Adolfo Rodrigues da Costa Portela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Adolfo Rodrigues da Costa Portela
Nascimento 16 de agosto de 1866
Águeda
Morte 17 de novembro de 1923 (57 anos)
Cidadania Portugal
Ocupação poeta, escritor

Adolfo Rodrigues da Costa Portela (Além da Ponte, freguesia de Recardães, Águeda, 16 de Agosto de 1866 - Fundão, 17 de Novembro de 1923) foi um escritor, poeta e dramaturgo português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Adolfo Portela nasceu em 1866 em Águeda.[1][2]

Filho de José Rodrigues Pinto e Maria de Jesus e Silva, formou-se em Direito[1] na Universidade de Coimbra, tendo sido advogado e recebedor em Águeda e no Fundão.

Aos 24 anos casou com uma fundanense.[1]

Entre a sua obra como poeta, temos Orvalhadas[1] (1895)[3], Sol Posto (1896) e Pela África (1896)[4].

Na prosa, deixou-nos Contos e Baladas[1] (1891), Boémia Lírica (1893)[5], Jornal do Coração (1897)[6], O País do Luar (1902)[7], Por bem de Águeda (1903) e Águeda - Crónica, Paisagens, Tradições (1904)[8].

Como dramaturgo, escreveu A Festa do Pão[1], Manga do Frade, A Noiva de João[1], A Flor de Linho e Tambor e Folia. Estas peças, embora não tenham sido publicadas, foram encenadas diversas vezes, como aconteceu em Maio de 2006 no Cine-Teatro São Pedro, a maior sala de espectáculos de Águeda.

Na área jornalística, conhece-se colaboração da sua autoria na revista Branco e Negro (1896-1898).[9] e ainda, no periódico O Azeitonense [10] (1919-1920).

No Fundão existe uma rua com o seu nome, precisamente onde fica a casa que ajudou a construir é hoje a loja social.[1]

Adolfo Portela morreu em 1923.[2]

Referências

  1. a b c d e f g h Paula Brito (26 de fevereiro de 2010). «Adolfo Portela homenageado». Rádio Cova da Beira. Consultado em 3 de abril de 2016 
  2. a b «Resultado da pesquisa : Portela, Adolfo, 1866-1923». Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 3 de abril de 2016 
  3. «Orvalhadas / Adolfo Portela». Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 3 de abril de 2016 
  4. «Pela África : no túmulo de João de Deus». Também denominado de "Adolpho Portella". Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 3 de abril de 2016 
  5. «Boémia Lírica : Baladas d'Hoje». Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 3 de abril de 2016 
  6. «Jornal do Coração». Também denominado de "Adolfo Portella". Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 3 de abril de 2016 
  7. «O País do Luar : Novelas e Bucólicas». Também denominado de "Adolpho Portella". Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 3 de abril de 2016 
  8. «Águeda - Crónica, Paisagens, Tradições». Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 3 de abril de 2016 
  9. «Branco e Negro : semanario illustrado (1896-1898)». Hemeroteca Digital. Consultado em 3 de abril de 2016 
  10. Jorge Mangorrinha (1 de abril de 2016). «Ficha histórica:O Azeitonense: orgão independente defensor dos interesses de Azeitão (1919-1920)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 18 de setembro de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.