Aidenor Aires

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Aidenor Aires Pereira (Riachão das Neves, 30 de maio de 1946) é poeta brasileiro, radicado em Goiânia. Por sua importância cultural para o estado de Goiás, recebeu em o título de "Cidadão Goiano" da Assembleia Legislativa daquele estado, no ano de 2009.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Wilton Santos e de Valeriana Aires Pereira, após cursar as primeiras letras na cidade natal, mudou-se para Goiânia, onde completou a formação na Escola Técnica Federal. Depois cursou o Liceu de Goiânia e bacharelou-se em Letras pela Universidade Católica de Goiás e, mais tarde, em Direito.[1]

Trabalhou na advocacia e no magistério, quando por concurso integrou o Ministério Público até sua aposentadoria.[1]

Membro da Academia Goiana de Letras e da Academia Goianiense de Letras. Atual presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás.[1]

Por seu livro Reflexões do conflito, de 1970, escrito em parceria com Gabriel Nascente, passou a pertencer ao grupo pós-GEN, ou Novo Grupo de Escritores Novos. Detentor de diversos prêmios de poesia, entre eles, o Fernando Chinaglia de 1978 e o prêmio Bienal Nestlé de Literatura Brasileira de 1986.[1] É um dos fundadores da Academia Goianiense de Letras.

Livros Publicados[editar | editar código-fonte]

  • Reflexão do Conflito, Goiânia: Departamento Estadual de Cultura de Goiás, 1970;
  • Itinerário da Aflição, Goiânia: Oriente, 1973. Prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos;
  • Lavra do Insolúvel, Goiânia: Oriente, 1974. Prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos;
  • Rio Interior, Goiânia: Líder, 1977. Prêmio Fernando Chinaglia;
  • Amaragrei. Brasília: Ipiranga, 1978. 1º lugar no 3º Concurso Nacional de Literatura de Goiás;
  • Canto do Regresso, Goiânia: Edição do Autor, 1979;
  • Tuera – elegia carajá, Brasília: Thesaurus, 1980;
  • Aprendiz de Desencantos, Goiânia: Inigraf, 1982;
  • Os Deuses são Pássaros do Vento. Goiânia: Cerne, 1984; Prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos, 1984;
  • Via Viator. São Paulo, Melhoramentos, 1986. Prêmio Bienal Nestlé.
  • Na Estação das Aves, 1973;
  • O Canto do Regresso, 1979;
  • A Árvore do Energúmeno, contos, 2001; Via Viator, 1986;
  • O Dia Frágil, 2005; Seleta Poética, antologia, 2005; XV Elegias, 2007;
  • Seiva Resguardada, tradução, 2007.

Referências

  1. a b c d e Institucional, ALG (14 de setembro de 2009). «Escritor Aidenor Aires recebeu da Assembleia, nesta segunda-feira, título de Cidadão Goiano, de autoria de Thiago Peixoto.». Consultado em 28 de janeiro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.