Aeroporto Internacional de Cuiabá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cuiabá
Aeroporto
Aeroporto Internacional Marechal Rondon
IATA: CGB - ICAO: SBCY
Características
Tipo Público
Administração Infraero
Serve Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá
Localização Várzea Grande, MT, Brasil
Inauguração 14 de junho de 1956 (63 anos)
Coordenadas 15° 39' S 56° 07' 03" O
Altitude 188 m (617 ft)
Movimento de 2018
Passageiros 3 006 701 (2018)[1]
Carga 100,3 toneladas
Aéreo 48 406 aeronaves
Capacidade anual 5,7 milhões de passageiros
Website oficial Página oficial
Mapa
SBCY está localizado em: Brasil
SBCY
Localização do aeroporto no Brasil
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
17 / 35 2 300  m (7 546 ft) Asfalto
Notas
Dados do DECEA[2] e da ANAC[3]

O Aeroporto Internacional de Cuiabá - Marechal Rondon (IATA: CGB, ICAO: SBCY)[4] é um aeroporto internacional localizado no município de Várzea Grande, em Mato Grosso. É o principal aeroporto do estado do Mato Grosso. Dista oito quilômetros do centro de Cuiabá, a capital do estado, sendo o terceiro aeroporto mais movimentado do Centro-Oeste do Brasil, segundo dados da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária.

Em seu interior, existem duas grandes obras de arte demonstrando as belezas do pantanal: um quadro do pintor Clóvis Hirigaray mostrando um índio e um quadro de Daniel Dorileo mostrando uma arara-azul. As pinturas eram usadas para esconder a parte do terminal que seria ampliada e que, depois de concluídas as obras, acabaram por se tornar característica marcante do aeroporto.

História[editar | editar código-fonte]

A aviação em Cuiabá começou em 1939 com a inauguração do aeródromo, onde hoje é a Vila Militar, em Cuiabá. Em 1942, foi criado em Cuiabá o distrito de obras do Ministério da Aeronáutica, e um novo aeroporto foi planejado. Várzea Grande foi escolhida para sediar esse novo aeroporto, por possuir melhores condições de operacionalidade que a capital estadual.

Em 1949, o terreno do aeroporto foi doado pelo governo estadual ao ministério, e a pista de pousos foi inaugurada em 1956. O terminal de passageiros funcionou precariamente na sede do canteiro de obras até 1964, quando o novo terminal foi construído. Em fevereiro de 1975, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária assumiu a administração do aeroporto e deu início à execução de várias obras para atender às necessidades do complexo aeroportuário.

A partir de 1996, o Aeroporto Marechal Rondon tornou-se internacional. Como o movimento aéreo cresceu mais que a capacidade de operação do aeroporto, um novo terminal começou a ser construído em 2000, e obras de modernização no pátio de aeronaves e na pista de pouso foram feitas. Em 2005 foram mais de 880 mil passageiros que passaram pelo terminal, enquanto que a capacidade prevista era de 580 mil.[carece de fontes?]

Em 30 de junho de 2006 foi inaugurado o novo terminal, aumentando a capacidade para um milhão de passageiros por ano.[5] Entretanto, as obras não acabaram. O antigo terminal seria demolido, com a ampliação do novo complexo. Essa ampliação era necessária, uma vez que era esperado que o aeroporto atingisse a capacidade máxima prevista ainda em 2006, com um crescimento de dez por cento no movimento em relação a 2005.[carece de fontes?]

Em 2011, o movimento ultrapassou todas as expectativas: foram mais de 2,6 milhões de passageiros, chegando a superar o limite do aeroporto, que era de um milhão. Por esse e por outros fatores, como a Copa 2014, foi prevista uma nova ampliação do complexo aeroportuário da região metropolitana de Cuiabá.

Privatização[editar | editar código-fonte]

O Governo Federal confirmou em agosto de 2017 a privatização deste e outros quatro aeroportos de Mato Grosso (Sinop, Alta Floresta, Barra do Garças e Rondonópolis). Esperava-se que o leilão ocorresse em setembro de 2018.[6][7]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Aeronaves no Aeroporto
Vista noturna externa

Atualmente,[quando?] o complexo conta com um terminal de passageiros amplo, com dois pisos, praça de alimentação, lojas, juizado de menores, câmbio, terraço panorâmico, Correios, locadoras, lanchonetes, elevadores, escadas rolantes e climatização. Há também o terminal de logística de carga, que movimentou mais de quatro mil toneladas em 2005.[carece de fontes?]

Item Valor[8]
Sítio aeroportuário (em ha) 728
Pátio de aeronaves (em m²) 51 756
Estacionamento de aeronaves 12
Terminal de passageiros (em m²) 13 752
Balcões de check-in 16
Elevadores 3
Escadas rolantes 4
Espaços comerciais 46
Estacionamento 927
Capacidade instalada 5,7 milhão

Movimento[editar | editar código-fonte]

Vista interna do Aeroporto Internacional Marechal Rondon. A pintura, que tem, como tema, o Pantanal, na verdade esconde a parte que está para ser ampliada.

O aeroporto tem operado com cerca de 95 pousos e decolagens diárias e cerca de 930 mil passageiros (em 2006). Em 2007, com a entrada de novos voos e companhias aéreas, o movimento ultrapassou a marca histórica de um milhão de passageiros por ano. Em 2010, o movimento foi de 2 138 886 passageiros. Durante 2014, ano de Copa do Mundo, o aeroporto movimentou 3 300 489 passageiros.[carece de fontes?]

Ano Movimento (passageiros)
2003 629 290
2004 704 567
2005 880 256
2006 931 431
2007 1 254 825
2008 1 396 164
2009 1 671 704
2010 2 138 886
2011 2 551 120
2012 2 761 588
2013 2 995 679
2014 3 300 489
2015 3 306 480
2016 2 840 559
2017 2 882 450

Complexo Aeroportuário[editar | editar código-fonte]

  • Sítio Aeroportuário
    • Área: 7 276 919,98 m²
  • Pátio das Aeronaves
    • Área: 51 756,00 m²
  • Pista
    • Dimensões (m): 2 300 x 45
    • Resistência da Pista: 46/F/B/X/U
  • Terminal de Passageiros
    • Área (m²): 5 600
  • Estacionamento
    • Capacidade: 405 vagas
  • Estacionamento de Aeronaves
    • Nº de Posições: 16

Serviços[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Movimento aumenta e Aeroporto Marechal Rondon em MT registra 3 milhões de passageiros em 2018». G1 
  2. «Publicação Auxiliar de Rotas Aéreas (ROTAER)» (PDF). Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). 2016. Consultado em 1 de outubro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 1 de outubro de 2016 
  3. «Dados Estatísticos» (XLSB). Agência Nacional de Aviação Civil. 2015. Consultado em 2 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2016 
  4. «aviacao - aeroportos brasileiros». Consultado em 29 de dezembro de 2010 
  5. «Cópia arquivada». Consultado em 21 de novembro de 2006. Arquivado do original em 9 de julho de 2009 
  6. «Governo federal confirma privatização do aeroporto de Cuiabá e mais quatro de MT em 2018». Olhar Direto 
  7. «Diário de Cuiabá». www.diariodecuiaba.com.br. Consultado em 29 de agosto de 2017 
  8. «Cópia arquivada». Consultado em 21 de novembro de 2006. Arquivado do original em 9 de julho de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]