Africell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Africell
AfricellLogo.png
Logo da empresa Africell.
Slogan A mudança criativa  Angola
Atividade Telefonia móvel
Telefonia fixa
Internet móvel
Género Telecomunicações
Fundação 2001 (21 anos)
Destino Internacional
Sede Reino Unido Londres
Área(s) servida(s)
  1.  Angola
  2. Gâmbia
  3. Serra Leoa
  4. Congo-Kinshasa
Proprietário(s) Ziad Dalloul
Produtos GSM
3G
GPRS
EDGE
UMTS
LTE
Website oficial Africell.com(site em inglês)

Africell Group é uma empresa de telecomunicações que fornece voz, mensagens, dados, dinheiro móvel e outros serviços integrados de telecomunicações para mais de 15 milhões de assinantes em toda a África. A Empresa é Americana e está sediada no Reino Unido.

Geral[editar | editar código-fonte]

Africell foi fundada em 2001. Tem propriedade nos Estados Unidos[1] e está sediada em Londres , Reino Unido . A empresa conta com aproximadamente 10.000 funcionários diretos e terceirizados e atualmente opera em quatro países – Gâmbia , Serra Leoa , República Democrática do Congo e Angola.

Africell é líder de mercado na Gâmbia e Serra Leoa, com aproximadamente 60% de participação de mercado nos setores de telecomunicações em cada um. Na República Democrática do Congo, a Africell tem entre 20-25% de participação de mercado nas províncias em que atua. Houve um crescimento significativo de assinantes em todos os mercados desde 2010.[2] Em abril de 2022, a Africell tinha mais de 15 milhões de assinantes.[3]

Africell está entre as empresas de telecomunicações móveis de mais rápido crescimento na África. O grupo está passando por uma rápida expansão devido às fortes tendências demográficas na África (em termos de idade, educação, urbanização e outros fatores), aprofundamento da penetração de telecomunicações na maioria dos países africanos e a crescente disponibilidade de smartphones acessíveis.[4] Além de investir em operações de rede móvel e infraestrutura de telecomunicações, a estratégia da Africell passa pelo desenvolvimento de produtos e serviços de fintech, como micropagamentos, microsseguros e microfinanças que, além de ajudarem os clientes individuais, têm um efeito multiplicador crescimento económico mais amplo em África.[5][6]

Em janeiro de 2021, foi anunciado que a Africell havia vencido um concurso internacional competitivo para uma licença de telecomunicações em Angola.[7] A Africell lançou serviços em Angola em abril de 2022, o primeiro operador novo ou independente em duas décadas a fazê-lo.[8]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Africell foi fundada em 2001 pelo empresário norte-americano Ziad Dalloul . Africell lançou suas primeiras operações comerciais na Gâmbia em 2001, antes de entrar em Serra Leoa em 2005 e construir uma sólida posição de liderança de mercado em ambos os países da África Ocidental. Desde então, o Africell Group expandiu-se para sul e leste, na República Democrática do Congo (2012) e Uganda (2014). A estratégia da Africell é apenas entrar em mercados em que possa “fazer uma diferença positiva” em termos de redução de preços, cobertura de mais território e melhoria da velocidade e confiabilidade da Internet.[9]

Em 2018, foi anunciado que o grupo Africell havia garantido um empréstimo de US$ 100 milhões da International Development Finance Corporation (DFC) do governo dos EUA.[10] O investimento substancial da DFC na Africell seguiu um rigoroso processo e reflete uma meta política do governo dos EUA de aumentar significativamente seus investimentos comerciais na África.[11]

Em janeiro de 2021, após vencer um concurso público internacional transparente e competitivo, a Africell declarou seus planos de estabelecer uma rede móvel e iniciar operações comerciais em Angola até o final de 2021.[12]

A Africell encerrou os serviços em Uganda em outubro de 2021, estando presente no país desde 2014.

Operações[editar | editar código-fonte]

Africell é o provedor de rede móvel predominante na Gâmbia e Serra Leoa e está também operando na República Democrática do Congo e Angola. A atividade da Africell é dirigida a partir da sede do grupo em Londres.

Pais Data de Lançamento Quota do Mercado.
 Angola 2022 ~
 Gâmbia 2001 60%
 Serra Leoa 2005 60%
 República Democrática do Congo 2012 20-25%

Gâmbia[editar | editar código-fonte]

Africell iniciou operações na Gâmbia em 2001. Africell é líder de mercado no país desde 2006 em termos de número de assinantes e possui 93% de cobertura territorial.[13] Africell oferece serviços 2G, 3G e 4G na Gâmbia e o país é o mercado operacional da Africell com a maior penetração percentual de serviços de dados. A Africell é muito respeitada na Gâmbia, tanto como provedor de rede móvel quanto como empregador significativo do setor privado, e a empresa conhecida por ter a cobertura mais ampla e a estrutura de rede da mais alta qualidade, com serviços disponíveis para quase 100% da população gambiana.

serra Leoa[editar | editar código-fonte]

Africell iniciou operações comerciais em Serra Leoa em 2005. A empresa ampliou ainda mais sua presença em 2009 através da aquisição da Tigo Serra Leoa. Hoje, a rede da Africell cobre mais de 92% da população. Africell é líder de mercado em Serra Leoa desde 2009, com aproximadamente 4,2 milhões de assinantes ativos e um extenso portfólio de serviços 3G e 4G. O crescimento da Africell na Serra Leoa é impulsionado pelo aumento das receitas de dados, promoções comerciais robustas com produtos de dados que representam uma parcela cada vez maior das recargas de clientes ao longo do tempo.

Durante a epidemia de Ebola que atingiu Serra Leoa e outros estados da África Ocidental entre 2014–16[14], Africell desempenhou um papel proeminente como parceiro do setor privado local para o governo e agências internacionais que lutavam contra o vírus no terreno[15], implantando seu hardware, serviços de telecomunicações, plataformas de mídia e rede de distribuição para apoiar a campanha anti-Ebola. Africell ganhou uma reputação no país como a principal empresa em termos de cumprimento de suas responsabilidades sociais corporativas. No entanto, isso criou uma atenção muito necessária na área em que operam.[16]

Congo Democrático[editar | editar código-fonte]

Uma loja da Africell em Kinshasa, República Democrática do Congo

Africell lançou serviços na República Democrática do Congo em 2012, desde então a empresa adquiriu mais de 4 milhões de assinantes ativos. Africell atualmente oferece cobertura 2G, 3G e 4G nas províncias metropolitanas e densamente populadas de Kinshasa , Kongo Central e Haut-Katanga , e planeja expandir para novas províncias em 2021 e além.

Uganda[editar | editar código-fonte]

Africell entrou em Uganda ao adquirir a Orange Uganda em novembro de 2014. Após a transação, a Africell dobrou seu número de assinantes ativos e, eventualmente, atendeu c. 1,1 milhão de assinantes ativos de serviços 3G e 4G. Em 2019, a Africell anunciou um programa estratégico em Uganda chamado "New Chapter", cujo objetivo era aprofundar o envolvimento da comunidade em Uganda e colocar o atendimento ao cliente no centro da identidade da marca da empresa.

A Africell encerrou os serviços em Uganda em outubro de 2021, depois de anunciar uma reorientação estratégica do Grupo para oportunidades de mercado mais impactantes e de maior crescimento na África Ocidental e Central.

Angola[editar | editar código-fonte]

Sede da Africell em Luanda, capital de Angola e maior cento urbano.

Em janeiro de 2021, na sequência de um concurso público internacional competitivo para uma Licença de Serviço de Comunicações Unificadas em Angola, a Africell foi nomeada pelo governo angolano como vencedora. Aquando da entrega do prémio, a Africell manifestou a intenção de iniciar a actividade comercial no país em 2022, o que fez em Abril de 2022. A entrada do Grupo Africell (um experiente operador internacional privado) no sector das telecomunicações em Angola deverá ter um impacto positivo no mercado como resultado de mais concorrência, melhores preços e melhor qualidade de rede. Em julho de 2021 a Africell anunciou uma importante parceria com a Nokia, ao abrigo da qual a empresa finlandesa é o seu principal fornecedor de equipamentos de rede em Angola[17]. A Africell está projetada para criar vários milhares de empregos locais dentro de cinco anos e ajudar a liberalizar uma economia que (alguns argumentam) tem sido historicamente inóspita ao investimento no exterior.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Karombo, Tawanda. «Here is what Africa's telecom sector is doing with its booming global funding». Quartz (em inglês). Consultado em 19 de maio de 2022 
  2. «Africell Group | Company Profiles». Africa Outlook Magazine (em inglês). Consultado em 6 de março de 2021 
  3. «Gemcorp to Invest $10 Billion in Private Credit Push Into Africa». Bloomberg.com (em inglês). 22 de abril de 2022. Consultado em 22 de abril de 2022 
  4. «African telecoms – special report». African Business (em inglês). Consultado em 6 de março de 2021 
  5. Biryabarema, Elias (26 de julho de 2019). «Africell to spend $100 mln on mobile infrastructure, fintech in Africa». Reuters (em inglês). Consultado em 6 de março de 2021 
  6. «Africell plots mobile money boost, Angola expansion». Mobile World Live (em inglês). 29 de julho de 2019. Consultado em 6 de março de 2021 
  7. «Africell formalizou esta manhã posição de quarto operador em Angola». Expansão. Consultado em 6 de março de 2021 
  8. Booth, Nick (18 de maio de 2022). «Africell leapfrogs Movicel into second place in Angola». Mobile Europe (em inglês). Consultado em 19 de maio de 2022 
  9. Biryabarema, Elias (26 de julho de 2019). «Africell to spend $100 mln on mobile infrastructure, fintech in Africa». Reuters (em inglês). Consultado em 6 de março de 2021 
  10. Reuters Staff (9 de novembro de 2018). «U.S. OPIC signs $100 million loan deal with Africell». Reuters (em inglês). Consultado em 6 de março de 2021 
  11. «U.S. Agency to Double Africa Spending to Counter China's Reach». Bloomberg.com (em inglês). 4 de abril de 2019. Consultado em 6 de março de 2021 
  12. «Africell Angola network to be live by end of the year». Totaltelecom (em inglês). Consultado em 6 de março de 2021 
  13. «'Africell has the largest market share in Gambia telecoms' - The Point». thepoint.gm (em inglês). Consultado em 6 de março de 2021 
  14. «Ebola outbreak: Sierra Leone declared free of disease». BBC News (em inglês). 7 de novembro de 2015. Consultado em 6 de março de 2021 
  15. «Lifeline | Brunswick». www.brunswickgroup.com. Consultado em 6 de março de 2021 
  16. james Yamana conteh
  17. «Africell taps Nokia for Angola entry». Mobile World Live (em inglês). 12 de julho de 2021. Consultado em 20 de setembro de 2021