Al Qal'a dos Beni Hammad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif al Qal'a dos Beni Hammad *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Kalaa des Beni Hammad.2.jpg
Minarete da mesquita de al Qal'a
País  Argélia
Tipo Cultural
Critérios (iii)
Referência 102
Região** Estados Árabes
Coordenadas 35° 49' 6" N 4° 47' 13" E
Histórico de inscrição
Inscrição 1980  (4ª sessão)
Extensão 150 ha (1,5 km²)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Al Qal'a dos Beni Hammad (em francês: La Kalâa des Béni Hammad; em árabe: قلعة بني حماد) ou Al Qal'a dos Banu Hammad é um sítio arqueológico localizado na Argélia. Situado a uma altitude de 1.418 metros, no flanco sul das montanhas Djebel Maâdid, encontra-se 36 km a nordeste da cidade de M'Sila e cerca de 225 km a sudeste de Argel. Desde de 1980 integra a lista do Patrimônio Mundial da UNESCO[1].

História[editar | editar código-fonte]

A cidade fortificada de Al Qal'a dos Beni Hammad foi fundada em 1007, pelo emir hamadita Hammad ibn Bologhine, filho do fundador de Argel e da dinastia hamadita Bologhine ibn Ziri. A cidade se tornou a primeira capital do emirado e sustentou o cerco do Zirid, em 1017. Em 1090 foi abandonada durante as invasões hilalianas e em 1152 foi parcialmente destruída pelos Almóadas.

Patrimônio Mundial[editar | editar código-fonte]

Em 1980, o Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO, em sua quarta (4ª) sessão [2], homologou a inscrição do sítio na lista do Patrimônio Mundial - Região Estados Árabes.

O sítio é tido como um dos mais significativos vestígios da desaparecida civilização hamadita e é representativo da influência sob a arquitetura, concepção artística e urbanística árabe nos séculos seguintes, em regiões como o Magrebe, Andaluzia e Sicília, quando estas estiveram sob domínio dos mouros[3].

O Qal'a compreende, dentro de 7 km de muralhas parcialmente desmanteladas, um grande número de vestígios monumentais, entre os quais estão a grande mesquita e seu minarete, e uma série de palácios. A mesquita, com seu salão de oração composto por 13 naves de 8 baías, é segunda maior da Argélia[3] e apresenta os mesmos aspectos arquitetônicos e representações morfológicas da Grande Mesquita de Cairuão, outro importante monumento religioso islâmico do Magrebe. Os restos do palácio do emir, conhecido como Dal al-Bahr, incluem três residências separadas por jardins e pavilhões[4].

Referências

  1. Al Qal'a of Beni Hammad. UNESCO World Heritage Centre - The List (whc.unesco.org). Em inglês ; em francês ; em espanhol.
  2. UNESCO-WHC - 4ª sessão (texto oficial) - (realizada de 1 a 5 de setembro de 1980 - Paris, França) - ('em inglês') ; ('em francês'). Visitadas em 25 de março de 2016
  3. a b Centre, UNESCO World Heritage. «Al Qal'a of Beni Hammad». whc.unesco.org (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2017 
  4. Governo da Argélia - Al Qal'a of Beni Hammad - ('em inglês'). Visitada em 31 de março de 2016
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Al Qal'a dos Beni Hammad
Ícone de esboço Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.