Aetosaurus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaAetosaurus
Ocorrência: Triássico Superior
Conjunto de fósseis de Etosaurus ferratus.

Conjunto de fósseis de Etosaurus ferratus.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: reptilia
Ordem: Aetosauria
Família: Stagonolepididae
Subfamília: Aetosaurinae
Género: Aetosaurus
Fraas, 887
Espécies
  • A. arcuatus Lucas et al., 1998
  • A. crassicauda Fraas, 1907
  • A. ferratus Fraas, 1877
Sinónimos
  • Stegomus arcuatus 1896

Aetosaurus é um género extinto de répteis arcossauros pertencentes à ordem Aetosauria Aetosauria. É geralmente considerado o mais primitivo aetossauro [1] Três espécies são atualmente reconhecidas: A. ferratus, a espécie encontrados na Alemanha e Itália;[2] A. crassicauda encontrada na Alemanha;[3] e A. arcuatus do Leste da América do Norte. Espécimes adicionais referentes ao Aetosaurus foram encontrados na África do Sul [4] , no Grupo Chinle do sudoeste dos Estados Unidos [5] [6] e na Formação Fjord Fleming da Groenlândia.[7] Os espécimes de Aetosaurus ocorrem nos estratos do Noriano .

Descrição[editar | editar código-fonte]

Reconstituição do Aetosaurus ferratus feita por Marsh

Aetosaurus era um primitivo e pequeno aetossauro. Ao contrário aetossauros mais derivados, como o Desmatosuchus ou o Typothorax, a carapaça era longa e estreita e não tinha espinhos. As escamas paramediana cobriam a parte traseira (com uma linha em cada lado das vértebras) são consideravelmente mais largas do que longas. As escamas laterais, que estão abaixo das paramedianas e formam uma linha de cada lado do animal, não apresentam qualquer espinhos ou outras projeções.[8]

Espécies[editar | editar código-fonte]

Velha reconstituição.

A espécie tipo do Aetosaurus foi nomeado como Aetosaurus ferratus em 1877 pelo alemão paleontólogo Oskar Fraas. Na época, era conhecido 22 esqueletos articulados de Aetosaurus que foram encontrados no Stubensandtein na Alemanha.[2] Trinta anos depois, Eberhard Fraas , filho de Oskar Fraas, descreveu uma segunda espécie, Aetosaurus crassicauda, também da Alemanha.[3] A. crassicauda pode ser distinguido do A. ferratus pelo seu tamanho maior. A. crassicauda chega a um comprimento máximo de 1,5 metros, enquanto A. ferratus chegou a um comprimento de até 0,9 metros.[1]

Além de Stubensandtein na Alemanha, A. ferratus também é encontrado na Formação Calcare di Zorzino em Cene, Itália.[9] Os espécimes de Aetosaurus que foram encontrados na Formação Fleming Fjord na Groenlândia provavelmente sejam A. ferratus.[7] Alguns materiais do Grupo Chinle do sudoeste dos Estados Unidos provavelmente também sejam A. ferratus.[5] [6]

Fotografia do YPM 1647 (Aetosaurus arcuatus)

Em 1998, o género foi Stegomus sinonimizada com Aetosaurus.[8] Em 1896, o paleontólogo Othniel Charles Marsh nomeu o Stegomus arcuatus a partir de um elenco de aetossauros conhecido como YPM 1647 da Formação New Haven, em Fairfield, Connecticut.[10] Este elenco consistia de uma carapaça dorsal. Vários partes são conhecidos como a superfície do crânio e da cauda, e foram encontrados na Formação Passaic em Hunterdon e Somerset, Nova Jersey [11] [12] e da Formação Lower Sanford dentro do Triângulo de Brick Co. Quarry em Durham, Carolina do Norte.[13] Stegomus arcuatus foi classificado como sinónimo do Aetosaurus com base em várias semelhanças, incluindo a falta de espinhos e um padrão distinto radial de ranhuras em alguns escamas caudais.[8]

Aetosaurus arcuatus tem escamas paramediana que são muito mais amplas do que longas, mesmo em comparação com outras espécies de Aetosaurus. Há poucas “covas” na superfície das escamas, embora a porosidade do arenito onde foi encontrado possa ter ser confundido com “covas”.[14] A cauda á estreita e a carapaça é uma "cintura", o que significa que se estreita na frente da pelve.[8]

Notas e referências

  1. a b Heckert, A.B.; and Lucas, S.G.. (1999). "A new aetosaur (Reptilia: Archosauria) from the Upper Triassic of Texas and the phylogeny of aetosaurs". Journal of Vertebrate Paleontology 19 (1): 50–68. DOI:10.1080/02724634.1999.10011122.
  2. a b Fraas, O.. (1877). "Aetosaurus ferratus Fr. Die gepanzerte Vogel-Echse aus dem Stubensandstein bei Stuttgar". Festshrift zur Feier des vierhundertjährigen Jubiläums der Eberhard-Karls-Universät zu Tübingen, Wurttembergische naturwissenschaftliche jahreshefte 33 (3): 1–22.
  3. a b Fraas, E.. (1907). "Aëtosaurus crassicauda n. sp., nebst Beobachtungen tiber das Becken der Aëtosaurier". Jahreshefte des Vereins für vaterländische Naturkunde Württemberg 42: 101–109.
  4. http://www.wordinfo.info/words/index/info/view_unit/2727/
  5. a b Heckert, A.B.; and Lucas, S.G.. (1998). "First occurrence of Aetosaurus (Reptilia: Archosauria) in the Upper Triassic Chinle Group (USA) and its biochronological significance". Neues Jahrbuch für Geologie und Paläontologie 1998: 604–612.
  6. a b Small, B.J.. (1998). "The occurrence of Aetosaurus in the Chinle Formation (Late Triassic, USA) and its biostratigraphic significance". Neues Jahrbuch für Geologie und Paläontologie 1998 (3): 289–300.
  7. a b Jenkins, F.A. Jr.; Shubin, N.H.; Amaral, W.W.; Gatesy, S.M.; Schaff, C.R.; Clemmensen, L.B.; Downs, W.R.; Davidson, A.R.; Bonde, N.; and Osbaeck, F.F.. (1994). "Late Triassic continental vertebrates and depositional environments of the Fleming Fjord Formation, Jameson Land, East Greenland". Meddelelser om Grønland, Geoscience 32: 1–25.
  8. a b c d Lucas, S.G.; Heckert, A.B.; and Huber, P.. (1998). "Aetosaurus (Archosauromorpha) from the Upper Triassic of the Newark Supergroup, eastern United States, and its biochronological significance". Palaeontology 41 (6): 1215–1230.
  9. Wild, R.. (1989). "Aëtosaurus (Reptilia:Thecodontia) from the Upper Triassic (Norian) of Cene near Bergamo, Italy, with a revision of the genus". Revista del Museo Civico di Scienze Naturali "Enrico Caffi" 14: 1–24.
  10. Marsh, O.C.. (1896). "A new belodont reptile (Stegomus) from the Connecticut River Sandstone". American Journal of Science 2: 59–62. DOI:10.2475/ajs.s4-2.7.59.
  11. Jepsen, G.L.. (1948). "A Triassic armored reptile from New Jersey". State of New Jersey Department of Conservation Miscellaneous Geological Paper: 1–20.
  12. Baird, D.. (1986). "Some Upper Triassic reptiles, footprints and an amphibian from New Jersey". The Mosasaur 3: 125–135.
  13. Parker, J.M.. (1966). "Triassic reptilian fossil from Wake County, North Carolina". Journal of the Elisha Mitchell Society 82: 92.
  14. Lull, R.S.. (1953). "Triassic life of the Connecticut Valley revised". Bulletin of the Connecticut Geologic and Natural History Survey 81: 1–336.