Adelaide Carraro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Adelaide Carraro
Nascimento 30 de junho de 1936
Vinhedo
Morte 8 de janeiro de 1992 (55 anos)
São Paulo
Nacionalidade Brasil Brasileira
Magnum opus O Estudante[1]

Adelaide Carraro (30 de julho de 1936 - São Paulo, 8 de janeiro de 1992) foi uma escritora brasileira.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Ficou órfã aos quatro anos e foi viver em um orfanato na cidade de Vinhedo em São Paulo.

Seu primeiro texto que chegou ao conhecimento público foi a crônica Mãe, que lhe rendeu um prêmio aos treze anos de idade.Nunca se casou, mas adotou 2 crianças.

Adelaide Carraro deixou uma obra bastante extensa, com mais de quarenta edições, tendo mais de dois milhões de exemplares vendidos, entre eles O estudante, O estudante II, O estudante III, Meu professor, meu herói e Eu e o governador. Este último é o seu texto mais polêmico, referente à descrição de um suposto romance com Jânio Quadros em seu período como governador de São Paulo. Outro livro polêmico da autora é "O Passado Ainda Dói", cujo tema é sua breve passagem como repórter da TV S, de São Paulo, emissora do SBT. Adelaide Carraro faleceu aos 55 anos de idade, vítima de câncer, e deixou como legado, 46 livros publicados.

Seus livros foram lançados pelas editoras Livraria Exposição do Livro, L'Oren, Global, Gama e Farma Livros. Sua grande rival, no mundo literário, era a escritora Cassandra Rios, cujos livros eram publicados pela Editora Record.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • 1949 - Mãe (crônica, estréia na literatura, aos 13 anos de idade)
  • 1965 - Falência das elites
  • 1966 - Eu mataria o presidente
  • 1967 - Eu e o governador
  • 1967 - Os padres também amam
  • 1969 - O comitê
  • 1969 - Podridão
  • 1970 - Asco
  • 1970 - Eu Acuso (livro não lançado)
  • 1970 - O Passado Ainda Dói
  • 1971 - Os Amantes
  • 1972 - Carniça
  • 1972 - A mansão feita de lama
  • 1972 - Escuridão
  • 1973 - Submundo da Sociedade
  • 1973 - A Professora
  • 1974 - A Verdadeira Estória de um Assassino
  • 1975 - O castrado: o homem que alugava seu corpo
  • 1975 - De Prostituta a Primeira-Dama
  • 1975 - O Estudante - I
  • 1976 - Escritora Maldita?
  • 1976 - A Viúva
  • 1976 - A mãe solteira
  • 1977 - Na hora do sol
  • 1977 - A Adúltera
  • 1977 - Orgia na TV
  • 1977 - Mulher Livre
  • 1977 - Os Ricos Também Matam
  • 1978 - Gente
  • 1980 - O Amante da Condessa
  • 1980 - A Vingança do Metalúrgico
  • 1980 - Depois do Crime
  • 1980 - O Pervertido
  • 1980 - O Caipira Super Macho
  • 1980 - Fugitivo do Sexo
  • 1980 - No Mundo Cão de Sílvio Santos (argumento) (livro de Shirley de Queiroz)
  • 1980 - A amante do deputado
  • 1981 - O Endemoniado (argumento) (livro de Olinto J.)
  • 1981 - Fogo
  • 1982 - O Túmulo que Chora
  • 1982 - Meu Professor, Meu Herói
  • 1982 - A Marca do Adultério
  • 1982 - O Enigma do Sequestro
  • 1983 - Sexo Proibido
  • 1983 - Gosto de fel
  • 1984 - Eu Sou o Rei
  • 1984 - Os Loucos Também Amam
  • 1987 - Socorro: estou morrendo de AIDS
  • 1987 - O Travesti
  • 1988 - O Estudante - II
  • 1991 - O Estudante - III
  • 2000 - O Sonho de Adelaide (biografia lançada pela editora AMC/GUEDES, Rio de Janeiro, RJ)

Adaptações para o Cinema[editar | editar código-fonte]

Alguns livros de Adelaide Carraro foram adaptados para o cinema brasileiro:

  • Elite Devassa (Luís Castellini Filho) (1984)
  • Escuridão (Fauzi Mansur)
  • Fogo (Só Para Homens) (Luís Castellini Filho)

Adaptações para o Teatro[editar | editar código-fonte]

Alguns livros de Adelaide Carraro foram adaptados para o teatro brasileiro:

  • A Condessa


Referências

  1. O Estudante
  2. Nelly Novaes Coelho, Dicionário crítico de escritoras brasileiras: 1711-2001, Editora Escrituras, 2002, p. 22 - 23, ISBN 978-85-7531-053-3