Adelaide Ferreira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adelaide Ferreira
Informação geral
Nome completo Maria Adelaide Mengas Matafome Ferreira
Nascimento 1 de janeiro de 1960 (57 anos)
Local de nascimento Minde
 Portugal
Nacionalidade Portugal portuguesa
Gênero(s) PopRock, Baladas

Maria Adelaide Mengas Matafome Ferreira, mais conhecida como Adelaide Ferreira[1] (Minde, Alcanena, 1 de janeiro de 1960[2]), é uma actriz e cantora portuguesa.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Recebe formação em teatro através do CENDREV - Centro Dramático de Évora (1976) ingressando, de seguida, no Grupo 4 do Teatro Aberto, onde trabalha sob a direcção de João Lourenço contracenando com Lia Gama, Rui Mendes, Henriqueta Maia, Irene Cruz, entre outros. Aí participa em espectáculos como Os Macacões e O Caso da Mãozinha Misteriosa, de Ary dos Santos; O Chá dos Generais, de Boris Vian; Crónica Atribulada do Esperançoso Fagundes, de Luís de Sttau Monteiro; Corpo Delito na Sala de Espelhos, de José Cardoso Pires; Andorra, de Marx Fritch de que é protagonista em 1980.

Grava os singles "Meu Amor (Vamos Conversar os Dois") e "Espero Por Ti" que têm a participação de Paulo de Carvalho.[4]

Entretanto trabalha no cinema participando no filme Kilas, o Mau da Fita de José Fonseca e Costa.

Em 1981 edita o single Baby Suicida que se torna um grande sucesso. Edita novo single com os temas "Bichos" e "Trânsito". Edita em 1983 o máxi-single "Não Não Não".

No Festival RTP da canção de 1984 vence o prémio de interpretação com o tema "Quero-Te, Choro-Te, Odeio-Te, Adoro-Te". É convidada para o Festival da OTI, realizado no México, onde fica em 2º lugar com o tema "Vem No Meu Sonho".

É maioritariamente conhecida pelos seus magníficos desempenhos vocais, atingindo altíssimos agudos, tão bem quanto os seus graves.

Conhecida como a "Celine Dion Portuguesa", em 1985 vence o Festival RTP da Canção com o tema Penso Em Ti (Eu Sei) (uma balada), representando Portugal no Festival Eurovisão da Canção, onde terminou num decepcionante 18º lugar (penúltimo, à frente apenas da canção da Bélgica, interpretada por Linda Lepomme) e 9 pontos. Nesse ano estreia-se em televisão na série Duarte & Cia., de Rogério Ceitil (RTP1).

Em 1986 edita o álbum "Entre Um Coco e Um Adeus". "Amantes Imortais" é o disco de 1989 onde aparece a balada "Dava Tudo".

Em 1995 regressa aos discos com o álbum O Realizador Está Louco editado pela Vidisco.

Em 1998, a BMG lança o álbum "Só Baladas" com algumas das baladas antigas mais bonitas e seis inéditas. O primeiro single é uma nova versão de "Papel Principal" com a participação de Dulce Pontes.

Em 2000 é editado o álbum "Sentidos".

Em 2006, Adelaide Ferreira, regressa à música pela mão do produtor Luís Jardim (músico), que com ela assina "Mais Forte que a Paixão", disco gravado entre Lisboa e Londres.

Em 2008, lança o álbum "O Melhor de Adelaide Ferreira", onde junta todos os seus melhores êxitos. Nesse mesmo ano, canta ao lado de Beatriz Costa, participante do concurso "Uma Canção para ti"[2][3].

Em 2011 lança o álbum "Esqueço-me de te esquecer"[5] tendo como single "Adeus" e "Esqueço-me de esquecer".

Em 2016 é convidada a integrar o elenco de "Parque à Vista", regressando assim aos palcos do Teatro Maria Vitória - Parque Mayer, esteando-se na Revista à Portuguesa, onde tem um desempenho extraordinário.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Compactos[editar | editar código-fonte]

  • Meu Amor Vamos Conversar os Dois (Single, Nova, 1978)
  • Espero por Ti/Alegria Em Flor (Single, Nova, 1980)
  • Baby Suicida/A Tua Noite (Single, Vadeca, 1981)
  • Bichos/Trânsito (Single, Vadeca, 1981)
  • Não Não Não/Danada do Rock'n'Roll (Máxi, Polygram, 1983)
  • Quero-Te, Choro-te, Odeio-Te, Adoro-te (Single, Polygram, 1984)
  • Penso em Ti, Eu Sei/Vem No Meu Sonho (Single, Polygram, 1985)

Colectâneas[editar | editar código-fonte]

  • BB3 (2001) - Outro Sol
  • O Olhar da Serpente (2002) - O Olhar da Serpente

Televisão e teatro[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Comentários[editar | editar código-fonte]

Adelaide Ferreira Citação: : "Se, por um lado, foi muito bom, porque me revelou como intérprete de baladas, por outro lado, a minha participação na Eurovisão foi muito frustrante e desgastante, porque víamos o investimento que os países faziam nas suas canções, o que não acontecia com a promoção das nossas músicas."

Referências

  1. «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (pdf). IGAC/Ministério da Cultura. 25 de julho de 2007. Consultado em 9 de Janeiro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 24 de Dezembro de 2013 
  2. a b «Adelaide Ferreira». Música Portuguesa nos Anos 80 
  3. a b «Adelaide Ferreira». Cotonete 
  4. «ENTREVISTA Adelaide Ferreira». Rádio Montalegre. Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  5. «Música: Adelaide Ferreira quebra "jejum" de cinco anos e edita "Esqueço-me de te esquecer"». Visão (revista). Consultado em 12 de janeiro de 2012