Aksaray Malaklisi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Aksaray Malaklısı
Malakli
Nome original Aksaray Malaklısı
Outros nomes Malakli
País de origem  Turquia
Características
Peso do macho 50–65 kg
Peso da fêmea 40–55 kg
Altura do macho 74–81 cm
Altura da fêmea 70–79 cm

O Aksaray Malaklısı, também conhecido como mastim turco[1] ou mastim da Anatólia[2], é uma grande raça molossóide de cães guardiões de rebanhos. A raça provém da Anatólia central, mais concretamente da província de Aksaray, Turquia.[3] O Aksaray Malaklısı é o maior cão turco, superando o Kangal em tamanho.[4][5][6]

História[editar | editar código-fonte]

As origens do mastim da Anatólia não são claras. O malaklisi será certamenta o resultado do cruzamento moderno entre o mastim e o pastor-da-Anatólia por molde a obter um melhor cão de combate[7]. Com efeito, o pastor-da-Anatólia não é a melhor raça de combate, porquanto cessa de lutar assim que repare em quaisquer sinais de submissão do adversário, ao contrário de outras raças mais implacáveis, como o Staffordshire Terrier americano.[3]

Para certos autores, sem embargo, trata-se de um molosso de guerra, originário já dos tempos da antiguidade mesopotâmica, respaldando-se em relevos assírios, alusívos cães de guerra, encontrados na antiga cidade de Nínive, como fundamento[8]. Em todo o caso, segundo Orhan Yilmaz e Gökhan Aslım, especialistas em pastores-da-Anatólia e em mastins turcos, a primeira destas teses será a mais verosímil.[9][2] Isto porque, a aceitar-se o postulado da segunda tese, o mastim turco teria necessariamente de já ser conhecido há séculos, coisa que, de acordo com a Federação canina Turca (KIF)[10] e a Federação cinológica Internacional, não corresponde há verdade.[11]

O mastim da Anatólia ter-se-á criado na província de Aksaray, uma região da Anatólia central que abarca localidades como a Cónia e Niğde. Daí que esta raça também dê pelo nome de Malaklisi de Aksaray.[2][7] Pelo que o seu nome, além de alusivo a essa região da Anatólia, ainda comporta o étimo turco «malak», que significa «búfalo»[12], sob a forma do termo derivado «Malaklısı», que significa «como búfalo», sendo que, por seu turno, esta expressão também pode assumir o significado de "com lábios de búfalo; beiçudo", por remissão aos notáveis lábios negros pendentes desta raça de cão, que lembram os de um búfalo[13].

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hancock, David (2014). Dogs of the Shepherds : A Review of the Pastoral Breeds. [S.l.]: Crowood. 240 páginas 
  2. a b c Aslım, Gökhan (2017). Breeding Aksaray Malaklısı in folklore of Aksaray Province. Aksaray, Turkey: Eurasian Journal of Veterinary Sciences. pp. 148–156 
  3. a b Serpell, James (1995). Origins of the dog: domestication and early history. In: The domestic dog, its evolution, behaviour and interactions with people. Cambridge, UK: Cambridge University Press. pp. 7–20. ISBN 0521415292 
  4. «Aksaray Malaklısi Doge Features (em turco)». Consultado em 14 de fevereiro de 2018. Arquivado do original em 14 de fevereiro de 2018 
  5. Aksaray Malaklısı yavru ve yetişkin Malaklı köpekleri
  6. Raças de cães da anatólia (em inglês)
  7. a b ZEDER, MELINDA; BRADLEY, DANIEL (2006). Documenting Domestication: New Genetic and Archaeological Paradigms. Oakland, Ca, USA: University of California Press. 375 páginas 
  8. «::.Karabash.eu.:. Berger d'Anatolie, Kangal, Karabash - tous chiens de protection de troupeaux ?.::». www.karabash.eu. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  9. Yilmaz, Orhan (2015). TURKISH KANGAL (KARABASH) SHEPHERD DOGS RAISED IN EUROPE. Ankara, Turkey: Department of Animal Science, Faculty of Agriculture, Ankara University 
  10. «Köpek Irkları ve Kinoloji Federasyonu». www.kif.org.tr. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  11. «FCI - Fédération Cynologique Internationale». web.archive.org. 11 de fevereiro de 2011. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  12. «Malak >> Sözlük İngilizce Türkçe Çeviri Fransızca Almanca Rusça İspanyolca İtalyanca - TurkceSozluk.NET». www.turkcesozluk.net. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  13. «EN-5». web.archive.org. 15 de maio de 2016. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hancock, David (2014). Dogs of the Shepherds: A Review of the Pastoral Breeds. [S.l.: s.n.] ISBN 9781847978097 
  • Kojima, Toyoharu (2005). Legacy of the Dog: The Ultimate Illustrated Guide. [S.l.: s.n.] ISBN 9780811851138