Agente Laranja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Agente laranja)
Agente Laranja
Agent Orange.svg

Estrutura do Agente Laranja:
2,4-D (acima) + 2,4,5-T (embaixo).
Características
Classificação desfoliante, mistura
Composto de 2,4,5-T, Ácido diclorofenoxiacético
Localização
Localidade ()
[ Editar Wikidata ] [ Mídias no Commons ]
[ Editar infocaixa ]

Agente Laranja é um herbicida e desfolhante químico, um dos Herbicidas Rainbow de "uso tático". Para além dos seus efeitos ambientais devastadores, vestígios de dioxinas (principalmente TCDD, o mais tóxico do seu tipo)[1] encontrados na mistura causaram grandes problemas de saúde a muitos indivíduos que foram expostos.

História[editar | editar código-fonte]

O Agente Laranja foi utilizado pela primeira vez pelas Forças Armadas Britânicas na Malásia durante a Emergência Malaia. Foi também utilizado pelos militares americanos no Laos e no Camboja durante a Guerra do Vietname, cujas florestas perto da fronteira com o Vietname eram utilizadas pelos vietcongues.

É mais amplamente conhecido pela sua utilização pelos militares dos EUA como parte do seu programa de guerra herbicida, Operação Ranch Hand,[2] durante a Guerra do Vietname de 1961 a 1971 [3] (ver: Crimes de guerra dos Estados Unidos).

Uso do Agente Laranja na Guerra do Vietnã:
US-Huey-helicopter-spraying-Agent-Orange-in-Vietnam.jpg Agent Orange Cropdusting.jpg Aerial-herbicide-spray-missions-in-Southern-Vietnam--1965-1971.jpg
Um helicóptero UH-1D espalhando
agente laranja em uma floresta no Vietnã.
Aviões espalhando agente
laranja (Vietnã)
Mapa mostrando os locais
das missões aéreas de
pulverização de herbicidas do
Exército dos EUA no
Vietnã do Sul que ocorreram
de 1965 a 1971.

Composição química[editar | editar código-fonte]

É uma mistura de partes iguais de dois herbicidas, 2,4,5-T e 2,4-D. O ingrediente ativo do Agente Laranja é uma mistura igual de dois herbicidas phenoxyácido 2,4-diclorofenoxiacético (2,4-D) e ácido 2,4,5-triclorofenoxiacético (2,4,5-T) — na forma de éster isooctilo, que continha vestígios da dioxina 2,3,7,8-tetraclorodibenzo-p-dioxina (TCDD).[4] O TCDD era um pequeno (tipicamente 2-3 ppm, variando de 50 ppb a 50 ppm)[5] — mas significativo — contaminante do Agente Laranja.

Toxicologia[editar | editar código-fonte]

O TCDD é o mais tóxico das dioxinas e é classificado como um carcinógeno humano pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA).[6] A natureza lipossolúvel do TCDD faz com que este entre facilmente no corpo através de contacto físico ou ingestão.[7] As dioxinas acumulam-se facilmente na cadeia alimentar. A dioxina entra no corpo ligando-se a uma proteína chamada recetor de hidrocarboneto arilo (AhR), um fator de transcrição. Quando o TCDD se liga ao AhR, a proteína desloca-se para o núcleo, onde influencia a expressão genética.[8][9]

De acordo com relatórios do governo dos EUA, se não estiver ligado quimicamente a uma superfície biológica como o solo, folhas ou erva, o Agente Laranja seca rapidamente após a pulverização e decompõe-se em horas a dias quando exposto à luz solar e já não é nocivo.[10]

Consequências do uso[editar | editar código-fonte]

Até quatro milhões de pessoas no Vietname foram expostas ao desfolhante. O governo do Vietname diz que até três milhões de pessoas sofreram doenças devido ao Agente Laranja,[11] e a Cruz Vermelha do Vietname estima que até um milhão de pessoas são portadores de deficiências físicas ou têm problemas de saúde em resultado da contaminação pelo Agente Laranja.[12] O governo dos Estados Unidos caracterizou estes números como não fiáveis,[13] ao mesmo tempo que documenta casos mais elevados de leucemia, linfoma de Hodgkin, e vários tipos de cancro em veteranos militares norte-americanos expostos. Um estudo epidemiológico realizado pelos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças mostrou que houve um aumento na taxa de defeitos de nascença nos filhos dos militares devido ao Agente Laranja.[14] A Agente Laranja também causou enormes danos ambientais no Vietname. Mais de 3.100.000 hectares (31.000 km2) de floresta foram desfolhados. Os desfolhantes corroeram a cobertura arbórea e o estoque florestal de plântulas, tornando o reflorestamento difícil em numerosas áreas. A diversidade de espécies animais foi drasticamente reduzida, em contraste com as áreas não pulverizadas.[15][16]

A utilização do Agente Laranja no Vietname resultou em numerosas ações legais. As Nações Unidas ratificaram a Resolução 31/72 da Assembleia Geral das Nações Unidas e a Convenção sobre a Modificação Ambiental. As ações judiciais intentadas em nome de veteranos norte-americanos e vietnamitas pediam uma indemnização por danos.

Vítimas do Agente Laranja:
A vietnamese Professor is pictured with a group of handicapped children.jpg Two Vietnameses pose in front of the billboard-cropped.jpg Agent Orange Deformities (3786919757).jpg
Grupo de crianças deficientes, a maior
parte vítima do Agente Laranja
Um menino de 14 anos com
deficiências físicas e mentais
graves cujas deformidades
são atribuídas à exposição
de seus pais ao
Agente Laranja.
Homem com deformidades graves nos
braços, provavelmente relacionada à
exposição ao Agente Laranja quando
este estava em gestação e sua mãe
grávida foi exposta ao produto
químico desfolhante, dioxina.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Agent Orange and Cancer». American Cancer Society. 11 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2019 
  2. Buckingham 1982.
  3. «Agent Orange Linked To Skin Cancer Risk». Science 2.0. 29 de janeiro de 2014. Consultado em 1 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2019 
  4. IOM 1994, p. 90.
  5. Young AL, Thalken CE, Arnold EL, Cupello JM, Cockerham LG (1976). Fate of 2,3,7,8-tetrachlorodibenzo-p-dioxin (TCDD) in the Environment: Summary and Decontamination Recommendations (Relatório técnico). United States Air Force Academy. TR 76 18 
  6. «Dioxins». Tox Town. United States National Library of Medicine. Consultado em 12 de março de 2017. Cópia arquivada em 13 de março de 2017 
  7. Yonemoto, Junzo (2000). «The Effects of Dioxin on Reproduction and Development». Industrial Health. 28 (3): 259–268. PMID 10943072. doi:10.2486/indhealth.38.259 
  8. Ngo et al. 2006.
  9. Palmer, Michael (2007). «The Case of Agent Orange». Contemporary Southeast Asia. 29: 172–195. doi:10.1355/cs29-1h 
  10. «Facts About Herbicides – Public Health». United States Department of Veterans Affairs. Consultado em 20 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2017 
  11. Stocking, Ben (14 de junho de 2007). «Agent Orange Still Haunts Vietnam, US». The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 29 de março de 2017. Cópia arquivada em 30 de março de 2017 
  12. King, Jessica (10 de agosto de 2012). «U.S. in first effort to clean up Agent Orange in Vietnam». CNN. Consultado em 11 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 3 de março de 2013 
  13. Tucker, Spencer C., ed. (2011). «Defoliation». The Encyclopedia of the Vietnam War : a Political, Social, and Military History 2nd ed. ABC-CLIO. ISBN 978-1-85109-961-0 
  14. Raloff, J. (1984). «Agent Orange and Birth Defects Risk». Science News. 126 (8). 117 páginas. JSTOR 3969152. doi:10.2307/3969152 
  15. Vallero, Daniel A. (2007). Biomedical ethics for engineers: ethics and decision making in biomedical and biosystem engineering. [S.l.]: Academic Press. p. 73. ISBN 978-0-7506-8227-5. Cópia arquivada em 31 de março de 2017 
  16. Furukawa 2004, p. 215.

Fontes[editar | editar código-fonte]

Citações

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ler mais[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Relatórios de governos/ONGs[editar | editar código-fonte]

Notícias[editar | editar código-fonte]

Vídeos[editar | editar código-fonte]

Fotojornalismo[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]