Administração de empresas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Símbolo da Administração.

Administração de empresas é a subárea da Administração que se ocupa das empresas. Uma empresa consiste numa "associação de pessoas para exploração de um negócio", ou seja, numa organização governamental, particular ou de economia mista que produz e/ou oferece bens e/ou serviços, visando geralmente a obtenção de lucros.[1]

Do ponto de vista da prática profissional, o administrador de empresas é aquele que atua como encarregado da gestão de uma empresa (privada, estatal ou de economia mista) ou de uma subunidade desta.[2]

Numa economia de mercado a Administração de Empresas tende a buscar promover a competitividade.[3]

Podemos dizer, que atualmente a administração é considerada a gigante das graduações, pois ela se trata da graduação mais ofertada no país, com 1.822 instituições ministrando o curso em todo o Brasil. O curso de administração também é o primeiro disparado em novas matrículas, no total são 822.042, conforme o censo de 2012 do Ministério da Educação. Os números extraordinários do curso de administração podem ser explicados, em parte, pelo caráter generalista do curso e também pelo fato do profissional ser um dos mais requisitados por empresas de todos os segmentos, setores e portes. O Curso também possui a cada ano, o maior número de formandos dentre todos os cursos do Brasil. 

Os dados citados acima nos ajudam a entender e explicar a importância do curso de administração, assim como, do profissional administrador para o país. A profissão de Administrador é relativamente nova e foi regulamentada no Brasil em 9 de setembro de 1965, data em que se comemora o dia do Administrador. Os primeiros administradores profissionais (administrador contratado, que não é o dono do negócio) foram os que geriam as companhias de navegação inglesas a partir do século XVII. Estas empresas foram as primeiras sociedades anônimas de que se tem notícia. Podemos dizer, que administrar uma empresa envolve a elaboração de planos, pareceres, relatórios, projetos, arbitragens e laudos, para os quais são exigidos a aplicação de conhecimentos inerentes às técnicas de administração. Esses conhecimentos só poderão ser adquiridos ao longo do curso (bacharelado em administração) e aprimorados com a prática e exercício da profissão. 

Habilidades do administrador de empresas[editar | editar código-fonte]

  • Habilidades técnicas: São as habilidades ligadas à execução do trabalho e ao domínio do conhecimento específico para executar o trabalho. É saber utilizar princípios, técnicas e ferramentas administrativas, assim como, saber decidir e solucionar problemas. É o conhecimento teórico que o profissional de administração possui, aprimorado com o exercício da função. (Técnica + Know-How)
  • Habilidades humanas: São necessárias para um bom relacionamento. O administrador com uma boa habilidade humana consegue desenvolver equipes de forma mais eficaz, além de atuarem de forma mais eficiente como líderes. Saber lidar com pessoas, comunicando-se bem, negociando, conduzindo mudanças, obtendo cooperação e solucionando conflitos, essas são as principais habilidades humanas do administrador.
  • Habilidades conceituais: Faz referência ao conjunto de aptidões humanas, no que tange a capacidade de formulação de ideias. Essa habilidade inclui o pensamento criativo, a formulação de abstrações e a análise de situações complexas, ou seja, é parte da visão sistêmica do administrador.

Atitudes do administrador[editar | editar código-fonte]

Nos tempos modernos, o administrador que deseja se destacar precisa ser: proativo, ousado, criativo, bom exemplo, cumpridor das promessas, saber utilizar seus princípios, ser cooperativo e ser um bom líder, ajudando seus colaboradores para que eles não sejam somente simples peças da equipe, e sim que se tornem futuros líderes. Um bom administrador também auxilia seus colaborados, de forma que esses possam crescer junto com a empresa.

Referências

  1. Empresa. In: FERREIRA, A. B. de H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 1. ed. São Paulo: Nova Fronteira, 1981. p. 515.
  2. MINTZBERG, Henry. Trabalho do executivo: folclore e fato. São Paulo: Editora Abril, 1986 (Coleção Harvard de Administração)
  3. DRUCKER, Peter. Prática da Administração de Empresas. São Paulo: Cengage Learning Editores, 1981. ISBN 8522100934

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • DRUCKER, Peter. Prática da administração de empresas. São Paulo: Cengage Learning Editores, 1981. ISBN 8522100934.
  • Empresa. In: FERREIRA, A. B. de H.. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 1. ed. São Paulo: Nova Fronteira, 1981. p. 515.

Ligações Externas:[editar | editar código-fonte]