Adelino Augusto Graça Barbosa Barros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Neno
Neno.JPG
Informações pessoais
Nome completo Adelino Augusto Graça Barbosa Barros
Data de nasc. 27 de janeiro de 1962 (59 anos)
Local de nasc. Cidade da Praia, Cabo Verde Cabo Verde
Falecido em 10 de junho de 2021 (59 anos)
Altura 1,82 m
Informações profissionais
Posição Guarda-redes
Clubes de juventude
1979-1981 Portugal Barreirense
Clubes profissionais
Anos Clubes
1981–1984
1984–1985
1985–1987
1987–1988
1988–1990
1990–1995
1995–1999
Portugal Barreirense
Portugal Vitória de Guimarães
Portugal Benfica
Portugal Vitória de Setúbal
Portugal Vitória de Guimarães
Portugal Benfica
Portugal Vitória de Guimarães
Seleção nacional
1989–1996 Flag of Portugal.svg Portugal

Adelino Augusto Graça Barbosa Barros (Cidade da Praia, Cabo Verde, 27 de janeiro de 1962 - Polvoreira, Guimarães, 10 de junho de 2021), conhecido como Neno, foi um futebolista português de origem cabo-verdiana.

Carreira em clubes[editar | editar código-fonte]

Revelado pelo Barreirense, no ano de 1981, Neno conseguiu atrair a atenção dos dirigentes do Vitória de Guimarães, clube que o contratou em 1984. O seu desempenho com a camisa dos vimaranenses levou depois o jovem cabo-verdiano a ser contratado pelo Benfica, para ser o reserva imediato do lendário guarda-redes Manuel Bento.

Entretanto, Neno teve apenas duas oportunidades de mostrar seu valor (Bento era o titular inquestionável do golo dos Encarnados e Silvino era o segundo guarda-redes). Por este motivo, foi repassado ao Vitória de Setúbal em 1987, mas não teve uma passagem de sucesso pelo clube sadino.

Regressou ao Guimarães em 1988 e foi a partir daí que o guarda-redes se consagrou: depois de ver a sua equipa ter ficado em nono lugar no Campeonato Português de 1988/89 e de ter conseguido um honroso quarto em 1989/90, Neno retornou ao Benfica, agora para ser o dono da baliza vermelha, "órfã" depois da aposentadoria de Manuel Bento, em 1992.

Com a despedida do ídolo do golo dos Encarnados, Neno assumiu de vez a condição de titular, mas a partir de 1994/95, passaria a ter a concorrência do experiente belga Michel Preud'homme, que tomou a titularidade no fim de 1995.

Já veterano, Neno regressou ao Vitória de Guimarães ainda em 1995 despediu-se dos relvados ao fim da temporada 1998/99, ainda em alto nível (João Carlos e Pedro Espinha, seus reservas imediatos, não inspiravam tanta confiança quanto o cabo-verdiano).

Seleção portuguesa[editar | editar código-fonte]

Embora tivesse nascido em Cabo Verde, Neno optou não defender seu país natal. Entre 1989 e 1996, defendeu as cores da Seleção de Portugal em nove ocasiões. Mesmo assim, não disputou nenhum torneio oficial com a equipa.

Chegou a ser cotado para defender Portugal no Euro 1996, mas acabou por não ser convocado.

Passagem pela música[editar | editar código-fonte]

Conhecido como "o guarda-redes cantor" ou "o Julio Iglesias da baliza" (Neno era fã do lendário cantor espanhol, tendo, inclusivamente, chegado a partilhar o palco com ele)[1], em 1996 lançou um álbum, Neno Neno Neno. Do álbum foi extraído o single "Cidade Velha" - composta por Paulo de Carvalho -, canção de homenagem às raízes cabo-verdianas - e mais especificamente à cidade homónima - de Neno e para a qual foi lançado um videoclipe.

Morte[editar | editar código-fonte]

Neno morreu aos 59 anos, vítima de doença súbita, na freguesia de Polvoreira, Guimarães, onde residia.[2]

Referências[editar | editar código-fonte]