Adidas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Adidas
Razão social Adidas AG
Aktiengesellschaft
Slogan Nothing is Impossible (em português: Nada é impossível)
Cotação
Indústria Vestuário, acessórios
Fundação
  • julho de 1924 (1924-07) (como Gebrüder Dassler Schuhfabrik)
  • 18 de agosto de 1949 (1949-08-18) (como Adidas)[1]
Fundador(es) Adolf Dassler
Sede Herzogenaurach, Alemanha
Área(s) servida(s) Mundo
Pessoas-chave
Empregados 53,731 (2014)[2]
Produtos Calçados, roupas esportivas, equipamentos esportivos, produtos de higiene pessoal
Divisões Adidas Originals
Subsidiárias
Lucro Aumento0.72 bilhões (2015)[2]
Faturamento Aumento€19.291 bilhões (2016)[3]
Website oficial www.adidas-group.com

Adidas AG (Pronúncia em alemão: [ˈadiˌdas]) (estilizado como ɑdidɑs desde 1949) é uma empresa fundada na Alemanha. A empresa tem o nome de seu fundador, Adolf Dassler, também conhecido pelo apelido de Adi, que começou a produzir sapatilhas nos anos 1920, junto a seu irmão Rudolf Dassler, em Herzogenaurach, próximo de Nuremberg. O nome "adidas" é uma união entre o apelido, Adi, e o sobrenome, Dassler, do fundador da empresa, "Adi" "Das"sler.[4] A empresa criada pelos irmãos foi fundada em 1920, porém, foi dividida em 1948, dando origem à Adidas e também à Puma, empresa rival fundada por Rudolf Dassler, irmão de Adi.[5]


História[editar | editar código-fonte]

O início de tudo[editar | editar código-fonte]

Adolf Dassler (conhecido como "Adi") começou a produzir seus próprios sapatos esportivos na cozinha da casa de sua mãe, em Herzogenaurach, Baviera, após seu regresso da Primeira Guerra Mundial. Em 1927, seu irmão, Rudolf Dassler (conhecido como "Rudi"), se juntou ao negócio, que se tornou a Gebrüder Dassler Schuhfabrik (em português, Fábrica de Sapatos Irmãos Dassler) e prosperou.

Durante os Jogos Olímpicos de Verão de 1936, Adi Dassler se dirigiu da Baviera à Vila Olímpica, para convencer o velocista afro-americano Jesse Owens a usar seus sapatos. Owens foi o primeiro atleta afro-americano a ser patrocinado pelos irmãos Dassler. Quando o velocista foi premiado com quatro medalhas de ouro, o sucesso confirmou a reputação dos calçados Dassler entre os esportistas mais famosos do mundo, despertando o interesse de treinadores de várias equipes nacionais.

A separação[editar | editar código-fonte]

Após uma série de disputas pessoais, os irmãos se separaram oficialmente em 1947, acarretando também a separação da Gebrüder Dassler Schuhfabrik. Rudolf criou uma nova empresa, intitulada originalmente Ruda (iniciais de Rudolf Dassler), que mais tarde é rebatizada Puma.

Adolf, por sua vez, registrou sua empresa como adidas AG (em letras minúsculas), em 18 de Agosto de 1949. Acredita-se que o nome da empresa seja um acrônimo com as iniciais da frase All Day I Dream About Sports (em inglês, Todos os dias eu sonho com esportes), porém, na verdade, o nome da empresa é formado pela junção de Adi (apelido de Adolf) e Das (iniciais de Dassler). Com a morte de Adolf Dassler, em 1978, a empresa foi assumida por Horst Dassler, filho de Adolf, que morreu em 1987.

A era Tapie[editar | editar código-fonte]

Após um período difícil com a morte de Horst Dassler, filho de Adolf, em 1987, a empresa foi comprada em 1989 por Bernard Tapie, um empresário francês considerado especialista em resgatar empresas da falência, por 1,6 bilhão de francos franceses (mais de 243 milhões de euros). Tapie decidiu mudar a produção para a Ásia. Ele também contratou a cantora Madonna para a promoção das linhas de produtos da empresa.

Em 1992, Tapie não pôde pagar os juros de seu empréstimo. Ele pediu ao banco Crédit Lyonnais para vender a Adidas, e o banco comprou para si mesmo, o que é normalmente proibido pelas leis francesas. Aparentemente, o banco estatal tentou fazer um favor a Tapie, tentando livrá-lo dos problemas, já que Tapie era um ministro de Assuntos Urbanos (Ministre de la Ville) no governo francês na época. Esquecendo por que o banco realmente comprou a Adidas, Tapie mais tarde processou-o, porque se sentiu lesado pela venda. Em Fevereiro de 1993, o Crédit Lyonnais comercializou a Adidas para Robert Louis-Dreyfus, um amigo de Bernard Tapie (e primo de Julia Louis-Dreyfus do seriado de televisão Seinfeld). Robert Louis-Dreyfus se tornou o novo presidente da empresa. Ele também é presidente do time de futebol Olympique de Marseille, ao qual Tapie era intimamente ligado.

O próprio Tapie foi à falência em 1994. Ele foi o objeto de diversos processos, principalmente relacionado à manipulação de resultados no clube de futebol. Ele passou seis meses na prisão La Santé em Paris em 1997 depois de ter sido condenado a 18 anos.

Robert Louis-Dreyfus foi muito bem sucedido administrando a empresa até 2001.[carece de fontes?].

Atualmente[editar | editar código-fonte]

Em 1997, a Adidas AG adquiriu o grupo francês Salomon Group, especializado em vestuário para esqui, originando a Adidas-Salomon AG. A empresa alemã também comprou as companhias TaylorMade Adidas Golf e Maxfli, permitindo assim a concorrência com a Nike Golf. Em setembro de 2004, a estilista britânica Stella McCartney lançou uma grife esportiva feminina em parceria com a Adidas, intitulada "Adidas by Stella McCartney". A parceria de longo prazo foi bastante aclamada pela crítica. Em 2005, a Adidas anunciou a venda do Salomon Group para a empresa finlandesa Amer Sports, por 485 milhões de euros.

Em agosto de 2005, a Adidas anunciou a compra da empresa Reebok por 3,8 bilhões de dólares.[6] Com a aquisição, a Adidas passou a disputar mercados em condições iguais com a Nike. Em 11 de abril de 2006, a adidas anunciou um contrato de 11 anos para se tornar o fornecedor de vestuário oficial da NBA. O acordo, cujo valor foi estimado em mais de 400 milhões de dólares, substituiu o contrato anterior de 10 anos com a Reebok, anunciado em 2001.

Em 15 dezembro de 2018 a Adidas tinha nota "verde" no Aplicativo Moda Livre. A nota indica empresas que "Demonstram ter mecanismos de acompanhamento sobre sua cadeia produtiva e possuem histórico favorável em relação ao tema."

Lojas[editar | editar código-fonte]

Loja da Adidas em Tel Aviv, Israel.

A rede possui lojas próprias (Concept Store) em diversos países. No Brasil, possui várias lojas em algumas Cidades.

Statue of Adi Dassler, sculptor Josef Tabachnyk, New York City, Flagship Store Adidas


Fornecimento e patrocínio[editar | editar código-fonte]

Um par de chuteiras do modelo "Samba", da Adidas

Atualmente, a Adidas é a primeira maior empresa de equipamentos desportivos do mundo. Na Europa, a Adidas é a primeira colocada, mandando para atrás a marca americana Nike. No entanto, é a maior distribuidora de equipamentos desportivos para o futebol, apesar dos grandes investimentos que a Nike tem feito desde que entrou neste mercado, na última década. A empresa distribui os uniformes de algumas das principais seleções do mundo, como a Argentina, a Espanha e a Alemanha, além de distribuir boa parte dos vestuários dos árbitros, chuteiras e bolas.

Ainda no futebol, a empresa patrocina a FIFA e a UEFA, e em ligas como a MLS e fornece material para grandes clubes do mundo, na Europa para clubes como o Real Madrid (Espanha),Sport Lisboa e Benfica (Portugal) Bayern Munique (Alemanha) e Manchester United (Inglaterra), e na América do Sul, para grandes clubes como os argentinos River Plate e Newells Old Boys e para os clubes brasileiros São Paulo Futebol Clube, Coritiba, Palmeiras, Flamengo, Sport Recife, Ponte Preta e Ituano.

Também fornece os materiais utilizados nas Copas do Mundo da FIFA, tais como bolas (das quais é fornecedora desde a Copa do Mundo FIFA de 1970), coletes de treinamento e uniformes dos árbitros. Um dos recentes lançamentos da Adidas foi a Telstar 18, bola oficial produzida para a Copa do Mundo FIFA de 2018 na Rússia.

Na edição de Copa Libertadores da América de 2013, a Adidas é quem mais forneceu material desportivo; dos 38 participantes, seis são patrocinados pela empresa alemã, sendo eles Sporting Cristal, do Peru, Millonarios, da Colômbia, Club Universidad de Chile, do Chile, Caracas Fútbol Club, da Venezuela, Fluminense e Palmeiras, do Brasil.[7]

Jogadores[editar | editar código-fonte]

Alguns dos melhores jogadores de futebol do mundo na atualidade são patrocinados pela Adidas. Alguns deles são: Adrien Silva, Alli, Altidore, Azpilicueta, Bale, Barcos, Barnetta, Beckham, Belotti, Benzema, Berbatov, Bernardo Silva, Lucas Pioli, Biglia, Blind, Bravo, Cambiasso, Casillas, Ceballos, David Silva, De Gea, Demichelis, De Rossi, Diego Milito, Diego Ribas, Di María, Diego Costa, Džeko, Felipe Anderson, Felipe Melo, Forlán, Filipe Luís, Friedel, Gabriel Boschilia, Gabriel Jesus, Gabriel Paulista, Handanovič, Hernanes, Hummels, Immobile, Insigne, Isla, James Rodríguez, João Moutinho, Jonas, Josué, Jordi Alba, Kaká, Kampl, Kanté, Kompany, Kroos, Kuyt, Lampard, Lamela, Laporte, Lavezzi, Llorente, Lucas Moura, Lucas Silva, Lugano, Marcelo, Marcelo Moreno, Marlos, Matić, Maxi López, Messi, Michel Bastos, Miranda, Mkhitaryan, Morata, Müller, Nacho, Nani, Navas, Neuer, Oscar, Özil, Pizarro, Pjanić, Podolski, Pogba, Rabiot, Rakitić, Raúl Albiol, Renato Sanches, Ricardo Carvalho, Robben, Rodrigo Caio, Rui Patrício, Salah, Samuel, Sissoko, Soldado, Suso, Téo Gutiérrez, Tiago, Van Persie, Vela, Victor, Villa, Walcott, Wijnaldum, Welbeck, Xavi, Zambrano, Dybala.

A Adidas ainda produz chuteiras à mão para Toni Kroos, Kaká, Beckham, Gerrard,Pogba e Messi sendo a única empresa esportiva (Junto a empresa americana Nike) que ainda realiza este tipo de trabalho.

Seleções[editar | editar código-fonte]

Clubes[editar | editar código-fonte]

África do Sul
Alemanha
Argentina
Austrália
Áustria
Azerbaijão
Belarus
Bélgica
Brasil
Bulgária
Canadá
Catar
Cazaquistão
Chile
Colômbia
Congo
Coreia do Sul
Croácia
Dinamarca
Emirados Árabes Unidos
Equador
Eslováquia
Eslovênia
Espanha
Estados Unidos
Estônia
Finlândia
França
Geórgia
Grã-Bretanha
Grécia
Holanda
Hong Kong
Hungria
Ilhas Faroe
Índia
Irlanda
Islândia
Itália
Japão
Jordânia
Letônia
Lituânia
Luxemburgo
Malta
México
Moldávia
Noruega
Nova Zelândia
Paraguai
Peru
Polônia
Portugal
República Checa
República Dominicana
Romênia
Rússia
Sérvia
Suécia
Suíça
Turquia
Ucrânia
Uzbequistão
Venezuela

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons

Referências

  1. «Adidas Group History». adidas-group.com. Consultado em 7 de maio de 2014. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2015 
  2. a b «Annual Report 2015» (PDF). adidas. Consultado em 3 de março de 2016 
  3. «Fact Sheet for Fourth Quarter and Full Year 2016» (PDF). adidas. Consultado em 8 de março de 2017 
  4. «Almanaque Nº 40 / Almanaque / Menu / Home - EmbalagemMarca». Embalagemmarca.com.br. Consultado em 29 de dezembro de 2010 
  5. «A história da marca adidas». Viledesign.com.br 
  6. «Folha Online – Dinheiro - Adidas compra Reebok por R$ 8,9 bi e acirra competição com Nike». Site da Folha de S. Paulo. 3 de agosto de 2005. Consultado em 29 de dezembro de 2010 
  7. «Adidas é quem mais fabrica camisas de times da Libertadores». Placar.abril.com.br