Adriana Lisboa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Adriana Lisboa
Nascimento 25 de abril de 1970
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Alma mater
Ocupação escritora, tradutora, romancista, escritora de literatura infantil, poetisa
Prêmios
Página oficial
http://www.adrianalisboa.com/

Adriana Lisboa (Rio de Janeiro, 1970) é uma escritora brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Cresceu em sua cidade natal. Morou na França, em Paris e Avignon, e desde 2007 vive a maior parte do tempo nos Estados Unidos (numa pequena cidade próxima a Boulder, no Colorado).

É autora de seis romances, além de poemas, contos e histórias para crianças.

Seus livros foram traduzidos ao inglês, francês, espanhol, alemão, árabe, italiano, sueco, romeno e sérvio, e publicados em catorze países.[1] Integrou várias antologias de contos e poesia no Brasil e no exterior.

Recebeu o Prêmio José Saramago, em Portugal, pelo romance Sinfonia em branco, o Prêmio Moinho Santista, no Brasil, pelo conjunto de seus romances, e o prêmio de autor revelação da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) por Língua de trapos. O projeto Bogotá 39/Hay Festival listou-a entre os 39 mais importantes jovens autores latino-americanos em 2007. Recebeu bolsas de criação e tradução da Fundação Biblioteca Nacional (Brasil), do Centre National du Livre (França) e da Fundação Japão.

Bacharel em música pela Uni-Rio, Adriana Lisboa foi cantora de MPB na França aos dezoito anos, mais tarde professora de música no Rio e também tradutora. Fez mestrado em literatura brasileira e doutorado em literatura comparada na UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro). Foi ainda pesquisadora visitante no Nichibunken (International Research Center for Japanese Studies[ligação inativa]), em Kyoto (2006), na Universidade do Novo México (2007) e na Universidade do Texas em Austin (2008-2009). Entre outros autores, traduziu para o português obras de Cormac McCarthy, Margaret Atwood, Stefan Zweig, Robert Louis Stevenson, Jonathan Safran Foer, Emily Brontë e Maurice Blanchot.

Sua novela "O coração às vezes para de bater" foi adaptada para o cinema no Brasil por Maria Camargo, num premiado filme de curta-metragem. [2][3]

Em 2012, o cineasta Eduardo Montes-Bradley realizou um documentário sobre sua vida, intitulado "Lisboa" e filmado em Denver e Boulder, Colorado (EUA).

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Obra[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Parte da paisagem - São Paulo: Iluminuras, 2014
  • Pequena música - São Paulo: Iluminuras, 2018

Contos[editar | editar código-fonte]

  • Caligrafias - Rio: Rocco, 2004, desenhos de Gianguido Bonfanti;
  • Contos populares japoneses (recontos) - Rio: Rocco, 2008, ilustrações de Janaina Tokitaka - publicado também na Itália
  • O sucesso - Rio: Rocco, 2016

Livros infantis e juvenis[editar | editar código-fonte]

  • Língua de trapos (infantil) - Rio: Rocco, 2005, ilustrações de Rui de Oliveira
  • O coração às vezes para de bater (novela juvenil) - São Paulo: PubliFolha, 2007; Rio: Rocco, 2013 - publicado também na Suíça (francês) e Argentina
  • A sereia e o caçador de borboletas (infantil) - Rio: Rocco, 2009, ilustrações de Rui de Oliveira

Antologias literárias e coletâneas de contos[editar | editar código-fonte]

  • 25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (org. Luiz Ruffato) - Rio: Record, 2004;
  • Prosas cariocas (org. Marcelo Moutinho e Flávio Izhaki) - Rio: Casa da Palavra, 2004;
  • Aquela canção - São Paulo: PubliFolha, 2005;
  • Rio Literário (org. Beatriz Resende, fotos de Bruno Veiga) - Rio: Casa da Palavra, 2005;
  • Contos que contam - Lisboa: Centro Colombo, 2005;
  • Lusofônica - La nuova narrativa in lingua portoghese - Roma: La Nuova Frontiera, 2006;
  • Contos de agora, audiolivro (org. Moacyr Godoy Moreira) - São Paulo: Livro Falante, 2007;
  • Antología de cuento latinoamericano - Bogotá: Ediciones B, 2007;
  • Inimigo Rumor n° 19, revista de poesia - Rio/São Paulo: 7Letras/CosacNaify, 2007;
  • Dicionário amoroso da língua portuguesa (org. Marcelo Moutinho e Jorge Reis-Sá) - Rio: Casa da Palavra, 2009;
  • Brazil: A Traveler's Literary Companion (org. Alexis Levitin) - Berkeley: Whereabouts Press, 2010
  • Brasilien berättar: Ljud av steg - Estocolmo: Bokforläget Tranan, 2011
  • Amar, verbo atemporal (org. Celina Portocarrero) - Rio: Rocco, 2012
  • Granta em português vol. 10: Medidas Extremas - Rio: Alfaguara, 2013

Referências

  1. http://www.mertin-litag.de/
  2. «O Coração às Vezes Para de Bater». www.goodreads.com. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  3. Sitchin, Gabriel; Bernat, Julia; Rangel, Pedro (4 de outubro de 2009), O coração às vezes para de bater, consultado em 25 de novembro de 2020 
  4. «Cópia arquivada». Consultado em 25 de abril de 2013. Arquivado do original em 2 de março de 2015 
  5. «Adriana Lisboa». Adriana Lisboa. Consultado em 2 de agosto de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]