Agatarco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Agatarcos)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o historiador grego, veja Agatárquides.
Agatarco
Nascimento
Ilha de Samos
Ocupação Pintor

Agatarco (em grego clássico: Ἀγάθαρχος; transl.: Agatharchos; em latim: Agatharchus) foi um pintor grego autodidata da ilha de Samos[1], que viveu no século V a.C..[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vitrúvio diz que Agatarco inventou a pintura de cena, e que pintou uma cena (scenam fecit) para uma tragédia que Ésquilo exibiu.[3] Por isso, alguns autores como Karl Woermann, acham provável ele ter introduzido a perspectiva e a ilusão na pintura.

Porém, como isso parece contradizer a afirmação de Aristóteles, de que a pintura de cena foi introduzida por Sófocles,[4] alguns estudiosos entendem que Vitrúvio quis dizer apenas, que Agatarco construiu um palco.[5] Mas, o contexto mostra claramente que Vitrúvio se refere à perspectiva na pintura, e continua a dizer que Demócrito e Anaxágoras, baseando-se nos princípios estabelecidos em um tratado escrito por Agatarco,[6] escreveram sobre o mesmo assunto, mostrando como, no desenho, as linhas devem ser feitas para corresponder, de acordo com uma proporção natural, à figura que seria traçada sobre um plano imaginário por um lápis de raios provenientes do olho, como um ponto fixo da visão, a vários pontos do objeto visto.

Provavelmente, foi apenas no final da carreira de Ésquilo que a pintura de cena foi introduzida, e não somente no tempo de Sófocles, que ela foi geralmente utilizada; o que pode explicar o que diz Aristóteles.[7]

Agatarco foi, portanto, o primeiro pintor conhecido a ter usado a perspectiva gráfica em grande escala, apesar de raras ocorrências de perspectiva aparecem na pintura de vasos em meados do século VI a.C..[6] Fala-se também que ele abriu caminho para os pintores posteriores, como Apolodoro.[8]

Agatarco foi contemporâneo de Alcibíades e Zeuxis, e foi muitas vezes destacado pela facilidade e rapidez com que concluía seus trabalhos.[9] Plutarco e Andócides contam um caso onde Alcibíades enganou Agatarco e levou-o até sua casa e manteve-o lá por mais de três meses em rigoroso cárcere privado, obrigando-o a pintá-lo.[10] O discurso de Andócides acima referido, parece ter sido feito após a destruição de Milos (416 a.C.) e antes da expedição à Sicília (415 a.C.); de modo que a partir dos dados acima a idade de Agatarco pode ser fixada com precisão.[7]

Referências

  1. Até o século XIX, alguns estudiosos consideravam-no de Atenas.
  2. John William Donaldson (1836). The Theatre of the Greeks. [S.l.]: Pitt Press. p. 280 
  3. Vitrúvio, Praef. ad lib. vii
  4. Aristóteles, Poética 4. § i 6
  5. Compare Horácio, Epistula ad Pisones 279: et modicis instravit pulpita tignis
  6. a b Karim W. Arafat (1996). «Agatharchus». Oxford Classical Dictionary. 1. Oxford: Simon Hornblower. 36 páginas 
  7. a b Charles Peter Mason (1867). «Agatharchus (2)». Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology 🔗. 1. Boston: William Smith. pp. 61–62 
  8. John Pentland Mahaffy (1902). Social Life in Greece from Homer to Menander. Londres: Macmillan Publishers. 476 páginas 
  9. Plutarco, Pericles 13
  10. Plutarco, Alcibiades 16