Alí Rodríguez Araque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013).
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Alí Rodríguez Araque
Secretário-geral da Unasul Flag of UNASUR.svg
Período 11 de junho de 2012
até 21 de agosto de 2014
Antecessor María Emma Mejía
Sucessor Ernesto Samper
Ministro de Energia e Minas Coat of arms of Venezuela.svg
Período 2010-2012
Antecessor Ángel Rodríguez
Sucessor Héctor Navarro
Ministro da Economia Coat of arms of Venezuela.svg
Período 15 de junho de 2008
a 15 de janeiro de 2010
Antecessor Nicolás Maduro
Sucessor Jorge Giordani
Dados pessoais
Nascimento 9 de setembro de 1937
Ejido
Morte 19 de novembro de 2018
Havana, Cuba
Nacionalidade venezuelano
Partido PSUV
Profissão Advogado
diplomata

Alí Rodríguez Araque (Ejido, 9 de setembro de 1937 - Havana, 19 de novembro de 2018) foi um diplomata venezuelano, foi Secretário-geral da Unasul. Ao longo de sua trajetória política, ocupou o Ministério das Relações Exteriores, o Ministério de Energia e Minas e a presidência da PDVSA, a companhia petrolífera estatal da Venezuela.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Alí Rodríguez nasceu em Ejido, estado de Mérida, em 9 de setembro de 1937. Graduou-se advogado pela Universidade Central da Venezuela e desde então especializou-se nos estudos da indústria petrolífera, tendo publicado inúmeras obras sobre o tema.

Durante as décadas de 1960 e 1970, Rodríguez tornou-se guerrilheiro ao lado dos grupos de esquerda e contra o bipartidarismo que havia se instalado no país. Rodríguez assumiu o pseudônimo de Comandante Fausto e liderou frentes de protestos contra os partidos Copei e URD, de direita. Em 1966, filiou-se ao Partido da Revolução Venezuelana, de orientação marxista. Em 1979, porém, após uma crise interna, desligou-se do PRV e fundou um grupo de guerrilha independente; mesmo após a anistia concedida pelo presidente Rafael Caldera.[carece de fontes?]

Em 1983, Rodríguez seguiu carreira parlamentar, representando o estado de Miranda no Congresso da República. Migrou do partido Causa Radical e aliou-se à coligação que anos depois deu origem ao Pátria para Todos, herdeiro da ideologia social-democrata. Apoiou o Golpe de Estado de 1992 e a eleição de Hugo Chávez para presidente.