Aeroporto Internacional de Belém - Val de Cans

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Airport symbol comercial.png
Val de Cans
Aeroporto Internacional Júlio Cezar Ribeiro
Lobby do aeroporto
IATA: BEL - ICAO: SBBE
Características
Tipo Público e Militar
Administração INFRAERO
Serve Belém
Localização Brasil Belém, Pará
Inauguração 24 de janeiro de 1959 (57 anos)
Coordenadas 1° 26' 16" S 48° 28' 08" O
Altitude 17 m (56 ft)
Movimento de 2015
Passageiros 1 842 864
Carga 14 234 382 Kg
Aéreo 19 902 Decolagens
Capacidade anual 7 000 000 Passageiros
Mapa
SBBE está localizado em: Brasil
SBBE
Localização do aeroporto no Brasil
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
02 / 20 1 830 m (6 004 ft) Asfalto
06 / 24 2 800 m (9 186 ft) Asfalto
Helipontos
Número(s) Comprimento Superfície
07 / 20 33 m (108 ft) Concreto
Notas
Dados da FAB[1] e da ANAC[2]
Área de check-in do aeroporto.

O Aeroporto Internacional de Belém - Júlio Cezar Ribeiro (IATA: BELICAO: SBBE), serve a cidade brasileira de Belém, capital do Estado do Pará. É o aeroporto mais movimentado da Região Norte em quantidade de passageiros transportados, ocupando a 13º colocação no ranking dos maiores aeroportos do Brasil, sendo a principal porta de entrada da Amazônia brasileira.

Foi o primeiro aeroporto do Brasil, ainda nos anos 90, a adotar o padrão atual de construções dos aeroportos da INFRAERO, passando por uma completa reformulação e modernização, realizadas em duas fases por meio de investimentos conjuntos entre o Governo Federal e Governo do Estado do Pará. A primeira etapa do projeto foi entregue à população em 1999, consistindo numa edificação completamente nova e refrigerada que introduziu no estado do Pará o uso de jetbridges/fingers (4), até então inéditos para os passageiros do aeroporto. Inaugurada a 1ª fase do projeto, o antigo terminal de passageiros foi demolido para dar lugar a uma extensão do novo prédio, abrigando uma nova sala de desembarque, mais lojas, ampliação da sala de embarque, acréscimo de mais 2 fingers, bem como um terraço panorâmico. Em 2001, a 2ª etapa das obras foi inaugurada e o projeto do novo Aeroporto Internacional de Belém finalizado, representado um investimento aproximado de R$ 78 milhões, somente no terminal de passageiros, valor equivalente a mais de 41 milhões de dólares considerando a cotação da época.

Ao todo, o terminal de passageiros do Aeroporto Internacional de Belém é um dos maiores e mais modernos do Brasil e está localizado em uma área de 33 mil m². O local conta com uma sala de embarque internacional e seis pontes de embarque e desembarque, sendo uma reversível, uma internacional e quatro domésticas, oferecendo aos seus usuários uma estrutura com 30 balcões de check in, quatro esteiras de restituição de bagagens, sistema eletrônico informativo de voo, estabelecimentos comerciais, além de um terraço panorâmico, este último instalado em um espaço climatizado, possibilitando a visualização do embarque e desembarque de passageiros sem o inconveniente da poluição sonora.

Administrado pela INFRAERO, o complexo possui torre de controle, controle de aproximação e duas pistas de pouso.

A segurança é preocupação constante no Aeroporto Internacional de Belém. A fiscalização foi intensificada e todos os funcionários estão atentos a qualquer atitude que possa ser considerada suspeita. Além disso, a vigilância no terminal é reforçada com câmeras de TV.

História[editar | editar código-fonte]

Área de desembarque do aeroporto.

Em 1934, o general Eurico Gaspar Dutra, diretor da Aviação Militar, designou o tenente Armando Serra de Menezes para escolher em Val-de-Cans um terreno onde seria construído um aeroporto As obras ficaram a cargo da Diretoria de Aeronáutica Civil, órgão do Ministério da Viação e Obras Públicas. Foi construída uma pista de terra, no eixo Leste Oeste, dimensionada em 1200 x 150 m; pátio de estacionamento e um hangar de estrutura em concreto para a aviação militar que através dos tempos ficou conhecido como Hangar Amarelo pela cor de sua pintura.

Aero shopping do Aeroporto Internacional de Belém

Com a eclosão da segunda grande guerra, as bases aéreas e aeroportos do litoral brasileiro passaram a ser da mais alta relevância no domínio das rotas vitais marítimas do Atlântico Sul. Ainda mais especiais eram as bases no norte e nordeste, que dariam o indispensável apoio logístico a milhares de aviões que, saindo das fábricas do Canadá e Estados Unidos, seriam transladados para os teatros de operações no norte da África e na Europa.

Depois de prolongadas negociações entre o Brasil e Estados Unidos, foram construídas em Val-de-Cans duas pistas medindo 1500 x 45 metros com base de concreto e revestimento asfáltico e modernas instalações aeroportuárias para atender com eficiência a aviação civil e militar.

Val-de-Cans e as outras bases aéreas utilizadas pelos americanos durante a II Guerra Mundial foram entregues ao Ministério da Aeronáutica em 1945. Panair, Pan American, Cruzeiro do Sul e NAB (Navegação Aérea Brasileira), ao iniciarem suas atividades em Val-de -Cans, construíram suas próprias estações de passageiros.

Em 1958, o Ministério da Aeronáutica construiu a primeira estação de passageiros para uso geral das companhias de aviação. Em 24 de janeiro de 1959 foi inaugurado o Aeroporto Internacional de Belém, administrado pelo DAC. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária foi criada pela Lei n.º 5.862, em 12 de dezembro de 1972, com a atribuição de implantar, administrar, operar e explorar industrial e comercialmente aeroportos. Em janeiro de 1974, o Ministério da Aeronáutica transferiu para a jurisdição da Infraero o Aeroporto Internacional de Belém (Val-de-Cans), tendo como primeiro Administrador o Francisco de Assis Lopes.

Desde 2001, o Aeroporto Internacional de Belém/Val-de-Cans/Júlio Cezar Ribeiro se transformou em um exemplo do padrão que a Infraero implementa em seus aeroportos. Imponente em meio à vastidão da Amazônia, o desenho do edifício utiliza planos curvos na cobertura para permitir que a luz percorra toda a extensão do grande salão do terminal. O arquiteto Sérgio Parada, responsável pelo projeto, abusou da criatividade e adotou totens de múltiplo uso com projetores de luz, sistema de som, ar-condicionado e telefones públicos.O terminal de passageiros é totalmente climatizado e conta com uma arquitetura futurista. Os portadores de necessidades especiais têm atendimento individualizado com equipamentos próprios.Seu interior é ornamentado com plantas da região amazônica que se encontram cercadas por uma fonte capaz de imitar o barulho das chuvas que caem todos os dias na região.

Tradicionalmente denominado de Aeroporto Internacional de Val-de-Cans, é responsável pelo incremento do turismo na região, escoamento da produção e captação de novos investimentos. Toda sua estrutura física contribui para isso: projetado para aproveitar a iluminação natural da calorosa cidade de Belém do Pará, possui um espelho d água dentro do Terminal de Passageiros, e é ornamentado com plantas típicas da região amazônica.

Cumpre importante papel na integração nacional, aproximando pessoas em lugares onde outro tipo de transporte não alcança, bem no interior do estado. Além disso, Serve voos de conexão para todos os principais destinos no Brasil e também opera voos internacionais para América do Norte, América do Sul e Europa. Este aeroporto está em estudo para operar voos entre as rotas internacionais Belém - Buenos Aires (Argentina), Belém - Santiago (Chile) e Belém - Tóquio (Japão) via Bogotá na Colômbia.

Companhias Aéreas e Destinos[editar | editar código-fonte]

Companhias Aéreas[editar | editar código-fonte]

Companhias Aéreas Cargueiras[editar | editar código-fonte]

Nacionais:[editar | editar código-fonte]

Companhias Destinos
Brasil Azul Linhas Aéreas Brasileiras Altamira, Belo Horizonte-Confins,Itaituba, São Luiz, Macapá, Manaus, Marabá, Recife ,Santarém e São Luiz, Campinas (sazonal)
BrasilAvianca Brasil (Em Breve) Brasília (Em Breve)
Brasil Gol Linhas Aéreas Inteligentes Brasília, Carajás-Parauapebas, Fortaleza, Macapá, Manaus, Marabá, Recife (sazonal), Rio de Janeiro-Galeão,, Santarém, São Luís,São Paulo-Congonhas e São Paulo-Guarulhos.
Brasil MAP Linhas Aéreas Altamira, Itaituba, Santarém, Parintins, Manaus
Brasil Piquiatuba Transportes Aéreos Altamira, Itaituba, Marabá, Novo Progresso, Redenção, Santarém
Brasil LATAM Airlines Brasil Brasília, Fortaleza, Macapá, Manaus, Rio de Janeiro-Galeão, São Paulo-Guarulhos.

Internacionais:[editar | editar código-fonte]

Companhias Destinos
Brasil Azul Caiena
Brasil Gol Paramaribo
Suriname Surinam Airways Caiena e Paramaribo
Brasil LATAM Airlines Miami
Portugal TAP Portugal Lisboa

Destinos Domésticos[editar | editar código-fonte]

Destinos Internacionais operados a partir de Belém.

Região Centro Oeste

Região Nordeste

Região Norte

Região Sudeste

Destinos Internacionais[editar | editar código-fonte]

Aviões usados pelas companhias[editar | editar código-fonte]

Nacionais[editar | editar código-fonte]

Companhias Aeronaves
Brasil Azul Linhas Aéreas Brasileiras ATR-72, Embraer 190, Embraer 195, Airbus A320 NEO .
Brasil GOL Linhas Aéreas Inteligentes Boeing 737-700, Boeing 737-800.
Brasil MAP Linhas Aéreas ATR 42, ATR-72.
Brasil Piquiatuba Transportes Aéreos Embraer EMB-120
Brasil LATAM Airlines Brasil Airbus A320, Airbus A321

Internacionais Regulares[editar | editar código-fonte]

Companhias Aeronaves
Brasil Azul ATR-72, Embraer 190
BrasilGOL Boeing 737-800
Suriname Surinam Airways Boeing 737-300.
Brasil LATAM Brasil Boeing 767-300ER.
Portugal TAP Portugal Airbus A330-200.

Cargueiras[editar | editar código-fonte]

Companhias Aeronaves
Brasil ABSA Boeing 767-300F.
Brasil Colt Cargo Boeing 737-300F, Boeing 737-400F, Boeing 757-200F
Brasil RIO Boeing 727-200F, Boeing 737-400F
Brasil Sideral Air Cargo Boeing 737-300F, Boeing 737-400F

O Aeroporto[editar | editar código-fonte]

Movimento[editar | editar código-fonte]

Ano Movimento (Passageiros) % Rank Nacional
2003 1.172.457 --- 15
2004 1.330.965 Aumento 13,5% 14
2005 1.523.714 Aumento 14,4% 13
2006 1.776.008 Aumento 16,5% 12
2007 2.119.552 Aumento 19,3% 12
2008 2.153.508 Aumento 1,6% 12
2009 2.203.653 Aumento 2,9% 15
2010 2.570.899 Aumento 18,2% 16
2011 2.995.547 Aumento 16,5% 16
2012 3.342.771 Aumento 11,5% 15
2013 3.475.611 Aumento 03,9% 14
2014 3.886.914 Aumento11,83% 13
2015 3.714.761 Baixa4,52% 13
Maiores rotas domésticas saindo de Belém (2010)
Rank Cidade Passageiros em 2010 Companhias Aéreas
1 Distrito Federal (Brasil) Brasília, Distrito Federal 250.524 Leme TAM.gifLeme GLO.gifLeme TIB.gifLeme SLX.gif
2 Amapá Macapá, Amapá 207.774 Leme TAM.gifLeme GLO.gifLeme PLY.gif
3 São Paulo Guarulhos, São Paulo 150.254 Leme TAM.gifLeme GLO.gifLeme PLY.gif
4 Ceará Fortaleza, Ceará 141.756 Leme TAM.gifLeme GLO.gif
5 Amazonas Manaus, Amazonas 129.651 Leme TAM.gifLeme GLO.gifLeme TIB.gif
6 Rio de Janeiro Rio de Janeiro-Galeão, Rio de Janeiro 123.465 Leme TAM.gifLeme GLO.gif
7 Pará Santarém, Pará 95.099 Leme TAM.gifLeme GLO.gifLeme TIB.gif
8 Maranhão São Luís, Maranhão 63.363 Leme TAM.gifLeme GLO.gifLeme TIB.gif
9 Pará Marabá, Pará 60.476 Leme TAM.gifLeme GLO.gifLeme SLX.gif
10 Pará Altamira, Pará 26.618 Leme TIB.gifLeme MSQ.gif

Números[editar | editar código-fonte]

Sítio aeroportuário[editar | editar código-fonte]

Área: 5.615.783,22 m²

Pátio das aeronaves[editar | editar código-fonte]

Área: 82.384 m²

Terminal de passageiros[editar | editar código-fonte]

Área (m²): 33.225

Estacionamento[editar | editar código-fonte]

Capacidade: 700 vagas

Estacionamento de aeronaves comerciais[editar | editar código-fonte]

Serviços[editar | editar código-fonte]

Órgãos públicos[editar | editar código-fonte]

Serviços bancários[editar | editar código-fonte]

Facilidades[editar | editar código-fonte]

  • Agências de Viagem
    • Aritana
    • Casa Francesa
    • Travel-In
    • Valeverde
  • Alimentação
    • As Kablocas
    • Bob's
    • Bar Brahma
    • Estação Maré
    • Manga Sushi
    • Sorvete Palatare
    • Yoguland
  • Artigos Importados
    • Dufry Shopping
  • Artigos Religiosos
    • Santuário Místico
  • Bomboniere
    • Cacau Show
    • Doce Delícia
    • Doceria Belém
    • Bombom do Pará
  • Cafeterias
    • Café Laselva
    • California Coffe
    • Delta Expresso
    • Fly Café
    • Café VIP
  • Casa Lotérica
  • Farmácia
    • Extrafarma
  • Freeshop
  • Livraria e Revistaria
    • Laselva Bookstore
    • Hudson News
  • Locadora de Automóveis
  • Loja de Artesanato e Artigos Regionais
    • Juruá
    • Artesanato Marajó
    • PatCa
  • Ótica
  • Papelaria
  • Perfumaria
    • Chamma da Amazônia
  • Salão de Beleza
  • Tabacaria
    • Clube do Charuto
  • Vestuário

Concessão[editar | editar código-fonte]

Em 2016, o Aeroporto Internacional de Belém foi incluído em uma lista, divulgada pelo governo federal, contendo dez terminais aeroportuários a serem concedidos no bojo do Programa Nacional de Desestatização e Programa de Investimento em Logística. Ao contrário do que ocorreu com o primeiro lote de aeroportos repassados, o SBBE passaria a ser administrado integralmente pela iniciativa privada, retirando a Infraero da gestão aeroportuária. O processo tem previsão de início no segundo semestre de 2017.

Endereço[editar | editar código-fonte]

Avenida Júlio César s/n° Val de Cans Distância do centro: 12 km

Acesso[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto Internacional de Belém está localizado a 12km do centro da capital paraense e, apesar da pequena distância, os passageiros não dispõem de muitas opções de transporte para chegar ao terminal de passageiros, situação comum aos aeroportos brasileiros, que sofrem de uma deficiência crônica de ligação com os centros urbanos que atendem.

  • Táxi: O aeroporto possui algumas cooperativas de táxi que atuam dentro do terminal de passageiros em pontos de atendimento espalhados nos saguões de embarque e desembarque de passageiros.
  • Transporte Público: O SBBE é atendido por poucas linhas de transporte público que fazem a ligação do terminal ao centro da capital por diferentes itinerários. São elas: Linha Pratinha - Pte.Vargas; Linha CDP - Providência; Linha Pratinha - Ver-o-Peso; Linha Marex-Arsenal; Linha Marex - F. Patroni; Linha Marex - Centro. O aeroporto possui ainda uma ligação com o município de Ananindeua, na região metropolitana de Belém, por meio da Linha Pratinha - Castanheira. Há a opção de transporte executivo feito pela Linha Vip Aeroporto, cujo ponto de parada está localizado em frente ao terminal de passageiros, após a saída do desembarque. A referida ligação percorre os principais hotéis da cidade em ônibus climatizados.
  • BRT: Em janeiro de 2014, a Prefeitura Municipal de Belém anunciou a criação de uma linha de BRT que atenderá o Aeroporto Internacional Júlio Cézar Ribeiro. A linha BRT Centenário, assim batizada pela administração do município, inicia-se no Distrito de Icoaraci e terminará na Av. Visconde de Souza Franco, onde haverá um terminal multimodal, permitindo aos usuários a conexão com o transporte fluvial em direção às ilhas da capital, fazendo dela a primeira linha de BRT rodofluvial de que se tem conhecimento no mundo. A linha BRT Centenário terá 29 estações ao longo de seu trajeto e será implantada ao custo de R$370 milhões, oriundos de verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal.
  Aeroporto Internacional de Belém - Júlio Cezar Ribeiro


Notas e referências

  1. «Publicação Auxiliar de Rotas Aéreas (ROTAER)» (PDF). Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). 2016. Arquivado desde o original (PDF) em 1 de outubro de 2016. Consultado em 1 de outubro de 2016. 
  2. «Dados Estatísticos». Agência Nacional de Aviação Civil. 2015. Arquivado desde o original (XLSB) em 2 de outubro de 2016. Consultado em 2 de outubro de 2016. 

Ver também[editar | editar código-fonte]