Ahool

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Representação artística de um Ahool

O ahool é um criptídeo, mostrado como um morcego,[1] ou por outras vezes, um pterossauro vivo ou um primata voador.[2] Tal criatura é desconhecida para a ciência e não há nenhuma evidência objetiva de que ele existe, tal como alegado. É citado como habitante das florestas de Java.[3]

Detalhes[editar | editar código-fonte]

Assim como muitos criptídeos,  o Ahool não é bem documentado, e possui informações de fontes pouco confiáveis - e, neste caso, não existem provas materiais. O criptídeo recebe esse nome por seu chamado "A-hool" (outros relatos dizem que seu chamado diz "ahOOOooool"). Diz-se que o Ahool vive nas florestas de Java , na Indonésia. A criatura é descrita como tendo grandes olhos escuros, grandes garras nos seus antebraços (as estruturas possuem aproximadamente o tamanho de uma criança), e um corpo coberto de uma pelagem cinzenta. É citado com uma envergadura de 3 metros, quase o dobro da envergadura da raposa voadora.[4]

De acordo com Loren Coleman e Jerome Clark,[5] o Ahool foi descrito pela primeira vez por Ernest Bartels.[3] Bartels havia publicado relatos de seu trabalho ao explorar as Montanhas Salak na ilha de Java.[4]

Explicação[editar | editar código-fonte]

Uma especulação sobre a sua existência pelo criptozoologista Ivan T. Sanderson é a de que o criptídeo poderia ser um parente do kongamato da África.[4] Outros sugeriram que ele fosse um fóssil vivo de pterossauro, por conta de relatos que mostram a criatura como tendo asas de couro. Como hoje é conhecido, muitos dos pterossauros parecem ter asas que estavam cobertas por uma penugem fofa para evitar a perda de calor; este pode ou não ter sido necessário em um ambiente tropical, dependendo do metabolismo desses animais. [6]

Por outro lado, estudiosos analisam outra explicação para a existência do Ahool. Duas grandes corujas existem em Java, a Coruja-dos-Pagodes (Strix seloputo) e a Coruja-do-mato de Java (Strix leptogrammica bartelsi).[7] Essas espécies são intermediárias em tamanho entre a coruja pintada da América do Norte ou o Aluco da Eurásia, e o bufo-real (coruja-de-chifres), tendo de 40 a 50 cm de comprimento e com uma envergadura de cerca de 3,30 metros.[8][9]

Essas espécies seriam as mais prováveis soluções do enigma do Ahool:[10] possuem uma cara chata com grandes olhos negros ressaltados por anéis escuros de penas, um bico que se projeta, mas pouco, e, no caso da Coruja-do-mato de Java, possui aspecto castanho-acinzentado quando vista de baixo. Seu chamado é característico, um único grito, dado intermitentemente, e soando como "HOOOH!". Como a maioria das grandes corujas, são altamente territoriais na época de reprodução e irão afugentar os intrusos simulando ataques de cima e de trás. O seu vôo, sendo uma coruja, é quase completamente em silêncio, para que a vítima de tal varredura, geralmente, só perceba a coruja quando essa mergulha com as garras estendidas, e as vítimas teriam tempo para desviar e fugir. A Coruja-do-mato de Java muitas vezes não é observado mesmo pelos ornitólogos,[10] como se esconde durante o dia. É encontrada na remota floresta montanhosa em altitudes em torno de 1.000 a 1.500 metros, e não tolera bem invasões humanas, desmatamento e outras perturbações.[9][11]

Usos na Cultura Popular[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Cryptozoo-oscity: Giant Bats, truth or fiction?». Consultado em 11 de Novembro de 2016. 
  2. Eberhart, George M. (2002). Mysterious Creatures: A Guide To Cryptozoology. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 7 .
  3. a b «Unknown Explorers - Ahool». Consultado em 11 de Novembro de 2016. 
  4. a b c West Budd, Deena (2010). The Weiser Field Guide to Cryptozoology: Werewolves, Dragons, Skyfish, Lizard Men, and Other Fascinating Creatures Real and Mysterious. [S.l.]: Weiser Books .
  5. Coleman, Loren; Clark, Jeronimo (1999). Cryptozoology A to Z: the encyclopedia of loch monsters, Sasquatch, Chupacabaras, and other authentic mysteries of nature. Fireside, Nova York: [s.n.] ISBN 0-684-85602-6 
  6. Hone, D. (2010). "Pterosaurs In Popular Culture." Pterosaur.net, Accessed 27 August 2010.
  7. Nomeado em honra de M. E. G. Bartels, o pai de Ernest
  8. «Brown Wood Owl-Owl Pages». Consultado em 15 de Novembro de 2016. 
  9. a b Breverton, Terry. Breverton's Phantasmagoria: A Compendium of Monsters, Myths and Legends. [S.l.: s.n.] .
  10. a b Holt, Denver, W.; Berkley, Regan; Deppe, Caroline; Enríquez Rocha, Paula L.; Olsen, Penny D.; Petersen, Julie L.; Salazar Rangel, José Luis; Segars, Kelley P.; Wood, Kristin L.; del Hoyo, J.; Elliott, A.; Sargatal, J. (1999). Manual de Aves do Mundo, Volume 5: De Corujas dos Celeiros a Beija-flores. Barcelona: Lynx Edicions. ISBN 84-87334-25-3 
  11. Russ, John Paul. Monster Hunters' Survival Guide. [S.l.: s.n.] .

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]