Agaricus bernardii

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAgaricus bernardii
2011-12-02 Agaricus bernardii Quél 187343.jpg

Classificação científica
Reino: Fungi
Divisão: Basidiomycota
Classe: Agaricomycetes
Ordem: Agaricales
Família: Agaricaceae
Género: Agaricus
Espécie: A. bernardii
Nome binomial
Agaricus bernardii
(Quél.) Sacc. (1887)

Agaricus bernardii é um fungo que pertence ao gênero de cogumelos Agaricus na ordem Agaricales.[1]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A espécie foi descrita cientificamente pela primeira vez pelo micologista francês Lucien Quélet como Psalliota bernardi em 1879, com base em coletas feitas em La Rochelle, um porto no Golfo da Biscaia, França.[2] Pier Andrea Saccardo transferiu o cogumelo para o gênero Agaricus em 1887. Outros sinônimos incluem Psalliota bernardii, Pratella bernardii, Fungus bernardii, r Agaricus campestris subsp. bernardii.[3]

A classificação infra-genérica de A. bernardii ainda não está muito bem determinada. Na classificação proposta em 1978 por Paul Heinemann, a espécie foi alocada na subseção Bitorques da seção Agaricus.[4] Embora o cogumelo tenha algumas semelhanças com espécies da seção Duploannulatae como na estrutura do véu parcial e sua tendência a adquirir uma coloração avermelhada, a análise molecular mostra que ela não pertence a esta seção.[5][6] Um estudo anterior, realizado em 1999, sugere que esteja estreitamente relacionado com o "clado Agaricus", que contém A. subperonatus, A. devoniensis, A. bisporus, A. spissicaulis, A. bitorquis, e A. impudicus.[7] Em 1986, Henri Romagnesi colocou o fungo na seção Chitonioides;[8] Solomon Wasser rebaixou-a à subseção dos Duploannulatae em 1995,[9] e depois demonstrou que tal decisão era consistente com as evidências moleculares disponíveis. Além deA. bernardii, as espécies que se enquadram no conceito da subseção Chitonioides de Wasser incluem A. rollanii, A. bernardiiformis, A. gennadii, A. pequinii, e A. nevoi.[10]

A espécie foi nomeada em homenagem ao seu primeiro coletor, G. Bernard.[2] Em língua inglesa, o cogumelo é conhecido popularmente como "salt-loving mushroom".[11]

Descrição[editar | editar código-fonte]

The gills are free from attachment to the stem, and crowded closely together.

Os corpos de frutificação de Agaricus bernardii tem píleos com formato convexo a achatado, e que atingem 5 a 15 cm de diâmetro. Sua superfície é seca e lisa, com uma cor branca ou de couro que pode desenvolver manchas acastanhadas na maturidade. Com o passar do tempo, aparecem verrugas e cascas na superfície. O carne é grossa, firme e fica laranja-avermelhada ou marrom-avermelhada quando cortada, embora esta reação pode acontecer de forma lenta[12] Seu odor varia de leve a pungente.[13] As lamelas estão livres de apego à estipe, e estão dispostas umas próximas as outras. Inicialmente rosa-cinzento a rosado, elas vão ficando marrom-avermelhada e depois castanho-chocolate a medida que os esporos amadurecem. A estipe é sólida (isto é, não é oca), firme e mede 4 a 10 cm de comprimento por 2 a 4 cm de espessura. Um véu parcial branco e borrachoso recobre as lamelas no cogumelo imaturo, e eventualmente persiste na forma de anel no meio do tronco.[12]

Habitat e distribuição[editar | editar código-fonte]

Agaricus bernardii é uma espécie sapróbica.[14] Seus cogumelos crescem solitários, dispersos ou em grupos sobre o solo. Eles se desenvolvem em solos arenosos, em gramados, e habita áreas com alta concentração de sal, como ao longo das costas oceânicas e salinas.[13] Antes uma espécie essencialmente marítima, o fungo se espalhou continente adentro graças a aplicação de sal para degelar as beiras das estradas.[15][11] Os corpos de frutificação às vezes se formam sob o solo.[13] Os cogumelos também podem crescer em anel de fadaanéis de fada, especialmente em terrenos descampados ou pastos.[12] Um estudo tcheco determinou que os cogumlos são capazes de bioacumular prata de um solo contamido. Embora a concentração média de prata no solo é tipicamente menor que 1 miligrama por quilograma de terra, ela pode estar significativamente elevada próximo de áreas industriais como minas e fundições. A concentração deste mineral nos píleos tem níveis que podem alcançar 544 mg por kg do tecido do cogumelo (peso seco), valor duas vezes maior que na estipe.[16]

A espécie é encontrada na Ásia, Europa, América do Norte[11] (incluindo México)[17] e Nova Zelândia.[12]

Referências

  1. «Agaricus bernardii» (em inglês). mycobank.org. Consultado em 22 de janeiro de 2016 
  2. a b Quélet L. (1878). «Quelques especes nouvelles de Champignons». Bulletin de la Société botanique de France (em francês). 25 (4): 287–92 
  3. «Agaricus bernardii (Quél.) Sacc. 1887». MycoBank. International Mycological Association. Consultado em 13 de agosto de 2012 
  4. Heinemann P. (1978). «Essai d'une clé de détermination des genres Agaricus et Micropsalliota». Sydowia. 30: 6–37 
  5. Chellan MP, Kerrigan RW, Callac P. (2003). «A phylogenetic reconstruction and emendation of Agaricus section Duploannulatae». Mycologia. 95 (1): 61–73. JSTOR 3761962. doi:10.2307/3761962 
  6. Kerrigan RW, Callac P, Parra LA. (2008). «New and rare taxa in Agaricus section Bivelares (Duploannulati. Mycologia. 100 (6): 876–92. doi:10.3852/08-019 
  7. Mitchell AS, Bresinsky A. (1999). «Phylogenetic relationships of Agaricus species based on ITS-2 and 28S ribosomal DNA sequences». Mycologia. 91 (5): 811–9. doi:10.2307/3761534 
  8. Romagnesi H. (1986). «Sur le genre Chitonia (Fr.) Karst.». Bulletin de la Société Mycologique de France (em francês). 102: 115–20 
  9. Wasser SP. (1995). «New and noteworthy species of the genus Agaricus L.: Fr. emend. Karst. from Israel». Documents Mycologiques. 25: 469–78 
  10. Didukh M, Vilgalys R, Wasser SP, Isihuemhen OS, Nevo E. (2005). «Notes on Agaricus section Duploannulati using molecular and morphological data». Mycological Research. 109 (6): 729–40. PMID 16080396. doi:10.1017/S0953756205002443 
  11. a b c Roberts P, Evans S. (2011). The Book of Fungi. Chicago, Illinois: University of Chicago Press. p. 33. ISBN 978-0226721170 
  12. a b c d Mitchell AD, Walter M. (1999). «Species of Agaricus occurring in New Zealand». New Zealand Journal of Botany. 37 (4): 715–25. doi:10.1080/0028825X.1999.9512665 
  13. a b c Arora D. (1986). Mushrooms Demystified: A Comprehensive Guide to the Fleshy Fungi. Berkeley, California: Ten Speed Press. p. 322. ISBN 0-89815-169-4 
  14. Kuo M. (2007). «Agaricus bernardii». Consultado em 6 de outubro de 2012 
  15. Scott NE. (1985). «The updated distribution of maritime species on British roadsides». Watsonia. 15 (4): 381–6. ISSN 0043-1532 
  16. Borovička J, Kotrba P, Gryndler M, Mihaljevič M, Řanda Z, Rohovec J, Cajthaml T, Stijve T, Dunn CE. (2010). «Bioaccumulation of silver in ectomycorrhizal and saprobic macrofungi from pristine and polluted areas». The Science of the Total Environment. 408 (13): 2733–44. PMID 20303145. doi:10.1016/j.scitotenv.2010.02.031 
  17. Pérez-Silva E, Aguirre-Acosta E. (1986). «Macromicetos de zonas urbanas de México. I. Área Metropolitana». Revista Mexicana de Micología (em espanhol). 2: 187–96. ISSN 0187-3180 

Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Davis 2012" definido em <references> não é utilizado no texto da página.

Erro de citação: Elemento <ref> com nome "urlMycoBank: Agaricus bernardiiformis" definido em <references> não é utilizado no texto da página.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre fungos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.