Aglicona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estrutura química do cardioglicosídeo oleandrina, em que a aglicona é o esteroide da direita, o qual está ligado a um resíduo de açúcar da esquerda.

Uma aglicona ou genina, em química orgânica, é o agrupamento não glicídico que forma parte de um glicosídeo. Tal como a IUPAC a define, trata-se de um composto sem açúcar que resta depois de substituir por um átomo de hidrogénio o grupo glicosilo de um glicosídeo.[1][2] Por exemplo, nos cardioglicosídeos a aglicona é um esteróide.

A aglicona apresenta-se na forma de uma molécula pequena como um álcool, fenol[3] ou um composto que contenha nitrogénio e enxofre. A aglicona, delinea a família dos heterosídeos e confere a algumas plantas o seu poder terapêutico. Classes de fitoquímicos que se encontram na aglicona e nos glicosídeos são, por exemplo, os polifenóis. Nas saponinas a aglicona é denominada de sapogenina (parte não sacarma da saponina obtida por hidrólise).

Referências

  1. IUPAC Gold book - Aglycon (aglycone). [1]
  2. «Cópia arquivada». Consultado em 19 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 12 de novembro de 2016 
  3. Merriam Webster Medical- aglycone [2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • IUPAC Compendium of Chemical Terminology 2nd Edition (1997) 1995, 67, 1312