Ajuda humanitária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ajuda humanitária chega de avião no aeroporto de Rinas Albânia no Verão de 1999 .

A ajuda humanitária é a assistência material ou logístico prestado para fins humanitários, normalmente em resposta a crises humanitárias, incluindo desastres naturais e desastres provocados pelo homem. O principal objectivo da ajuda humanitária é salvar vidas, aliviar o sofrimento, e manter a dignidade humana. Por conseguinte, pode ser distinguida da ajuda ao desenvolvimento, que procura abordar os factores subjacentes socioeconômico que pode ter levado a uma crise ou de emergência.

De acordo com o Overseas Development Institute, uma instituição de pesquisa sediada em Londres, cujos resultados foram divulgados em Abril de 2009 no jornal "ajuda Fornecer em ambientes inseguros: 2009 Update ', o ano mais letal na história do humanismo foi 2008, em que 122 trabalhadores humanitários foram assassinados e 260 agredidos. Os países considerados menos seguros foram a Somália e o Afeganistão.

Definição do Conceito[editar | editar código-fonte]

O conceito tradicional de ajuda humanitária no âmbito da ONU foi modificado ao longo do tempo. Na Carta da ONU, as operações de apoio à paz são consideradas como “a interposição de pessoal militar e civil multinacional entre Estados ou comunidades hostis com vista a criar as condições para resolução pacífica dos conflitos através da negociação”. Devido a própria evolução da situação internacional que esse conceito foi se modificando. Atualmente, a ajuda humanitária engloba todas as atividades desenvolvidas com a finalidade de prevenir, manter, restabelecer, impor e consolidar a paz, mas também as que tem como finalidade minorar os efeitos negativos dos conflitos violentos nas populações, especialmente onde autoridades responsáveis não tem possibilidade ou se recusam fornecer aquelas populações o apoio que elas precisam.

O objetivo das operações humanitárias não devem ser apenas de salvar vidas em circunstâncias de emergência, mas também encontrar soluções e integrar os esforços humanitários em programas de desenvolvimento.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Um dos exemplos de ajuda humanitária é o terremoto que aconteceu no Haiti em janeiro de 2010 que deixou cerca de 220 mil mortos e milhares de feridos. O país recebeu ajuda humanitária de vários Estados para enfrentar os problemas de infraestrutura, saúde pública, alimentação e saneamento básico. O Brasil liderou a missão de paz da ONU no Haiti e destinou grandes recursos para o fortalecimento do Programa Nacional de Cantinas Escolares.

Histórico[editar | editar código-fonte]

O início da ajuda humanitária internacional se deu no final do século 19. Um dos primeiros exemplos desse tipo de ajuda ocorreu em resposta à Fome no norte chinês de 1876-1879, provocada por uma seca que começou no norte da China, em 1875, levando ao desmatamento de safras nos anos seguintes. Aproximadamente 10 milhões de pessoas morreram de fome.

Um missionário britânico, Timothy Richard, chamou a atenção internacional para a fome na província de Shandong, no verão de 1876 e apelou à comunidade estrangeira em Xangai por ajuda financeira para ajudar as vítimas. Para combater a fome, uma rede internacional foi criada para solicitar doações. Estes esforços trouxeram 204 mil taéis de prata, o equivalente a US $ 7-10 milhões em 2012 os preços de prata.

A campanha foi lançada simultaneamente em resposta à Grande Fome de 1876-1878 na Índia. Embora as autoridades tenham sido criticadas por suas atitudes de laissez-faire durante a fome, foram introduzidas medidas de alívio posteriormente. Um fundo de ajuda à fome foi criado no Reino Unido e tinha levantado £ 426.000 (libras) nos primeiros meses.

Em 1980s as primeiras iniciativas de ajuda humanitária foram em âmbito privado, e foram limitadas em suas capacidades financeiras e organizacionais. Foi somente nadécada de 1980, que a mídia mundial e as celebridades globais se mobilizaram em resposta a catástrofes em todo o mundo. O 1983-85 a fome na Etiópia causou mais de 1 milhão de mortes e foi documentada por uma notícia da BBC, com Michael Buerk descrevendo "uma fome bíblica no século 20" e "a coisa mais próxima para o inferno na Terra".

Em 1985, o esforço para angariação de fundos, liderado por Bob Geldof induzida milhões de pessoas no Ocidente para doar dinheiro e solicitar seus governos para participar do esforço de ajuda na Etiópia. Alguns dos recursos também foi para as áreas mais atingidas fome da Eritreia. 

Instrumentos[editar | editar código-fonte]

União Europeia: A União Europeia é o principal doador em questões de ajuda humanitária a nível global. Esta ajuda financeira, que se reverte em fornecimento de bens, de serviços ou de assistência técnica, destina-se a ajudar a prevenir e a enfrentar as situações de emergência resultantes de crises que afetam gravemente as populações fora da União, quer se trate de catástrofes naturais, de origem humana, quer de crises estruturais.

A ação da União Europeia é baseada nos princípios humanitários fundamentais de humanidade, de neutralidade, de imparcialidade e de independência e compreende três instrumentos: a ajuda de emergência, a ajuda alimentar e a ajuda aos refugiados e às pessoas deslocadas.

Principais ONGs:[editar | editar código-fonte]

Financiamento[editar | editar código-fonte]

A ajuda é financiada por doações de indivíduos, corporações, governos e outras organizações. O financiamento e a distribuição da ajuda humanitária é cada vez mais internacional, tornando-o muito mais rápido, mais ágil e mais eficaz em lidar com a emergências graves que afetam grande número de pessoas (por exemplo, ver Fundo Central de Resposta de Emergência). O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) coordena a resposta internacional humanitário a uma crise ou de emergência nos termos da Resolução 46/182 da Assembléia Geral das Nações Unidas.

Kornelia Sargento Rachwal da Marinha dos Estados Unidos, dando água a uma garota paquistanesa.

Composição[editar | editar código-fonte]

O número total de trabalhadores de ajuda humanitária ao redor do mundo, foi calculado pela ALNAP, uma rede de agências que trabalham no sistema humanitário, como 210.800 em 2008. Esta é composta de cerca de 50% das ONGs, 25% da Cruz Vermelha e do Crescente / Vermelho e 25% em relação ao sistema das Nações Unidas.[1] [2]

Padrões[editar | editar código-fonte]

Durante a última década, a comunidade humanitária iniciou uma série de iniciativas inter-agências para melhorar a qualidade, responsabilidade e desempenho em acção humanitária. Quatro das iniciativas mais conhecidas são as de rede ativas de aprendizagem para Accountability e Desempenho em Acção Humanitária (ALNAP), Parceria Responsabilidade Humanitária (HAP), People In Aid e do Projecto Esfera. Representantes dessas iniciativas começou a se reunir em uma base regular, em 2003, a fim de compartilhar problemas comuns e harmonizar as actividades sempre que possível.

Trabalhando com seus parceiros, os sobreviventes de desastres, e outros, Responsabilidade Parceria Internacional Humanitário (ou HAP International) produziu a HAP 2007 Standard em Responsabilidade Humanitária e Gestão da Qualidade. O regime de certificação tem como objetivo fornecer garantia de que as agências certificadas estão a gerir a qualidade de suas ações humanitárias, em conformidade com a norma HAP. [3] Em termos práticos, uma certificação de HAP (que é válido por três anos) significa fornecer auditores externos com declarações de missão , contas e sistemas de controle, dando maior transparência nas operações e prestação de contas em geral.[4] [5]

Como descrito por HAP-Internacional, o HAP 2007 Standard em Responsabilidade Humanitária e de Gestão da Qualidade é uma ferramenta de garantia de qualidade. Através da avaliação de uma organização de processos, políticas e produtos com relação a seis setout benchmarks na Standard, a qualidade torna-se mensurável, e responsabilidade em seus aumentos trabalho humanitário.

Agências que cumprem com o padrão:

  • declarar o seu compromisso com os princípios HAP de Acção Humanitária e ao seu próprio Quadro de Responsabilidade Humanitária
  • desenvolver e implementar um Sistema de Gestão da Qualidade Humanitária
  • fornecer informações fundamentais sobre a gestão da qualidade para as principais partes interessadas
  • permitir aos beneficiários e seus representantes para participar nas decisões do programa e dar o seu consentimento informado
  • determinar as competências e necessidades de desenvolvimento de pessoal
  • estabelecer e implementar as queixas de manuseio de procedimento
  • estabelecer um processo de melhoria contínua [5]

O Projecto Esfera manual, Carta Humanitária e Normas Mínimas de Resposta a Desastres, que foi produzido por uma coalizão de líderes não governamentais humanitárias, lista os seguintes princípios de ação humanitária:

  • O direito à vida com dignidade
  • A distinção entre combatentes e não combatentes
  • O princípio de não repulsão

O Projeto de Qualidade, baseado na ferramenta de qualidade COMPAS, é um projeto alternativo para Sphere, tendo em conta os efeitos colaterais de padronização e os de uma abordagem baseada em "mínimos" em vez de a busca da qualidade. Este projecto é liderado pelo Groupe URD.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Uma das críticas à ajuda humanitária é que em certos casos há uso político da mesma por um dos lados combatentes existe a possibilidade de agravar o conflito e prolongá-lo.

O autor Edward Luttwak critica as ONGs que promovem a ajuda humanitária por achar que elasestão preocupadas principalmente em buscar doadores e aumentar sua visibilidade, e não tem como prioridade atender os refugiados. Para ele, esse problema contribui para o fracasso de várias missões humanitárias já que elas acabam sendo seletivas em suas escolhas.

Além disso, as intervenções da ajuda humanitária vão contra os princípios de não intervenção e soberania dos Estados.

Uma grande parte dos autores acredita que os Estados usam os motivos humanitários como pretexto para atingirem interesses próprios. Os Estados confundem as razões para intervir e, segundo os realistas, as intervenções humanitárias são imprudentes pois não atendem aos interesses nacionais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Larry Minear (2002). The Humanitarian Enterprise: Dilemmas and Discoveries. West Hartford, CT: Kumarian Press. ISBN 1-56549-149-1.
  2. Waters, Tony (2001). Bureaucratizing the Good Samaritan: The Limitations of Humanitarian Relief Operations. Boulder: Westview Press.
  3. James, Eric (2008). Managing Humanitarian Relief: An Operational Guide for NGOs. Rugby: Practical Action.
  4. Ajuda humanitária brasileira abriga imigrantes haitianos (6 de Janeiro de 2012), visitado em 11/01/2012
  5. Ajuda humanitária dos Emirados Árabes. visitado em 11/01/2012

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ajuda humanitária
Ícone de esboço Este artigo sobre ajuda humanitária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.