Agnès Varda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre alguém que morreu recentemente. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 7 de abril de 2019) Twemoji 1f464.svg
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2010). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Agnès Varda
Agnès Varda em 2019.
Nascimento 30 de maio de 1928
Ixelles, Bélgica
Nacionalidade belga
Morte 28 de março de 2019 (90 anos)
Paris, França
Ocupação Roteirista e cineasta
Cônjuge Jacques Demy (1962–1990)
Filho(s) Rosalie Varda e Mathieu Demy
Oscares da Academia
Oscar Honorário
2017 - Pelo Conjunto da Obra
César
César Honorário
2001 - Pelo Conjunto da Obra
Festival de Berlim
Grand Prix do Júri
1965 - Le Bonheur
Festival de Veneza
Leão de Ouro
1985
IMDb: (inglês)

Agnès Varda (Bruxelas, 30 de maio de 1928Paris, 28 de março de 2019) foi uma cineasta e fotógrafa belga, radicada na França.[1][2] Foi também professora na European Graduate School.

Suas fotografias, filmes e instalações abordam questões referentes à realidade no documentário, ao feminismo e ao comentário social. Tais temas eram comumente tratados através de um estilo que flerta com a experimentação.

Carreira e biografia[editar | editar código-fonte]

Foi uma voz importante, porém frequentemente esquecida, do cinema moderno francês. Sua carreira precede o início da Nouvelle vague e seu filme La Pointe Courte, rodado aos 25 anos, quando não possuía experiência alguma por trás das câmeras, apresenta elementos como o radicalismo narrativo e visual que, posteriormente, tornariam o movimento relevante.[4][5]

Foi membro do júri no Festival de Veneza em 1983, e no Festival de Cannes em 2005. Somando mais de 60 anos de carreira, em novembro de 2017 Varda tornou-se a primeira diretora, mulher, a receber um Oscar pelo conjunto da obra.[6] Neste mesmo ano, a cineasta foi homenageada pela 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Morreu em 28 de março de 2019 aos 90 anos em decorrência de câncer.[7]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Foi casada com o também cineasta Jacques Demy.[1]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Doutoramento Honoris Causa pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, em março de 2016.[8]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Influential director Agnes Varda dies» (em inglês). 29 de março de 2019 
  2. «La cinéaste Agnès Varda est décédée à l'âge de 90 ans». AFP.com (em francês). Consultado em 29 de março de 2019 
  3. Visages, Villages, dir. Agnès Varda e JR, 2017
  4. Smith, Alison. Agnes Varda Manchester University Press, 1998. Pg 3.
  5. Beltrame-Linné, Helen (21 de outubro de 2017). «Homenageada na Mostra, Agnès Varda fez filme precursor da nouvelle vague». Folha de S. Paulo. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  6. Redação (13 de novembro de 2017). «Veja o discurso de Agnès Varda ao receber Oscar honorário». Site Mulher no Cinema. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  7. «Agnès Varda, cineasta da Nouvelle Vague, morre aos 90 anos». UOL. 29 de março de 2019. Consultado em 29 de março de 2019 
  8. «Varda Honoris Causa / Ciclo Agnès Varda». Teatro Municipal do Porto. Consultado em 29 de março de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Agnès Varda