Adrian Paul Carton Ghislain de Wiart

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde janeiro de 2009). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Adrian Carton de Wiart
Sir Adrian Paul Carton Ghislain de Wiart
Nascimento 5 de maio de 1880
Bruxelas,  Bélgica
Morte 5 de junho de 1963 (83 anos)
Serviço militar
Patente Tenente-General

Sir Adrian Paul Carton Ghislain de Wiart [1] (5 de Maio de 1880 - 5 de junho de 1963) Foi um oficial militar do exército Britânico, de origem belga e irlandesa, serviu na Guerra do Bôeres, na I Guerra Mundial e na II Guerra Mundial, tendo sofrido um tiro no rosto, cabeça, estômago, tornozelo, quadril e ouvido, sobreviveu a um acidente de avião, cavou um túnel para fuga de um campo de prisioneiros, e arrancou os próprios dedos da mão esquerda a dentadas, depois que um médico se recusou a amputá-los. Ao falar sobre as guerras que participou, Wiart escreveu: “Eu apreciei a guerra”[2].

Depois de voltar para casa do serviço na Segunda Guerra Mundial, ele foi enviado para a China como representante pessoal de Winston Churchill. No caminho, ele participou da Conferência do Cairo.

Em suas memórias, ele escreveu: "Os governos podem pensar e dizer o que quiserem, mas a força não pode ser eliminada, ela é o único poder real e incontestável. Somos informados de que a caneta é mais poderosa que a espada, mas eu sei qual delas é a arma que eu escolheria"[3].

Início da Vida[editar | editar código-fonte]

Carton de Wiart nasceu em uma aristocrática família de Bruxelas, filho mais velho de Leon constante Ghislain Carton de Wiart (1854-1915). algumas pessoas acreditavam que ele seria um filho ilegítimo do rei belga, Leopoldo II[4]. Ele passou seus primeiros anos na Bélgica e na Inglaterra.

A morte de sua mãe irlandesa, quando ele tinha seis anos levou seu pai a se mudar com a família para o Cairo para que seu pai pudesse exercer a advocacia internacional. Seu pai era um magistrado judicial, bem relacionado nos círculos governamentais egípcios, e era um diretor da Cairo Electric Railways. Carton de Wiart era católico. Nesse período ele aprendeu a falar árabe .

Em 1891, sua madrasta o mandou para um internato na Inglaterra, na Escola Católica Romana Oratória, fundada pelo Cardeal John Henry Newman .

De lá ele foi para o Colégio Balliol em Oxford, mas abandonou a escola para se juntar ao exército britânico na época da Guerra dos Bôeres em 1899, onde entrou sob o falso nome de "Carton Trooper", e disse ter 25 anos.

Guerra dos Bôeres[editar | editar código-fonte]

Carton de Wiart foi ferido no estômago e na virilha, quando esteve na África do Sul, ferido foi enviado para casa, quando seu pai descobriu que ele havia abandonado a faculdade, ficou furioso, mas permitiu que o filho continuasse no exército. Ele voltaria a África do Sul em 14 de novembro de 1901, como segundo tenente na Quarta (4th) Guarda dos Dragões [5]. Em 1902 ele foi transferido para Índia, o que lhe trouxe muito apreço pois era fã do esporte de caça ao javali.

Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Campanha da Somalilândia[editar | editar código-fonte]

Quando a Primeira Guerra Mundial eclodiu, Carton de Wiart estava a caminho de Somalilândia Britânica , onde uma guerra de baixo nível estava em andamento contra os seguidores de Mohammed bin Abdullah , o chamado "Mad Mullah" pelos britânicos. Carton de Wiart tinha sido destacado para o Corpo de Somaliland Camel . Lá ele conheceu o oficial de corpo, mais tarde Lord Ismay, assessor militar do Churchill.

Em um ataque contra um forte inimigo em Shimber Berris , Carton de Wiart foi baleado duas vezes na face, perdendo o olho, e também uma parte da sua orelha. Ele foi condecorado com a Ordem de Serviços Distintos (DSO), em maio de 1915[6] .

Frente Ocidental[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1915, ele embarcou em um navio para a França. Carton de Wiart, participou dos combates na Frente Ocidental, comandando sucessivamente três batalhões de infantaria e uma brigada, ele foi ferido mais sete vezes na guerra, perdendo a mão esquerda em 1915, e arrancando os próprios dedos, quando o médico se recusou a amputar. Ele foi baleado no crânio e no tornozelo na Batalha do Somme, com um tiro através do quadril na Batalha de Passchendaele, ferido também no meio da perna na Batalha de Cambrai, e nas orelhas em Arras. Ele se recuperou de seus ferimentos no Sir. Douglas Shield`s Nursing Home.

Ele foi promovido Major temporário em 1916. Em seguida ele alcançou o posto de Tenente-General, também temporário, depois promovido a Major em 1917, no mesmo ano ele foi condecorado, como oficial da Ordem da Coroa Bélgica, em junho, também de forma temporário foi promovido a Brigadeiro-General, até que em Julho, ficou definitivamente com o posto de Major da Guarda dos Dragões.

Ele foi agraciado com a Croix de Guerre, Belga, em março de 1918. E em Junho foi nomeado na Ordem de São Miguel e São Jorge.

Pintado por Sir William Orpen, 1919

Referências

  1. London Gazzette, 1 de Novembro de 1907 (inglês) [1]
  2. Happy Odyssey p.89.
  3. Happy Odyssey p. 271
  4. Hero The Life and Legend of Lawrence of Arábia ISBN 978-0-06-171261-6 P. 236
  5. London Gazette. 13 de Setembro de 1901.http://www.london-gazette.co.uk/issues/27354/pages/6049 (Inglês)
  6. London Gazzette 15 de Maio de 1915 [2] (inglês)


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.