Aitor González

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aitor González
Aitor gonzález.jpg
Informação pessoal
Nome nativo Aitor González Jiménez
Nascimento 27 de fevereiro de 1975
Zumarraga
Cidadania Flag of Spain.svg Espanha
Ocupação Ciclista desportivo (d)Visualizar e editar dados no Wikidata
Informação equipa
Equipa atual Retirado
Disciplina Estrada
Maiores vitórias
Tour de France: 1 etapa
Giro d'Italia: 3 etapas

Volta a Espanha: geral Jersey gold.svg (2002) e 3 etapas
Volta à Suíça (2005)

Aitor González Jiménez (Zumarraga, Guipúscoa, País Basco, Espanha; 27 de fevereiro de 1975) foi um ciclista espanhol. Vencedor da Volta a Espanha de 2002, conseguiu também vitórias de etapa nas três grandes voltas do ciclismo profissional: Giro d'Italia (3 etapas: 2 em 2002 e 1 em 2003), Tour de France (1 etapa em 2004) e Volta a Espanha (3 etapas em 2002), entre outros lucros.

Pertencia à banda da Covatilla, um grupo de ciclistas profissionais espanhóis que compartilhavam amizade e treinamentos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ainda que nasceu no País Basco, com 11 anos mudou-se a viver à localidade alicantina de San Vicente del Raspeig.[1][2]

[3]

Kelme (1998-2002)[editar | editar código-fonte]

Estreiou como profissional no ano 1998 com a equipa alicantino Kelme-Avianca. A sua carreira desportiva foi pouco a pouco em progresso, conseguindo algumas vitórias em 2000 e 2001.

2002 seria o seu grande ano. Na primavera, conseguiu duas vitórias de etapa no Giro d'Italia. Em setembro, a sua equipa (a Kelme) ia com Óscar Sevilla como chefe de filas para ganhar a classificação geral da Volta a Espanha de 2002, após que ficasse segundo em 2001. No entanto, Aitor González rompeu a estratégia da equipa na chuviosa etapa com final no temível Angliru, com 120.000 espectadores nas cimeiras do porto asturiano.[4] O chefe de filas da Kelme e líder da geral nesse momento era Óscar Sevilla, com Aitor a mal um segundo.[5] A equipa Kelme levava controlada a corrida mas, nas duras rampas do Angliru, e quando ainda ficavam colegas da equipa para dar os relevos no grupo de favoritos,[6] Aitor González decidiu ir livremente e, fazendo caso omisso às ordens que lhe dava o seu atónito director Vicente Belda desde o carro (que lhe ordenava que se mantivesse a roda de Sevilla e Roberto Heras, pois em caso que o albacetenho falhasse ante o maior rival para a Kelme, Roberto Heras da US Postal, Aitor mantinha as possibilidades de ganhar a classificação na crono final de Madrid, muito melhor para ele que para Heras ou Sevilla),[6][7] pôs um duro ritmo,[8] rompendo o grupo de favoritos e propiciando que o teórico chefe de filas Sevilla se descolara.[9] No entanto, Aitor González não conseguiu a vitória no Angliru, já que Heras, depois de aproveitar a incrível colaboração de Aitor para distanciar a Sevilla, atacou e deixou também atrás a Beloki e a Aitor, pelo que coroou em solitário o Angliru, ganhando a etapa (com 1:35 sobre Beloki, 2:16 sobre Aitor e 2:50 sobre Sevilla) e vestindo-se o maillot de líder da Volta (com 35 segundos de avanço na geral sobre Aitor, 1:08 sobre Sevilla e 1:57 sobre Beloki.[4] Era um tempo praticamente irrecuperável no contrarrelógio final de Madrid para um escalador como Sevilla, mas não para Aitor.[10] A atuação de Aitor no Angliru foi duramente criticada pelo seu director Vicente Belda e o seu colega da Kelme Sevilla, provocando uma tensa situação na equipa. De facto, a equipa forçou que Aitor entoasse o meia culpa de maneira pública, aceitando Sevilla as desculpas face aos meios, ainda que a cisma entre ambos era já irreconciável.[6] O facto de que Aitor ainda terminasse contrato no fim de ano sem que tivesse ainda equipa para a temporada seguinte incrementou também os rumores sobre a sua deliberada atitude à margem da equipa; não obstante, Belda aclarou que Aitor era o novo líder do Kelme face à última semana da Volta.[7] Aitor denunciou uma campanha de desprestígio para ele desde os meios de comunicação.[11]

Na etapa com final em La Covatilla, dois dias dantes do contrarrelógio final, Heras mal pôde lhe arranhar uns segundos a Aitor (quem recebeu a ajuda de Sevilla, ao cumprir este as ordens de Belda de lhe esperar, e perdendo assim parte da sua vantagem sobre Beloki face à luta para entrar no pódio),[12] pelo que a sua desvantagem era de mal 1:12 face a um contrarrelógio plano de 41 km.[11]

Na última etapa da Volta a Espanha (o contrarrelógio de Madrid, com meta no Estádio Santiago Bernabéu), além da etapa, conseguiu ganhar a classificação geral da Volta a Espanha de 2002, subindo com o maillot ouro ao mais alto do pódio de uma corrida na que tinha ganhado também três etapas. Na classificação geral final, Heras foi 2º (a 2:14, depois de perder 3:22 na crono), com Beloki 3º (a 3:11);[13] seu colega de equipa Sevilla não pôde manter os escassos 29 segundos de vantagem que tinha sobre Beloki depois de se sacrificar em La Covatilla e sofrer numerosos contratempos mecânicos no contrarrelógio final, e finalizou 4º (a 3:26, isto é, a 15 segundos do pódio)).[14]

Ao termo da Volta a Espanha, o corredor manifestou o seu desejo de ir para outra equipa, no que se sentisse mais líder.[15] Os seus sucessos valeram-lhe, no final de 2002, um grande contrato pela equipa italiana Fassa Bortolo.[16]

Fassa Bortolo (2003-2004)[editar | editar código-fonte]

Pese aos elevados objectivos marcados, a sua progressão estancou-se nas filas da equipa italiana, possivelmente por causa das lesões. Ainda sem chegar ao nível da Volta a Espanha de 2002, na equipa italiana conseguiu de todas formas vitórias prestigiosas, como uma etapa no Giro d'Italia de 2003,[17] ou uma etapa no Tour de France de 2004,[18] que foi a vitória número 100 de um corredor espanhol a ronda gala. Na final de 2004, e face à temporada de 2005, alinhou pela equipa basca Euskaltel-Euskadi para um único ano.[19]

Euskaltel-Euskadi (2005) e retirada[editar | editar código-fonte]

Nas fileiras do conjunto basco disputou o Giro d'Italia que terminou abandonando[20] pese a isso pouco depois ganhou a Volta à Suíça (pertencente ao UCI ProTour em 2005, depois de uma exibição na etapa rainha, que também ganhou.[21] Mas depois da Volta a Espanha de 2005, Aitor González, que se retirou poucos dias antes de que concluísse a prova, se viu envolvido num suposto caso de doping ao dar positivo por esteroides anabolizantes, que procediam de um complexo vitamínico (chamado Animal Pack) que tinha tomado.[22] Depois de ser sancionado com dois anos de inabilitação, González empreendeu uma luta legal para demonstrar a sua inocência alegando que dito complexo lho tinha receitado um médico e que este não indicava na sua composição a presença de esteroides; de facto, o Animal Pack é um produto reconstituiente que conta com o visto bom do Ministério de Saúde espanhol. O corredor, na sua luta para demonstrar a sua inocência, facilitou uma caixa selada de Animal Pack ao departamento de Bioquímica da Universidade da Extremadura, onde depois de desprecintar o produto e analisar as 11 pastilhas que continha, opinaram que o produto estava contaminado por anabolizantes, facto que não figurava na sua composição, apoiando assim a defesa do ciclista. A RFEC (Real Federação Espanhola de Ciclismo) exculpou ao ciclista a 12 de maio de 2006 ao aceitar as alegações e provas periciais contribuídas.[23] Não obstante, a UCI apelou ante o TAS dita decisão, e o corredor não pôde encontrar equipa (pese a ser absolvido pela RFEC e ter apalabrado com sua última equipa, o Euskaltel-Euskadi, que em caso de demonstrar sua inocência teria lugar no modelo) devido ao código ético assinado pelas equipas do UCI ProTour.[24] Depois da vista de 12 de outubro, e 22 de dezembro de 2006 o Tribunal Arbitral do Desporto confirmou a sentença de dois anos de inhabilitação para o corredor (até 28 de setembro de 2007), declarando que apesar de admitir a versão dos factos apresentada por Aitor González, consideravam que o ciclista actuou "com negligência ao consumir um produto duvidoso, prescrito por um médico ocasional e comprado num ginásio", afirmando assim mesmo que não podia "ignorar os riscos" unidos a este consumo e deveria "ter tido em conta as advertências das autoridades desportivas nestes casos".[23][25][26] ao ter-se confirmado a sentença o corredor não poderia correr até 28 de setembro de 2007, A sentença do TAS ocasionou a sua retirada.

Depois da retirada[editar | editar código-fonte]

A princípios de 2008 foi detido por agredir dois empregados de uma imobiliária. Anteriormente, em 2007, foi detido também por conduzir sobre os efeitos do álcool e a cocaína.[27]

Novamente a 14 de agosto de 2011, volta a resultar detido no marco de uma operação coordenada pela polícia nacional de Leão, por suposto delito de fraude imobiliária.

A 25 de outubro de 2016 foi detido por tentar roubar numa loja de telefones móveis em Alicante.[28]

Palmarés[editar | editar código-fonte]

2000

2001

2002

2003

2004

2005

Resultados em Grandes Voltas e Campeonato do Mundo[editar | editar código-fonte]

Durante a sua carreira desportiva tem conseguido os seguintes postos nas Grandes Voltas e nos Campeonatos do Mundo em estrada:

Corrida 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005
Giro d'Italia - - - - 19º - Ab.
Tour de France - - - Ab. - Ab. 45º -
Volta a Espanha - - - - Ab. Ab. Ab.
Mundial em Estrada MaillotMundial.PNG - - - - - - - -

-: Não participa
Ab.: Abandono

Prêmios, reconhecimentos e distinções[editar | editar código-fonte]

  • Melhor Desportista Profissional de 2002 nos Prêmios Desportivos Provinciais da Diputação de Alicante[29]

Equipas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Aitor González, detido por uma suposta agressão. No passado mês de agosto, o corredor nascido em Gipuzkoa e estabelecido em San Vicente do Raspeig,...». www.diariovasco.com  El Diario Vasco.
  2. «Aitor González será julgado por conduzir alcoolizado e sobre os efeitos da cocaína. O ciclista alicantino Aitor González será julgado...». www.diariocriticocv.com  Diariocrítico da Comunidade Valenciana.
  3. Durán, Santi (15 de setembro de 2002). «O campeão do despiste procura o maillot de líder». Mundo Desportiva. Consultado em 17 de fevereiro de 2014 
  4. a b «DEPORTES - Heras conquista o inferno» (em espanhol) 
  5. «DEPORTES - Bem-vindos ao inferno» (em espanhol) 
  6. a b c «A 'traição' de Aitor · Elpaís.com» (em espanhol) 
  7. a b «DEPORTES - Traição no Kelme» (em espanhol) 
  8. «O Angliru entroniza a Heras - Desportos - Ciclismo - Abc.es» (em espanhol) 
  9. «O anjo do Angliru · Elpaís.com» (em espanhol) 
  10. «DEPORTES - Épica e polémica» (em espanhol) 
  11. a b «DEPORTES - A Volta é coisa de duas» (em espanhol) 
  12. «DEPORTES - Belda ordena a Sevilla que ajude a Aitor» (em espanhol) 
  13. «DEPORTES - Classificações» (em espanhol) 
  14. «DEPORTES - A maldição de Oscar Sevilla» (em espanhol) 
  15. «DEPORTES - «Quero uma equipa só para mim, mo tenho ganhado»» (em espanhol) 
  16. «O Fassa Bortolo anuncia o contrato de Aitor González» (em espanhol) 
  17. «Aitor González ganha a grande crono do Giro - Deportes - www.lavozdeasturias.es» (em espanhol) 
  18. «BBC Mundo - De todo um pouco - Tour: triunfa Aitor González» (em espanhol) 
  19. «Aitor González ficha por um ano com o Euskaltel Euskadi :: Lostxirrindularis.com :: Tua comunidade de ciclismo, com notícias de ciclismo, foros, classificações, contratos» (em espanhol). Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2012 
  20. «Giro d'Italia: Gerrikagoitia: `Com o abandono de Aitor González a equipa tem perdido uma baza importante´» (em espanhol) 
  21. «Ciclismo - Volta à Suíça : Aitor González vence em Suíça como um campeão - As.com» (em espanhol) 
  22. «Aitor González, outro ganhador de Volta suspendido (O País)». www.elpais.com 
  23. a b «O Tribunal de Arbitragem sanciona a Aitor González com dois anos de suspensão · Elpaís.com» (em espanhol) 
  24. «Aitor González ainda não pode fichar por nenhum conjunto do ProTour» (em espanhol) 
  25. O TAS sanciona a Aitor González com dois anos de suspensão
  26. «O TAS não perdoa a Aitor González» (em espanhol) 
  27. «Também detido por conduzir sobre os efeitos do álcool e a cocaína». web.archive.org 
  28. «Detento Aitor González por tentar roubar numa loja de móveis». cadenaser.com 
  29. Diputación Provincial de Alicante. «Ganhadores dos Prêmios Desportivos Provinciais da Diputación de Alicante entre 1980 e 2012». caja-pdf.es. Consultado em 15 de abril de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]