Agorafobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a canção de Incubus, veja Agoraphobia.
Agorafobia
Antiga ágora da cidade grega de Delos, um dos espaços públicos que deram o nome à condição.
Especialidade Psiquiatria
Sintomas Ansiedade em situações percebidas como inseguras, ataques de pânicos[1][2]
Complicações Depressão, perturbação por uso de substâncias[1]
Duração Mais de 6 meses[1]
Causas Fatores genéticos e ambientais[1]
Fatores de risco Antecedentes familiares, evento angustiante[1]
Condições semelhantes Perturbação de ansiedade de separação, perturbação de stresse pós-traumático, perturbação depressiva major[1]
Tratamento Psicoterapia[3]
Prognóstico Resolução de metade dos casos com tratamento[4]
Frequência 1,7% dos adultos[1]
Classificação e recursos externos
CID-10 F40.0, F40.00
MeSH D000379
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Agorafobia é uma perturbação de ansiedade caracterizada por sintomas de ansiedade em situações que a pessoa percepciona como inseguras ou das quais é difícil sair.[1] Entre estas situações estão espaços abertos, tráfego viário, centros comerciais ou simplesmente qualquer situação em que a pessoa se encontre fora do local de residência.[1] Quando a pessoa se encontra numa destas situações, o sintoma mais comum é um ataque de pânico.[2] Para que seja diagnosticada agorafobia, os sintomas devem-se manifestar praticamente sempre que a pessoa se depara com a situação e os sintomas devem-se manifestar por mais de seis meses.[1] As pessoas afetadas geralmente dão-se a um esforço significativo para evitar as situações.[1] Nos casos mais graves, as pessoas sentem-se incapazes de sair da própria residência.[2]

Acredita-se que a agorafobia seja causada por uma combinação de fatores genéticos e ambientais.[1] Em muitos casos, a condição é comum na família. A agorafobia pode ter origem em acontecimentos como a morte de um pai ou um ataque violento.[1] O DSM-5 classifica a agorafobia como uma fobia pertencente ao grupo das fobias específicas e fobias sociais.[1][3] Entre outras condições que manifestam sintomas semelhantes estão a perturbação de ansiedade de separação, perturbação de stresse pós-traumático, perturbação depressiva major[1] As pessoas afetadas apresentam um risco acrescido de depressão e perturbação por abuso de substâncias.[1]

É pouco provável que a agorafobia se resolva sem tratamento.[1] O tratamento consiste numa forma de aconselhamento psiquiátrico denominada terapia cognitivo-comportamental.[3][5] Esta terapia permite resolver cerca de metade dos casos de agorafobia.[4] A condição afeta 1,7% dos adultos.[1] O número de casos em mulheres é o dobro do de homens.[1] A doença é rara em crianças. A maioria dos casos têm origem no início da idade adulta, sendo cada vez menos comum à medida que a idade avança.[1] O termo "agorafobia" tem origem no grego antigo ἀγορά, ágora, que significa praça pública, com o sufixo -φοβία, que significa fobia ou "medo".[6]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t American Psychiatric Association (2013), Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (5th ed.), ISBN 0890425558, Arlington: American Psychiatric Publishing, pp. 217–221, 938 
  2. a b c «Agoraphobia». PubMed Health. Consultado em 11 de agosto de 2016. 
  3. a b c Wyatt, Richard Jed; Chew, Robert H. (2008). Wyatt's Practical Psychiatric Practice: Forms and Protocols for Clinical Use (em inglês). [S.l.]: American Psychiatric Pub. pp. 90–91. ISBN 9781585626878. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2016 
  4. a b Craske, MG; Stein, MB (24 de junho de 2016). «Anxiety.». Lancet. PMID 27349358. doi:10.1016/S0140-6736(16)30381-6 
  5. Pompoli, A; Furukawa, TA; Imai, H; Tajika, A; Efthimiou, O; Salanti, G (13 de abril de 2016). «Psychological therapies for panic disorder with or without agoraphobia in adults: a network meta-analysis.». The Cochrane Database of Systematic Reviews. 4: CD011004. PMID 27071857. doi:10.1002/14651858.CD011004.pub2 
  6. Elster, Charles Harrington (2009). Verbal Advantage: Ten Easy Steps to a Powerful Vocabulary (em inglês). [S.l.]: Diversified Publishing. p. PT717. ISBN 9780307560971. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2016