20 de novembro de 1881. Tendo já um casal de filhos, transfere-se para a localidade de Olhos d´Água em Bagé para trabalhar nos campos dos Tavares, possivelmente na década de 1880. Com ele veem alguns correntinos, peões que depois se tornaram um piquete de lutadores, juntando-se aos maragatos na Revolução Federalista. 

A fama de Adão Latorre começa, quando sob o comando de Zeca Tavares combatentes federalistas (Maragatos) e republicanos (Pica-paus), comandados pelo general Isidoro Fernandes se enfrentaram ferozmente durante sete dias, às margens do Rio Negro. Houve relatos sobre a carnificina que lá aconteceu no decorrer da sangrenta data de 23 de novembro de 1893.

Consta que trezentos soldados republicanos foram rendidos mediante garantia de vida e contidos em um cercado (mangueira de pedra) para gado, que ficou conhecido como “Potreiro das almas”. No local teriam sido friamente degolados à beira de uma lagoa lá existente, embora os historiadores reduzam esse número próximo de trinta soldados.

Adão Latorre era uruguaio e morreu aos 88 anos fuzilado no dia 15 de maio durante a revolução de 1923, no combate do Santa Maria Chica (Passo da Ferraria) município de Dom Pedrito, após sofrer emboscada dos capangas do Major  Antero Pedroso, irmão do Coronel Manoel Pedroso.

Referências

  1. «Coronéis & Colonos: das crises internas do poder coronelístico à emergência dos colonos como sujeitos autônomos» (PDF). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Novembro de 1994. 15 páginas. Consultado em 15 de setembro de 2011. [...] Adão Latorre, negro e pobre, mas que ocupou, nas forças oposicionistas, o posto de tenente-coronel em 1893 e coronel em 1923 [...]. 

2. FRANCHI. Diones Piazer. O ensino de história através da TV e as mídias digitais. A Revolução Federalista no Programa Memórias do Pampa. Adão Latorre: o personagem e o mito. FURG, 2016