Aeroporto de Marabá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Marabá
Aeroporto
Aeroporto João Correa da Rocha
Aeroporto de Marabá
IATA: MAB - ICAO: SBMA
Características
Tipo Público
Administração Infraero
Serve Região de Marabá
Localização Brasil Marabá, PA
Inauguração 17 de novembro de 1935 (82 anos)
Coordenadas 5° 22' 04" S 49° 08' 18" O
Altitude 109 m (358 ft)
Movimento de 2015
Passageiros 188 723 passageiros
Carga 639 417 Kg
Aéreo 3 332 decolagens
Mapa
SBMA está localizado em: Brasil
SBMA
Localização do aeroporto no Brasil
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
07 / 25 2 000  m (6 562 ft) Asfalto
Notas
Dados do DECEA[1] e da ANAC[2]

O Aeroporto João Correa da Rocha (IATA: MABICAO: SBMA) é um aeroporto que serve a cidade de Marabá no Brasil. Embora opere somente voos domésticos, é um dos aeroportos mais movimentados da região Norte do Brasil, e também um dos que mais crescem em número de passageiros.

Está situado às margens da Rodovia Transamazônica no 3,5 km - sentido ponte sobre o rio Itacaiunas à Itupiranga - distrito urbano da Cidade Nova[3].

História[editar | editar código-fonte]

A história do aeroporto em Marabá remonta á década de 1930, quando o brigadeiro Lysias Augusto Rodrigues e o engenheiro Américo Barbosa de Oliveira, capitanearam a abertura e construção de uma pista de pousos e decolagens na futura área da Nova Marabá.[4]. A inauguração é marcada pela chegada do primeiro avião, um monomotor Waco CSO C-27, do Correio Aéreo Nacional, pilotado pelo brigadeiro Rodrigues, em 17 de novembro de 1935.

Em 1940 e em 1946 a pista é ampliada e passa a ser gerida pela Força Aérea Brasileira (FAB), servindo de base aérea auxiliar durante a Segunda Guerra Mundial. O asfalto viria somente em 1966/1967.[5]

Com a iminência do aproveitamento da área da Nova Marabá para construção da futura cidade de Marabá, a pista de pousos foi transferida em 1973, pela FAB e pela Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM), para a Cidade Nova, aos fundos do tradicional bairro do Amapá.[5]

Até 1978, o Aeroporto João Correa da Rocha contava com uma pista de pouso e decolagem precária, sendo o seu movimento realizado pela aeronaves Douglas DC-3 e táxis aéreos[6].

A ligação com o centro da cidade era deficiente, face sua localização ser além do Rio Itacaiúnas, que separa o aeroporto do centro histórico da cidade. Àquela época não existia a ponte rodoviária sobre esse rio e o tráfego de pessoas e veículos dava-se por barcas e balsas, o que dificultava sobremaneira a sua utilização e desenvolvimento[6].

O contrato de doação da Prefeitura de Marabá para a União Federal foi definido em 14 de setembro de 1977 (Processo protocolado no Ministério da Fazenda sob o nº MF 0768-81.479/69)[6]. A nova estrutura aeroportuária foi construída pelo Ministério da Aeronáutica, através da Comissão de Aeroportos da Amazônia (COMARA). Foi inaugurado em 20 de maio de 1978[6].

Em 3 de novembro de 1980 a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) assume o aeroporto, montando na mesma década uma das mais valiosas pontes aéreas brasileiras naquele período, ligando Marabá à zona do garimpo de ouro da Serra Pelada, com voos regulares.

Em 2010, em homenagem ao jornalista João Corrêa da Rocha, fundador do periódico Notícias de Marabá, o aeroporto de Marabá recebeu o seu nome.[5]

Acidentes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Voo Varig 254

O incidente do Voo Varig 254 em 3 de setembro de 1989, que ia de Marabá para Belém, foi o mais trágico acidente aéreo que já ocorreu em um avião que decolou do aeroporto João Correa da Rocha. Um Boeing 737-200 prefixo PP-VMK da companhia aérea brasileira Varig - voo Varig RG-254 - após cometer um erro de navegação ao decolar de Marabá, o comandante voou durante mais de três horas sem saber onde estava[7]. Ao acabar o combustível, o piloto teve que realizar um pouso forçado, em plena floresta amazônica, próximo a São José do Xingu, no Mato Grosso. Na aterrissagem, o impacto do avião contra as árvores causou a morte de 12 ocupantes e ferimentos em outros 42[8].

Complexo aeroportuário[editar | editar código-fonte]

Pista do aeroporto.
Sítio aeroportuário
  • Área: 3.350.767,05 m²
Pátio das aeronaves
  • Área: 19.217 m²
Pista
  • Dimensões(m): 2.000 x 45
  • Piso: A
  • Sinalização: S
Terminal de passageiros
  • Área: 603 m²
Estacionamento
  • Capacidade: 60 vagas
Estacionamento de aeronaves
  • Número de posições: 15[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Publicação Auxiliar de Rotas Aéreas (ROTAER)» (PDF). Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). 2016. Consultado em 1 de outubro de 2016.. Cópia arquivada (PDF) em 1 de outubro de 2016 
  2. «Dados Estatísticos» (XLSB). Agência Nacional de Aviação Civil. 2015. Consultado em 2 de outubro de 2016.. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2016 
  3. «João Correa da Rocha - PA: Acessibilidade». Infraero. Consultado em 9 de maio de 2018. 
  4. Almeida, José Jonas (4 de maio de 2008). A cidade de Marabá sob o impacto dos projetos governamentais (1970-2000). Dourados/MS: Universidade Federal da Grande Dourados 
  5. a b c «João Correa da Rocha - PA: Histórico». Infraero. 2018 
  6. a b c d «Histórico». Infraero. Consultado em 7 de agosto de 2011. 
  7. «Livro conta a história de três acidentes aéreos que comoveram o Brasil». Folha Uol. Consultado em 7 de agosto de 2011. 
  8. «Os piores acidentes aéreos na história da aviação brasileira». Ultimo Segundo. Consultado em 7 de agosto de 2011. 
  9. «Complexo aeroportuário». Infraero. Consultado em 7 de agosto de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um aeroporto, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.