Adelaide Ferreira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Adelaide Ferreira
Informação geral
Nome completo Maria Adelaide Mengas Matafome Ferreira
Nascimento 23 de setembro de 1959 (58 anos)
Local de nascimento Minde
Portugal Portugal
Nacionalidade portuguesa
Gênero(s) PopRock, Baladas

Maria Adelaide Mengas Matafome Ferreira, mais conhecida como Adelaide Ferreira[1] (Minde, Alcanena, 23 de setembro de 1959[2]), é uma actriz e cantora portuguesa.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Recebe formação em teatro através do CENDREV - Centro Dramático de Évora (1976) ingressando, de seguida, no Grupo 4 do Teatro Aberto, onde trabalha sob a direcção de João Lourenço contracenando com Lia Gama, Rui Mendes, Henriqueta Maia, Irene Cruz, entre outros. Aí participa em espectáculos como Os Macacões e O Caso da Mãozinha Misteriosa, de Ary dos Santos; O Chá dos Generais, de Boris Vian; Crónica Atribulada do Esperançoso Fagundes, de Luís de Sttau Monteiro; Corpo Delito na Sala de Espelhos, de José Cardoso Pires; Andorra, de Marx Fritch de que é protagonista em 1980.

Grava os singles "Meu Amor (Vamos Conversar os Dois") e "Espero Por Ti" que têm a participação de Paulo de Carvalho.[4]

Entretanto trabalha no cinema participando no filme Kilas, o Mau da Fita de José Fonseca e Costa.

Em 1981 edita o single Baby Suicida, composto com o guitarrista Luís Fernando, seu marido na altura,[5] que se torna um grande sucesso. Edita novo single com os temas "Bichos" e "Trânsito". Edita em 1983 o máxi-single "Não Não Não".

No Festival RTP da canção de 1984 vence o prémio de interpretação com o tema "Quero-Te, Choro-Te, Odeio-Te, Adoro-Te". É convidada para o Festival da OTI, realizado no México, onde fica em 2º lugar com o tema "Vem No Meu Sonho".

É maioritariamente conhecida pelos seus magníficos desempenhos vocais, atingindo altíssimos agudos, tão bem quanto os seus graves.

Conhecida como a "Celine Dion Portuguesa", em 1985 vence o Festival RTP da Canção com o tema Penso Em Ti (Eu Sei) (uma balada), representando Portugal no Festival Eurovisão da Canção, onde terminou num decepcionante 18º lugar (penúltimo, à frente apenas da canção da Bélgica, interpretada por Linda Lepomme) e 9 pontos. Nesse ano estreia-se em televisão na série Duarte & Cia., de Rogério Ceitil (RTP1).

Em 1986 edita o álbum "Entre Um Coco e Um Adeus" que integra um dos seus maiores êxitos, "Papel Principal".[6]

Em 1989, o álbum "Amantes Imortais", onde aparece a balada "Dava Tudo".

Em 1995 regressa aos discos com o álbum O Realizador Está Louco editado pela Vidisco.

Em 1998, a BMG lança o álbum "Só Baladas" com algumas das baladas antigas mais bonitas e seis inéditas. O primeiro single é uma nova versão de "Papel Principal" com a participação de Dulce Pontes.

Em 2000 é editado o álbum "Sentidos".

Em 2006, Adelaide Ferreira, regressa à música pela mão do produtor Luís Jardim (músico), que com ela assina "Mais Forte que a Paixão", disco gravado entre Lisboa e Londres.

Em 2008, lança o álbum "O Melhor de Adelaide Ferreira", onde junta todos os seus melhores êxitos. Nesse mesmo ano, canta ao lado de Beatriz Costa, participante do concurso "Uma Canção para ti"[2][7].

Em 2011 lança o álbum "Esqueço-me de te esquecer"[8] tendo como single "Adeus" e "Esqueço-me de esquecer".

Em 2016 é convidada a integrar o elenco de "Parque à Vista", regressando assim aos palcos do Teatro Maria Vitória - Parque Mayer, estreando-se na Revista à Portuguesa, onde tem um desempenho extraordinário.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Compactos[editar | editar código-fonte]

  • Meu Amor Vamos Conversar os Dois (Single, Nova, 1978)
  • Espero por Ti/Alegria Em Flor (Single, Nova, 1980)
  • Baby Suicida/A Tua Noite (Single, Vadeca, 1981)
  • Bichos/Trânsito (Single, Vadeca, 1981)
  • Não Não Não/Danada do Rock'n'Roll (Máxi, Polygram, 1983)
  • Quero-Te, Choro-te, Odeio-Te, Adoro-te (Single, Polygram, 1984)
  • Penso em Ti, Eu Sei/Vem No Meu Sonho (Single, Polygram, 1985)

Colectâneas[editar | editar código-fonte]

  • BB3 (2001) - Outro Sol
  • O Olhar da Serpente (2002) - O Olhar da Serpente

Televisão e teatro[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Comentários[editar | editar código-fonte]

Adelaide Ferreira Citação: : "Se, por um lado, foi muito bom, porque me revelou como intérprete de baladas, por outro lado, a minha participação na Eurovisão foi muito frustrante e desgastante, porque víamos o investimento que os países faziam nas suas canções, o que não acontecia com a promoção das nossas músicas."

Referências

  1. «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (pdf). IGAC/Ministério da Cultura. 25 de julho de 2007. Consultado em 9 de Janeiro de 2014.. Cópia arquivada (PDF) em 24 de Dezembro de 2013 
  2. a b «Adelaide Ferreira». Música Portuguesa nos Anos 80 
  3. Portelo, Carlos. «"Papel Principal" colou-se à sua pele… Adelaide Ferreira». Festivais da canção. Consultado em 3 de maio de 2018. 
  4. «ENTREVISTA Adelaide Ferreira». Rádio Montalegre. Consultado em 12 de janeiro de 2011. 
  5. «Adelaide Ferreira: "Quando cheguei a Lisboa dormia às escondidas no Teatro Aberto"» 
  6. «BLITZ». Consultado em 31 de agosto de 2017. 
  7. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome cotonete
  8. «Música: Adelaide Ferreira quebra "jejum" de cinco anos e edita "Esqueço-me de te esquecer"». Visão (revista). Consultado em 12 de janeiro de 2012.