Adriano e Natália

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Santo Adriano
Mártir
Morte 303, 304 ou 306 em Nicomédia
Veneração por
Principal templo Igreja de Santo Adriano no Fórum, Roma
Festa litúrgica
  • 4 de março
  • 26 de agosto
  • 8 de setembro
  • 1 de dezembro
Atribuições Representado armado, com bigorna nas mãos ou pés
Padroeiro Soldados
Gloriole.svg Portal dos Santos

Adriano (em latim: Adrianus) e Natália foram romanos do final do século III e começo do IV. Adriano era membro da guarda pretoriana e foi martirizado em Nicomédia sob ordens do imperador Galério (r. 293–311) após declarar publicamente que era cristão. Natália levou os restos mortais do marido para Argirópolis, perto de Bizâncio.

Vida[editar | editar código-fonte]

Adriano era membro da guarda pretoriana do imperador Galério (r. 293–311), segundo registros lendários e não verificados preservados em grego e latim. Em certa ocasião, esteve presente no julgamento e tortura de 22 cristão em Nicomédia. Diz-se que ficou tão abismado com a resiliência dos torturados que decidiu declarar-se cristão em público, apesar de não ser batizado. Sua esposa Natália, com quem estava casado há 13 meses, foi informada do ocorrido e visitou na prisão, onde beijou suas correntes e tratou-o. Ele a mandou para casa, prometendo mantê-la informada. Quando soube que ia ser morto, pagou ao guarda da prisão para deixá-lo ir cumprimentar sua esposa, mas quando o viu, pensando que havia negado sua fé, ela bateu a porta na sua cara. Ele explicou que os outros prisioneiros haviam sido feitos reféns até ele retornar e voltaram juntos à prisão.[1][2]

Natália vendou os ferimentos dos prisioneiros e cuidou deles por uma semana. Adriano foi levado perante o imperador, mas recusou-se a sacrificar aos ídolos, depois foi chicoteado e levado à sua cela. Outras mulheres seguiram o exemplo de Natália, mas Galiano impediu que entrassem. Então Natália cortou o cabelo, vestiu-se como homem e entrou.[2] Quanto a sua execução, as fontes divergem. Segundo uma versão, seu corpo foi quebrado e então jogado no fogo;[3] noutra, seu corpo foi quebrado com uma bigorna e então decapitado, morrendo nos braços de Natália;[4] numa terceira, após ser quebrado, seu corpo foi jogado ao fogo e Natália teve que ser impedida de se jogar nas chamas. Na última versão, diz-se que uma tempestade apagou o fogo, permitindo aos cristãos recolherem os restos mortais dele e dos outros mártires.[1] Sua morte foi datada em 303,[4][5] 304[1] e 306.[3] Alguns autores modernos consideram que houve mais de um mártir de nome Adriano na Nicomédia, este martirizado sob Galério e outro sob Licínio (r. 308–324).[1]

Alguns versões colocam que os cristãos levaram seus restos mortais para Argirópolis, no Bósforo, perto de Bizâncio, e que Natália foi para lá com a mão do marido que recuperara; noutra versão, foi a própria que levou seus restos para Argirópolis antes de serem transladados à Igreja de Santo Adriano no Fórum, no Fórum Romano, em Roma. Quando Natália morreu, foi sepultada junto do marido.[1] A translação de seu corpo é celebrada em 8 de setembro. O Martirológio Romano menciona-o em 4 de março e 26 de agosto, a mesma data no Menaion. [3] Natália é celebrada consigo em 8 de setembro[4] e 1 de dezembro.[1] Adriano é geralmente representado armado, com uma bigorna em suas mãos ou pés. Seu culto é muito forte em Flandres, Alemanha e norte da França.[4]

Referências

  1. a b c d e f Attwater 1965, p. 32.
  2. a b Butler 2009.
  3. a b c Kirsch 1910.
  4. a b c d Editores 1911.
  5. Monges de Ramsgate 1921, p. 131.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Attwater, Donald (1965). The Avenel Dictionary of Saints. Nova Iorque: Avenel Books 
  • Kirsch, J. P. (1910). «Hadrian». Enciclopédia Católica. Nova Iorque: Robert Appleton Company 
  • Monges de Ramsgate (1921). «Hadrian and Others (SS.) MM.». The Book of Saints - A Dictionary of Servants of God Canonised by the Catholic Church Extracted From the Roman and Other Martyrologies. Londres: A & C Black, LTD 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]