Afonso d'Escragnolle Taunay

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo Visconde de Taunay (1843-1899), veja Alfredo d'Escragnolle Taunay.
Afonso d'Escragnolle Taunay Academia Brasileira de Letras
Nascimento 11 de julho de 1876
Florianópolis
Morte 20 de março de 1958 (81 anos)
São Paulo
Cidadania Brasil
Progenitores Pai:Alfredo d'Escragnolle Taunay
Ocupação escritor, biógrafo, romancista, historiador
Empregador Universidade de São Paulo
Movimento estético simbolismo, modernismo

Afonso d'Escragnolle Taunay (Nossa Senhora do Desterro, 11 de julho de 1876São Paulo, 20 de março de 1958) foi um biógrafo, historiador, ensaísta, lexicógrafo, tradutor, romancista, heráldico e professor brasileiro.[1] Ocupou a cadeira n.º 1 da Academia Brasileira de Letras, onde foi eleito em 7 de novembro de 1929.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

A Família Taunay, no Brasil, remonta a Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830), pintor francês neo-clássico, integrante da, assim chamada, Missão Artística Francesa que veio ao Brasil, como pensionista do reino, acompanhando a expedição que trazia a Princesa Leopoldina, em 1816. A chegada da missão ao Rio de Janeiro possibilitou a estruturação e a fundação da Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, ainda em 1816, que viria a se tornar, em 1826, a Academia Imperial de Belas Artes (AIBA). Em 1821, recebeu o título de Barão de Taunay de D. João VI, porém descontente com a nomeação de Henrique José da Silva para diretor da Escola Real, retornou para Paris, indicando seu filho, Félix-Emile Taunay, para substituí-lo como professor de pintura de paisagem.[3][4]

Em retrato por Henrique Manzo.
Afonso d'Escragnolle Taunay, na ABL, em 06.05.1930
Affonso d'Escragnolle Taunay, na ABL, em 1930

Afonso Taunay nasceu na cidade de Desterro, atual Florianópolis, no Palácio Rosado, sede do governo da província de Santa Catarina. Filho do então presidente da província de Santa Catarina, Alfredo d'Escragnolle Taunay (1843-1899), o visconde de Taunay (título agraciado pelo Imperador em 1888 proposto pelo Visconde de Ouro Preto)[5], e de Cristina Teixeira Leite (1854-1936), filha de Francisco José Teixeira Leite, o barão de Vassouras. O pai de Afonso, o visconde de Taunay, era filho de Félix-Emile Taunay, o 2º Barão de Taunay, e de Gabrielle Herminie de Robert d'Escragnolle, filha de Alexandre-Louis-Marie de Robert, o conde d'Escragnolle, e irmã de Gaston Louis Henri de Robert d'Escragnolle, o barão d'Escragnolle.[6]

Afonso passou a infância entre o Rio de Janeiro e Petrópolis, estudou no Colégio Pedro II, onde conheceu João Capistrano de Abreu, seu professor, e após concluir os estudos, foi para a engenharia civil da Escola Politécnica do Rio de Janeiro, onde se formou em 1900, e faltando ainda um ano para a conclusão do curso, seu pai faleceu, era 25 de Janeiro de 1899.[5]

Mesmo tendo inicialmente seus rumos profissionais encaminhados para a engenharia, já tinha interesse na história, e está tinha lugar privilegiado dentro de si. Taunay contava, por exemplo, que certo dia, ouvia seu pai narrar ao seu avô que na viagem de volta de Mato Grosso ao litoral, perguntou a um tropeiro a respeito da distância que ainda teriam que percorrer até chegarem a Santos e o tropeiro desalentando-o respondeu: quatrocentas léguas. Naquele momento, a conversa dos adultos foi interrompida pelo menino Afonso de sete anos que, admirado, indagou-os: “Sempre no Brasil?” Seu avô sorrindo, respondeu: “Sempre, certamente! Isto não é nada para o Brasil, saiba-o você”. Segundo Taunay, esta resposta o deixou perturbado e, somado às várias histórias de viagem que seu pai lhe contou durante a infância e a adolescência, foi criando “a impressão de mistério”, de “verdadeira fascinação” pela história do povoamento do Brasil. (Recepção do Sr. Afonso Taunay na Academia Brasileira de Letras em 6 de maio de 1930. Discurso do Sr. Afonso Taunay. Discursos Acadêmicos (1927-1932), v. VII, 1937, p. 213.)[7]

Atendendo a um convite de Augusto Carlos da Silva Teles, seu tio e professor da Escola Politécnica de São Paulo, foi nomeado "preparador" de química em 9 de janeiro de 1889 e, em 1901 já ministrava aulas de física e química no curso de Engenheiros Industriais. Em 1902, conheceu o projeto de construção de um ginásio que seria construído, ao lado do Mosteiro de São Bento, através de seu diretor, D. Miguel Kruse. Concluida a obra, já em 1903, Afonso começa a ministrar, paralelamente à universidade, aulas de Física, Química, História do Brasil e História Universal para os alunos do Gymmasio de São Bento. Em 1904, foi efetivado como professor substituto. Na capital paulista Afonso d'Escragnolle Taunay conheceu Sara de Souza Queiroz (1886-1966), filha de Antônio de Souza Queiroz e de Vitalina Pompeu de Camargo, neta dos Barões de Souza Queiroz, com quem casou-se em 1907. Da união, nasceram cinco filhos: Ana d'Escragnole Taunay, casada com Francisco Pedro Berrettini; Paulo d'Escragnolle Taunay, casado com Kitty Taunay; Maria Egídia d'Escragnolle Taunay; Augusto d'Escragnolle Taunay, casado com Angélica (Lili) Ulhôa Cintra e Clarisse d'Escragnolle Taunay, casada com Pedro Alcântara Taques Horta. Sara de Souza d'Escragnolle Taunay foi sua companheira dedicada, por mais de cinquenta anos, esposa amantíssima que lhe propiciou o apoio necessário para que trabalhasse com tranquilidade.Em 1909, publicou seu primeiro trabalho de vulto no Anuário da Escola Politécnica, Lexico de termos technicos e scientificos,[8] versando sobre um dos seus temas prediletos: os estudos lexicográficos. No ano seguinte, publicou, sob o pseudônimo Sebastião Corte Real, um romance histórico, Chronica do tempo dos Philippes, romance brasileiro seiscentista,[9] que o levou a ser admitido no IHGB - Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro[10] e no IHGSP - Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo,[11] em 1911, mesmo ano em que passou à cátedra de Física Experimental na Escola Politécnica. [12]

Em reconhecimento ao apoio imprescindível dado à sua admissão como sócio correspondente, para integrar a importante instituição que se dedicou ao desenvolvimento da História como disciplina no Brasil desde o século XIX, Afonso de Taunay escreveu um carta em papel timbrado da Escola Politénica de São Paulo, ao orador e relator da Comissão de História do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro:[5]

Exmo. Sr. Dr. B. F. Ramiz Galvão, Acabo de saber que mereci a subida honra de ser aceito unanimemente sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e como nesta distinção percebo quanto para ela concorreram os termos do parecer que a meu respeito escreveu o Dr. venho trazer-lhe os meus muitos agradecimentos exprimindo-lhe quanto me honro de haver merecido do ilustre escritor e sábio filólogo os elogios que a indulgência lhe ditou. Reiterando-lhe, pois os protestos de minha gratidão, tenho a honra de me assinar do Dr. muito admirador e afetuoso, Afonso de Escragnolle Taunay." (Carta de Afonso de Taunay a Benjamin Franklin Ramiz Galvão, São Paulo, 26 de setembro de 1911, Arquivo do IHGB, Ramiz Galvão, lata 420, pasta 33).[5]

Em 1917, Afonso d'Escragnolle Taunay, foi designado, pelo então presidente do estado, Altino Arantes, para aquele que seria o trabalho de sua vida. Pedindo o afastamento temporário de suas funções na Escola Politechnica como professor, assumiu o cargo de diretor comissionado no Museu Paulista, instituição localizada no Palácio do Alto do Ipiranga, popularmente conhecido como Museu do Ipiranga.

Tinha biblioteca de obras versando quase exclusivamente sobre história, principalmente brasileira, no total de dois mil volumes.[13] Tirando os seus livros de estudo e consulta, não tinha apego aos demais. Pelo contrário, gostava de distribuir os volumes seus, os muitos que recebia e até aqueles que foram de seu pai. Gostava de literatura francesa, desde a mocidade.

Escrevia de manhã, à tarde e à noite, sempre do próprio punho e com letra pouco legível.[14]

Ocupou diversos cargos na administração estadual: foi diretor do Museu Paulista (conhecido como Museu do Ipiranga), entre 1917 e 1945. Reorganizou a biblioteca e o arquivo do Ministério das Relações Exteriores em 1930. De 1934 a 1937 foi professor na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo.[14]

Taunay exerceu funções públicas mais de quarenta e sete anos, como lente da Escola Politécnica de São Paulo e nos últimos vinte e nove anos como diretor do Museu Paulista e seu anexo, o Museu Republicano Convenção de Itú.[13]

Sua atuação no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, na Academia Paulista de Letras, na Academia Portuguesa de História e como correspondente de institutos históricos estaduais, possibilitou a Afonso Taunay grande dedicação aos estudos historiográficos, especialmente ao bandeirismo paulista, ao período colonial brasileiro e à literatura, ciência e arte do Brasil.[15][14][16] Teve destaque também como lexicógrafo especializando-se sobretudo na terminologia científica.[14]

Foi o segundo ocupante da cadeira n.º 1 da Academia Brasileira de Letras, eleito em 7 de novembro de 1929, na sucessão de Luis Murat, foi recebido em 6 de maio de 1930 pelo acadêmico Roquette-Pinto. Recebeu os acadêmicos Oliveira Viana e Rodolfo Garcia.[17]

Escreveu também diversos estudos de genealogia. Distraia-se com levantar a história de cada família, fosse de conhecidos ou estranhos: muitas vezes - ao ser apresentado a alguém - acontecia referir fatos sobre a origem do apresentado, nomes, datas e a cidade de onde provinham os ascendentes com riqueza da dados.[13]

E, além de prestar ao estado, por tão longo tempo, foi credor da sociedade em geral por trabalhos como homem de letras e cultor da história da pátria. Dedicou grande parte da sua vida a pesquisas dos fatos da história de São Paulo e dos paulistas, e do Brasil. Como resultado de tais pesquisas, publicou diversas obras de literatura histórica em muitas modalidades, obras essas que vieram a enriquecer o patrimônio cultural brasileiro.[13]

Alguns desses trabalhos estão como contribuições para os Anais e a Revista do Museu Paulista, História do Café do Brasil, Biografia de Bartolomeu de Gusmão, História da Vida e da Cidade de São Paulo, e sobretudo a notabilíssima obra História Geral das Bandeiras Paulistas.[13] E com gesto bem significativo de sua dedicação e amizade a Mosteiro de São Bento e Colégio de São Bento , a pedido de Abade D. Miguel Kruse, Taunay aceitou escrever a História da Abadia de São Paulo. Este trabalho, fruto de um longo e estafante esforço de pesquisas, foi publicado em 1927, e até hoje é uma das melhores obras de referência ao passado histórico sobre o assunto.[13]

No Largo do Arouche há importantes esculturas, e entre elas a de Affonso d'Escragnolle Taunay, uma obra concebida pela artista plástica Claude Dunin, em homenagem a um dos maiores historiadores brasileiros, principalmente na história das bandeiras paulistas.

Claude Dunin - Busto de Afonso d'Escragnolle Taunay. Largo do Arouche, no centro de São Paulo, SP, Brasil.

Criações de Taunay:

Brasão de Uberaba: O brasão do município de Uberaba idealizado e desenhado pelo artista Afonso d'Escragnolle Taunay, sob encomenda do Agente Executivo e Presidente da Câmara, Dr. Olavo Rodrigues da Cunha, em 1928.

Carta Geral das Bandeiras Paulistas: É uma carta topográfica organizada por Taunay, e desenhada pelos cartógrafos Gregório Colas e José Domingues dos Santos Filho, datada de 1922.

Museu Paulista[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Hermann von Ihering
Diretor(a) do Museu Paulista
1917 — 1946
Sucedido por
Sérgio Buarque de Holanda

Taunay dedicou sua vida a diversos cargos públicos. Mas a direção do Museu Paulista, que exerceu até a aposentadoria compulsória, em 1945, aos setenta anos de idade, foi a sua grande paixão.[13] Ele foi nomeado diretor, sendo o segundo a assumir a administração, do Museu Paulista em 1917 com a incumbência de realizar os preparativos para o centenário da Independência do Brasil, a ser comemorado em 1922.

No Museu foi criada a Seção de História Nacional, (especialmente voltada para São Paulo e Etnografia), cumprindo plenamente um projeto muito almejado por Affonso d'Escragnolle Taunay: "inaugurar um museu histórico em São Paulo, sobretudo no monumento do Ypiranga, no local glorioso da Proclamaçã". (Taunay, 1926b, p. 47)[18]

Ele abandonou até a cátedra superior para não deixar a sua direção, quando da vigência da lei que impedia as acumulações. Estimava sobremaneira, o Museu Republicano de Itu por ele organizado.[13] A inauguração do Museu Republicano Convenção de Itu, aconteceu em 1923, como instituição anexa ao Museu Paulista, voltada para a preservação da memória do movimento republicano em São Paulo. No Museu Taunay optou por um trabalho museográfico então pouco conhecido no Brasil: a reconstituição de interiores de época, uma espécie de period room. A criação desse museu fecha o cerco na glorificação dos feitos paulistas: a proclamação da República brasileira não ocorreu em solo paulista, mas o germe do movimento republicano foi plantado no estado de São Paulo, com a fundação do Partido Republicano Paulista, em 1873, na famosa Convenção de Itu. É de suma importância para as elites paulistas narrar a história e preservar a memória do local original e dos homens que participaram daquele evento, visto como um dos primeiros passos em direção à constituição do Brasil republicano.[18]

Em 1931 foi encarregado da comissão de estudo que criou a Universidade de São Paulo. Durante o estudo, pensou-se nas possibilidades de articular o Museu Paulista a Universidade. Nesse mesmo ano, o Museu foi transferido para a Secretaria da Educação e Saúde Pública, subordinado ao Departamento de Educação. Mais tarde, com a fundação da Universidade de São Paulo (USP), em 1934, o Museu Paulista se tornou uma de suas instituições complementares, contribuindo para ampliar o ensino e os cursos oferecidos pela Universidade. Em 1963, o Museu Paulista foi finalmente transferido da Secretaria da Educação para USP, na qualidade de instituto universitário. Neste grupo encontram-se, entre outros documentos, atas de reunião da diretoria do Museu, ofícios e pedidos de aquisição de acervo, além de um inventário da Seção de História do Museu, datado de 1939. (O Museu Paulista: Affonso de Taunay e a memória nacional. São Paulo: Editora UNESP/Museu Paulista, 2005, p.264.)[19]



Obras Encomendadas por Taunay para o Museu Paulista e Museu Republicano Convenção de Itú

• Pinturas de Benedito Calixto:

- Ladeira do Colégio, 1860 ou Ladeira do Palácio, Ladeira João Alfredo e Ladeira General Carneiro, 1910.

- Paço Municipal, Fórum e Cadeia de São Paulo, 1862.

• Pinturas de Oscar Pereira da Silva:

- Carga de Canoas, 1920.

- 9º Encontro de Monções no Sertão ou Encontro de Duas Monções, 1920.

- Partida de Porto Feliz, 1920 e 1921.

- Combate de Botocudos em Mogi da Cruzes, 1920.

- Bandeirantes a Caminho das Minas, 1920 e 1921.

- Sessão das cortes de Lisboa, 1922.

• Pinturas de José Wasth Rodrigues:

- Retrato de Martim Afonso de Souza, 1932.

- Retrato de D. João III, século XX.

- Dama Paulista, 1808

- Cacique Tibiriçá  e neto, 1932.

- João Ramalho e filho, 1934.

• Pinturas de João Batista da Costa:

- Ciclo dos Criadores de Gado, 1925.

• Pinturas de Aurélio Zimmermann:

- Bênçãos dos canoões (Porto Feliz) ou Bênção das Canoas, 1920.

• Pinturas de Rodolfo Amoedo:

- Ciclo do ouro, 1920.

• Pinturas de Augusto Luis de Freitas:

- Ladeira do Carmo, 1860, obra de 1920.

• Pinturas de Domenico Failutti:

- Retrato de Maria Quitéria de Jesus Medeiros, 1920.

- Retrato de Dona Leopoldina de Habsburgo e seus filhos, 1921.

• Pinturas de Fernandes Machado:

- Posse da Amazônia, 1924.

• Pinturas de Henrique Bernardelli:

- Ciclo da caça ao índio, 1922

- Retirada do Cabo de São Roque, 1927.

• Pinturas de Henrique Manzo:

- Tríptico de São Paulo visto da várzea do Carmo, 1941.

- Piques, 1860, obra de 1945.

- Igreja da Boa Morte em 1860.

• Pinturas de Nair Opromolla:

- Monstro Fluvial Piracangava, século XX.

- Canoa Fantasma no Rio Tietê, século XX.

• Pinturas de Adrien Henri Vital Van Emelen:

- Velho Centenário de Porto Feliz, o quadro foi transferido do Museu Paulista para o Museu Republicano na cidade de Itu.

• Maquete: Maquete de São Paulo em 1841, obra de Henrique Bakkenist ou Hendrik Bakkenist, 1920.

• Placa do Cinquentenário da Convenção de Itú: Outra obra encomendada por Taunay foi uma placa de bronze fundida pelo artesão Roque de Mingo, reproduzindo o modelo entalhado em madeira da Maquete de São Paulo em 1841, por Bakkenist para a inauguração do Museu Republicano da Convenção de Itú em 18 de abril de 1923.

• Escultura: Estátua de Dom Pedro I, escultura produzida por Rodolfo Bernardelli, encomendada em 1890 e inaugurada em 1923.

História Geral das Bandeiras Paulistas[editar | editar código-fonte]

A História Geral das Bandeiras Paulistas, é uma das principais e com maior peso das obras do Taunay. Esse trabalho monumental resultou nos onze volumes publicados entre 1924 e 1950. Durante a década de 1920 foram publicados os cinco primeiros volumes da obra, na década seguinte foram lançados o sexto e o sétimo volumes e somente na segunda metade da década de 1940 os volumes oitavo, nono e décimo foram publicados, ficando ainda para o ano de 1950 a publicação do décimo primeiro e último volume da obra.[7] A Editora Melhoramentos, que a editou, reeditou-a em 1961, em três volumes, fazendo parte das comemorações do IV Centenário da Cidade de São Paulo.[20]

Em uma resenha bibliografia sobre o , Alfredo Ellis Júnior, que inclusive submeteu a um projeto de financiamento para a continuação da obra História Geral das Bandeiras Paulistas em favor de seu amigo Taunay, que foi também seu professor, quando Alfredo cursava o ginásio, disse: "Quando publicou o primeiro volume de sua magistral obra, afirmou que era um trabalho de análise. Realmente o monumental e imprescindível relato sobre a nossa magna epopéia é em seu todo um verdadeiro microscópio assentado no passado do bandeirismo, a examinar e as esclarecer nas suas menores e mais umbrosas minúcias do fenômeno magnífico que foi o grande heróico feito paulista, o qual é um alicerce de solidez e de brilho que nenhum outro povo do mundo tem melhor. Com esse trabalho o insigne Prof. Taunay, não só se afirmou como um grande analista, o maior cronista do bandeirismo paulista, como um profundo e percuciente examinador das várias minucias desses fulgurantes episódios de nosso passado. AHistória Geral das Bandeiras Paulistas é um trabalho de analise a mais profunda sendo o bandeirismo Paulista reconstruido nas suas menores minucias [...] Em matéria de análise de fato o trabalho do Prof. Taunay esgota o assunto. É tal quantidade de conhecimento sobre os acontecimentos relativos ao bandeirismo que a História Geral das Bandeiras Paulistas é insubstituível para quem queira conhecer o fenômeno.[...] O erudito mestre só cuidou da cronologia do bandeirismo, além de exame crítico dos diversos episódios."[21]

E também acrescenta como crítica construtiva em relação ao décimo primeiro volume: "Tivesse o Erudito Mestre lido o meu Meio Século de Bandeirismo editado em 1947, na série Brasiliana. pela Cia. Editora Nacional, a qual é na verdade a linha tese de concurso que o eminente mestre conhece, não teria sido tão peremptório. É que essa edição é muito aumentada por novas pesquisas que fiz em documentos que vistoriei depois, de modo que fui levado assim a reformar os pontos de vista que tinha à propósito dessas bandeiras. É possível que os meus pontos de vista não sejam os mais acertados! Nem por isso deveriam ser silenciados, tanto mais que opiniões minhas anteriores foram mencionadas. Eu atribuo esse lapso de egrégio mestre ao fato de que já se tendo familiarizado com a primeira edição do Meio Século de Bandeirismo, por ter feito parte da banca de meu concurso, no qual esse trabalho foi apresentado como tese, não ter julgado interesse vistoriar na 2º edição. Entretanto esta, como disse acima, modifica e se acresce de muita cousa. Que eu julguei útil, depois de vistoriar muito documento desconhecido antes e muita bibliografia que eu não havia antes compulsado. [...]"[21]

Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Afonso d'Escragnolle Taunay foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras, em 7 de novembro de 1929, e convidado a ocupar a cadeira 1, sucedendo a Luís Murat, membro fundador da cadeira. Seu pai, Alfredo d'Escragnolle Taunay, o Visconde de Taunay, foi um dos fundadores da ABL, em 20 de julho de 1897, ocupando a cadeira 13. Afonso foi recebido pelo acadêmico Edgar Roquette-Pinto, em 6 de maio de 1930.[2] E, acostumado com as glórias, esteve diante das críticas mais duras que recebeu no período em relação a pontos de suas obras. No entanto, a entrada de Taunay na Academia Brasileira de Letras não significou um abandono de nenhum dos princípios que considerava válidos até então, mas a posição que desfrutava na década de 1930 permitiu-lhe dedicar-se a outros temas, para além da história das Bandeiras.[22] Juntos, Taunay e Roquette-Pinto foram trabalhar com Humberto Mauro na execução dos filmes O descobrimento do Brasil (1937) e Bandeirantes (1940. Já como imortal Taunay divulgou na Revista da Academia Brasileira de Letras o filme Bandeirantes destacando o intuito que Roquette-Pinto tinha de prosseguir, após a realização de O descobrimento do Brasil, a “difusão das cenas nobres da nossa terra”. Roquette-Pinto imaginou, segundo Taunay contou nesse artigo, a composição de um filme, destinado a todas as escolas do Brasil, “encerrando motivos hauridos da epopeia bandeirante”. Para a realização de tal empreendimento, ele solicitou a colaboração de Taunay que aceitou o convite e relatou ter vivido “longas horas das mais agradáveis” na execução deste trabalho. (TAUNAY, Afonso de E. História de um film. Revista da ABL, ano 40, v. 61, p. 298-307, 1941)[7]

Precedido por
Luís Murat (fundador)
ABL logo.svg ABL - 2º acadêmico da cadeira 1
1929 — 1958
Sucedido por
Ivan Monteiro de Barros Lins

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Lexico de termos technicos e scientificos, (1909); [8]
  • Chronica do tempo dos Philippes, romance brasileiro seiscentista, (1910); [9] [nota 1]
  • A Missão Artistica de 1816, (1911); [23][24]
  • Lexico de lacunas, (1914); [25]
  • Frei Gaspar da Madre de Deus, (1915); [26]
  • Inéditos de Frei Gaspar da Madre de Deus, (1915); [27]
  • Inéditos de Pedro Taques, (1915); [28]
  • Nicolau Antonio Taunay (1916); [29]
  • Os principios geraes da moderna critica historica, (1916); [30] [nota 2]
  • Na era das Bandeiras, (1919); [31]
  • São Paulo nos primeiros annos. (1554-1601), (1920); [32]
  • Memórias para a historia da capitania de São Vicente, hoje chamada de São Paulo, (1920); [33]
  • A' Glória dos Andradas, (1920);
  • A' Glória das Monções, (1920); [34]
  • Ensaio de bibliographia referente às sciencias naturaes e ao Brazil : 1913-1919, (1920); [35]
  • São Paulo no século XVI , (1921); [36]
  • No Brasil Imperial, (1921); [37]
  • Grandes vultos da independencia brasileira, (1922); [38]
  • Collectanea de documentos da antiga carthographia paulista, (1922); [39]
  • Pedro Taques e seu tempo. (Estudo de uma personalidade e de uma epoca), (1922); [40]
  • Sob El Rey Nosso Senhor, (1922); [41]
  • André João Antonil (João Antonio Andreoni, S. J.) e sua obra: estudo bio-bibliographico, (1922) [42]
  • Um grande bandeirante: Bartholomeu Paes de Abreu (1674-1738), (1922); [43]
  • Piratininga: Aspectos sociaes de S. Paulo seiscentista, (1923); [44]
  • Na Bahia Colonial, 1610-1791, (1924); [45]
  • Rio de Janeiro de antanho, (1924); [46]
  • Non ducor, duco! notícias de São Paulo (1565-1820), (1924);
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo I, (1924); [47]
  • Vocabulario de omissões, (1924); [48]
  • A Guerra do Pacifico: Chile versus Perú e Bolivia, (1925); [49]
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo II, (1925); [50]
  • Polyanthéa em homenagem ao tri-centenario da creação do municipio de Parnahyba, (1925); [51]
  • Escritores coloniais, (1925); [52]
  • Indios! Ouro! Pedras!, (1926); [53]
  • Nobiliarchia paulistana historica e genealogica, (1926); [54]
  • Ensaio de Carta Geral das Bandeiras Paulistas, (1926); [55]
  • Historia seiscentista da Villa de S. Paulo, Tomo Primeiro. (1926); [56]
  • Historia seiscentista da Villa de S. Paulo, Tomo Segundo. (1927); [57]
  • Historia antiga da abbadia de São Paulo: escripta á vista de avultada documentação inedita (1598-1772), (1927) [58]
  • Antigos aspectos paulistas, (1927); [59]
  • A Terminologia Zoológica e Científica em Geral e a Deficiência dos Grandes Dicionários Portugueses, (1927) [60]
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo III, (1927); [61]
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo IV, (1928); [62]
  • Insufficiencia e deficiencia dos grandes diccionarios portuguezes, (1928); [63]
  • Na Bahia de Dom João VI, (1928); [64]
  • Historia seiscentista da Villa de S. Paulo, Tomo Terceiro. (1928); [65]
  • Historia seiscentista da Villa de S. Paulo, Tomo Quarto. (1929); [66]
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo V, (1929); [67]
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo VI, (1930); [68]
  • Entre os nossos indios, (1931); [69]
  • O marco quinhentista de Cananéa, (1931); [70]
  • João Ramalho e Santo André da Borda do Campo, (1932) [71]
  • Algumas de nossas abusões quinhentistas, (1932); [72]
  • Pedro II, (1933); [73]
  • Visitantes do Brasil colonial (Séculos XVI - XVII), (1933); [74]
  • Obras diversas de Bartolomeu Lourenço de Gusmão, (1934); [75]
  • Zoologia fantástica do Brasil (séculos XVI e XVII), (1934); [76]
  • A propagação da cultura cafeeira, (1934); [77]
  • Subsídios para a história do café no Brasil colonial, (1935); [78]
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo VII, (1936); [79]
  • De Brasilio rebus pluribus, (1936); [80]
  • Guia da secção histórica do Museu Paulista, (1937); [81]
  • Nobiliarchia Brasiliense, (1937); [82]
  • Monstros e Monstrengos do Brasil, (1937); [83]
  • A vida gloriosa e trágica de Bartolomeu de Gusmão, (1938); [84]
  • Bartholomeu de Gusmão e a sua prioridade aerostatica: Separarata do tomo IX dos Annaes do Museu Paulista, (1938) [85]
  • Subsídios para a história do tráfico africano no Brasil colonial, (1938); [86]
  • Historia do Café no Brasil - Volume I, (1939); [87]
  • Historia do Café no Brasil - Volume II, (1939); [88]
  • Historia do Café no Brasil - Volume III, (1939); [89]
  • Historia do Café no Brasil - Volume IV, (1939); [90]
  • Historia do Café no Brasil - Volume V, (1939); [91]
  • Historia do Café no Brasil - Volume VI, (1939); [92]
  • Historia do Café no Brasil - Volume VII, (1939); [93]
  • Historia do Café no Brasil - Volume VIII, (1939); [94]
  • Historia do Café no Brasil - Volume IX, (1939); [95]
  • A reintegração de São Paulo no Império Colonial Português, em 1641, e o episódio de Amador Bueno de Ribeiro, (1940); [96]
  • Historia do Café no Brasil - Volume X, (1941); [97]
  • Historia do Café no Brasil - Volume XI, (1941); [98]
  • Historia do Café no Brasil - Volume XII, (1941); [99]
  • O Senado do Império, (1941); [100]
  • O Rio de Janeiro de antanho: impressões de viajantes estrangeiros, (1942);
  • Pequena história do café no Brasil (1727-1937), (1945), resumo da obra em 11 volumes acima;
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo VIII, (1946); [101]
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo IX, (1948); [102]
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo X, (1949); [103]
  • Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Tomo XI, (1950); [104]
  • Monções cuyabanas no seculo XVIII: Separata do tômo undécimo e ultimo da Historia Geral das Bandeiras Paulistas, (1950) [105]
  • Velho São Paulo: Primeiras plantas. Colégio. Sé. Paço, (1952); [106]
  • Velho São Paulo: Depoimento sobre a Cidade através dos séculos. Ruas principais. A Abadia de São Bento., (1952); [107]
  • Velho São Paulo: Evolução da cidade sob o Império. Ruas secundárias. O Mosteiro de Nossa Senhora da Luz., (1952); [108]
  • Nobiliarchia paulistana historica e genealogica, Tomo I, (1953); [109]
  • Nobiliarchia paulistana historica e genealogica, Tomo II, (1953); [110]
  • Nobiliarchia paulistana historica e genealogica, Tomo III, (1953); [111]
  • Noticias das Minas de São Paulo e dos sertões da mesma Capitania, (1953); [112]
  • Relatos Sertanistas, (1953); [113]
  • Relatos Monçoeiros, (1953); [114]
  • História da Cidade de São Paulo, (1953) [115]

Notas

  1. Na 2ª edição, em 1926, altera o título para o nome da personagem principal: Leonor de Ávila, romance brasileiro seiscentista.
  2. Conferência pronunciada em 3 de Maio de 1911 para a abertura do curso de Historia Universal na Faculdade Livre de Philosophia e Lettras de São Bento.

Referências

  1. «Biblioteca Virtual - Literatura». www.biblio.com.br. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
  2. a b «Afonso d´E. Taunay». Academia Brasileira de Letras. 6 de maio de 1930. Consultado em 10 de maio de 2020 
  3. OLIVEIRA, Emerson Dionisio Gomes de (2010). «O legado artístico de Nicolas-Antoine Taunay e a polêmica "Missão Francesa"». OPSIS. 8 (11): 363-367 
  4. SCHWARCZ, L. M. (2008). O Sol do Brasil: Nicolas-Antoine Taunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de D. João. São Paulo: Companhia das Letras. 464 páginas. ISBN 9788535911855 
  5. a b c d Comemoração, memória e escrita da história: o ingresso de Afonso de Taunay no IHGB e a reintegração foi pai. (Karina Anhezini)
  6. Dias, Kelly Keiko Koti. «Affonso d´Escragnolle Taunay e a História como construtora da identidade nacional» (PDF). Universidade Estadual de Campinas. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
  7. a b c Roiz, Diogo da Silva; Arakaki, Suzana; Zimmerman, Tânia Regina (2018). Os Bandeirantes e a Historiografia Brasileira. [S.l.]: Editora Milfontes 
  8. a b TAUNAY, Afonso de E. (1909). Lexico de termos technicos e scientificos. XII (Separata). São Paulo: Annuario da Escola Polytechnica de S. Paulo. 154 páginas 
  9. a b TAUNAY, Afonso de E. (1910). Chronica do tempo dos Philippes. Tours: E. Arrault. 376 páginas 
  10. CORRÊA FILHO, Virgilio (1958). A. de Taunay e o Instituto Histórico. 239. Rio de janeiro: Revista do IHGB. p. 371-377 
  11. Quadro dos sócios eleitos em 1911. XVI. São Paulo: Revista do IHGSP. 1914. p. 509 
  12. PARADA, Maurício; RODRIGUES, Henrique Estrada (2018). Os Historiadores - Clássicos da História do Brasil. 4. [S.l.]: Editora Vozes. 400 páginas. ISBN 9788532656452 
  13. a b c d e f g h «A Guerra dos Bárbaros» (PDF). Acerto Virtual Oswaldo Lamartine de Faria 
  14. a b c d «Afonso d´E. Taunay: biografia». Academia Brasileira de Letras. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
  15. «BIOGRAFIA DO PATRONO AFFONSO TAUNAY». Portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
  16. História das Bandeiras Paulistas (PDF). [S.l.]: Centro de Documentação do Pensamento Brasileiro (CDPB). 2012. Arquivado do original (PDF) em 30 de dezembro de 2018 
  17. «Afonso d´E. Taunay | Academia Brasileira de Letras». Academia Brasileira de Letras. Consultado em 20 de outubro de 2017 
  18. a b Fonseca Brefe, Ana Cláudia. O Museu Paulista: Affonso de Taunay e a memória nacional 1917-1945. [S.l.: s.n.] 
  19. «Museu Paulista». ICA-AtoM 
  20. «Bandeiras Paulistas» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 9 de dezembro de 2017 
  21. a b Resenha Bibliográfica, 1951. História Geral das Bandeiras Paulistas. (Alfredo Ellis Júnior)
  22. De Salles Oliveira, Cecília Helena (2017). O Museu Paulista e a Gestão de Afonso Taunay. [S.l.]: MP/USP 
  23. TAUNAY, Afonso de E. (1911). A Missão Artistica de 1816. Tomo LXXIV. Rio de Janeiro: Revista do IHGB. p. 3-225 
  24. TAUNAY, Afonso de E. (1914). A Missão Artistica de 1816 e o meio colonial fluminense. XVI. São Paulo: Revista do IHGSP. 509 páginas 
  25. TAUNAY, Afonso de E. (1914). Lexico de lacunas: subsidios para os diccionarios da lingua portugueza. XVI (separata). São Paulo: Revista do IHGSP. 224 páginas 
  26. TAUNAY, Afonso de E. (1915). Frei Gaspar de Madre de Deus: conferencia comemorativa do segundo centenario. XX. São Paulo: Revista do IHGSP. p. 127-186 
  27. TAUNAY, Afonso de E. (1915). Inéditos de Frei Gaspar da Madre de Deus e documentos sobre o historiador. XX. São Paulo: Revista do IHGSP. p. 187-248 
  28. TAUNAY, Afonso de E. (1915). Inéditos de Pedro Taques: documentos inéditos referentes ao autor da Nobiliarchia. XX. São Paulo: Revista do IHGSP. p. 743-790 
  29. TAUNAY, Afonso de E. (1916). Documentos sobre a vida e a obra de Nicolao Antonio Taunay (1755-1830), um dos fundadores da Escola Nacional de Bellas Artes. LXXVIII, Parte II. Rio de Janeiro: Revista do IHGB. p. 2-140 
  30. TAUNAY, Afonso de E. (1916). Os principios geraes da moderna critica historica. XVI. [S.l.]: Revista do IHGSP. p. 323-344 
  31. TAUNAY, Afonso de E. (1922). Na era das Bandeiras: estudos de historia colonial paulista. Tomo 84. Rio de Janeiro: Revista do IHGB. p. 383-531 
  32. TAUNAY, Afonso de E. (1920). S. Paulo nos primeiros annos (1554-1601) : ensaio de reconstituição social (PDF). Tours: E. Arrault. 236 páginas 
  33. MADRE DE DEUS, Frei Gaspar da [Gaspar Teixeira de Azevedo] (1797). TAUNAY, Afonso de E., 1920, ed. Memórias para a historia da capitania de São Vicente, hoje chamada de São Paulo 3 ed. São Paulo: Melhoramentos/Weiszflog. 383 páginas 
  34. TAUNAY, Afonso de E. (28 de abril de 1920). «A' Glória das Monções: discurso proferido na inauguração do Parque das Monções, em Porto feliz, no dia 26 de abril de 1920» (PDF). Correio Paulistano: 4 
  35. TAUNAY, Afonso de E. (1920). «Ensaio de bibliographia referente às sciencias naturaes e ao Brazil : 1913-1919». Revista do Museu Paulista. Tomo XI. São Paulo: Typographia do Diario Official. p. 265 
  36. TAUNAY, Afonso de E. (1920). São Paulo no século XVI. Tours: E. Arrault. 292 páginas 
  37. TAUNAY, Afonso de E. (1922). No Brasil Imperial. Tomo 87, V.141. Rio de Janeiro: Revista do IHGB. p. 235-363 
  38. TAUNAY, Afonso de E. (1922). Grandes vultos da independencia brasileira: publicação commemorativa do Primeiro Centenario da Independencia Nacional (1822-1922). São Paulo: Melhoramentos/Weiszflog. 236 páginas 
  39. TAUNAY, Afonso de E. (1922). Collectanea de documentos da antiga carthographia paulista, abrangendo nove cartas, de 1612 a 1837, reproduzidas da collecção do Museu Paulista e acompanhadas de breves commentarios por Affonso D'Escragnolle Taunay / publicação do Museu Paulista expressamente determinada pelo Ex.mo. S.nr. Dr. Alarico Silveira, secretario do Interior do Estado de São Paulo em commemoração do primeiro centenario da independencia nacional. V.1, 9 mapas. São Paulo: Melhoramentos. 7 páginas 
  40. TAUNAY, Afonso de E. (1922). «Pedro Taques e seu tempo. (Estudo de uma personalidade e de uma epoca)». Annaes do Museu Paulista. Tomo I. São Paulo: Diario Official. 297 páginas 
  41. TAUNAY, Afonso de E. (1922). «Sob El Rey Nosso Senhor». Annaes do Museu Paulista. Tomo I. São Paulo: Typographia do Diario Official. p. 293-416 
  42. TAUNAY, Afonso de E. (1923). André João Antonil (João Antonio Andreoni, S. J.) e sua obra: estudo bio-bibliographico. São Paulo: Melhoramentos/Weiszflog. 280 páginas 
  43. TAUNAY, Afonso de E. (1922). «Um grande bandeirante: Bartholomeu Paes de Abreu». Annaes do Museu Paulista. Tomo I. São Paulo: Typographia do Diario Official. p. 420-528 
  44. TAUNAY, Afonso de E. (1923). Piratininga: Aspectos sociaes de S. Paulo seiscentista. São Paulo: Typographia Ideal. 180 páginas 
  45. TAUNAY, Afonso de E. (1924). Na Bahia Colonial, 1610-1791. Tomo 90, V.144. [S.l.]: Revista do IHGB. p. 237-382 
  46. TAUNAY, Afonso de E. (1924). Rio de Janeiro de antanho. Tomo 90, V.144. [S.l.]: Revista do IHGB. p. 393-538 
  47. TAUNAY, Afonso de E. (1924). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. Introducção Geral - Cyclo da caça do indio - Luctas com os hespanhoes e os jesuitas - das primeiras entradas á grande bandeira de 1628 (PDF). Tomo I. São Paulo: Typographia Ideal. 370 páginas 
  48. TAUNAY, Afonso de E. (1924). Vocabulario de omissões: collectanea de milheiro e meio de palavras correntes no Brasil, e em Portugal, não registadas na terceira edição do novo diccionario da lingua portuguesa do Sr. Candido de Figueiredo. Rio de Janeiro: [s.n.] 89 páginas 
  49. TAUNAY, Afonso de E. (1925). A Guerra do Pacifico: Chile versus Perú e Bolivia. São Paulo: Melhoramentos/Weiszflog. 169 páginas 
  50. TAUNAY, Afonso de E. (1925). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. Cyclo da caça do indio - Luctas com jesuitas e hespanhoes - invasão do Guayrá, do Itatim e do Tape - conquista do Sul e do Sudoeste do Brasil pelos paulistas (1628 - 1641) (PDF). Tomo II. São Paulo: Typographia Ideal. 379 páginas 
  51. TAUNAY, Afonso de E.; et al. (1925). Polyanthéa em homenagem ao tri-centenario da creação do municipio de Parnahyba (PDF). São Paulo: Typographia Ideal. 166 páginas 
  52. TAUNAY, Afonso de E. (1925). Escritores coloniais. Tomo II. São Paulo: Anais do Museu Paulista. p. 1-294 
  53. TAUNAY, Afonso de E. (1926). Indios! Ouro! Pedras!. São Paulo: Melhoramentos/Weiszflog. 106 páginas 
  54. LEME, Pedro Taques de Almeida Paes (1772). Taunay, Afonso de E.; Cardoso, Augusto de Siqueira, 1926, ed. Nobiliarchia paulistana historica e genealogica. 2 volumes 2 ed. Rio de Janeiro: IHGB -Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. 8 páginas 
  55. TAUNAY, Afonso de E. (1926). Ensaio de carta geral das bandeiras paulistas. São Paulo: Melhoramentos/Weiszflog. 8 páginas 
  56. TAUNAY, Afonso de E. (1926). Historia seiscentista da Villa de S. Paulo, escripta a vista de avultada documentação inédita dos archivos brasileiros e estrangeiros. 1600-1653. Tomo Primeiro. São Paulo: Typographia Ideal. 275 páginas 
  57. TAUNAY, Afonso de E. (1927). Historia seiscentista da Villa de S. Paulo, escripta a vista de avultada documentação inédita dos archivos brasileiros e estrangeiros. 1653-1660. Tomo Segundo. São Paulo: Typographia Ideal. 287 páginas 
  58. TAUNAY, Afonso de E. (1927). Historia antiga da abbadia de São Paulo: escripta á vista de avultada documentação inedita (1598-1772). São Paulo: Typographia Ideal. 267 páginas 
  59. TAUNAY, Afonso de E. (1927). «Antigos aspectos paulistas». Annaes do Museu Paulista. Separata do tomo III 1ª ed. São Paulo: Diario Official. 112 páginas 
  60. TAUNAY, Afonso de E. (1927). A Terminologia Zoológica e Científica em Geral e a Deficiência dos Grandes Dicionários Portugueses. XV (separata). São Paulo: Revista do Museu Paulista. p. 275-383 
  61. TAUNAY, Afonso de E. (1925). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. (1641 - 1651) Cyclo da caça do indio - Luctas com os hespanhoes e os jesuitas - o grande periplo raposiano (PDF). Tomo III. São Paulo: Typographia Ideal. 366 páginas 
  62. TAUNAY, Afonso de E. (1925). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. Cyclo de caça ao indio - Luctas com os hespanhoes e os Jesuitas - Invasao do Paraguay - Occupação do Sul de Matto Grosso - Expedições á Bahia - Desbravamento do Piauhy (1651 - 1683) (PDF). Tomo IV. São Paulo: Typographia Ideal. 401 páginas 
  63. TAUNAY, Afonso de E. (1928). Insufficiencia e deficiencia dos grandes diccionarios portuguezes. Tours: E. Arrault. 178 páginas 
  64. TAUNAY, Afonso de E. (1928). Na Bahia de Dom João VI. [S.l.]: Imprensa Official. 184 páginas 
  65. TAUNAY, Afonso de E. (1927). Historia seiscentista da Villa de S. Paulo, escripta a vista de avultada documentação inédita dos archivos brasileiros e estrangeiros. Tomo Terceiro. São Paulo: Typographia Ideal. 275 páginas 
  66. TAUNAY, Afonso de E. (1927). Historia seiscentista da Villa de S. Paulo, escripta a vista de avultada documentação inédita dos archivos brasileiros e estrangeiros. Tomo Quarto. São Paulo: Typographia Ideal. 275 páginas 
  67. TAUNAY, Afonso de E. (1929). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. Jornadas nos sertões bahianos - Os inventarios da selva - Primordios da mineração - O cyclo do ouro de lavagem - As esmeraldas e a prata (PDF). Tomo V. São Paulo: Typographia Ideal. 366 páginas 
  68. TAUNAY, Afonso de E. (1930). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. Occupação do Sul de Matto Grosso - A grande jornada Esmeraldina de Fernão Dias Paes - Pesquiza Infructifera da prata - A connquista do Nordeste e a "Guerra dos Barbaros" (PDF). Tomo VI. São Paulo: Typographia Ideal. 372 páginas 
  69. TAUNAY, Alfredo de E. (Visconde de) (1931). TAUNAY, Afonso de E., ed. Entre os nossos indios : Chanés, Terenas, Kinikinaus, Guanás, Laianas, Guatós, Guaycurús, Caingangs (PDF). São Paulo: Melhoramentos/Weiszflog. 134 páginas 
  70. TAUNAY, Afonso de E. (1931). O marco quinhentista de Cananéa. XXVIII. São Paulo: Revista do IHGSP. p. 65-71 
  71. TAUNAY, Afonso de E. (1932). João Ramalho e Santo André da Borda do Campo. XXIX. São Paulo: Revista do IHGSP. p. 40-91 
  72. SEVERO, Ricardo; Taunay, AFONSO de E.; Almeida, Guilherme de; TELLES, Goffredo T. da Silva; RODRIGUES, José Wasth (1935). «Algumas de nossas abusões quinhentistas». A Éra de Martim Affonso: conferencias : a proposito do IV Centenario da fundação de São Vicente, MDXXXII-MCMXXXII. São Paulo: Sao Paulo Editora. 158 páginas 
  73. TAUNAY, Alfredo de E. (Visconde de) (1933). TAUNAY, Afonso de E., ed. Pedro II (PDF). Col: Brasiliana. XVIII. São Paulo: Companhia Nacional. 251 páginas 
  74. TAUNAY, Afonso de E. (1933). Visitantes do Brasil colonial (Séculos XVI - XVII) (PDF). Col: Brasiliana. XIX. São Paulo: Companhia Nacional. 241 páginas 
  75. TAUNAY, Afonso de E. (1934). Obras diversas de Bartolomeu Lourenço de Gusmão. Tomo IX. São Paulo: Annaes do Museu Paulista 
  76. TAUNAY, Afonso de E. (1934). Zoologia fantástica do Brasil (séculos XVI e XVII) (PDF). São Paulo: Melhoramentos/Weiszflog. 125 páginas 
  77. TAUNAY, Afonso de E. (1925). A propagação da cultura cafeeira (PDF). Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café - DNC. 85 páginas 
  78. TAUNAY, Afonso de E. (1935). Subsídios para a história do café no Brasil colonial (PDF). Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 423 páginas 
  79. TAUNAY, Afonso de E. (1925). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. Conquista dos sertões do nordeste pelas bandeiras de São Paulo - Primordios do episodio de Palmares (PDF). Tomo VII. São Paulo: Typographia Ideal. 377 páginas 
  80. TAUNAY, Afonso de E. (1936). De Brasilio rebus pluribus. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. 150 páginas 
  81. TAUNAY, Afonso de E. (1937). Guia da secção histórica do Museu Paulista. São Paulo: Imprensa Official do Estado. 120 páginas 
  82. TAUNAY, Afonso de E. (1937). Nobiliarchia Brasiliense. XXXIII. São Paulo: Revista do IHGSP. p. 143-242 
  83. TAUNAY, Afonso de E. (1937). «Monstros e Monstrengos do Brasil». São Paulo: Imprensa Official. Revista do Museu Paulista. Tomo XXI. 134 páginas 
  84. TAUNAY, Afonso de E. (1938). Annaes do Museu Paulista, ed. Bartholomeu de Gusmão e a sua prioridade aerostatica: Separarata do tomo IX dos Annaes do Museu Paulista. Tomo VIII. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. 524 páginas 
  85. TAUNAY, Afonso de E. (1938). Bartholomeu de Gusmão e a sua prioridade aerostatica: Separarata do tomo IX dos Annaes do Museu Paulista. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. 657 páginas 
  86. TAUNAY, Afonso de E. (1938). Subsídios para a história do tráfico africano no Brasil colonial. Anais do 3º Congresso de Historia Nacional. 3. Rio de Janeiro: IBGH. p. 519-676 
  87. TAUNAY, Afonso de E. (1939). Historia do Café no Brasil: No Brasil colonial (1727-1822). Vol. I. Tomo I. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 395 páginas 
  88. TAUNAY, Afonso de E. (1939). Historia do Café no Brasil: No Brasil colonial (1727-1822). Vol. II. Tomo II. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 402 páginas 
  89. TAUNAY, Afonso de E. (1939). Historia do Café no Brasil: No Brasil imperial (1822-1872). Vol. III. Tomo I. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 452 páginas 
  90. TAUNAY, Afonso de E. (1939). Historia do Café no Brasil: No Brasil imperial (1822-1872). Vol. IV. Tomo II. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 465 páginas 
  91. TAUNAY, Afonso de E. (1939). Historia do Café no Brasil: No Brasil colonial (1727-1822). Vol. V. Tomo III. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 432 páginas 
  92. TAUNAY, Afonso de E. (1939). Historia do Café no Brasil: No Brasil imperial (1872-1889). Vol. VI. Tomo IV. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 405 páginas 
  93. TAUNAY, Afonso de E. (1939). Historia do Café no Brasil: No Brasil imperial (1872-1889). Vol. VII. Tomo V. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 480 páginas 
  94. TAUNAY, Afonso de E. (1939). Historia do Café no Brasil: No Brasil imperial (1872-1889). Vol. VIII. Tomo VI. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 441 páginas 
  95. TAUNAY, Afonso de E. (1939). Historia do Café no Brasil: No Brasil República (1889-1906). Vol. IX. Tomo I. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 549 páginas 
  96. TAUNAY, Afonso de E. (1940). «A reintegração de São Paulo no Império Colonial Português, em 1641, e o episódio de Amador Bueno de Ribeiro». Congresso do Mundo Português : publicações. Congresso do Mundo Português. 9. Lisboa: Comissão Executiva dos Centenários. 267 páginas 
  97. TAUNAY, Afonso de E. (1941). Historia do Café no Brasil: No Brasil República (1889-1906). Vol. X. Tomo II. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 511 páginas 
  98. TAUNAY, Afonso de E. (1941). Historia do Café no Brasil: No Brasil República (1906-1927). Vol. XI. Tomo I. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 510 páginas 
  99. TAUNAY, Afonso de E. (1941). Historia do Café no Brasil: No Brasil República (1906-1927). Vol. XII. Tomo II. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café. 435 páginas 
  100. TAUNAY, Afonso de E. (1941). Annaes do Museu Paulista, ed. O Senado do Império. Edição Ilustrada. São Paulo: Livraria Martins. 261 páginas 
  101. TAUNAY, Afonso de E. (1946). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. Tomo VIII. São Paulo: Typographia Ideal. 548 páginas 
  102. TAUNAY, Afonso de E. (1948). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. Tomo IX. São Paulo: Typographia Ideal. 676 páginas 
  103. TAUNAY, Afonso de E. (1949). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. As Minas Gerais de 1721 - Bandeirantes no Rio de Janeiro e Espírito Santo - Os Primeiros anos de Cuiabá e Mato Grosso. Tomo X. São Paulo: Typographia Ideal. 396 páginas 
  104. TAUNAY, Afonso de E. (1950). Historia Geral das Bandeiras Paulistas: Escripta á vista de avultada documentação inedita dos archivos brasileiros, hespanhoes e portuguezes. Tomo X. São Paulo: Typographia Ideal. 392 páginas 
  105. TAUNAY, Afonso de E. (1950). Monções cuyabanas no seculo XVIII: Separata do tômo undécimo e ultimo da Historia Geral das Bandeiras Paulistas. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. 239 páginas 
  106. TAUNAY, Afonso de E. (1952). Velho São Paulo: Primeiras plantas. Colégio. Sé. Paço. I. São Paulo: Melhoramentos. 77 páginas 
  107. TAUNAY, Afonso de E. (1952). Velho São Paulo: Depoimento sobre a Cidade através dos séculos. Ruas principais. A Abadia de São Bento. II. São Paulo: Melhoramentos. 73 páginas 
  108. TAUNAY, Afonso de E. (1952). Velho São Paulo: Evolução da cidade sob o Império. Ruas secundárias. O Mosteiro de Nossa Senhora da Luz. III. São Paulo: Melhoramentos. 85 páginas 
  109. LEME, Pedro Taques de Almeida Paes (1772). Taunay, Afonso de E., 1953, ed. Nobiliarchia paulistana historica e genealogica. Col: Biblioteca Histórica Paulista, 4. Tomo I 2ª ed. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1976. 283 páginas 
  110. LEME, Pedro Taques de Almeida Paes (1772). Taunay, Afonso de E., 1953, ed. Nobiliarchia paulistana historica e genealogica. Col: Biblioteca Histórica Paulista, 4. Tomo II 2ª ed. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1976. 293 páginas 
  111. LEME, Pedro Taques de Almeida Paes (1772). Taunay, Afonso de E., 1953, ed. Nobiliarchia paulistana historica e genealogica. Col: Biblioteca Histórica Paulista, 4. Tomo III 2ª ed. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1976. 284 páginas 
  112. LEME, Pedro Taques de Almeida Paes (1772). TAUNAY, Afonso de E., 1953, ed. Noticias das Minas de São Paulo e dos sertões da mesma Capitania. Col: Biblioteca Histórica Paulista, 10 2ª ed. São Paulo: Livraria Martins Editôra, 1976. 233 páginas 
  113. TAUNAY, Afonso de E. (1953). Relatos Sertanistas. Col: Biblioteca Histórica Paulista, 7 2ª ed. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1976. 235 páginas 
  114. TAUNAY, Afonso de E. (1953). Relatos Monçoeiros. Col: Biblioteca Histórica Paulista, 9 2ª ed. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1976. 273 páginas 
  115. TAUNAY, Afonso de E. (1953). TAUNAY, Afonso de E., ed. História da Cidade de São Paulo (PDF). Col: Biblioteca Histórica Paulista. [S.l.]: Livraria Martins Editora. 272 páginas 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]