Aeroporto Internacional de Belo Horizonte-Confins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Airport symbol comercial.png
Belo Horizonte (Confins)
Aeroporto Internacional Tancredo Neves
IATA: CNF - ICAO: SBCF
Características
Tipo Público
Administração BH Airport S.A.
Serve Região de Belo Horizonte
Localização Brasil Confins, MG
Inauguração março de 1984 (32 anos)
Coordenadas 19° 37' 28" S 43° 58' 19" O
Altitude 827 m (2 713 ft)
Movimento de 2015
Passageiros 11.304.284 embarques
Carga 15 409 275 Kg
Aéreo 55 866 decolagens
Capacidade anual 22 000 000 Passageiros[1]
Website oficial Página oficial
Mapa
SBCF está localizado em: Brasil
SBCF
Localização do aeroporto no Brasil
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
16 / 34 3 000 m (9 843 ft) Asfalto
Notas
Dados da FAB[2] e da ANAC[3]

O Aeroporto Internacional Tancredo Neves (IATA: CNFICAO: SBCF), mais conhecido como Aeroporto de Confins, (1985) é o principal aeroporto do estado de Minas Gerais. Localiza-se nos municípios de Confins e Lagoa Santa, em Minas Gerais, a uma distância de aproximadamente 40 km de Belo Horizonte. É o aeroporto de capital mais distante do Brasil em relação ao centro da principal cidade que o serve.

O BH Airport serve principalmente a capital, bem como a Mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte, possuindo dois terminais de passageiros em operação (Terminais 1, 2 e 3), com capacidade de atender a uma demanda anual de 22 milhões de usuários, podendo receber aviões de grande porte, como o Boeing 747 e o Antonov An-124. Concentra em suas instalações sistemas de avançada tecnologia, um terminal de carga aérea totalmente automatizado, pista de pouso com 3000 x 45 metros dotada de equipamentos para pouso de precisão e todos os demais auxílios às operações aeronáuticas.

História[editar | editar código-fonte]

Durante muitos anos, o pequeno Aeroporto da Pampulha foi o principal aeroporto de Belo Horizonte, porém o mesmo sofria com frequentes fechamentos e inundações, devido à sua localização. Ainda foi previsto que em alguns anos o Aeroporto fosse engolido pela cidade, inviabilizando sua utilização. Assim, iniciaram-se estudos para a construção de um novo aeroporto em Belo Horizonte, e o local escolhido foi o estão distrito de Confins, na cidade de Lagoa Santa, a cerca de 40 quilômetros do centro da capital. Na escolha do local foram levados em consideração estudos que apontavam uma previsão de que a cidade cresceria até certo ponto, e dessa forma o aeroporto não sofreria com os mesmos problemas que afetavam o Aeroporto da Pampulha. Apesar de arqueólogos afirmarem que a existência do aeroporto no local poderia danificar grutas com tesouros arqueológicos na região, o local foi mantido.

Sala de embarque do aeroporto - Terminal 1

Década de 1980 - projeto e inauguração[editar | editar código-fonte]

O projeto elaborado foi o de um grande aeroporto industrial, dividido em quatro fases, que seriam realizadas de acordo com a demanda do Aeroporto de Confins, consistindo de duas pistas paralelas de cerca de 3000 metros e quatro módulos de terminais de passageiros, cada um com um anexo no qual se localizariam lojas, a administração e dois estacionamentos. As obras de terraplanagem começaram em 1980, para construir a plataforma onde se ficaria o aeroporto. As obras do terminal se iniciaram em 1981. Durante os anos de 1982 e 1983, o aeroporto recebeu 190 aviões que não puderam aterissar no Aeroporto da Pampulha. Os passageiros desembarcam no terminal de cargas, que já estava pronto, recebendo depois modificações provisórias.

O terminal foi inaugurado em janeiro de 1984, porém com metade de sua capacidade operacional. O primeiro avião a fazer um voo regular de passageiros em Confins foi um 737-200 da VASP, que veio procedente de Belém e São Luis, e seguiu para São Paulo. A inauguração oficial foi em março de 1984. Após a VASP, o Aeroporto de Confins também passou a receber voos da Varig, e a primeira ligação internacional do aeroporto foi feita pela LAB, para Santa Cruz de la Sierra. No início de suas operações, o aeroporto recebia um número maior de operações fretadas.

Década de 1990 - as operações e o abandono[editar | editar código-fonte]

Diversos voos internacionais começaram a ser operados a partir do Aeroporto de Confins. Em 1993, veio a PLUNA, voando para Montevidéu, e em seguida a American Airlines anunciou voos para Miami com escala em São Paulo. Depois ainda vieram United Airlines, voando para para Miami, a Varig, para Nova Iorque, e ainda a Continental Airlines, para Newark e Rio de Janeiro, além de muitos fretamentos. O Aeroporto estava em seu auge. Porém, a partir do início de 2000 a situação do Aeroporto piorou. Os voos em Confins passaram a ficar mais escassos: A PLUNA saiu em 1996, seguida da LAB, United, Continental Airlines e em 2004, a American Airlines. O Aeroporto estava com um único voo da Varig para Guarulhos, poucos da VASP e quatro da TAM, que chegou no final da década de 90. O principal motivo da saída das companhias aéreas foi a localização do aeroporto em relação à cidade.

Interior do aeroporto - Terminal 1

Década de 2000 - a reabertura[editar | editar código-fonte]

A situação do Aeroporto da Pampulha era muito ruim. Em seu pequeno terminal, desembarcavam cerca de três voos simultaneamente, sendo que a sala de desembarque só contava com uma esteira. A sala de embarque ficava sempre lotada, e o aeroporto constantemente fechava.

O Governo precisava agir rápido, visto que a Pampulha estava recebendo cada vez mais voos. Foi então decidido que o Aeroporto de Confins deveria receber os voos do Aeroporto da Pampulha, que ficaria restrito a voos regionais. Mas o Aeroporto de Confins estava em condições de abandono e uma restauração deveria ser feita. Além disso, a rodovia de acesso ao aeroporto era de pista simples e perigosa e necessitava de uma ampliação.

Foi então lançado o projeto conhecido como Linha Verde, que duplicou a rodovia, reduzindo o tempo do percurso entre o centro e o aeroporto de quase uma hora e meia para cerca de 40 minutos. O trajeto melhorou o caminho para Confins desde o centro de Belo Horizonte, canalizando o Ribeirão Arrudas, melhorando a Avenida Cristiano Machado até chegar à rodovia, que também foi duplicada. No aeroporto foram modernizados os banheiros, balcões de check-in, salas de embarque e desembarque. Os monitores de informação de voo foram substituídos por novos de LCD. O terraço, antes aberto, foi coberto e foram instaladas janelas.

O Aeroporto de Confins começou a receber os novos voos em 2005, primeiramente operaram GOL, TAM, Varig e OceanAir. Enquanto isso, a Pampulha só receberia voos para São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, até a conclusão das obras da Linha Verde, em 2007.

Confins passou a receber cada vez mais voos e passageiros, sofrendo um aumento superior a 2 milhões de passageiros transportados. Logo no segundo ano desde a transferência de voos, TAM e Gol inauguraram rotas para Buenos Aires, com escalas em São Paulo (GRU) e Rio de Janeiro (GIG), reinaugurando a Sala de Embarque "A" Internacional. Os passageiros, dessa forma, tinham acesso mais rápido a todos os destinos internacionais operados a partir desses aeroportos, pois realizavam embarque e desembarque internacional, com todos os procedimentos e a alfândega em Confins, e apenas trocavam de aeronave durante a escala ou conexão para outros voos internacionais. Ainda em 2007, chegou a WebJet, e já no final desse ano, a TAP anunciou um novo voo para Lisboa, começando no início do ano seguinte. Posteriormente, em 2008, chegaram a Copa Airlines, voando para a Cidade do Panamá, e a American Airlines que voltou a operar em novembro, voando para Miami sem escalas. Alguns meses antes, ainda em 2008, a TAM inaugurava um serviço internacional de Belo Horizonte para Miami, com escala no Rio de Janeiro (GIG), e outro para Paris, com escala em São Paulo (GRU), ambos diários e em horários que facilitavam as conexões para diversos destinos internacionais.

Airbus A320 da TAM Linhas Aéreas em Confins - Terminal 1

Década de 2010 - expansão e concessão[editar | editar código-fonte]

A década anterior terminou com grandes expansões no aeroporto, principalmente por parte das empresas Azul, TRIP e Webjet, que, em 2010, inauguraram voos para destinos como Belém, Porto Velho, Manaus, Rio Branco, Ribeirão Preto, Navegantes e outros destinos nunca antes operados a partir de Confins, como Fortaleza, Maceió e Porto Alegre. O aeroporto atinge níveis recordes de passageiros transportados e número de destinos e, como consequência, passa a enfrentar problemas de superlotação, sobretudo no Checkin e Embarque, evidenciando-se a necessidade de ampliação e construção do segundo terminal. Consolidou-se como principal Hub da TRIP e Hub secundário da Azul. Após a fusão das duas empresas, várias ligações com a região Sul foram perdidas, bem como após a aquisição da Webjet pela Gol. Ainda assim, Confins continua tendo inúmeros voos e para todas as regiões do Brasil.

No mesmo ano, a Infraero abriu a licitação para modernização do terminal do aeroporto, com a instalação de novos balcões de check-in, esteiras de bagagem, entre outras melhorias. Em dezembro, a TAM iniciou um voo direto para Miami, com seus Boeing 767-300, três vezes por semana, sendo o primeiro voo internacional sem escalas operado por uma companhia aérea brasileira desde a transferência dos voos.

O início de 2011 contou com o retorno da Pluna, que passou a operar, em janeiro desse ano, quatro voos semanais para Montevidéu, passando a uma frequência diária a partir de julho de 2011. Um ano depois, após ter o controle assumido pelo governo uruguaio por problemas financeiros, cancelou todos os seus voos, encerrando a frequência para Montevidéu em julho de 2012. Também entre os anos de 2011 e 2012, a adição de frequências tornou diários os voos da American Airlines para Miami, da Copa Airlines para a Cidade do Panamá, e da TAP para Lisboa. No entanto, é comum ocorrerem eventuais reduções pontuais nas frequências desses voos durante as baixas temporadas. No final do ano de 2012, foram descontinuados os serviços internacionais com escalas da TAM, para Buenos Aires, Miami e Paris, posteriormente ocorrendo o mesmo com os serviços da Gol para Buenos Aires, de forma que o número de passageiros internacionais embarcados e desembarcados em Confins sofreu uma redução de 15% em 2013, conforme o anuário estatístico da Infraero. A Austral Líneas Aéreas, companhia que pertence ao grupo Aerolíneas Argentinas, iniciou em junho de 2013 a operação do seu voo diário para Buenos Aires, possibilitando ligações rápidas com destinos da América do Sul e da Oceania a partir do Aeroporto de Ezeiza, operando frequências diárias, havendo eventuais reduções na baixa temporada. Em Novembro de 2014, a Gol anunciou um voo semanal para Punta Cana, o qual também deixou de ser operado em 2015[4]

Ainda sob a administração da Infraero, ocorreram obras de reforma e adequação do Terminal 1 do Aeroporto de Confins, que enfrentava diversos problemas desde 2010 — sobretudo, fruto da superlotação resultante da explosão de voos no período. São executadas também as obras de ampliação da pista de 3000 para 3600 metros, que também sofre com atrasos. O governo estadual vinha assessorando a Infraero e a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) acerca da expansão do aeroporto, contratando projetos conceituais e a elaboração do Master Plan, pela consulturia Changi Airport, visando a direcionar o crescimento da infraestrutura do aeroporto e arredores. Estava prevista, além da reforma e modernização do Terminal 1, a construção de um novo terminal, na primeira fase, e de uma nova pista, do outro lado da rodovia LMG-800, posteriormente. Em outra etapa, seria construído um terceiro terminal do outro lado da rodovia. A administração federal, no entanto, enfrentava severos atrasos e irregularidades para seguir com os planos, tendo a licitação do projeto do Terminal 2 barrada pelo Tribunal de Contas de União (TCU) devido a, nos termos do órgão, "restrição ao caráter competitivo da licitação" e "sobrepreço"[5] e, posteriormente, foi lançada outra licitação, também mal-sucedida. Por fim, a administradora optou por construir um terminal provisório, haja vista que não seria mais possível construir um novo processador definitivo até a Copa de 2014. Decidiu-se por fim, em 2012, por fazê-lo onde então funcionava o terminal de aviação geral. No entanto, a obra também não ficou pronta a tempo do mundial, e só foi concluída no início de 2015, após a concessionária vencedora do processo de licitação assumir a obra. Esta, por sua vez, optou por usar o novo terminal apenas para os voos internacionais e, assim, liberou 40% da Sala de Embarque do TPS1 para os voos domésticos. Os voos internacionais só utilizavam, de fato, 5% do Terminal 1.

Após as concessões dos aeroportos de Brasília, Campinas e Guarulhos à iniciativa privada em 2012, ocorreu no ano seguinte a segunda fase de concessões de grandes aeroportos, dessa vez com os aeroportos do Galeão e de Confins, de modo que o edital foi publicado ainda em 2013. Após passar pela etapa de consulta pública, e o pregão, realizado em novembro do mesmo ano, venceu o consórcio Aerobrasil, formado pela CCR e pelas Operadoras Flughafen Zürich e Flughagen München, dos aeroportos de Zurique e Munique, respectivamente. A operadora alemã deixou o consórcio em 2014, permanecendo a CCR (75%) e a Flughafen Zürich (25%). Este tem participação de 51% na BH-Airport, e a partir de agosto de 2014 passou a administrar o Aeroporto de Confins. Os 49% restantes correspondem à participação da Infraero, que seguiu assessorando a gestão do aeroporto por um período de seis meses, o qual terminou no início de 2015.

No ano de 2015, o aeroporto ganhou uma ligação direta com Orlando pela Azul, com a chegada do A330 na empresa. Todavia, com a crise financeira, a rota foi cancelada em Fevereiro de 2016, ano em que o aeroporto perdeu, também, a sua ligação com Buenos Aires, Manaus (rota trocada por Porto Velho) e outros destinos. A Gol fez um corte de mais de setenta voos no aeroporto e eliminou inúmeros destinos, restando apenas Brasília, Carajás, São Paulo e Rio de Janeiro (todos os aeroportos de ambas cidades).

A construção do Terminal 2 com no mínimo 14 pontes de embarque foi concluída em 8 de dezembro de 2016, ao custo de R$840 milhões por parte da BH-Airport, como parte das condições para concessão, que contemplam também a construção de uma nova pista até 2020.[6][7]

Novas rotas para Buenos Aires foram anunciadas, com início em 2017, pelas companhias Azul e Gol[8]. A Avianca Brasil anunciou o seu retorno ao BH Airport (destinos e datas de início à definir).

Movimento operacional[editar | editar código-fonte]

Histórico - Movimento Operacional[9][10]
Ano Passageiros
2015 11.304.284Aumento
2014 10.842.999Aumento
2013 10.301.289 Baixa
2012 10.398.296 Aumento
2011 9.534.986 Aumento
2010 7.261.041 Aumento
2009 5.617.171 Aumento
2008 5.189.528 Aumento
2007 4.340.129 Aumento
2006 3.727.501 Aumento
2005 2.893.299 Aumento
2004 388.580 Aumento
2003 364.910 Aumento
Maiores rotas domésticas de Confins em 2010[11]
Rank Origem Passageiros

(desembarques)

Destino Passageiros

(embarques)

1
São Paulo São Paulo-Congonhas, São Paulo
709.616
São Paulo São Paulo-Congonhas, São Paulo
683.754
2
Distrito Federal (Brasil) Brasília, Distrito Federal
464.194
Distrito Federal (Brasil) Brasília, Distrito Federal
477.175
3
São Paulo São Paulo-Guarulhos, São Paulo
408.914
São Paulo São Paulo-Guarulhos, São Paulo
418.994
4
Rio de Janeiro Rio de Janeiro-Santos Dumont, Rio de Janeiro
367.529
Rio de Janeiro Rio de Janeiro-Santos Dumont, Rio de Janeiro
366.578
5
Bahia Salvador, Bahia
244.757
Bahia Salvador, Bahia
260.978
6
São Paulo Campinas, São Paulo
200.303
São Paulo Campinas, São Paulo
235.216
7
Espírito Santo (estado) Vitória, Espírito Santo
199.153
Rio de Janeiro Rio de Janeiro-Galeão, Rio de Janeiro
197.257
8
Rio de Janeiro Rio de Janeiro-Galeão, Rio de Janeiro
195.752
Espírito Santo (estado) Vitória, Espírito Santo
190.692
9
Pernambuco Recife, Pernambuco
175.787
Pernambuco Recife, Pernambuco
124.891
10
Bahia Porto Seguro, Bahia
114.547
Bahia Porto Seguro, Bahia
108.008

Infraestrutura atual[editar | editar código-fonte]

Terminal 1 [12][13][editar | editar código-fonte]

Aeroporto Confins - Terminal 1

O terminal de passageiros possui três pisos: Térreo, 1º Piso e 2º Piso[14]. Antes da reforma concluída em 2014, em frente ao terminal havia um anexo com lojas, o qual hoje se encontra totalmente incorporado ao terminal, com a eliminação da via que havia entre ele e o aeroporto. Foi construída, à frente do antigo anexo, uma nova via de acesso.

Piso térreo

No piso térreo se localizam:

  • Balcões de check-in
  • Lojas de companhias aéreas
  • Livraria
  • Farmácia
  • Casa de câmbio
  • Desembarque Doméstico e Internacional
  • "Praça Mineira", espaço com lojas de produtos típicos de Minas Gerais, cervejas artesanais, um Café e o Restaurante Dona Francisca[15]
  • Pub Backer, L'Orizzonte Pizzeria, Subway, Paçaí, Casa do Pão de Queijo, Bob's
  • Loja de pedras raras, quiosques de óculos e de acessórios para celular, loja de perfumes, loja de calçados
  • ANAC
  • Balcão de Informações da BH Airport
  • Desembarque doméstico e esteiras de bagagem
  • Banheiros
  • Sala de Embarque Remoto (entrada pelo segundo piso)

Primeiro piso

No primeiro piso se localizam:

  • Embarque doméstico
  • Lojas e alimentação e livraria (dentro da Sala de Embarque)
  • Loja "Dufry"
  • Polícia Federal
  • ANVISA
  • Receita Federal
  • Banheiros (na Sala de Embarque)
  • Entrada da Sala de Embarque Remoto (acesso pela Sala de Embarque)

Segundo Piso

  • Salas da administração
  • Restaurante The Collection
  • Banheiros
  • Terraço Panorâmico
  • Sala VIP doméstica, a partir de 2017

Terminal 2[16][editar | editar código-fonte]

Terminal 2 de Confins

O novo Terminal de passageiros está totalmente integrado aos saguões de embarque e desembarque já existentes no Aeroporto. A nova estrutura é uma continuidade do Terminal existente. Com a ampliação em cerca de 52 mil m², a área total do Aeroporto passa para 132 mil m² e os dois terminais ficam completamente integrados.

A nova área do Terminal irá concentrar as operações internacionais, atualmente feitas pelo Terminal 3. O check-in doméstico continuará sendo feito nas instalações já existentes (Check- in 1 e 2), mas os passageiros poderão utilizar as pontes de embarque da área nova utilizando a sala de embarque.

O acesso e a circulação de passageiros na nova área do Aeroporto serão distribuídos em dois níveis. Os embarques para voos internacionais serão feitos pelo nível superior da nova área do Terminal, acessado por meio de um viaduto construído pela BH Airport. Os desembarques serão pelo piso térreo, comum nos principais aeroportos do mundo.

Terminal 2 em números:

  • Salas de embarque para voos domésticos e internacionais.
  • Balcões de check-in internacional
  • 49 mil metros quadrados de área construída 
  • 17 pontes de embarque, sendo três exclusivas para operações internacionais
  • 6 esteiras rolantes para deslocamento de passageiros ao longo do terminal
  • 9 escadas rolantes
  • 18 elevadores
  • 1,8 mil vagas de estacionamento adicionais
  • 44 novas posições para estacionamento das aeronaves
  • Restaurante
  • Sala VIP Internacional
  • Capacidade ampliada para 22 milhões de passageiros/ano.
  • Preço total: R$750 milhões

Aeroporto de Confins em números:[17]

Veja como fica o Aeroporto Internacional de BH com o Novo Terminal:

  • Capacidade para 22 milhões de passageiros/ano
  • 132 mil m² de área, sendo 52 mil m² na nova área
  • 26 pontes de embarque, sendo três para operações internacionais
  • 17 canais de inspeção para passageiros (raio-X)
  • 9 esteiras para devolução de bagagens
  • 3 conjuntos de esteiras rolantes
  • 27 elevadores e 14 escadas rolantes
  • 625 vagas de estacionamento
  • 44 posições para aeronaves
  • Nova área para embarque e desembarque internacional
  • Novas opções de alimentação, lojas e serviços

Embarque Internacional[18]

Com a expansão do Terminal, o Aeroporto Internacional de BH passa a oferecer uma sala VIP, que poderá ser utilizada por qualquer passageiro que quiser pagar pelo acesso, e um restaurante internacional,

A Duty Free instalou duas novas lojas free shop, uma no embarque e outra no desembarque, com área total de 923 m² para atender aos passageiros de voos internacionais. Na área de acesso restrito aos passageiros estão instaladas novas opções de alimentação, como um restaurante à la carte, uma praça de alimentação com opções de comida japonesa, saladas, sanduíches e cafés e um bar com vista panorâmica para a pista.

Unificação dos Terminais

A ideia da concessionária é tratar os terminais 1 e 2 como um só, de modo a facilitar a compreensão do usuário quanto a localização dos serviços através da indicação do check-in a ser utilizado (1 e 2 para operações domésticas, 3 para operações internacionais) e do desembarque (1 para Azul, 2 para Latam e Gol e Internacional).

Terminal 3[12][13][editar | editar código-fonte]

A estratégia adotada pela BH Airport, concessionária do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, foi transferir as operações internacionais para o Terminal 3, até a conclusão das obras do Terminal 2, que é o principal projeto de curto prazo da concessionária. A previsão é que o Terminal 2 seja concluído até o final de 2016.

O Terminal 3 tem capacidade para receber com conforto e segurança até 4,3 milhões de passageiros/ano. Dessa forma, o Terminal 3 também oferece infraestrutura adequada para que o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte possa receber mais voos e mais passageiros, conforme avalia o diretor-presidente da BH Airport.[19]

Piso Único

  • Salas de Embarque e Desembarque Internacional
  • Check-in Internacional
  • Polícia Federal
  • Aduana
  • Serviços de Alimentação

Após a total transferência das operações internacionais para o novo terminal, o terminal 3 será desativado, com possibilidades de ser transformado em Terminal de Aviação Geral.

Expansão[20][21][editar | editar código-fonte]

No primeiro plano, Embraer E-195 da Azul; em segundo plano, Boeings 737 da Gol e da Webjet e aeronaves ATR da Azul.

A concessionária BH-Airport está conduzindo um processo de expansão do aeroporto, cujas melhorias incluem reforma do Terminal 1, construção do Terminal 2 e construção da pista 16L/34R do outro lado da rodovia, com possibilidade de uso simultâneo das duas pistas, a partir de 2020. a Infraero segue responsável pela obra de ampliação da pista atual em 600m, a qual se prolonga desde 2012 e tem previsão de conclusão para o fim de 2016. No ano de 2013, foi concluída a construção do Pátio 2, ao lado do Pátio 1, e a ampliação do Pátio 3 (do TECA - Terminal de Carga Aérea), o que aumentou sobremaneira o número de posições disponíveis no aeródromo.

Pistas e aeródromo em geral:[editar | editar código-fonte]

  • Ampliação da atual pista de pouso de 3000m x 45m para 3600m x 45m (obras concluídas, aguardando homologação pela ANAC);
  • Construção de novas taxiways, ligando o terminal de passageiros ao terminal de cargas e o terminal de cargas ao Centro de manutenção da GOL;
  • Ampliação do pátio do terminal de cargas;
  • Construção de mais duas saídas rápidas da pista de pouso;
  • Construção de uma segunda pista, com taxiways e demais estruturas viárias, até 2020.

Terminal 1:[editar | editar código-fonte]

  • Retrofit da estrutura geral do terminal, com troca de piso e elaboração de paisagismo
  • Retrofit dos banheiros
  • Sala VIP doméstica, prevista para 2017

Terminal 2:[editar | editar código-fonte]

  • Salas de embarque para voos domésticos e internacionais.
  • Balcões de check-in internacional
  • 49 mil metros quadrados de área construída 
  • 17 pontes de embarque, sendo três exclusivas para operações internacionais
  • 6 esteiras rolantes para deslocamento de passageiros ao longo do terminal
  • 9 escadas rolantes
  • 18 elevadores
  • 1,8 mil vagas de estacionamento adicionais
  • 44 novas posições para estacionamento das aeronaves
  • Restaurante
  • Sala VIP Internacional
  • Capacidade ampliada para 22 milhões de passageiros/ano.
  • Preço total: R$750 milhões

Informações[editar | editar código-fonte]

Números[21][22]


Sítio Aeroportuário:

  • Área 15.010.000 m²

Pátio das Aeronaves:

  • Pátio 1: 186.020 m²
  • Pátio 2: 8.617,17 m²
  • Pátio 3: 16.800 m²

Posições de embarque: 26 (9 fingers)

Estacionamento de aeronaves:

  • Pátio 1: 18 posições
  • Pátio 2: 07 posições para aviação geral e 01 heliponto
  • Pátio 3: 03 posições para aeronaves cargueiras

Pista

  • dimensões: 3000m x 45m (futuramente 3600m)

Terminais de Passageiros

  • Área: 131.400 m²
  • Capacidade/Ano: 22 milhões de passageiros

Estacionamento de veículos

  • Capacidade: 3.805 vagas
Endereço


Aeroporto Internacional Tancredo Neves,

Confins - MG (Rodovia LMG-800)

CEP: 33500-900

Acessos :

  • MG-10 (Linha Verde - Av. Presidente Antônio Carlos / Av. Cristiano Machado)
  • MG-424
Distâncias[23]


  • Centro de Belo Horizonte - 39,8 km
  • Rodoviária - 39,5 km
  • Aeroporto da Pampulha - 33,4 km
Serviços[24]


  • Balcão de Informações da BH Airport
  • Perdidos e achados
  • Polícia Militar
  • Polícia Civil
  • Polícia Federal
  • Receita Estadual
  • Receita Federal
  • Vigilância Sanitária
  • VIGIAGRO
  • ANAC
  • DER
  • Juizado da Infância e Juventude
Facilidades[25]


  • Bancos
  • Caixas Eletrônicos
  • Posto Médico
  • Estacionamento
  • Táxi
  • Uber
  • Locadora de Veículos
  • Farmácia
  • Fraldário
  • Casa de Câmbio
  • Alimentação
  • Ônibus Executivo
  • Trasporte Urbano
  • Proteção de Bagagem
  • Correio
  • Lotérica
  • Moda e Beleza
  • Livraria
  • Free Shopping
  • Flores
  • Turismo
  • Internet
  • Produtos Regionais
  • Artesanato

Acesso e linhas de ônibus[editar | editar código-fonte]

(Confins) Trajeto
Linha Saída Trajeto Chegada Preço
Expresso Unir Regular[26] Aeroporto Internacional Tancredo Neves via MG-010 Terminal Rodoviário de Belo Horizonte R$ 12,10
Expresso Unir Regular[26] Aeroporto Internacional Tancredo Neves via MG-010 Aeroporto da Pampulha R$ 12,10
Expresso Unir Conexão Betim[26] Aeroporto Internacional Tancredo Neves via MG-010 Terminal Betim - Hotel Serra Negra R$ 40.70
Empresa São Gonçalo Conexão Aeroporto[27] Aeroporto Internacional Tancredo Neves via MG-010 Avenida João César de Oliveira, 6.337 Centro - Contagem R$ 33,90
Expresso Unir Conexão Aeroporto[26] Aeroporto Internacional Tancredo Neves Via MG-010 / Linha Verde - Hotel Ouro Minas

- Av. Alvares Cabral, 387 - Lourdes - BH

R$ 26,75
Conexão Nova Lima (Saritur)[28] Aeroporto Internacional Tancredo Neves Linha Verde, Avenida Pedro I, Av. Antônio Carlos, Anel Rodoviário, BR-356, MG-030, Alameda da Serra Alameda da Serra, 1285 R$ 33,90
Conexão Nova Lima (Saritur)[28] Aeroporto Internacional Tancredo Neves Linha Verde, Avenida Pedro I, Av. Antônio Carlos, Anel Rodoviário, BR-356, MG-030, Alameda da Serra, MG-030 MG-030, km 7 — Posto Jambreiro/Ouro Velho "Mansões" R$ 33,90

Companhias aéreas e destinos[editar | editar código-fonte]

Atualmente operam voos domésticos em Confins as companhias Azul, Gol e Latam. Em 2017, a Avianca retomará suas operações. No início das operações do novo terminal, os check-ins continuarão a ser realizados no terminal 1, já os desembarques serão distribuídos nos 2 terminais, com preferência de utilização do terminal 1 para a Azul e o 2 para Gol e Latam.

Aeroporto de Confins | Companhias Aéreas e Destinos
Companhias Terminal Aeronaves Voos regulares vigentes[29]
Brasil Azul (Hub) 1 Airbus A320

ATR 72-600

ATR 72-500

Embraer 195

Embraer 190

Brasil Gol Linhas Aéreas Inteligentes 1 Boeing 737-700

Boeing 737-800

BrasilLATAM 1 Airbus A319

Airbus A320

Airbus A321


Companhias Aéreas e Seus Destinos Internacionais em Confins
Companhias Terminal Aeronaves Voos regulares vigentes[29]
Estados Unidos American Airlines 3 Boeing 767-300ER Estados Unidos Miami
Brasil Azul Linhas Aéreas Brasileiras 3 Embraer 195 Argentina Buenos Aires-Ezeiza (inicia em 01/02/2017)
Brasil Gol Linhas Aéreas 3 Boeing 737-800 Argentina Buenos Aires-Ezeiza (inicia em 05/02/2017)
Panamá Copa Airlines 3 Boeing 737-800 Panamá Cidade do Panamá
Portugal TAP Portugal 3 Airbus A330-200

Airbus A340-300

PortugalLisboa

As companhias cargueiras em Confins.

Companhias Cargueiras que Operam em Confins
Companhias Terminal Aeronaves Voos regulares vigentes[29]
Estados Unidos Florida West Cargas Boeing 767-300
BrasilChile LATAM Cargas Boeing 777F, Boeing 767-300
Estados Unidos Atlas Air Cargas Boeing 747-400
Colômbia LANCO Cargas Boeing 767-300
Brasil Total Cargas Boeing 727-200
Estados Unidos Centurion Cargo Cargas McDonnell Douglas MD-11
México MAS Air Cargas Boeing 777-200
Brasil Sideral Cargo Cargas Boeing 737
Brasil RIO Linhas Aéreas Cargas Boeing 727, Boeing 767
Estados Unidos Sky Lease Cargas McDonnell Douglas MD-11

Acidentes e incidentes[editar | editar código-fonte]

  • No dia dia 29 de setembro de 1988, o voo VASP 375, que ia de Confins para o Rio de Janeiro foi sequestrado, o avião pousou em Goiânia e o sequestrador foi detido. A única vítima foi o co-piloto, morto pelo sequestrador.
  • No dia 18 de março de 2000, um Boeing 727-200(PP-VLV) operado pela Varig Cargo procedente de Salvador cumprindo uma rota regular de carga, acidentou-se durante o pouso. A aeronave tocou o solo às 22h20 e alguns segundos após o toque, o conjunto do trem de pouso esquerdo se soltou, colidindo com o motor de mesmo lado da aeronave. A aeronave girou sem controle ficando no sentido contrário ao do pouso; houve perda total do avião. Os três tripulantes saíram ilesos.
  • No dia 5 de agosto de 2009, um Fokker 100 (PR-OAQ) da OceanAir, cumprindo o voo 6151 procedente de Brasília, estourou um pneu durante o pouso deixando a aeronave atravessada na pista. Ninguém se feriu, porém, o aeroporto ficou fechado por quase seis horas, atrasando decolagens e pousos de vários voos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1]
  2. «Publicação Auxiliar de Rotas Aéreas (ROTAER)» (PDF). Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). 2016. Arquivado desde o original (PDF) em 1 de outubro de 2016. Consultado em 1 de outubro de 2016. 
  3. «Dados Estatísticos». Agência Nacional de Aviação Civil. 2015. Arquivado desde o original (XLSB) em 2 de outubro de 2016. Consultado em 2 de outubro de 2016. 
  4. «Gol: 15 vôos diretos a Punta Cana (nenhum de BH ou Brasília)». www.viajenaviagem.com. Consultado em 2016-11-09. 
  5. «Infraero divulga consórcio que executará obras do aeroporto de Confins». 12/07/2011. Consultado em 09/11/2016. 
  6. Obras avançam em Confins e demanda de passageiros dá indícios de recuperação
  7. [2]
  8. (2016-11-18) "Gol também terá voo de Confins para Buenos Aires" (em pt-BR). Tudo viagem.
  9. INFRAERO. «Movimento Operacional da REDE INFRAERO de Janeiro a Dezembro de 2003 a 2012». Estatísticas. 
  10. Estatísticas e Publicações
  11. «Anuário do Transporte Aéreo 2010». 
  12. a b «Lojas». www.bh-airport.com.br. Consultado em 2016-11-10. 
  13. a b «Alimentação». www.bh-airport.com.br. Consultado em 2016-11-10. 
  14. «Mapa do Aeroporto». www.bh-airport.com.br. Consultado em 2016-11-10. 
  15. «Praça Mineira». www.bh-airport.com.br. Consultado em 2016-11-10. 
  16. «Notícias». www.bh-airport.com.br. Consultado em 2016-12-09. 
  17. «Notícias». www.bh-airport.com.br. Consultado em 2016-12-09. 
  18. «Notícias». www.bh-airport.com.br. Consultado em 2016-12-09. 
  19. «Notícias». www.bh-airport.com.br. Consultado em 2016-12-09. 
  20. «Notícias». www.bh-airport.com.br. Consultado em 2016-11-10. 
  21. a b «Projeto de Expansão». www.bh-airport.com.br. Consultado em 2016-11-10. 
  22. INFRAERO. «Números». Consultado em 12/06/2013. 
  23. INFRAERO. «Contatos». Consultado em 12/06/2013. 
  24. INFRAERO. «Serviços». Consultado em 12/06/2013. 
  25. INFRAERO. «Facilidades». Consultado em 12/06/2013. 
  26. a b c d «| Conexão Aeroporto - Transporte para Aeroporto». www.conexaoaeroporto.com.br. Consultado em 2016-11-10. 
  27. «Conexão Aeroporto». www.contagemaeroporto.com.br. Consultado em 2016-11-10. 
  28. a b «Conexão Nova Lima - Conexão Aeroporto». Conexão Aeroporto. Consultado em 2016-11-10. 
  29. a b c ANAC. «Voos autorizados vigentes». HOTRAN. Consultado em 12/06/2013. 

14. http://www.bh-airport.com.br/br/p/1/home.aspx

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aeroporto Internacional de Belo Horizonte-Confins