Adeus, Minha Concubina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
霸王別姬 Bàwáng Bié Jī
(Farewell My Concubine)
Adeus, Minha Concubina (PT/BR)
 China
1993 •  cor •  171 min 
Direção Chen Kaige
Roteiro Lilian Lee
Lei Bik-Wa
Lu Wei
Elenco Leslie Cheung
Zhang Fengyi
Gong Li
Género romance
Idioma mandarim

Farewell My Concubine (Adeus, Minha Concubina / 霸王別姬 Bàwáng Bié Jī na China) é um filme chinês de 1993 dirigido por Chen Kaige.

O filme é considerado pela crítica como um dos trabalhos centrais do movimento da Quinta Geração que trouxe diretores de cinema chineses para a atenção mundial. Como muitos outros filmes dessa época, "Adeus, Minha Concubina" explora o efeito da política turbulenta da China durante a metade do século XX nos humanos. Neste caso, os humanos são aqueles que trabalham na ópera pequinense.

É uma adaptação do romance escrito por Lilian Lee.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O filme se inicia em 1977, um ano depois do fim da Revolução Cultural, com dois homens na Ópera de Beijing andando em um corredor; um com trajes femininos e o outro com roupas de rei. Eles entram em uma grandiosa sala e estão chamados por uma voz que os reconhece com atores do elenco da ópera. Eles não atuavam já havia sete anos. Um feixe de luz foca os dois atores.

A cena, agora em sépia, passa-se em 1924. Uma mulher está andando com uma criança pequena nos braços em um mercado chinês. Um homem a para e tenta falar com ela, mas ela o empurra e continua, até que ele grita: "Prostituta!. Ela e a criança se aproximam de uma grande aglomeração que está assistindo a atuação de ulguns garotos que lá estavam em troca de dinheiro, junto do diretor Master Guan. Um dos garotos, Laizi, tenta fugir, mas os garotos maiores correm para pegá-lo. Um homem na plateia é insultado e aí começa uma briga com o diretor.

Os garotos retornam com o "fugitivo" e um garoto mais velho começa a bater em suas mãos. Shitou (Pedra) destrói sua coroa, quebrando uma pedra em sua cabeça. A coroa se rompe e pedras são arremessadas.

A mãe pega o garoto para levá-lo embora, mas Master Guan tenta impedi-la, alegando o defeito de nascimento do pequeno (um dedo a mais). A mãe vai até uma pequena loja, cobre os olhos do garoto e usa uma grande faca para cortar o dedo-extra. Retorna com o garoto e assina o contrato com sangue. Sua mãe sai sem nada falar, para nunca mais ser vista. Quando foi lançado na África, o filme foi proibido para menores de 17 anos.

Prêmios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Adeus, Minha Concubina