Adolf Eichmann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adolf Eichmann
Adolf Eichmann em 1942
Nascimento 19 de março de 1906
Solingen, Renânia do Norte-Vestfália
Morte 1 de junho de 1962 (56 anos)
Ramla, Israel
Nacionalidade Alemão
Cônjuge Veronika Liebl
Filho(s) Klaus Eichmann (nascido em 1936 em Berlim)
Horst Adolf Eichmann (nascido em 1940 em Viena)
Dieter Helmut Eichmann (nascido em 1942 em Praga)
Ricardo Francisco Eichmann (nascido em 1955 em Buenos Aires)
Empregador RSHA
Cargo Administrador do programa
da Solução Final judaica
Serviço militar
Lealdade  Alemanha Nazista
Serviço Flag of the Schutzstaffel.svg Schutzstaffel (SS)
Tempo de serviço 1933–1945
Patente SS-Obersturmbannführer (tenente-coronel)
Batalhas/Guerras Segunda Guerra Mundial
Condecorações Cruz de Ferro
Cruz de Mérito de Guerra (2)
Causa da morte Enforcamento

Otto Adolf Eichmann (pronunciado [ˈɔto ˈaːdɔlf ˈaɪ̯çman]; Solingen, 19 de Março de 1906 – Ramla, 1 de Junho de 1962) foi um SS-Obersturmbannführer (tenente-coronel) da nazi, e um dos principais organizadores do Holocausto. Eichmann foi designado pelo SS-Obergruppenführer (general/tenente-general) Reinhard Heydrich para gerir a logística das deportações em massa dos judeus para os guetos e campos de extermínio das zonas ocupadas pelos alemães na Europa de Leste durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1960, foi capturado na Argentina pela Mossad, os serviços secretos de Israel. No seguimento de um muito publicitado julgamento em Israel, foi considerado culpado por crimes de guerra e enforcado em 1962.

Depois de frequentar a escola, onde foi um aluno mediano, Eichmann trabalhou na empresa de exploração mineira do seu pai na Áustria, para onde a família foi viver em 1914. A partir de 1927, trabalhou como técnico comercial da área do petróleo, juntando-se ao Partido Nazi e às SS em 1932. Após regressar à Alemanha em 1933, entrou para o Sicherheitsdienst (SD; Serviço de Segurança), onde foi nomeado para chefe do departamento responsável pelas questões judaicas—em particular a emigração, a qual os nazis forçaram através da violência e pressão económica. No início da guerra em Setembro de 1939, Eichmann e o seu pessoal concentraram os judeus em guetos nas grandes cidades, esperando que fossem transportados para leste e para territórios ultramarinos. Eichmann elaborou planos para colocar os judeus em reservas, primeiramente em Nisko no sudeste da Polónia e, mais tarde, em Madagáscar, mas nenhum deles seguiu em frente.

Quando os nazis deram início à invasão da União Soviética em 1941, a política em relação aos judeus foi alterada passando de emigração para extermínio. Para coordenar o planeamento do genocídio, Heydrich recebeu os responsáveis administrativos do regime na Conferência de Wannsee em 20 de Janeiro de 1942. Eichmann reuniu informação para Heydrich, esteve presente na reunião e preparou as minutas. Eichmann e o seu pessoal ficaram responsáveis pela deportação dos judeus para os campos de extermínio, onde as vítimas foram gaseadas. Depois da invasão alemã da Hungria em Março de 1944, Eichmann supervisionou a deportação de grande parte da população judia daquele país. Muitas das vítimas foram enviadas para Auschwitz, onde entre 75 e 90 por cento foi executada à chegada. Quando os transportes cessaram em Julho de 1944, 437 000 dos 725 000 judeus húngaros tinham sido mortos. O historiador Richard J. Evans estima que entre 5,5 e 6 milhões de judeus tenham sido mortos pelos nazis. Eichmann afirmou no final da guerra que "daria saltos na sua sepultura de tanto rir porque, sentir que tinha cinco milhões de pessoas na sua consciência, seria para ele uma fonte de extraordinária satisfação."[1]

Depois da derrota da Alemanha em 1945, Eichmann fugiu para a Áustria. Ali viveu até 1950, mudando-se para a Argentina usando documentos falsos. As informações recolhidas pela Mossad, confirmou a localização de Eichmann em 1960. Uma equipa da Mossad e agentes da Shin Bet sequestraram Eichmann e levaram-no para Israel para ser julgado sobre 15 crimes, incluindo crimes de guerra, crimes contra a humanidade e crimes contra o povo judeu. Considerado culpado de muitas das acusações, foi condenado à morte e executado em 1 de Junho de 1962.[nota 1] O julgamento foi seguido pelos meios de comunicação e serviu de inspiração para vários livros, incluindo o de Hannah Arendt, Eichmann em Jerusalém, no qual Arendt descreve Eichmann com a frase "a banalidade do mal".[3]

Primeiros anos e educação[editar | editar código-fonte]

Otto Adolf Eichmann, o mais velho de cinco irmãos, nasceu em 1906, no seio de uma família protestante calvinista, em Solingen, na Alemanha.[4] O seu pai, Adolf Karl Eichmann, era guarda-livros, e a sua mãe Maria Schefferling, era doméstiva.[5][6][nota 2] Em 1913, o pai Eichmann mudou-se para Linz, Áustria, para trabalhar como gestor comercial na Companhia de Eléctricos e Electricidade de Linz, e o resto da família juntou-se a ele um ano mais tarde. Depois da morte de Maria em 1916, o pai de Eichmann casou com Maria Zawrzel, uma protestante devota com dois filhos.[7]

Eichmann frequentou a Staatsoberrealschule Kaiser Franz Joseph (escola secundária estatal) em Linz, a mesma escola que Adolf Hitler frequentou 17 anos antes.[8] Tocava violino, praticava desporto e fazia parte de clubes, incluindo um grupo Wandervogel de exploradores, constituído por rapazes mais velhos pertencentes a milícias de extrema-direita.[9] Os maus resultados escolares fizeram com que o seu pai o retirasse da Realschule e o inscrevesse no colégio vocacional Höhere Bundeslehranstalt für Elektrotechnik, Maschinenbau und Hochbau.[10] Acabou por sair sem terminar o curso e foi trabalhar para a nova empresa do pai, a Companhia Mineira Untersberg, onde ficou vários meses.[10] Entre 1925 e 1927, trabalhou como administrativo de vendas nas na companhia de rádio Oberösterreichische Elektrobau AG. De seguida, entre 1927 e inícios de 1933, Eichmann trabalhou na Alta Áustria e Salzburg como agente distrital da Vacuum Oil Company AG.[11][12]

Durante este período, juntou-se à Jungfrontkämpfervereinigung, a ala jovem do movimento de veteranos de direita de Hermann Hiltl, começando a ler os jornais do Partido Nazi (NSDAP).[13] O partido defendia o fim da República de Weimar Alemanha, a rejeição dos termos do Tratado de Versalhes, anti-semitismo radical, e anti-Bolchevismo.[14] Prometia um governo central forte, aumento do Lebensraum (espaço vital) para os povos germânicos, formação de uma comunidade baseada na raça, e uma limpeza racial através da supressão dos judeus, os quais veriam retirada a sua cidadania e direitos civis.[15]

Início de carreira[editar | editar código-fonte]

Curriucumum (Lebenslauf) de Adolf Eichmann anexado à sua candidatura de promoção de SS-Hauptscharführer para SS-Untersturmführer em 1937

Aconselhado por um amigo da família, chefe das Schutzstaffel (SS), Ernst Kaltenbrunner, Eichmann entrou para a delegação austríaca do NSDAP a 1 de Abril de 1932, com o número 889 895.[16] A sua associação nas SS foi confirmada, sete meses depois, com o número 45 326.[17] Ficou integrado no regimento SS-Standarte 37, responsável pela vigilância da sede do partido em Linz e pela segurança dos discursadores nos comícios, os quais se tornavam habitualmente violentos. Eichmann tinha actividades partidárias em Linz nos fins-de-semana enquanto continuava a trabalhar na Vacuum Oil em Salzburg.[12]

Uns meses depois da tomada do poder pelos nazis na Alemanha, em Janeiro de 1933, Eichmann ficou desempregado devido a cortes de pessoal na Vacuum Oil. O Partido Nazi foi banido na Áustria por volta da mesma altura. Estes acontecimentos foram decisivos na opção de Eichmann regressar à Alemanha.[18]

Tal como outros nacionais-socialistas que deixaram a Áustria na Primavera de 1933, Eichmann partiu para Passau, onde se juntou a Andreas Bolek no seu escritório.[19] Depois de passar por uma programa de formação no centro das SS em Klosterlechfeld em Agosto, Eichmann regressou a Passau em Setembro, onde lhe foi atribuída a chefia de um grupo de oito homens das SS para orientar nacionais-socialistas austríacos para a Alemanha, e introduzir material de propaganda deste país para a Áustria.[20] No final de Dezembro, quando esta unidade foi dissolvida, Eichmann foi promovido a SS-Scharführer (líder de pelotão, equivalente a cabo).[21] O pelotão de Eichmann do Regimento Deutschland estava aquartelado perto do Campo de concentração de Dachau.[22]

Em 1934, Eichmann pediu transferência para o Sicherheitsdienst (SD; Serviço de Segurança) das SS, para sair da "monotonia" do treino e serviço militar em Dachau. Eichmann foi aceite no SD e foi-lhe dada a responsabilidade sobre os assuntos relacionados com a maçonaria, organizando objectos de natureza ritual para um museu. Passados seis meses, Eichmann foi convidado por Leopold von Mildenstein para se juntar ao Departamento Judeu, Secção II/112 do SD, nos escritórios de Berlim.[23][24][nota 3] A transferência de Eichmann foi feita em Novembro de 1934. Mais tarde referiu que esta transferência tinha sido uma grande oportunidade.[25] Ficou com a responsabilidade de estudar e preparar relatórios acerca do sionismo e das várias organizações judaicas. Aprendeu umas bases de hebreu e iídiche, ganhando a reputação de espcialista em sionismo e assuntos judaicos.[26] A 21 de Março de 1935, Eichmann casou com Veronika (Vera) Liebl (1909–93).[27] O casal teve quatro filhos: Klaus (n. 1936 em Berlim), Horst Adolf (n. 1940 em Viena), Dieter Helmut (n. 1942 em Praga) e Ricardo Francisco (n. 1955 em Buenos Aires).[28][29] Eichmann foi promovido a to SS-Hauptscharführer (equivalente a sargento-mor) em 1936, passando a SS-Untersturmführer (segundo-tenente) no ano seguinte.[30]

A Alemanha Nazi utilizou a violência e a pressão económica para levar os judeus a deixar o país por sua própria vontade;[31] cerca de 250 000 do total de 437 000 de judeus emigraram entre 1933 e 1939.[32][33] Eichmann viajou até à Palestina com o seu superior Herbert Hagen em 1937 para avaliar a possibilidade de os judeus da Alemanha emigrarem voluntariamente para aquele país, entrarem com credencias falsas em Haifa, de onde viajariam para o Cairo no Egipto. Quando chegaram, encontraram-se com Feival Polkes, um agente da Haganah, mas não conseguiram chegar a um acordo.[34] Polkes sugeriu que devia-se permitir que saíssem mais judeus sob os termos do Acordo de Haavara, mas Hagen recusou, supondo que uma forte presença judaica na Palestina pudesse levar à fundação de um estado independente, o que seria contra a política do Reich.[35] Eichmann e Hagen tentaram regressar à PAlestina uns dias mais tarde, mas viram a sua entrada recusada pelas autoridades britânicas por causa dos seus vistos.[36] O relatório sobre a sua visita foi publicado em .[37]

Em 1938, Eichmann foi colocado em Viena para ajudar na organização da emigração dos judeus da Áustria, que tinha acabada de ser integrada no Reich pela Anschluss.[38] As organizações das comunidades judaicas foram colocadas sob a supervisão do SD, a qual encorajou e facilitou a emigração dos judeus.[39] O financiamento teve origem em dinheiro retirado a outros judeus e a outras organizações judaicas, tal como de donativos do exterior, que ficaram sob o controlo do SD.[40] Eichmann foi promovido a SS-Obersturmführer (primeiro-tenente) em Julho de 1938, e escolhido para trabalhar na Agência Central para a Emigração Judaica em Viena, criada em Agosto.[41] Quando deixou Viena em Maio de 1939, cerca de 100 000 judeus já tinham partido da Ásutria legalmente, e muitos outros tinham passado ilegalmente para a Palestina e outros territórios.[42]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Mapa mostrando a localização do Governo Geral, 1941–1945

Transição da emigração para a deportação[editar | editar código-fonte]

Semanas depois da invasão da Polónia a 1 de Setembro de 1939, a politica nazi em relação aos judeus alterou-se passando de emigração voluntária para deportação forçada.[43] Depois de várias discussões com Hitler nas semanas anteriores, a 21 de Setembro o SS-Obergruppenführer Reinhard Heydrich, director do SD, instruiu o seu pessoal de que os judeus deviam ser reunidos em cidades da Polónia com bom sistema ferroviário, para facilitar a sua expulsão dos territórios controlados pela Alemanha, começando com zonas que tinham sido incorporadas no Reich. Ele anunciou os planos para criar uma reserva no Governo Geral (a região da Polónia não incorporada no Reich), onde aqueles judeus, e outros, considerados indesejáveis ficavam a aguardar por pela deportação.[44] A 27 de Setembro de 1939, o SD e a Sicherheitspolizei (que incluía a Gestapo e a Kripo) foram fundidas para dar origem ao novo SS-Reichssicherheitshauptamt (RSHA; Gabinete Central de Segurança do Reich), ficando sob o controlo de Heydrich.[45]

Depois de uma passagem por Praga para apoiar no estabelecimento de um gabinete de emigração, Eichmann foi transferido para Berlim em Outubro de 1939 para comandar o o Gabinete Central para a Emigração Judaica para todo o Reich sob as ordens de Heinrich Müller, chefe da Gestapo.[46] Foi de imediato escolhido para organizar a deportação de 70 000 a 80 000 judeus do distrito de Ostrava, na Morávia, e do distrito de Katowice na recentemente zona anexada da Polónia. Por sua própria iniciativa, Eichmann elaborou planos para deportar judeus para Viena. Num deles, o Plano Nisko, Eichmann chose Nisko para o local de um novo campo de transição onde os judeus seriam colocados temporariamente antes de serem deportados para outro local. Nas últimas semanas de Outubro de 1939, 4700 judeus foram enviados para o local por comboio, sendo deixados ao abandono, sem água, pouca comida, em campo aberto. As cabanas foram planeadas mas nunca construídas.[47][46] Muitos dos deportados foram levados pelas SS para territórios ocupados pelos soviéticos e outros acabaram por ser colocados em campos de trabalho da proximidade. A operação depressa chegou ao fim, em parte porque Hitler decidiu que os comboios deviam ser utilizados para fins militares, por enquanto.[48] Entretanto, de acordo com os planos de colonização de Hitler, centenas de milhares de alemães étnicos estavam a ser transportados para os territórios anexados, e, por seu lado, os polacos étnicos e os judeus estavam a ser transferidos ainda mais para leste, em particular para o Governo Geral.[49]

Memorial numa paragem de autocarros perto do local do escritório de Eichmann, Referat IV B4 (Gabinete dos Assuntos Judaicos) em Kurfurstenstrasse 115, actualmente ocupado por um hotel.

Em 19 de Dezembro de 1939, Eichmann foi nomeado chefe do RSHA Referat IV B4 (RSHA Sub-Departamento IV-B4), com a função de supervisionar os assuntos judaicos e a sua evacuação.[49] Heydrich escolheu Eichmann para seu "técnico especial", com a responsabilidade de tratar de todas as deportações para a Polónia.[50] Este novo cargo obrigava a interagir com as agências policiais para a remoção física dos judeus, tratar dos seus bens confiscados, e angariar fundos e transportes.[49] Em poucos dias, após a sua nomeação, Eichmann formulou um plano para deportar 600 000 judeus para o Governo Geral. O plano foi bloqueado por Hans Frank, governador-geral dos territórios ocupados, pois a aceitação de mais deportados iria ter um impacto negativo no desenvolvimento económico e no objectivo de germanização da região.[49] No seu papel de ministro responsável pelo Plano de Quatro Anos, a 24 de Março de 1940 Hermann Göring proibiu todos os transportes para o Governo Geral, a menos que fossem, primeiramente, autorizados por ele ou por Frank. Os transportes continuaram, mas a um ritmo inferior que o inicialmente definido.[51] Desde o início da guerra até Abril de 1941, cerca de 63 000 judeus foram transportados para o Governo Geral.[52] E muitos dos comboios deste período, morreu até um terço dos deportados.[52][53] Embora Eichmann tenha dito em tribunal que se sentiu aborrecido com as terríveis condições nos comboios e nos campos transitórios, a sua correspondência e documentos daquele período mostram que a sua preocupação principal era efectuar as deportações da forma mais económica possível, com a minimização dos problemas para as operações militares alemãs em curso.[54]

Os judeus eram concentrados em guetos nas principais cidades, partindo-se do princípio que, a dada altura, seriam transportados mais para leste ou mesmo para colónias ultramarinas.[55][56] As condições de vida terríveis nos guetos—excesso de pessoas, más condições sanitárias, e falta de comida—tinham como resultado uma elevada taxa de mortalidade.[57] A 15 de Agosto de 1940, Eichmann emitiu um memorando intitulado Reichssicherheitshauptamt: Madagaskar Projekt (Gabinete Principal de Segurança do Reich: Projecto Madagáscar), definindo o envio de um milhão de judeus por anos para Madagáscar durante quatro anos.[58] Quando a Alemanha fracassou frente à Royal Air Force na Batalha de Inglaterra, a invasão do Reino Unido foi adiada indefinidamente. Como os britânicos ainda controlavam o atlântico e a sua frota mercante não ficaria à disposição dos alemães para ser utilizada em evacuações, os planos de Madagáscar foram suspensos.[59] Hitler continuou a falar do plano até Fevereiro de 1942, altura em que ficou completamente posta de parte.[60]

Conferência de Wannsee[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Conferência de Wannsee

A partir do início da invasão da União Soviética em Junho de 1941, os Einsatzgruppen seguiram o exército para as áreas conquistadas e reuniram os judeus, oficiais do Comintern e membros mais destacados do Partido Comunista, e executaram-nos.[61] Eichmann foi um dos oficiais que recebiam relatórios detalhados das suas actividades.[62] A 31 de Julho, Göring deu autorização por escrito a Heydrich para preparar e submeter um plano para uma "solução total para a questão judaica" em todos os territórios sob controlo alemão, e coordenar a participação de todas as organizações do governo envolvidas.[63] OGeneralplan Ost (Plano Geral para o Leste) estabelecia a deportação da população dos territórios ocupados na Europa de Leste e da União Soviética para a Sibéria, para servirem de escravos ou para serem mortos.[64]

Mais tarde, nos interrogatórios do pós-guerra, Eichmann afirmou que Heydrich lhe disse, em meados de Setembro, que Hitler tinha dado ordens para que todos os judeus na Europa controlada pelos alemães deviam ser mortos.[65][nota 4] O plano inicial era a implementação do Generalplan Ost após a conquista da União Soviética.[64] Contudo, coma entrada dos Estados Unidos na guerra em Dezembro, e do fracasso alemão na Batalha de Moscovo, Hitler decidiu que os judeus da Europa tinham de ser executados imediatamente e não depois da guerra, a qual, agora, não tinha fim à vista.[66] Por esta altura, Eichmann foi promovido a SS-Obersturmbannführer (tenente-coronel), a patente mais elevada a que chegou.[67]

Para coordenar o plano do proposto genocídio, Heydrich marcou a Conferência de Wannsee, que juntou os líderes administrativos do regime nazi a 20 de Janeiro de 1942.[68] Para a conferência, Eichmann preparou uma lista a Heydrich com o número de judeus nos diversos países europeus e com estatísticas sobre emigração.[69] Eichmann esteve presente na reunião, supervisionou o estenógrafo que redigiu as minutas, e elaborou o registo oficial da conferência.[70] Na sua carta, Heydrich apontou para elo de ligação entre os departamentos envolvidos.[71] Sob a supervisão de Eichmann, as deportações em larga escala tiveram início de imediato para os campos de extermínio de Bełżec, Sobibor e Treblinka, entre outros elsewhere.[72] O genocídio recebei o nome de Operação Reinhard em honra de Heydrich, que morreu em Praga no início de Junho, vítima de ferimentos numa tentativa de assassinato.[73] Kaltenbrunner sucedeu-lhe como chefe do RSHA.[74]

Eichmann não definia políticas, mas tinha poder operacional.[75] As ordens específicas sobre as deportações vinham do Reichsführer-SS Heinrich Himmler.[71] O gabinete de Eichmann era responsável pela recolha de informação sobre os judeus de cada zona, organização do arresto dos seus bens, e providenciar a logística dos comboios.[76] O seu departamento estava em constante contacto com Gabinete de Relações Exteriores, pois os judeus dos países conquistados, como a França, não podiam ver os seus bens retirados facilmente nem era fácil enviá-los para os campos de extermínio para serem mortos.[77] Eichmann tinha reuniões regulares nos escritórios de Berlim com os seus membros de departamento, tal como viajava muito para visitar os campos de concentração e os guetos. A sua esposa, que não gostava de Berlim, residia em Oraga com os seus filhos. Inicialmente, Eichmann visitava-os semanalmente, mas, com o passar do tempo, as visitas passaram a ser mensais.[78]

Hungria[editar | editar código-fonte]

MUlher húngara com crianças à chegada de Auschwitz-Birkenau, Maio ou Junho de 1944 (fotografia do Álbum de Auschwitz)

A Alemanha invadiu a Hungria a 19 de Março de 1944. Eichmann chegou no mesmo dia, e, pouco tempo depois, chegaram os membros de topo do seu pessoal assim como cino ou seis centenas de homens do SD, das SS e da Sicherheitspolizei (SiPo; polícia de segurança).[79][80] A nomeação de um governo húngaro por Hitler mais favorável aos nazis significava que os judeus húngaros, que não tinham sido, de um modo geral, afectados até àquela altura, seriam agora deportados para o campo de concentração de Auschwitz para trabalhar como escravos ou para serem mortos com gás.[79][81] Eichmann percorreu a zona nordeste da Hungria na última semana de Abril e passou por Auschwitz em Maio para se inteirar dos preparativos.[82] Durante os Julgamentos de Nuremberga, Rudolf Höss, o comandante de Auschwitz, testemunhou que Himmler lhe dado ordens para cumprir todas as instruções operacionais para a implementação da Solução Final de Eichmann.[83] A concentração começou a 16 de Abril, e a partir de 14 de Maio quatro comboios por dia, com cerca de três mil judeus a bordo em cada, começaram a partir da Hungria para o campo de Auschwitz II-Birkenau, chegando a uma nova linha central a poucas centenas de metros das câmaras de gás.[84][85] Apenas de 10 a 25 porcento das pessoas que chegavam em cada comboio eram escolhidas para os trabalhos forçados; os restantes eram mortos poucas horas depois de chegarem.[84][86] Debaixo de pressões internacionais, o governo húngaro parou com as deportações a 6 de Julho de 1944, altura em que cerca de 437 000 de 725 000 judeus húngaros tinham já morrido.[84][87] Apesar das ordens de paragem, Eichmann preparou comboios adicionais para Auschwitz a 17 e 19 de Julho.[88]

Em várias reuniões que tiveram início a 25 de Abril, Eichmann reuniões com Joel Brand, um judeu húngaro membro da Comissão de Ajuda e Resgate.[89] Mais tarde, Eichmann referiu que Berlim autorizou-o a permitir a emigração de um milhão de judeus em troca de 10 000 camiões equipados para fazer frente às condições adversas da Frente Oriental.[90] A proposta não foi aceite pois os Aliados recusaram a oferta.[89] Em Junho de 1944, Eichmann fazia parte das negociações com Rudolf Kasztner, cujo resultado foi o salvamento de 1684 pessoas, pessoas estas enviadas por comboio para a Suíça em troca de três malas cheias de diamantes, ouro, dinheiro e documentos de segurança.[91]

Eichmann, irritado com o facto de Kurt Becher e outros estarem cada vez mais envolvidos nos assuntos da emigração dos judeus, e furioso pela suspensão ordenada por Himmle das deportações para os campos da morte, pediu para mudar de função em Julho.[92] No final de Agosto, recebeu o comando de um esquadrão de resgate para a evacuação de dez mil alemães étnicos presos na fronteira húngara com a Roménia, no caminho do Exército Vermelho. As pessoas que ali estavam recusaram-se a deixar o local, e assim os soldados ajudaram a evacuar membros de um hospital de campanha alemão presos perto da frente. Por esta operação, Eichmann recebeu a Cruz de Guerra de Segunda Classe.[93] Ao longo dos meses de Outubro e Novembro, Eichmann reuniu dezenas de milhares de vítimas judias e fê-las marchar, em condições terríveis, de Budapeste para Viena, numa distância de 210 quilômetros (130 mi).[94]

A 24 de Dezembro de 1944, Eichmann fugiu de Budapeste mesmo antes de os soviéticos cercarem a cidade. De regressou a Berlim, destruiu todos os registos incriminatórios do Departmento IV-B4 queimando-os.[95] Tal como muitos outros oficiais das SS, que também tinham fugido nos meses que antecederam o final da guerra, Eichmann e a sua família ficaram a viver em relativa segurança na Áustria quando a guerra terminou a 8 de Maio de 1945.[96]

Pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Passaporte da Cruz Vermelha com o nome de "Ricardo Klement" que Eichmann utilizou para entrara na Argentina em 1950

No final da guerra, Eichmann foi capturado pelos americanos e foi levado para vários campos de prisioneiros de oficiais das SS mas com identificação falsa com o nome de "Otto Eckmann". Quando a sua identidade foi descoberta, fugiu de Cham. Eichmann obteve novos documentos de identificação com o nome de "Otto Heninger" e foi realocado por várias vezes nos meses seguintes. Transferido para Charneca de Lüneburg, inicialmente conseguiu emprego na indústria florestal, e mais tarde arrendou um pequeno terreno em Altensalzkoth, onde viveu até 1950.[97] Entretanto, nos Julgamento de Nuremberga que tiveram início em 1946, foram apresentadas evidências incriminatórias sobre as actividades de Eichmann pelo ex-comandante de Auschwitz, Rudolf Höss, entre outros.[98]

Em 1948, Eichmann obteve um licença de entrada na Argentina e uma identificação falsa com o nome de "Ricardo Klement", através de uma organização gerida pelo bispo Alois Hudal, um padre austríaco então a residir em Itália, simpatizante do nazismo.[99] Estes documentos permitiram-lhe, em 1950, obter um passaporte da Cruz Vermelha, garantindo-lhe, assim, emigrar definitivamente para a Argentina.[99][nota 5] Até chegar àquele país, viajou pela Europa, ficando em vários mosteiros que tinham sido preparados para servirem de local secreto de segurança.[100] A 17 de Junho de 1950 de Génova, chegou a Buenos Aires a 14 de Julho.[101]

Inicialmente, Eichmann viveu em Tucumán, onde trabalhou para um empreiteiro do governo. Entretanto a sua família chegou em 1952, e mudaram-se para Buenos Aires. Eichmann passou por vários empregos modesto até encontrar trabalho na Mercedes-Benz, onde chegou a chefe de departamento.[102] A família construiu uma casa no número 14 da Rua Garibaldi (actual n.º 6061 da mesma rua) e foram para lá viver em 1960.[103][104]

Durante quatro meses nos finais de 1956, Eichmann foi entrevistado pelo jornalista nazi expatriado Willem Sassen com o objectivo de elaborar uma biografia. Foram efectuadas gravações, transcrições e notas escritas.[105] Mais tarde, as memórias serviriam de base para uma série de artigos que surgiram nas revistas Life e Stern no final da década de 1960.[106]

Captura na Argentina[editar | editar código-fonte]

Vários judeus e outros sobreviventes do Holocausto dedicaram parte das suas vidas na procura de Eichmann e de outros nazis. Dentre eles encontrava-se Simon Wiesenthal.[107] Wiesenthal soube, através de uma carta que lhe foi mostrada em 1953, que Eichmann tinha sido visto em Buenos Aires, e transmitiu essa informação ao consulado israelita em Viena em 1954.[108] Quando o pai de Eichmann morreu em 1960, Wiesenthal contratou detectives privados para, secretamente, fotografar os membros da família, pois era sabido que o irmão de Eichmann, Otto, era muito parecido com ele, e não havia fotografias actuais do fugitivo. Wiesenthal forneceu estas fotografias a agentes da Mossad a 18 de Fevereiro.[109]

Também essencial na descoberta da identidade de Eichmann, foi Lothar Hermann, um alemão meio-judeu que tinha emigrado para a Argentina em 1938.[110] Quando em 1956 a filha de Hermann, Sylvia, começou a namorar com um homem chamado Klaus Eichmann, que se gabava das façanhas nazis do seu pai, Hermann alertou Fritz Bauer, procurador-geral do estado de Hesse, na Alemanha Ocidental.[111] Sylvia, enviada numa missão de pesquisa a casa de Klaus, encontrou-se com o próprio Eichmann à porta, que lhe disse ser o tio de Klaus. Informada que Klaus não estava em casa, Sylvia sentou-se à espera. Quando Klaus voltou, este chamou Eichmann de pai.[112] Em 1957, Bauer passou a informação pessoalmente ao director da Mossad, Isser Harel, que tratou de organizar missões de vigilância, sem sucesso inicial.[113] A 1 de Março de 1960, Harel enviou a Buenos Aires o interrogador-chefe da Shin Bet, Zvi Aharoni,[114] que, nas semanas seguintes de investigação,conseguiu confirmar a identidade do fugitivo.[115] Como a Argentina tinha um histotial de recusar pedidos de extradição de criminosos nazis, o primeiro-ministro israelita David Ben-Gurion tomou a decisão de capturar Eichmann em vez de pedir a sua extradição, e trazê-lo para Israel para julgamento.[116][117] Harel viajou para Buenos Aires para ele próprio supervisionar a captura em Maio de 1960.[118] O operativo da Mossad Rafi Eitan foi escolhido para liderar a equipa de oito homens, muitos dos quais eram membros da Shin Bet.[119]

The teleprinter that was used to send messages regarding the capture to Israel's diplomatic missions around the world

A equipa capturou Eichmann perto da sua casa na Rua Garibaldi em San Fernando, uma comunidade industrial a 20 km a norte de do centro de Buenos Aires, no dua 11 de Maio de 1960.[120] Os agentes chegaram a Buenos Aires em Abril de 1960 após a identidade de Eichmann ter sido confirmada.[121] Depois de acompanharem a rotina do suspeito durante vários dias, determinaram que ele chegava a casa, de autocarro, vindo do trabalho, sempre à mesma hora ao fim do dia. Planearam apanhá-lo quando ele viesse a andar numa zona aberta desde a paragem do autocarro até à sua casa.[122] O plano quase foi cancelado no dia previsto pois Eichmann não vinha no autocarro habitual.[123] Por fim, quase meia hora depois, Eichmann chegou. O agente da Mossad, Peter Malkin, chegou perto dele e perguntou-lhe em espanhol se ele tinha um momento. Com medo, Eichmann tentou evitá-lo, mas surgiram mais dois agentes da Mossad para dar apoio a Malkin; os três agentes deitaram Eichmann no chão e, após uma luta, meteram-no num carro onde o esconderam no chão e o taparam com um lençol.[124]

Eichmann foi levado para uma das habitações secretas da Mossad.[124] Ali ficou nove dias, tempo durante o qual a sua identidade foi várias vezes verificada e confirmada.[125] Durante o período de detenção, Harel tentou localizar Josef Mengele, o destacado médico nazi de Auschwitz, pois a Mossad tinha informações de que ele também se encontrava a viver em Buenos Aires. Harel esperava também levar consigo Mengele para Israel no mesmo voo.[126] Contudo, Mengele já tinha deixado a sua última residência, de que se tinha conhecimento, na cidade, e Harel não conseguiu qualquer pista sobre o seu paradeiro, o que o forçou a abandonar o plano da sua captura.[127] Eitan disse ao Haaretz em 2008 que tomaram a decisão, intencionalmente, de não ir atrás de Mengele, pois essa operação poderia pôr em perigo a captura de Eichmann.[128]

Perto da meia-noite do dia 20 May, Eichmann foi sedado por um médico israelita da equipa da Mossad e vestido de assistente de bordo.[129] Eichmann foi colocado a bordo do avião da El Al, um Bristol Britannia, que, dias antes, tinha trazido a delegação israelita para as celebrações do 150.º aniversário da independência da Argentina da Espanha.[130] Depois de um longo período de tensão devido a atrasos na aprovação do plano de voo, o avião descolou para Israel, fazendo escala em Dakar, no Senegal, para reabastecimento de combustível.[131] Chegaram a Israel no dia 22 de Maio, e Ben-Gurion anunciou a captura de Eichmann ao Knesset—o parlamento israelita—nessa tarde.[132] Na Argentina, o rapto foi recebido com uma onda violenta de anti-semitismo levada a cabo por membros da extrema-direita, incluindo o Movimento Nacionalista Tacuara.[133]

Em Junho de 1960, após várias negociações mal-sucedidas com Israel, a Argentina solicitou uma reunião urgente ao Conselho de Segurança das Nações Unidas para protestar, pois consideravam a captura como um acto de violação dos seus direitos soberanos.[134] No debate que se seguiu, a representante israelita Golda Meir disse que os raptores não eram agentes de Israel mas sim indivíduos privados e, por isso, o incidente era apenas uma "violação isolada la lei argentina".[134] A 23 de Junho, o Conselho aprovou a Resolução 138, a qual estabelecia que a soberania da Argentina tinha sido violada e exigia que Israel devia proceder a uma indemnização.[135] Após algumas negociações, a 3 de Agosto, Israel e a Argentina emitiram uma declaração conjunta admitindo a violação da soberania argentina, mas concordando em pôr um fim à disputa.[136] No julgamento de Eichmann, e subsequente recurso, o tribunal israelita determinou que as circunstâncias da sua captura não teve qualquer influência na legalidade de seu julgamento.[137]

Documentos da Central Intelligence Agency (CIA) tornados públicos em 2006 mostram que a captura de Eichmann preocupu a CIA e o Bundesnachrichtendienst (BND) da Alemanha Ocidental. Ambas as organizações sabiam, há pelo menos dois anos, que Eichmann estava escondido na Argentina, mas não agiram, pois isso não interessava no contexto da Guerra Fria. Ambas estavam preocupadas com o que Eichmann poderia dizer no seu testemunho sobre o conselheiro de segurança alemão Hans Globke, que tinha sido um dos autores de várias leis nazis anti-semitas (incluindo as Leis de Nuremberga). Os documentos também revelaram que ambas as agências tinham utilizado alguns dos ex-colegas nazis de Eichmann para espiar os países europeus comunistas.[138]

Julgamento[editar | editar código-fonte]

Eichmann foi levado para um posto de polícia fortificado em Yagur, Israel, onde ficou nove meses.[139] Os israelitas estavam com dúvidas em levá-lo a julgamento com base apenas em evidências em documentos e testemunhos. Diariamente, o prisioneiro era sujeito a interrogatórios, totalizando mais de 3500 páginas de depoimentos.[140] O líder dos interrogatórios era o inspector-chefe Avner Less da polícia nacional.[141] Utilizando documentos fornecidos por Yad Vashem e pelo caçador de nazis Tuviah Friedman, Less foi capaz de determinar, por vezes, se Eichmann estava ou não a mentir, ou a ser evasivo. Quando era colocado frente-a-frente com informações que o forçavam a admitir o que tinha feito, Eichmann insistia em que não tinha qualquer autoridade na hierarquia nazi e que apenas obedecia a ordens.[142] O inspector Less observou que Eichmann parecia não compreender a enormidade dos seus crimes e não mostrou remorsos.[143] O seu recurso, publicado em 2016, não contradiz esta situação: "Existe a necessidade de desenhar uma linha entre os líderes responsáveis e as pessoas como eu que foram forçadas a servir como meros instrumentos nas mãos dos líderes", escreveu Eichmann. "Eu não era um líder responsável, e, como tal, não me sinto culpado."[144]

Eichmann em tribunal, 1961

O julgamento de Eichmann no Tribunal Distrital de Jerusalém teve início a 11 de Abril de 1961.[145] A base legal das acusações contra Eichmann era a Lei (da Condenação) dos Colaboradores Nazis de 1950,[146][nota 6] sob a qual foi indiciado por 15 crimes, incluindo crimes contra a humanidade, crimes contra os judeus, e associação a uma organização criminosa.[147][nota 7] O julgamento foi presidido por três juízes: Moshe Landau, Benjamin Halevy e Yitzhak Raveh.[148] O procurador principal Gideon Hausner, assistido por Gabriel Bach do Departamento de Justiça e pelo Procurador Distrital de Tel Aviv Yaakov Bar-Or.[149] A equipa de defesa era constituída pelo advogado alemão Robert Servatius, acompanhado pelo assistente Dieter Wechtenbruch, e o próprio Eichmann.[150]

O governo israelita organizou o julgamento por forma a que este tivesse grande cobertura dos meios de comunicação.[151] A Capital Cities Broadcasting Corporation dos Estados Unidos comprou os direitos exclusivos para gravar as imagens televisivas.[152] Muitos dos principais jornais mundiais enviaram os seus jornalistas e publicaram as suas reportagens nas capas dos jornais.[153] O julgamento teve lugar no Beit Ha'am (actualmente conhecido como Gerard Behar Center), um auditório no centro de Jerusalém. Eichmann sentou-se dentro de uma cabina com vidro à prova de bala para o proteger de alguma tentativa de assassinato.[154] O edifício foi modificado para permitir aos jornalistas assistirem ao julgamento em circuito fechado de televisão, e foram instalados 750 lugares no próprio auditório. Os israelitas tiveram a oportunidade de assistir à transmissão das sessões televisivas do julgamento, e as gravações de imagem eram enviadas diariamente para os Estados Unidos para serem transmitidas no dia seguinte.[155][156]

A acusação apresentou o caso ao longo de 56 dias, envolvendo centenas de documentos e 112 testemunhas (muitas delas sobreviventes do Holocausto).[157] O propósito de Hausner era, não só demonstrar a culpa de Eichmann, mas também apresentar material sobre o Holocaust, produzindo, assim, um registo completo dos factos.[146] O discurso acusatório de Hausner começou com: "Não é um indivíduo que está no banco neste julgamento histórico, e também não o regime nazi, mas o anti-semitismo ao longo da história."[158] O advogado de defesa Servatius tentou, repetidamente, travar a apresentação de material não relacionado directamente com Eichmann, e foi bem sucedido.[159] Para além de documentação do período da guerra, o material apresentado como evidências incluíam gravações e traanscrições dos interrogatórios de Eichmann e das entrevistas de Sassen na Argentina.[157] Neste último caso, apenas as nostas escritas por Eichmann foram aceites como evidências.[160]

Juízes do julgamento de Eichmann: Benjamin Halevy, Moshe Landau e Yitzhak Raveh
A Universal Newsreel transmite o veredicto.

Algumas das provas apresentadas pela acusação tomaram a forma de depoimento fora do tribunal realizado por nazis destacados.[161] A defesa solicitou que os homens foseem trazidos até Israel de modo que o direito da defesa ao contra-interrogatório não fosse revogado. Mas Hausner, no seu papel de Procurador-Geral, declarou que seria obrigado a deter qualquer criminoso de guerra que entrasse em Israel.[161] A acusação demonstrou que Eichmann esteve em locais onde o extermínios tiveram lugar, incluindo Chełmno, Auschwitz e Minsk (onde ele assistiu a uma execução em massa de judeus),[162] e, deste modo, tinha conhecimento de que os deportados estavam a ser mortos.[163]

Quando a acusação terminou, a defesa apresentou uma moção de dispensa baseada no facto de o julgamento ser ilegal. Servatius chamou a atenção para o facto de Eichmann ter sido raptado e para a base jurídica israelita sob a qual ele era acusado. O advogado argumentou que se o julgamento continuasse, a sua jurisdição devia ser transferida para a Alemanha Ocidental. A acusação contra-argumentou dizendo que as Nações Unidas tinham apoiado as acções de Israel, e que tanto a Alemanha Ocidental como a Argentina tinham acordado em que as acusações contra ele eram legitimas. A moção da defesa acabou por ser chumbada.[164]

A defesa passou depois para uma análise detalhada do próprio Eichmann.[165] Moshe Pearlman e Hannah Arendt descreveram Eichmann como vulgar na aparência e indiferente nos sentimentos.[166] No seu testemunho ao longo do julgamento, Eichmann insistiu no facto de não ter tido qualquer hipótese de escolha nas ordens que lhe eram dadas, pois tinha prestado juramento de lealdade—o mesmo argumento utilizado por outros arguidos nos Julgamentos de Nuremberga em 1945–1946.[167] Eichmann disse que as decisões não tinham sido tomadas por ele mas sim por Müller, Heydrich, Himmler e, em primeiro lugar, por Hitler.[168] Servatius também argumentou que as decisões do governo nazi eram actos de Estado e, por isso mesmo, não sujeitas a procedimentos judiciais normais.[169] Em relação à Conferência de Wannsee, Eichmann disse que se sentiu satisfeito e aliviado quando a reunião terminou. Como a decisão de extermínio foi feita pelos seus superiores, o assunto já não lhe dizia respeito; sentiu-se absolvido de qualquer culpa.[170] No último dia da sua avaliação, assumiu a sua culpa na organização dos transportes, mas que não se sentiu culpado pelas conseuqências.[171]

Ao longo do contra-interrogatório, o procurador Hausner tentou que Eichmann admitisse a sua culpa pessoal, mas sem sucesso.[172] Eichmann admitiu que não gostava de judeus e os via como adversários, mas afirmou que nunca pensou que o seu extermínio fosse justificado.[173] Quando Hausner apresentou evidências de que Eichmann disse em 1945 que "irei para o meu túmulo a rir porque a sensação que tenho cinco milhões de seres humanos na minha consciência é para mim uma fonte de extraordinária satisfação", Eichmann respondeu que queria dizer "inimigos do Reich" como os soviéticos.[174] Durante análises posteriores realizadas pelos juízes, ele admitiu que se queria referir aos judeus, e disse que essa observação foi irreflectida naquela altura.[175]

O julgamento terminou no dia 14 de Agosto, e veredicto foi lido a 12 de Dezembro.[145] Os juízes declaram que ele não era pessoalmente culpado de matar alguém e não era culpado de supervisionar e controlar as actividades dos Einsatzgruppen.[176] Foi considerado culpado pelas terríveis condições nas deportações, em particular nos comboios, e por reunir judeus para encher esses mesmos comboios.[177] Foi considerado culpado por crimes contra a humanidade, crimes de guerra, e crimes contra os polacos, eslovenos e ciganos. Foi, também considerado culpado de associação em três organizações que tinham sido consideradas como criminosas nos Julgamentos de Nuremberga: a Gestapo, a SD e a SS.[178] Quando elaboraram a sentença, os juízes concluíram que Eichmann tinha, não só, cumprido ordens, mas também acreditava, profundamente, na causa nazi, e tinha tido um papel-chave no genocídio.[179] A 15 de Dezembro de 1961, Eichmann foi condenado à morte por enforcamento.[180]

Recursos e execução[editar | editar código-fonte]

Adolf Eichmann no pátio da Prisão de Ayalon em Israel, 1961

Servatius apelou da sentença, alegando, principalmente, sobre a legalidade da jurisdição de Israel e a legalidade das leis segundo as quais Eichmann foi condenado.[181] As audições do recurso tiveram lugar entre os dias 22 e 29 de Março de 1962.[182] A esposa de Eichmann, Vera, viajou para Israel e encontrou-se com ele, pela última vez, no final de Abril.[183] Em 29 de Maio, o Supremo Tribunal de Israel rejeitou o apelo e confirmou a sentença do Tribunal Distrital.[184] Em seguida, Eichmann enviou um pedido de clemência ao Presidente de Israel Yitzhak Ben-Zvi. O conteúdo da sua carta ao Presidente pedindo o seu perdão, e os documentos originais do seu julgamento, foram tornados públicos a 27 de Janeiro de 2016.[144] Cidadãos destacados como Hugo Bergmann, Pearl Buck, Martin Buber e Ernst Simon mostraram o seu apoio a Eichmann.[185] Ben-Gurion marcou uma reunião para resolver o problema. A comissão reunida decidiu recomendar a Ben-Zvi que este não aceitasse perdoar Eichmann,[186] e o Presidente rejeitou o apelo para alterar a sua sentença. Às 20h00 do dia 31 de Maio, Eichmann foi informado que o seu último apelo tinha sido negado.[187] A sua última refeição foi a habitual dose de queijo, pão, azeitonas e chá, e meia garrafa de vinho.[188]

Eichmann foi enforcado numa prisão em Ramla horas depois. O enforcamento, marcado para a meia-noite de 31 de Maio, foi atrasado ligeiramente, tendo, assim, lugar poucos minutos depois, ao início do dia 1 de Junho de 1962.[2] A execução foi testemunhada por um pequeno grupo de oficiais, quatro jornalistas e um padre canadiano, William Lovell Hull, que tinha sido o seu conselheiro espiritual na prisão.[189] As suas últimas palavras foram:

Viva a Alemanha. Viva a Argentina. Viva a Áustria. Estes são os três países com os quais tive mais ligações e os quais não esquecerei. Agradeço à minha mulher, à minha família e aos meus amigos. Estou pronto. Voltaremos a encontrar-nos em breve, tal é o destino de todos os homens. Morro a acreditar em Deus.[190]

Depois da execução, o corpo de Eichmann foi cremado, e as suas cinzas espalhadas no mar Mediterrâneo, fora da zona territorial de Israel, por uma navio-patrulha da Marinha de Israel.[191]

Impacto[editar | editar código-fonte]

O julgamento, e toda a sua cobertura pelos meios de comunicação, fizeram renascer o interesse pelos acontecimentos da guerra, e o aumento verificado de publicações de memórias e trabalhos académicos ajudou a consciencializar o público em geral sobre o Holocausto.[192] O julgamento recebeu uma grande cobertura pela imprensa na Alemanha Oriental, e muitas escolas incluíram material sobre o assunto no seu programa.[193] Em Israel, os relatos das testemunhas no julgamento resultaram num conhecimento mais profundo do impacto do Holocaust nos sobreviventes, em particular entre os cidadãos mais jovens que nunca passaram por opressão levada a cabo pelo estado.[194]

Hannah Arendt, uma escritora de teoria política que escreveu para o The New Yorker sobre o julgamento de Eichmann, descreveu-o no seu livro Eichmann em Jerusalém como representante da "banalidade do mal". Para a escritora, ele tinha uma personalidade vulgar, não mostrando culpa nem ódio.[3][195] Arendt também escreveu que "este caso foi construído com base naquilo que os judeus sofreram, e não no que Eichmann fez."[196] No seu livro de 1988, Justice, Not Vengeance (Justiça, não Vingança), Wiesenthal diz: "O mundo compreende agora o conceito de «crime de secretária». Sabemos que não é preciso ser fanático, sádico ou doente mental para assassinar milhões; isso chega para ser um seguidor leal ansioso por fazer o seu trabalho."[197] O termo "pequeno Eichmanns" tornou-se um termo pejorativo para designar os burocratas responsáveis por, indirectamente e sistematicamente, magoarem outras pessoas.[198]

No seu livro de 2011, Eichmann Before Jerusalem, baseado em grande parte pelas entrevistas de Sassen e nas notas de Eichmann, quando este estava no exílio, Bettina Stangneth descreve Eichmann como um anti-semita ideologicamente motivado e defensor da causa nazi de longa data, que construiu uma personalidade de burocrata sem face para se apresentar no tribunal.[199] Os historiadores Christopher Browning, Deborah Lipstadt, Yaacov Lozowick eDavid Cesarani chegam a uma conclusão semelhante: Eichmann não era o funcionário burocrático banal, ingénuo, que Arendt acreditava que ele era.[200]

O filho mais novo de Eichmann, Ricardo, disse que não sentia qualquer ressentimento em relação a Israel por ter executado o seu pai.[29][201] Ricardo discorda do seu pai em relação à desculpa que ele dava de "seguir ordens" para atenuar as suas acções, e observa que a falta de remorsos do seu pai causava "emoções difíceis" no seio da família Eichmann. Ricardo é professor de arqueologia no Instituto Arqueológico Alemão.[202]

Em 2015, a filmagem do julgamento produzida por Milton Fruchtman e o realizador de TV Leo Hurwitz foi objecto do filme para a televisão britânica The Eichmann Show, com Martin Freeman e Anthony LaPaglia. O filme é intercalado por cenas retiradas do próprio julgamento.[203][204]

Resumo da carreira como SS[editar | editar código-fonte]

  • Número SS: 45 326[205]
  • Número do Partido Nazi: 899 895
  • Posições destacadas: Sub-Departmento IV-B4 (Gestapo), RSHA
  • Serviço na Waffen-SS: SS-Untersturmführer der Reserve (9 de Novembro de 1944)

Registo militar[editar | editar código-fonte]

Eichmann's SS-ranks
Date Rank
1 de Abril de 1932 SS-Anwärter (candidato)
9 de Novembro de 1933 SS-Mann (soldado)
24 de Dezembro de 1933 SS-Scharführer (segundo-sargento)
1 de Maio de 1934 SS-Oberscharführer (primeiro-sargento)
1 de Julho de 1934 SS-Scharführer[nota 8]
1 de Setembro de 1935 SS-Oberscharführer (primeiro-sargento)
13 de Setembro de 1936 SS-Hauptscharführer (sargento-ajudante)
9 de Novembro de 1937 SS-Untersturmführer (segundo-tenente)
Julho de 1938 SS-Obersturmführer (primeiro-tenente)
30 de Janeiro de 1939 SS-Hauptsturmführer (capitão
1 August 1940 SS-Sturmbannführer (major)
9 de Novembro de 1941 SS-Obersturmbannführer (tenente-coronel)

Condecorações e Honras Nazis[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. A execução, planeada para ter lugar à meia-noite do dia 31 de Maio, foi atrasada; Eichmann morreu poucos minutos depois no início de 1 de Junho.[2]
  2. Alguns autores defendem que o nome do seu pai era Karl Adolf, como Stangneth 2014, p. ix.
  3. Em Setembro de 1939, este departamento mudou de designação para Secção IV B4 do SS-Reichssicherheitshauptamt (RSHA; Gabinete Central de Segurança do Reich).
  4. O historiador alemão Christian Gerlach, e outros, defendem que Hitler não aprovou a política de extermínio atémeados de Dezembro de 1941. Gerlach 1998, p. 785. Esta data não é aceite por todos, mas parece ser provável que uma decisão foi tomada por esta altura. A 18 de Dezembro, Himmler encontrou-se com Hitler e registou no seu livro de reuniões a "Questão judaica – para serem exterminados como os partisans". Browning 2004, p. 410. No dia seguinte, Wilhelm Stuckart, secretário-de-Estado do Ministério do Interior, disse a um dos seus oficiais: "Os procedimentos para a evacuação dos judeus têm por base numa decisão da mais alta autoridade. Têm que a cumprir." Browning 2004, p. 405.
  5. Em Maio de 2007, um estudante que pesquisava a captura de Eichmann, descobriu o passaporte nos arquivos de tribunal na Argentina. BBC 2007. O passaporte encontra-se em poder do Museu do Holocausto da Argentina em Buenos Aires. Ver Fundacion Memoria Del Holocausto.
  6. Esta lei tinha sido anteriormente usada para condenar cerca de trinta pessoas, todas, excepto uma delas, sobreviventes judeus do Holocausto, que alegadamente colaboraram com os nazis. Ver Ben-Naftali & Tuval 2006.
  7. Eichmann era membro de três das organizações que foram consideradas criminosas nos Julgamentos de Nuremberga]]: a SS, a SD e a Gestapo. Arendt 1994, p. 246.
  8. Depois da Noite das Facas Longas, as SS alteraram a sua hierarquia e adoptaram novos títulos. O posto de Eichmann não se alterou, mas a sua designação passou de Oberscharführer para Scharführer em Julho de 1934.

Referências

  1. Shirer 1960, Footnote, p. 978.
  2. a b Hull 1963, p. 160.
  3. a b Arendt 1994, p. 252.
  4. Cesarani 2005, pp. 19, 26.
  5. Cesarani 2005, p. 19.
  6. Eichmann 1961.
  7. Cesarani 2005, pp. 19–20.
  8. Lipstadt 2011, p. 45.
  9. Cesarani 2005, p. 21.
  10. a b Cesarani 2005, p. 21–22.
  11. Levy 2006, p. 98.
  12. a b Cesarani 2005, p. 34.
  13. Cesarani 2005, pp. 28, 35.
  14. Goldhagen 1996, p. 85.
  15. Evans 2003, pp. 179–180.
  16. Ailsby 1997, p. 40.
  17. Cesarani 2005, p. 28.
  18. Cesarani 2005, p. 35.
  19. Rosmus 2015, p. 83 f.
  20. Rosmus 2015, p. 84.
  21. Cesarani 2005, p. 37.
  22. Levy 2006, p. 101.
  23. Padfield 2001, p. 198.
  24. Levy 2006, pp. 103–104.
  25. Porter 2007, p. 106.
  26. Cesarani 2005, pp. 47–49.
  27. Levy 2006, p. 150.
  28. Cesarani 2005, pp. 44, 69.
  29. a b Glass 1995.
  30. Cesarani 2005, pp. 49, 60.
  31. Longerich 2010, pp. 67–69.
  32. Longerich 2010, p. 127.
  33. Evans 2005, pp. 555–558.
  34. Levy 2006, pp. 105–106.
  35. Cesarani 2005, p. 55.
  36. Levy 2006, p. 106.
  37. Mendelsohn 1982.
  38. Cesarani 2005, p. 62.
  39. Cesarani 2005, p. 65.
  40. Cesarani 2005, p. 67.
  41. Cesarani 2005, pp. 67, 69.
  42. Cesarani 2005, p. 71.
  43. Longerich 2010, p. 132.
  44. Longerich 2010, pp. 148–149.
  45. Longerich 2012, pp. 469, 470.
  46. a b Cesarani & 2005, p. 77.
  47. Longerich 2010, pp. 151–152.
  48. Longerich 2010, p. 153.
  49. a b c d Cesarani 2005, p. 81.
  50. Longerich 2010, p. 156.
  51. Longerich 2010, p. 159.
  52. a b Evans 2008, p. 57.
  53. Longerich 2010, p. 157.
  54. Cesarani 2005, pp. 83–84.
  55. Longerich 2010, p. 160.
  56. Kershaw 2008, pp. 452–453.
  57. Longerich 2010, p. 167.
  58. Browning 2004, p. 87.
  59. Browning 2004, p. 88.
  60. Longerich 2010, p. 164.
  61. Longerich 2012, p. 523.
  62. Cesarani 2005, p. 93.
  63. Browning 2004, p. 315.
  64. a b Snyder 2010, p. 416.
  65. Browning 2004, p. 362.
  66. Longerich 2000, p. 2.
  67. Cesarani 2005, p. 96.
  68. Browning 2004, p. 410.
  69. Cesarani 2005, p. 112.
  70. Cesarani 2005, pp. 112–114.
  71. a b Cesarani 2005, p. 118.
  72. Longerich 2010, p. 320.
  73. Longerich 2010, p. 332.
  74. Evans 2008, p. 512.
  75. Cesarani 2005, p. 119.
  76. Cesarani 2005, pp. 121, 122, 132.
  77. Cesarani 2005, p. 124.
  78. Cesarani 2005, p. 131–132.
  79. a b Evans 2008, p. 616.
  80. Cesarani 2005, p. 162.
  81. Cesarani 2005, p. 160–161.
  82. Cesarani 2005, pp. 170–171, 177.
  83. Linder, testemunho de Rudolf Höss.
  84. a b c Longerich 2010, p. 408.
  85. Cesarani 2005, pp. 168, 172.
  86. Cesarani 2005, p. 173.
  87. Cesarani 2005, p. 160, 183.
  88. Cesarani 2005, pp. 183–184.
  89. a b Cesarani 2005, p. 175.
  90. Cesarani 2005, p. 180.
  91. Cesarani 2005, pp. 178–179.
  92. Cesarani 2005, pp. 180, 183, 185.
  93. Cesarani 2005, pp. 188–189.
  94. Cesarani 2005, pp. 190–191.
  95. Cesarani 2005, pp. 195–196.
  96. Cesarani 2005, p. 201.
  97. Levy 2006, pp. 129–130.
  98. Cesarani 2005, p. 205.
  99. a b Cesarani 2005, p. 207.
  100. Bascomb 2009, pp. 70–71.
  101. Cesarani 2005, p. 209.
  102. Levy 2006, pp. 144–146.
  103. Cesarani 2005, p. 221.
  104. Simon Wiesenthal Center 2010.
  105. Bascomb 2009, pp. 87–90.
  106. Bascomb 2009, p. 307.
  107. Levy 2006, pp. 4–5.
  108. Walters 2009, p. 286.
  109. Walters 2009, p. 281–282.
  110. Lipstadt 2011, p. 11.
  111. Cesarani 2005, pp. 221–222.
  112. Lipstadt 2011, p. 12.
  113. Cesarani 2005, pp. 223–224.
  114. Bascomb 2009, pp. 123.
  115. Cesarani 2005, pp. 225–228.
  116. Cesarani 2005, p. 225.
  117. Arendt 1994, p. 264.
  118. Cesarani 2005, p. 228.
  119. Bascomb 2009, p. 153, 163.
  120. Bascomb 2009, pp. 219–229.
  121. Bascomb 2009, pp. 165–176.
  122. Bascomb 2009, p. 179.
  123. Bascomb 2009, p. 220.
  124. a b Bascomb 2009, pp. 225–227.
  125. Bascomb 2009, pp. 231–233.
  126. Bascomb 2009, p. 254.
  127. Bascomb 2009, p. 258.
  128. Haaretz 2008.
  129. Bascomb 2009, pp. 274, 279.
  130. Bascomb 2009, p. 262.
  131. Bascomb 2009, pp. 288, 293.
  132. Bascomb 2009, pp. 295–298.
  133. Kiernan 2005.
  134. a b Lippmann 1982.
  135. Bascomb 2009, p. 305.
  136. Green 1962.
  137. Cesarani 2005, p. 259.
  138. Borger 2006.
  139. Cesarani 2005, pp. 237, 240.
  140. Cesarani 2005, pp. 238, 242–243.
  141. Cesarani 2005, p. 242.
  142. Cesarani 2005, pp. 245, 248.
  143. Cesarani 2005, p. 244.
  144. a b Kershner 2016.
  145. a b Arendt 1994, p. 244.
  146. a b Cesarani 2005, p. 252.
  147. Arendt 1994, pp. 244–246.
  148. Cesarani 2005, p. 255.
  149. Cesarani 2005, p. 249–251.
  150. Cesarani 2005, pp. 241, 246.
  151. Birn 2011, p. 445.
  152. Pollock & Silvermann 2013, p. 63.
  153. Cesarani 2005, p. 327.
  154. Arendt 1994, p. 4–5.
  155. Cesarani 2005, p. 254–255.
  156. Shandler 1999, p. 93.
  157. a b Cesarani 2005, p. 262.
  158. Cole 1999, p. 58.
  159. Cesarani 2005, p. 264.
  160. Cesarani 2005, p. 272.
  161. a b Birn 2011, p. 464.
  162. Cesarani 2005, p. 99.
  163. Arendt 1994, pp. 87–89.
  164. Baade 1961.
  165. Arendt 1994, p. 223.
  166. Cesarani 2005, p. 257.
  167. Cesarani 2005, pp. 284, 293.
  168. Cesarani 2005, pp. 273, 276.
  169. Arendt 1994, p. 93.
  170. Arendt 1994, p. 114.
  171. Cesarani 2005, p. 281.
  172. Cesarani 2005, p. 284.
  173. Cesarani 2005, p. 285.
  174. Knappmann 1997, p. 335.
  175. Cesarani 2005, p. 300.
  176. Cesarani 2005, pp. 305–306.
  177. Cesarani 2005, p. 310–311.
  178. Arendt 1994, pp. 245–246.
  179. Cesarani 2005, p. 312.
  180. Arendt 1994, p. 248.
  181. Cesarani 2005, p. 315.
  182. Arendt 1994, pp. 248–249.
  183. Cesarani 2005, p. 318.
  184. Cesarani 2005, pp. 314, 319.
  185. Cesarani 2005, pp. 319–320.
  186. Weitz 2007.
  187. Cesarani 2005, p. 320.
  188. Toledo Blade 1962.
  189. Wallenstein 1962.
  190. Cesarani 2005, p. 321.
  191. Cesarani 2005, p. 323.
  192. Cesarani 2005, p. 325.
  193. Cesarani 2005, p. 334.
  194. Cesarani 2005, p. 331–332.
  195. Levy 2006, p. 355.
  196. Arendt 1994, p. 6.
  197. Levy 2006, pp. 157–158.
  198. Mann 2017.
  199. Aschheim 2014.
  200. Wolin 2016.
  201. Sedan 1995.
  202. Glick 2010.
  203. O'Donovan 2015.
  204. McLean 2015.
  205. Registo de serviço SS, NARA.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Principal[editar | editar código-fonte]

Adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Adolf Eichmann
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Adolf Eichmann