Aeroporto Internacional de Viracopos/Campinas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Aeroporto de Campinas.
Airport symbol comercial.png
Viracopos
Aeroporto Internacional de Viracopos/Campinas
Fotografia aérea do aeroporto
IATA: VCP - ICAO: SBKP
Características
Tipo Público
Administração Aeroportos Brasil Viracopos
Serve Macrometrópole Paulista
Localização Brasil Campinas, SP
Inauguração 19 de outubro de 1960 (56 anos)
Coordenadas 23° 0' 25" S 47° 08' 04" O
Altitude 657 m (2 156 ft)
Movimento de 2015
Passageiros 10 324 658 passageiros[1]
Carga 177 285 000 toneladas
Aéreo 127 395 aeronaves
Capacidade anual 10 000 000 passageiros
Website oficial Página oficial
Mapa
SBKP está localizado em: Brasil
SBKP
Localização do aeroporto no Brasil
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
15 / 33 3 240 m (10 630 ft) Asfalto
Notas
Dados do DECEA[2] e da ANAC[3]

Aeroporto Internacional de Viracopos/Campinas (IATA: VCPICAO: SBKP) está localizado em Campinas, no estado brasileiro de São Paulo. É um importante centro de tráfego aéreo no Brasil e por superfície o maior centro de carga aérea na América do Sul. Viracopos é o hub da AZUL Linhas Aéreas e também hub carga aéreo principal da TAM Cargo. Desde que o Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos está operando a plena capacidade e não pode ser ampliada ainda mais, o aeroporto de Viracopos também é importante para o tráfego de passageiros.

Localizado a 17 quilômetros do centro de Campinas e a 95 quilômetros do centro de São Paulo, Viracopos é o segundo principal terminal aéreo de cargas do país. Seu terminal de cargas tem uma área de 81 mil m² e responde por cerca de 18% da movimentação total de cargas registrada nos aeroportos brasileiros. É o principal aeroporto internacional do interior paulista e também atende a Região Metropolitana de São Paulo.[4]

Viracopos também tem apresentado grande crescimento no volume de passageiros transportados desde 2008, com o início de operações da Azul Linhas Aéreas. Em 2012, foram 8,8 milhões de passageiros transportados a partir do terminal. Em 2014, foram quase 10 milhões e em 2015 Viracopos chegou a 10,3 milhões de passageiros. O volume de passageiros e de cargas está em pleno expansão, com a execução das obras de ampliação e modernização do complexo. Afinal, diante de sua posição estratégica no setor aéreo nacional, Viracopos integrou, ao lado de Brasília e de Guarulhos, o primeiro pacote de concessões de aeroportos realizado pelo Governo Federal em fevereiro de 2012.

No dia 6 de fevereiro de 2012, o Consórcio Aeroportos Brasil, formado pela Triunfo Participações e Investimentos, pela UTC Participações e pela francesa Egis Airport Operation, venceu o leilão de Viracopos com um lance de R$ 3,821 bilhões e será responsável pela administração e modernização do complexo aeroportuário nos próximos 30 anos. Depois do leilão, a Concessionária Aeroportos Brasil Viracopos assinou, em 14 de junho de 2012, o contrato de concessão do aeroporto, anunciando investimentos de R$ 9,5 bilhões da ampliação e modernização do complexo durante os 30 anos de concessão. Deste total, R$ 3 bilhões será investido até 2015 na construção de um novo terminal de passageiros destinado ao transporte de 25 milhões de passageiros por ano.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Entrada do aeroporto.
Torre do Aeroporto de Viracopos

O Aeroporto Internacional de Viracopos teve sua construção iniciada na década de 1950 pelo governador Adhemar Pereira de Barros e foi inaugurado em 19 de outubro de 1960. Sua longa pista, com 3.240m x 45m, foi construída para receber com segurança os quadrimotores a jato de primeira geração: Comet, Vickers VC-10, Douglas DC-8, e 990 e o Boeing 707. Existem duas versões sobre a origem do nome Viracopos. A primeira conta que no início do século surgiu um desentendimento entre o pároco do bairro e seus habitantes, numa noite de festa. Houve bebedeiras e brigas que resultaram na quebra das barracas da quermesse da Igreja, derrubadas durante a confusão. A palavra usada pelo padre nos sermões, para se referir ao acontecimento, era “viracopos”. Outra versão conta que no sítio hoje ocupado pelo aeroporto havia um bar onde tropeiros se encontravam para “virar copos”, descansar e trocar informações sobre viagens. “Viracopos” deu nome ao bairro e, posteriormente, ao aeroporto.[carece de fontes?]

Em 19 de outubro de 1960, através da Portaria Ministerial n.º 756, Viracopos foi elevado à categoria de Aeroporto Internacional e homologado para aeronaves a jato puro. Ao longo dos anos, várias reformas foram realizadas no aeroporto para que o pudesse acompanhar a evolução da aviação. A partir de 1978 a Infraero começou a administrar o Terminal de Cargas e, em 1980, recebeu do DAESP a administração geral do Aeroporto Internacional de Viracopos/Campinas.[carece de fontes?]

Durante a Revolução de 1932, os paulistas usavam o local como campo de operações aéreas, sendo a pista construída à base de enxadas e picaretas. De lá, partiam para Minas Gerais. Depois de longo período de inatividade, em 1946 foram realizados trabalhos de limpeza e terraplanagem da pista, cuja extensão passou para 1.500m, oportunidade em que o campo de pouso começou a ganhar forma, principalmente com a construção do primeiro hangar em 1948 e a estação de passageiros em 1950.[carece de fontes?]

À época, a utilização dos jatos era crescente no setor aéreo nacional e a construção de Viracopos surgiu como uma alternativa para o aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, até então o único aeroporto do país com pistas longas e as condições necessárias para receber tais modelos de aeronave. A localização estratégica de Viracopos também pesou para que o aeroporto recebesse os investimentos do Poder Público para se transformar numa alternativa ao Galeão. Afinal, localiza-se numa região com condições climáticas favoráveis na maior parte do ano e tem o maior índice de aproveitamento operacional do país, consideradas as condições meteorológicas.[carece de fontes?]

Nesse sentido, vale o destaque: enquanto grande parte dos aeroportos do centro-sul do Brasil fecham ou operam por instrumentos nos dias em que a atuação de frentes frias é mais acentuada, Viracopos permanece aberto, recebendo inclusive os voos destinados a outros aeroportos que estejam temporariamente sem condições de operação. Em média, o aeroporto de Campinas permanece fechado apenas seis horas por ano em razão das condições meteorológicas.[carece de fontes?]

O acerto da localização, sob o ponto de vista operacional, no entanto, criou um obstáculo comercial: Viracopos passou a ser um aeroporto mais distante da cidade que originalmente desejava servir: São Paulo (dependendo de sua localização na capital paulista, a distância para o aeroporto ultrapassa 100 km). A redução do tempo de deslocamento entre a capital e o aeroporto é um dos grandes desafios para que Viracopos. Por isso, a partir da implantação do Aeroporto Internacional de Guarulhos, na década de 80, Viracopos teve uma redução significativa no número de voos comerciais e no fluxo de passageiros e passou a investir na exploração de sua vocação para o transporte de cargas.[carece de fontes?]

A vocação cargueira de Viracopos foi consolidada na década de 1990, quando o aeroporto despontou para o segmento de Carga Aérea Internacional. Sua infraestrutura foi ampliada, os processos de movimentação de carga e desembaraço aduaneiro foram modernizados, transformando o aeroporto em referência logística no cenário nacional.[5]

No dia 14 de novembro de 2016, às 11h01 o aeroporto recebeu o maior avião do mundo, o Antonov, e no mesmo dia por volta das 23h15, ele decolou em direção para o Aeroporto internacional de Guarulhos, para que houvesse o carregamento do equipamento e, no dia seguinte, voasse até o seu destino final.[6]

Acidente de 1961[editar | editar código-fonte]

Na madrugada de 23 de novembro de 1961, um jato Comet 4 de prefixo LV-AHR, das Aerolíneas Argentinas, caiu logo após decolar de Viracopos, provocando a morte das 52 pessoas que estavam a bordo. Os motores da aeronave que havia partido de Buenos Aires apresentaram problemas durante o procedimento de decolagem e a aeronave ficou descontrolada. Ela então começou a perder altitude até atingir uma plantação de eucaliptos, situada a 500 metros da cabeceira da pista, na zona rural do município de Campinas. Com o impacto, o avião abriu uma clareira de 400 metros de extensão entre as árvores e se despedaçou até bater contra um pequeno morro e explodir.[carece de fontes?]

Concessão à iniciativa privada[editar | editar código-fonte]

Nova gestora do Aeroporto Internacional de Viracopos, a Concessionária Aeroportos Brasil Viracopos anuncia investimentos de R$ 9,5 bilhões durante os 30 anos da concessão para transformá-lo no maior e mais moderno terminal da América Latina.[7]

De acordo com o planejamento da concessionária, o Novo Aeroporto de Viracopos foi concebido a partir do conceito de “aeroporto cidade” e sua expansão prevê ainda hotéis, shopping center e centro de convenções, num projeto desenvolvido em parceria com a projetista holandesa NACO, consultoria especializada na engenharia de aeroportos responsável pelo aeroporto de Schipol, em Amsterdã, um dos mais modernos do planeta. O projeto é sustentável, com destaque para a cobertura do telhado com células fotovoltaicas para captura da energia solar e o sistema de reutilização da água da chuva. Também privilegia o conforto do passageiro, tem um design compacto e com forte identidade arquitetônica.[carece de fontes?]

O MasterPlan de Viracopos conta com cinco ciclos de investimentos durante os 30 anos de concessão e o primeiro deles, até maio de 2014, já está em execução. Neste primeiro ciclo do MasterPlan, a Aeroportos Brasil Viracopos investirá R$ 3 bilhões na construção de um novo terminal com capacidade para o transporte de 25 milhões de passageiros/ano. O novo terminal, que tem uma moderna estrutura em concreto, aço e vidro, conta ainda com 28 pontes de embarque, sete novas posições remotas de estacionamento de aeronaves e um edifício-garagem com 4 mil vagas, além da ampliação das pistas de taxiamento de aeronaves e do novo pátio com 400 mil m². As obras do primeiro ciclo de investimentos do MasterPlan de Viracopos foram iniciadas em 31 de agosto de 2012 com as obras de preparo do terreno e terraplenagem, que movimentaram 2,5 milhões de m³ de terra e se estenderam até a primeira quinzena de outubro de 2012, quando teve início a etapa de fundação. O pico da obra ocorreu em meados de 2014 com cerca de 9 mil operários em ação.[carece de fontes?]

Empresas aéreas e destinos[editar | editar código-fonte]

Voos internacionais sem escala de Campinas.

Atualmente operam voos domésticos em Campinas as companhias Azul, Gol e TAM.

Companhias Aeronaves Voos regulares vigentes[8]
Brasil Azul (Hub) ATR 72-600/Embraer 195/Embraer 190/Airbus A330-200 Aracaju, Maceió, Manaus, Boa Vista, Porto Seguro, Salvador, Ilhéus, Feira de Santana, Fortaleza, Juazeiro do Norte, Brasília, Vitória, Goiânia, Caldas Novas, Rio Verde, BH-Confins, Uberaba, Uberlândia, Divinópolis, Juiz de Fora, Patos de Minas, Valença, Campo Grande, Dourados, Bonito, Três Lagoas, Corumbá, Cuiabá, Recife, Petrolina, Curitiba, Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel, Foz do Iguaçu, RJ - Santos Dumont, RJ - Galeão, Cabo Frio, Campos dos Goytacazes, Belém, Natal, Porto Alegre, Caxias do Sul, Passo Fundo, Florianópolis, Joinville, Navegantes, Chapecó, Lages, Araçatuba, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Presidente Prudente, Bauru, Marília, Teresina, Palmas, João Pessoa, Porto Velho, Jaguaruna.
Brasil Gol Boeing 737-700/Boeing 737-800 Rio de Janeiro (Galeão  • Santos Dumont), Brasília, Curitiba, Fortaleza, Natal, Recife, Salvador
Brasil TAM Airbus A319/Airbus A320 Brasília

Opera voos internacionais a companhia Azul

Companhias Aeronaves Voos regulares vigentes[8]
Brasil Azul (Hub) Airbus A330-200 Estados Unidos Orlando (MCO)  • Estados Unidos Fort Lauderdale (FLL)  • Portugal Lisboa

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras utiliza o Aeroporto Internacional de Campinas como hub de suas operações.
Ano Movimento (Passageiros)
2003 654.768Aumento
2004 717.362Aumento
2005 816.599Aumento
2006 826.246Aumento
2007 1.006.059Aumento
2008 1.083.878Aumento
2009 3.564.686Aumento
2010 5.428.986Aumento
2011 7.542.239Aumento
2012 8.824.074Aumento
2013 9.294.446Aumento
2014 9.846.853Aumento
2015 10.324.658Aumento

Complexo aeroportuário[editar | editar código-fonte]

Sítio aeroportuário
  • Área: 17.659.300,00 m²
Pátio das aeronaves
  • Área: 86.978 m² (pátios 1 e 2)
Pista Principal
  • Comprimento: 3.240m x 45m largura
Terminal de passageiros
  • Terminal 0 - área: 28.000 m²
  • Terminal 1 - área: 178.000 m²
Estacionamento
  • Novo edifício-garagem - 4.000 vagas
  • Demais bolsões - 3.000 vagas
Balcões de check-in
  • Terminal 0: 72
  • Terminal 1:
Estacionamento de aeronaves
  • Número de posições pátios 1 e 2: 21
  • Número de posições pátio 3 (grande porte): 11

Acessos[editar | editar código-fonte]

Viracopos está localizado na região sudoeste da cidade e possui fácil acesso a partir da ampla malha rodoviária que cruza a Região Metropolitana de Campinas.

São Paulo, Interior de SP, Brasília, Triângulo mineiro, Região Sul e litoral de SP
Campinas e Sorocaba
Rio de Janeiro, Minas Gerais e Vale do Paraíba
Acesso local (pista simples)
  • SP-324.png Rodovia Miguel Melhado Campos: também conhecida como "Rodovia Vinhedo-Viracopos", é rodovia onde está fisicamente situado o aeroporto em uma de suas extremidades. Possui conexão com a SP-330.svg Rodovia Anhanguera na outra extremidade. Seu traçado é de pista simples na maior parte de seu trajeto e, portanto, não é um acesso recomendado. Serve basicamente para deslocamentos curtos ou locais para Vinhedo, Louveira e parte de Jundiaí, além dos bairros lindeiros de Campinas situados nas proximidades do aeroporto.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.viracopos.com/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8AE629645256739501525B3DED883E8C
  2. «Publicação Auxiliar de Rotas Aéreas (ROTAER)» (PDF). Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). 2016. Arquivado desde o original (PDF) em 1 de outubro de 2016. Consultado em 1 de outubro de 2016. 
  3. «Dados Estatísticos». Agência Nacional de Aviação Civil. 2015. Arquivado desde o original (XLSB) em 2 de outubro de 2016. Consultado em 2 de outubro de 2016. 
  4. «Turismo: Portal e Guia de turismo no Brasil - PANROTAS Editora». www.panrotas.com.br. Consultado em 2016-04-21. 
  5. «Aeroporto Internacional de Viracopos/Campinas». NewsComex. 23/11/2014. Consultado em 23/11/2014. 
  6. (2016-11-14) "Maior avião do mundo pousa pela 1ª vez em Campinas; assista ao vídeo" (em pt-BR). Campinas e Região.
  7. «Viracopos: O maior aeroporto da América Latina». Consultado em 25 de setembro de 2013. 
  8. a b ANAC. «Voos autorizados vigentes». HOTRAN. Consultado em 12/06/2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aeroporto Internacional de Viracopos/Campinas