Aion (mitologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Aion cercado pelo zodíaco.

Aion (em grego: Αἰών) é uma divindade helenística associada ao tempo, ao orbe ou círculo abrangendo o universo e ao zodíaco. O tempo representado por Aion é ilimitado, em contraste com Chronos como tempo empírico dividido em passado, presente e futuro. Ele é, portanto, um deus das eras, associado a religiões de mistério, relacionadas com a vida após a morte, tais como os mistérios de Cibele e os mistérios dionisíacos. Em latim o conceito de divindade pode aparecer como Aevum ou Saeculum.[1]

Iconografia e simbolismo[editar | editar código-fonte]

Aion é geralmente identificado como um jovem nu ou semi nu dentro de um círculo representando o zodíaco, ou o tempo cíclico. Exemplos incluem dois mosaicos romanos de Sentinum (moderna Sassoferrato) e Hippo Regius na África romana, e a placa de Parabiago. Mas porque ele representa o tempo como um ciclo, ele também pode ser imaginado como um homem velho. No Dionísiaca, [[|Nono de Panópolis|Nonnus]] associa Aion com o Horae e diz que ele muda o fardo da velhice como uma cobra que solta as bobinas do escamas antigas e inúteis, rejuvenescendo enquanto lavam as ondas das leis do tempo.[1]

Desenho de figura leontocefalina encontrada no mithraeum de C. Valerius Heracles e filhos, dedicado 190 dC em Ostia Antica, Itália (CIMRM 312)

A imagem da serpente retorcida está conectada ao aro ou roda através do ouroboros, um anel formado por uma cobra segurando a ponta da cauda na boca. O comentarista latino do século IV dC Servius observa que a imagem de uma cobra mordendo sua cauda representa a natureza cíclica do ano.[2] Diz que "de acordo com os egípcios, antes da invenção do alfabeto o ano era simbolizado por uma figura, uma serpente mordendo o próprio rabo, porque se repete" (annus secundum Aegyptios indicabatur ante inventas litteras picto dracone caudam suam mordente, quia in se recurrit). Em seu trabalho do século V em hieróglifos, Horapolo faz uma outra distinção entre uma serpente que esconde sua cauda sob o resto de seu corpo, que representa Aion, e o ouroboros que representa o "kosmos", que é a serpente devorando sua cauda.[3]

Em sua reconstrução altamente especulativa da cosmogonia mitráica, Franz Cumont posicionou Aion como Tempo Ilimitado (às vezes representado como Saeculum, Chronus, ou Saturno) como o deus que emergiu de primordial Caos, e que por sua vez geraram o Céu e a Terra. Esta divindade é representada como a leontocephalina, a figura masculina de cabeça de leão alada cujo torso nu é entrelaçado por uma serpente. Ele tipicamente segura um cetro, chaves ou um raio. A figura do Tempo "desempenhou um papel considerável, embora para nós completamente obscuro", na teologia mitráica.[4]

Aion é identificado com Dionísio em escritores cristãos e neoplatônicos, mas não há referências a Dionísio como Aion antes da era cristã.[5] Eurípides, no entanto, chama Aion de filho de Zeus.

A Suda identifica Aion com Osiris. Na Alexandria ptolomaica, no local de um oráculo de sonho, o deus helenístico sincrético Serápis foi identificado como Aion Plutônio.[6][7] O epíteto "Plutônio" marca aspectos funcionais compartilhados com Plutão, consorte de Perséfone e rei do submundo na Tradição Eleusina. Epifânio diz que no nascimento de Aion de Kore a Virgem em Alexandria foi celebrado 6 de janeiro.[6] Neste dia e a esta hora a Virgem deu à luz Aion. A data, que coincide com Epifania, encerra as celebrações de ano novo, completando o ciclo de tempo que Aion incorpora.

Império Romano[editar | editar código-fonte]

Este Aion sincrético tornou-se um símbolo e garante da perpetuidade do domínio romano, e imperadores como Antoninus Pius emitiram moedas com a legenda Aion,[6] cuja contraparte romana feminina era Aeternitas.[8] Moedas romanas associam Aion e Aeternitas à fênix como um símbolo de renascimento e renovação cíclica.[1]

Aion estava entre as virtudes e personificações divinas que faziam parte do discurso helênico tardio, no qual eles figuram como "agentes criativos em grandes esquemas cosmológicos".[9] O significado de Aion está em sua maleabilidade: ele é uma "concepção fluida" através da qual várias idéias sobre tempo e divindade convergem na era helenística, no contexto das tendências monoteísticas.[1]

Referências

  1. a b c d Levi, Doro. "Aion". In: Hesperia, 1944; 13 (4)
  2. Servius. Note to Aeneid, 5.85
  3. Shanzer, Danuta. A Philosophical and Literary Commentary on Martianus Capella's De Nuptiis Philologiae et Mercurii Book 1. University of California Press, 1986, pp. 137; 159
  4. Ezquerra, Jaime Alvar. Romanising Oriental Gods: Myth, Salvation, and Ethics in the Cults of Cybele, Isis, and Mithras. Brill, 2008, pp. 78; 128
  5. Guthrie, W. K. C. A history of Greek philosophy: The earlier presocratics and the Pythagoreans. Cambridge University Press, 1979, p. 478
  6. a b c Fossum, Jarl. "The Myth of the Eternal Rebirth: Critical Notes on G.W. Bowersock, Hellenism in Late Antiquity". In: Vigiliae Christianae, 1999; 53 (3), note 15
  7. Malkin, Irad. Religion and Colonization in Ancient Greece. Brill, 1987, p. 107, especialmente nota 87
  8. Gradel, Ittai. Emperor Worship and Roman Religion. Oxford University Press, 2002, pp. 310-311
  9. Fears, J. Rufus. "The Cult of Virtues and Roman Imperial Ideology". In: Aufstieg und Niedergang der römischen Welt, 1981; II, 17 (2)

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

  • Kákosy, László. "Osiris-Aion". In: Oriens Antiquus, 1964 (3)
  • Nock, Arthur Darby. "A Vision of Mandulis Aion". In: The Harvard Theological Review, 1934; 27 (1)
  • Zuntz, Günther. Aion, Gott des Römerreichs. Carl Winter Universitatsverlag, 1989 ISBN 3533041700.
  • Zuntz, Günther. AIΩN in der Literatur der Kaiserzeit. Osterreichischen Akademie der Wissenschaften, 1992 ISBN 3700119666.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aion (mitologia)